Quantcast
PplWare Mobile

Tags: mineração de criptomoedas

No Vietname já se lavam com água as gráficas de mineração para serem vendidas

Tal como já sabemos, a mineração de criptomoedas através de placas gráficas está morta, pois o algoritmo da Ethereum foi alterado de Proof of Work (PoW) para Proof of Stake (PoS). Portanto, o destino das GPUs acaba por ser a venda, embora com a condicionante de serem equipamentos usados.

Mas parece que no Vietname encontraram uma possível solução para a venda destes produtos. Estão a circular alguns vídeos que mostrar algumas pessoas do país a lavar com água as placas gráficas usadas para minerar para depois serem vendidas.


Sem a mineração de criptomoedas, preço das placas gráficas usadas cai 40%

Tal como já se esperava há algum tempo, finalmente a criptomoeda Ethereum alterou oficialmente o seu algoritmo de Proof of Work (PoW) para Proof of Stake (PoS). E esta mudança implica que a mineração desta moeda digital já não vai ter que ser feita através de placas gráficas.

Desta forma, as recentes informações indicam que, depois desta alteração, o preço das placas gráficas usadas já teve uma queda de 40%.


Acabou oficialmente a mineração da criptomoeda Ethereum com placas gráficas

A mineração de criptomoedas tem sido um dos temas mais noticiado no que respeita aos criptoativos. E sobretudo a mineração da popular moeda Ethereum acabou por ser destaque em vários canais de tecnologia em todo o mundo, pelas mais variadas razões, como desde a enorme quantidade de placas gráficas usadas para esta prática, como também o significativo consumo energético necessário para tal.

No entanto, tal como já se vinha a informar durante as últimas semanas, tudo isto deixou de ser uma preocupação e passou a pertencer ao passado, pois a partir de agora, a Ethereum mudou a sua dinâmica de Proof of Work (PoW) para Proof of Stake (PoS).


EUA alertam os mineradores de criptomoedas que devem reduzir o consumo de energia

Embora já não se fale com tanta frequência sobre o tema, o que é facto é que a mineração de criptomoedas é uma realidade que continua a existir, apesar de ter enfraquecido devido à queda da valorização de determinadas moedas populares.

Por outro lado, várias notícias mostram que esta é uma prática que necessita de uma quantidade de energia bastante elevada. Como tal, e devido à situação climática que estamos a viver, os Estados Unidos alertaram recentemente os mineradores de criptomoedas para que estes reduzam o consumo energético.


GPU Intel ARC A380 consegue minerar a criptomoeda Ethereum a 10,2 MH/s

Já há algum tempo até esta parte que não se ouve falar, pelo menos com tanta frequência, na mineração de criptomoedas. A atividade teve uma quebra depois da recente desvalorização das moedas digitais, sendo que muitos mineradores acabaram mesmo por vender os seus equipamentos, como as placas gráficas e ASICs.

No entanto, a mineração ainda se pratica e certamente que as poderosíssimas gráficas da próxima geração da Nvidia e da AMD vão ser chips aliciantes para impulsionar os resultados obtidos. Até lá, alguns utilizadores realizaram testes com a nova Intel ARC A380 e concluiram que esta GPU consegue minerar a criptomoeda Ethereum com uma taxa de hash de 10,2 MH/s.