Quantcast
PplWare Mobile

Tags: universo

Deserto Neptuniano: Astrónomos descobriram um novo exoplaneta

Que o Universo é gigante já todos sabemos. Aliás, sabemos também que, dele, conhecemos muito pouco e que representa ainda uma incógnita muito grande. No entanto, a tecnologia permite que este seja cada vez mais explorado e, assim, vão sendo encontradas novidades, como um planeta ou um exoplaneta, que despertam curiosidade nos especialistas.

Assim sendo, uma equipa de astrónomos descobriu um novo exoplaneta no Deserto Neptuniano.


Extinção em massa de há 360 milhões de anos pode ter sido provocada por uma supernova

Muitas vezes já aqui falámos sobre supernovas, o culminar da vida de uma estrela, numa explosão muito brilhante. Isto, porque o núcleo da estrela entra em colapso e explode no Universo.

De acordo com um novo estudo, um dos piores fenómenos de extinção da história da Terra pode ter sido provocado por uma supernova.


Aurora Boreal e Airglow: fenómenos registados em simultâneo pela ISS

O ser humano, ainda que nem sempre esteja atento, é constantemente presenteado. O remetente é o próprio Universo que promove incríveis e raros fenómenos que deslumbram o céu, tornando-o quase mágico e irreal.

Um membro da tripulação da Expedition 62 captou, a partir da Estação Espacial Internacional (ISS), o cruzamento de dois fenómenos absurdamente incríveis.


Estrela mais rápida da Via Láctea move-se a 8% da velocidade da luz

De algo tão extenso como o Universo onde estamos inseridos, esperam-se muitas novidades, muitas descobertas. A par de umas quantas recentes, foi agora encontrada a estrela mais rápida conhecida até hoje da nossa galáxia.

A recente descoberta chama-se S4714 e atinge uma velocidade de cerca de 8% da velocidade da luz.


Cientista calcula o fim do universo, será uma morte triste e solitária

Apesar de não conhecermos quase nada sobre o universo, podemos atrever-nos a teorizar e calcular sobre o seu fim. Segundo os cálculos do físico teórico Matt Caplan, o universo tal como o conhecemos terá uma morte lenta, quente e solitária. Contudo, escusam de começar a correr, porque este “fim anunciado” só acontecerá de hoje a triliões de anos. Portanto, há tempo!

Neste estudo, o físico olhou para o futuro das explosões estelares e para o que se conhece como o fim de corpos celestes. Vai ser triste.

Ilustração da Terra no fim do universo, segundo Matt Caplan