Quantcast
PplWare Mobile

Tags: Produção

Produção em massa da Cybertruck volta a ser atrasada, mas nem tudo são más notícias

A Cybertruck da Tesla veio mudar a forma como o mercado olha para os carros elétricos e o que estes podem oferecer. Com um design completamente diferente, esta quer quebrar várias barreiras e limites que estes veículos têm.

Se no campo da estética e do desempenho promete ser completamente diferente, há algo que tem deixado todos surpresos. Mesmo com um elevado interesse, a Tesla insiste em adiar a sua produção. Agora, voltou a ver a sua data adiada, mas nem tudo são más notícias.

Cybertruck Tesla produção Elon Musk pickup


Europa poderia deixar de estar dependente das baterias da China em 2027

Muito água já correu no rio das baterias e estudos atrás de estudos tentam perceber quando é que a Europa conseguirá ser independente neste sentido. Ora, um novo relatório concluiu que a independência face à China para a produção de baterias de elétricos poderia chegar, em 2027.

Mas, para isto, a Europa precisaria de arrojar, em termos de visão e, claro, investimento.

Produção de baterias de carros elétricos


Zimbabué proíbe exportação de lítio em bruto

Sendo o lítio essencial para a produção de baterias e sendo estas um dos principais componentes dos elétricos, a sua relevância tem aumentado, pelo mundo todo. Os países que o exploram estão a abrir os olhos e, no caso do Zimbabué, já há mudanças: o país deixará de exportar o mineral em bruto.

Isto, porque percebeu que estava a perder (muito) dinheiro.

Lítio no Zimbabué


Porsche já iniciou a produção industrial de combustíveis sintéticos, no Chile

Cada vez mais, os clientes estão atentos e, à partida, exigem opções diversificadas no mercado, por forma a garantir que encontram aquela que melhor se adequa à sua necessidade e vontade. Consciente da necessidade desta resposta e com os olhos postos no seu objetivo, a Porsche já abriu a sua fábrica de combustíveis sintéticos, no Chile.

As metas estabelecidas pelos países estão, a par dos consumidores, a motivar as mudanças nas fabricantes.

Fábrica piloto da Porsche, “Haru Oni”, em Punta Arenas, no Chile

Fábrica piloto da Porsche, “Haru Oni”, em Punta Arenas, no Chile


China vai investir US$ 143 mil milhões na sua indústria de chips para competir com os EUA

A relação entre os Estados Unidos e a China nunca foi um mar de rosas, mas nos últimos meses a tensão tem aumentado e o impacto afeta sobretudo o mercado tecnológico. O país asiático enfrenta duras barreiras na aquisição de componentes e, como alternativa, tem-se focado em criar os seus próprios equipamentos.

Como tal, as mais recentes notícias indicam que a China vai agora investir um total de 143 mil milhões de dólares na sua indústria de chips para competir com os EUA.