Quantcast
PplWare Mobile

Tags: espaço

Como será conduzir com a gravidade da Lua, de Júpiter ou do Sol?

A gravidade é uma importante força da natureza. Como tal, tudo neste planeta é influenciado pela gravidade. Mas como seria, por exemplo, conduzir se tivéssemos a gravidade da Lua? E se fosse a de Júpiter ou de Marte?

Se a gravidade da Terra tem um valor aproximado de 9,8 m/s², como será conduzir um carro com a gravidade do Sol? Vamos ver um jogo fantástico que nos pode dar esses exemplos.

Ilustração de como será conduzir na lua com a sua gravidade


NASA quer transformar uma cratera da Lua num telescópio gigante

A NASA desde há muitos anos que olha para a Lua como a base natural para exploração do Universo. O nosso satélite natural tem condições favoráveis para permitir conhecermos muito melhor o Espaço. Um dos projetos que a agência espacial está a explorar é a criação de uma base lunar. Contudo, há outras inovadoras ideias para o solo da Lua. Usar uma cratera para construir um radiotelescópio gigante é uma delas.

Apesar de estar já em desenvolvimento o Telescópio Espacial James Webb, estão também a ser desenvolvidas novas ideias para os futuros telescópios.

Imagem de cratera da Lua que poderá funcionar como telescópio


NASA captou imagens impressionantes de umas faixas na superfície de Júpiter

Júpiter é um astro fantástico em vários aspetos, não só por ser o maior planeta do Sistema Solar. Ao longo dos tempos tem-se destacado pelas admiráveis cores da sua superfície. Aliás, as suas manchas são alvo de constante atenção, para verificar se este gigante gasoso está a mudar. Como tal, a sonda Juno da NASA fotografou recentemente umas faixas marcantes nas tumultuosas regiões norte do planeta.

Estas imagens foram captadas pela nave durante aproximação do planeta, no dia 17 de fevereiro deste ano.

Imagem de Júpiter pela câmara de Juno, a sonda da NASA


Borisov, segundo viajante interestelar partiu-se em dois e veio para “morrer”

Oumuamua e Borisov são os dois únicos objetos interestelares que foram “avistados” a passar pelo Sistema Solar. O primeiro foi descoberto a 19 de outubro de 2017. Na altura, este enigmático asteroide foi mesmo alvo de especulação quando foi referido por alguns investigadores poder tratar-se de uma nave alienígena encalhada. Posteriormente, a 30 de agosto de 2019, um astrónomo amador, Gennady Borisov, descobria aquele que era o segundo viajante vindo de muito longe.

Agora, os astrónomos estão quase certos de que o 2I/Borisov é um cometa e que se parece bastante com os cometas que temos no “nosso bairro cósmico”. No entanto, o corpo acaba de proporcionar uma surpresa: começou a dividir-se em dois. Como já foi previsto, é provável que tenha chegado até aqui para “morrer”.

Imagem cometa Borisov


Mercúrio poderá abrigar vida, dizem os cientistas

Mercúrio tem despertado uma renovada atenção. Depois dos cientistas se interessarem pela possibilidade de ter gelo e pelo estranho campo magnético, agora os investigadores debruçam-se sobre outro foco.

De acordo com um estudo publicado na semana passada, há uma hipótese minúscula de que Mercúrio, o vizinho mais próximo do Sol, tenha tudo o que precisa para hospedar a vida.

Imagem ilustrativa de água no planeta Mercúrio