Quantcast
PplWare Mobile

Categoria: Ciência

Asteroide próximo da Terra afinal pode ser um pedaço da Lua

Foi descoberto em 2016 e recebeu o nome de asteroide Kamo’oalewa, também conhecido como “mini-lua”. Este pedaço de rocha tem cerca de 40 metros de diâmetro, é redondo e quando está “perto” da Terra está a uma distância de 5.210.000 km. Tem a particularidade de perseguir o nosso planeta há cerca de 500 anos e, segundo os cálculos, ainda estará por cá mais umas centenas deles. No entanto, só agora se chegou à conclusão que esta rocha poderá, afinal, ser um pedaço da nossa Lua.

Não é fácil perceber a origem destas rochas, ditas como sendo um quase-satélite – uma subcategoria de asteroides próximos da Terra que orbitam o Sol. Estes objetos são ténues e difíceis de observar.

Imagem de asteroide que é um pedaço da Lua


EUA acusam Rússia de disparar míssil antissatélite! Astronautas em risco

Os Estados Unidos já vieram condenar, com “veemência”, o disparo de um míssil antissatélite feito pela Rússia. O disparo originou milhares de destroços que ameaçam os astronautas na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla inglesa).

Os astronautas da NASA Raja Chari, Kayla Barron e Tom Marshburn, o astronauta Matthias Maurer da Agência Espacial Europeia (ESA), tiveram que se refugiar na cápsula Dragon da SpaceX, através da qual chegaram apenas há uns dias.

EUA acusam Rússia de disparar míssil antisssatélite! Astronautas em risco


Pedaço de satélite chinês por pouco não atingiu a Estação Espacial Internacional

A órbita da Terra está cada vez mais saturada e o lixo espacial começa a ameaçar de forma severa não só os satélites em funcionamento como também a Estação Espacial Internacional (ISS). No início desta semana, a ISS foi forçada a manobrar para fora da rota de colisão com um potencial pedaço de lixo espacial. Este acontecimento exigiu uma ação urgente por forma a não haver dano do observatório que tem atualmente uma tripulação de 7 pessoas, entre astronautas e cosmonautas.

No passado dia 11 de setembro o alarme tocou quando um pedaço de um satélite chinês se dirigia como uma bala contra a ISS.

Ilustração de lixo espacial em volta da Terra e que pode atingir a Estação Espacial Internacional


Startup espacial quer colocar satélites em órbita usando a força centrífuga

Como todos temos notado e acompanhado, neste século XXI há uma nova corrida espacial, principalmente entre a SpaceX e a Blue Origin. Estas empresas, com a Virgin Galactic pelo meio, concentram esforços e recursos no lançamento de satélites para o espaço e nas suas cápsulas dedicadas ao chamado turismo espacial. No entanto, o método usado, apesar de ter evoluído, continua a recorrer ao tradicional foguetão. É caro!

Numa tentativa de inovar – e quem sabe revolucionar, a forma de colocar naves em órbita, uma pequena empresa espacial, a SpinLaunch, está a desenvolver um método mais barato e ambientalmente mais limpo de lançar satélites. A força centrifuga (spin-launch) poderá ser uma solução.


Astronautas da missão Crew-3 detetaram um OVNI próximo da Estação Espacial

Durante o voo de aproximação da cápsula Crew Dragon, da Space X, à Estação Espacial Internacional, um dos astronautas reparou num objeto próximo da nave que se parecia com um botão rugoso. Nesse momento, o acontecido foi relatado ao controlo da missão, na SpaceX, que descansou a tripulação, dizendo que o que foi visto não representava qualquer preocupação.

Apesar de não ser possível a identificação do que foi avistado, acredita-se que poderá ser uma “pequena porca mecânica” que flutuava através do campo de visão da câmara. Mas de onde viria esse objeto?

Imagem Crew Dragon ao encontra com a Estação Espacial Internacional