Quantcast
PplWare Mobile

Tags: planeta

A Terra passou 500 milhões de anos a criar e a engolir continentes mortos

Se hoje a Terra é um lugar pacífico para se viver, em termos geológicos e de formação do planeta, nem sempre foi assim. Os primeiros 500 milhões de anos das ciências da Terra foram terríveis. Conforme mostra um novo estudo, na sua juventude, a Terra formou muitos novos continentes – depois engoliu-os a todos, deixando apenas alguns traços para trás.

Há cerca de 4 mil milhões de anos atrás, o nosso planeta era o que imaginamos como um inferno de fogo e destruição. Desse tormento nasceram os continentes, mas não os de hoje.

Ilustração da Terra na formação de continentes


Vivemos numa simulação de computador: Professor admite 50% de probabilidade

Em 2003, o filósofo Nick Bostrom, da University of Oxford, escreveu um artigo que deu muito que falar. Nele revelou a possibilidade de a nossa realidade ser uma simulação de computador sonhada por uma civilização alta e tecnologicamente avançada.

Agora, em 2020, um astrónomo da Columbia University analisou atentamente essas proposições e argumentou que existe 50 % de probabilidade de estarmos a viver numa simulação de computador.

Simulação de computador


Cientistas dizem ter encontrado o primeiro planeta fora da nossa galáxia

A cada passo são descobertos novos exoplanetas na nossa galáxia e outros elementos que até ali eram desconhecidos. Aliás, o primeiro exoplaneta foi detetado em 1992 e, desde aí, milhares de outros foram já analisados pelos cientistas. Assim, estes estimam que a Via Láctea conte com cerca de 40 mil milhões de mundos.

Apesar de se encontrar a uma distância absurda da Terra, uma equipa de cientistas diz ter encontrado o primeiro planeta fora da nossa galáxia.


Terra Pi: cientistas descobrem planeta que completa uma órbita em 3.14 dias

Recebemos diariamente novidades de descobertas feitas no Espaço, que o vão desconstruindo e nos fazem percebe-lo cada vez melhor. Agora, uma equipa de cientistas descobriu um planeta do tamanho da Terra que se desloca à volta da sua estrela durante 3,14 dias.

Num cruzamento entre a matemática e a astronomia, os cientistas apelidaram-no de Terra Pi (pi Earth).


Descoberto primeiro planeta intacto próximo de uma estrela em fim de vida

As investigações dos cientistas nem sempre têm bons resultados e demoram imenso tempo! No entanto, hoje é dia de uma grande descoberta. De acordo com a NASA, uma equipa internacional de astrónomos detetou aquele que pode ser o primeiro planeta intacto próximo de uma anã branca, estrela em fim de vida que normalmente destrói planetas na sua vizinhança.

Na descoberta do planeta, os astrónomos socorreram-se de um telescópio TESS e de um outro telescópio espacial, o Spitzer.

Foi detetado o primeiro planeta intacto próximo de uma estrela em fim de vida