Quantcast
PplWare Mobile

Tags: robots

Restaurante no Reino Unido troca empregados por robots

Há um restaurante no Reino Unido que fez uma mudança radical na sua dinâmica de servir às mesas. Designado de Robotazia, o restaurante substituiu os empregados humanos por robots.

Esta alteração permitiu que o estabelecimento funcionasse melhor durante a pandemia, uma vez que, desta forma, foi possível manter o distanciamento social para prevenir a transmissão da doença.

PUB


Maioria acha “aceitável” a inclusão de robots no local de trabalho

Robots no local de trabalho, a realizar algumas tarefas que poderiam ser feitas por humanos, é um panorama que não agrada a todos. No entanto, recentemente noticiámos que um estudo dava conta que 64% das pessoas confia mais num robot do que no seu gerente.

Assim, lançámos uma sondagem sobre o tema, para saber qual a opinião dos nossos leitores.

PUB


Qual a sua opinião sobre a inclusão de robots no local de trabalho?

A ideia de haver robots nas empresas, a realizar o trabalho dos funcionários, pode gerar medo nalgumas pessoas. No entanto, um estudo recente mostrou que 64% das pessoas confia mais num robot do que no seu gerente.

Aproveitando o tema, na nossa questão desta semana pretendemos saber qual a sua opinião sobre a inclusão de robots no local de trabalho.

PUB


Estudantes no Japão podem enviar um robot para a escola nos dias em que estão doentes

A tecnologia está cada vez mais presente na nossa vida e permite-nos realizar feitos que há uns anos eram dignos de ficção científica. Um passo nesse sentido está a ser feito atualmente no Japão, em que os alunos que estão doentes podem enviar um robot para a escola.

De forma incrível, o aluno pode assim usufruir da experiência de estar na sala de aula… Onde, para além de ouvir as lições do professor, pode inclusivamente intervir como se estivesse presente no local!

Estudantes no Japão podem enviar um robot para a escola nos dias em que estão doentes OriHime

PUB


Marinha Portuguesa tem unidade que desenvolve drones de guerra com brinquedos

A Marinha Portuguesa, comparativamente à de outros países, não tem um orçamento tão alargado. Contudo, tal não a impede de inovar. Através da Célula de Experimentação Operacional de Veículos Não Tripulados (CEOV), tem desenvolvido drones e robôs de guerra recorrendo a componentes provenientes de brinquedos e demais peças de objetos do quotidiano.

Este projeto tem dado frutos e, apesar de o foco não estar em criar soluções definitivas para combate, tem como principal objetivo estudar contramedidas contra os inimigos mais inovadores.

Marinha Portuguesa tem uma unidade que desenvolve drones de guerra com brinquedos Célula de Experimentação Operacional de Veículos Não Tripulados (CEOV)

PUB