Quantcast
PplWare Mobile

Tags: satélites

Itália vai construir satélites para monitorizar desastres naturais

A Itália assinou este sábado os primeiros contratos para a construção de cerca de 50 satélites. Estes satélites irão servir para prever catástrofes ambientais e analisar possíveis riscos hidrogeológicos. O projeto IRIDE (íris, em português) está inserido no âmbito do programa europeu de observação da Terra.

O projeto de satélites terá um prazo de execução de cinco anos.

Itália vai construir satélites para monitorizar desastres naturais


Irão anunciou que testou “com sucesso” um lançador de satélites

Nas últimas semanas o Irão tem estado em destaque no mundo. Teerão reconheceu, pela primeira vez, que forneceu drones a Moscovo para o combate na guerra contra a Rússia. Teerão sublinhou, no entanto, que as entregas ocorreram antes do início da ofensiva russa na Ucrânia.

Mais recentemente foi anunciado que foi testado,”com sucesso” um lançador de satélites.


Cientistas russos querem lançar satélites para iluminar os céus com publicidade

Não, a ideia não é nova e, se passar à realidade, o planeta estará seguramente em maus lençóis. Isto porque investigadores russos sugerem que poderíamos enviar constelações de satélites para o espaço para exibir anúncios comerciais no céu noturno sobre as cidades.

O projeto, que dizem poder ser viável financeiramente, seria usar os Cubesat em órbita para refletir a luz solar em diversas formações.

Ilustração de ideia dos cientistas russos para colocar satélites para refletir publicidade


Satélites deverão ser retirados de órbita até 5 anos depois das missões concluídas

A poluição da humanidade há muito que passou da Terra para o espaço. O planeta está rodeado de lixo espacial que é cada vez mais um problema, colocando em perigo os satélites em funcionamento e missões futuras.

A FCC – Federal Communications Commission – dos Estados Unidos da América, avançou agora com aquela que pode ser apelidada de “regra dos 5 anos” e que quer obrigar à retirada de satélites, foguetões e outros detritos da órbita da Terra baixa, até 5 anos depois das missões terminarem.

Satélites deverão ser retirados de órbita até 5 anos depois das missões concluídas


Portugal: Tecnologia desenvolvida permite fazer satélites mais eficientes

As Universidades e Politécnicos de Portugal têm enormes provas dadas ao nível da investigação e não só. Recentemente, investigadores da Universidade de Aveiro (UA) comprovaram a eficiência de uma nova tecnologia usada em satélites.

Os investigadores conseguiram comprovar, ao fim de seis anos, a eficácia de um semicondutor de nitreto de gálio (gan).

Portugal: Tecnologia desenvolvida permite fazer satélites mais eficientes