Quantcast
PplWare Mobile

Tags: coronavírus

Twitter assinala e limita o tweet de Trump onde diz estar imune à COVID-19

Recentemente o presidente dos EUA anunciou ao mundo que estava infetado com a COVID-19. Mas, pouco depois de ter entrado em quarentena, Donald Trump regressou à Casa Branca e teve o polémico comportamento de tirar a máscara.

No entanto, Trump partilhou recentemente no seu Twitter que estaria imune ao novo coronavírus. Como resposta, a rede social assinalou e limitou a partilha deste tweet do presidente norte-americano.


Coronavírus pode estar presente até 28 dias no ecrã de um smartphone

Já se passaram alguns meses desde que se descobriu que o mundo iria ser ameaçado por um novo vírus. Parece muito tempo, mas no campo da investigação não é bem assim, pois são precisos estudos, testes, validações, etc… tudo é muito complexo e leva muito tempo.

Um estudo australiano revela agora que o novo coronavírus pode estar presente um mês em notas de papel e ecrãs táteis. Mas há outras conclusões interessantes.

Coronavírus pode estar presente até 28 dias no ecrã de um smartphone


COVID-19: Imagens microscópicas mostram o coronavírus a infetar células

Desde que o novo coronavírus foi detetado, a investigação à escala mundial tem tentado descobrir uma forma de controlar o vírus. Até ao momento existem já vários estudos e até algumas descobertas interessantes.

Através de imagens microscópicas é possível ver o novo coronavírus a infetar células.

COVID-19: Imagens microscópicas mostra o coronavírus a infetar células


COVID-19: Lab. do Porto descobre anticorpos para coronavírus

O mundo corre contra o tempo na procura de uma solução para a COVID-19. Nesta investigação, de escala global, Portugal também tem dado o seu contributo.

A FairJourney Biologics, empresa de biotecnologia do Porto, anunciou recentemente que descobriu 15 anticorpos com potencial para tratar pacientes infetados com o vírus SARS-CoV-2 e para proteger a população com maior risco de ser infetada.


Coronavírus pode-se adaptar às “barreiras” como por exemplo à máscara

O novo coronavírus, associado à doença COVID-19, pode ter sofrido mutações e estar agora até mais contagioso, de acordo com um estudo recente. O mais incrível é que o novo coronavírus pode até estar-se a adaptar às “barreiras de proteção” usadas pelos humanos.

Uso de máscara, lavagem de mãos e distanciamento físico podem não chegar como proteção ao novo coronavírus.