Quantcast
PplWare Mobile

Estudo: não há diferenças entre os agressores online e da vida real em discussões políticas

                                    
                                

Fonte: The Free Press Journal

Autor: Marisa Pinto


  1. Hugo says:

    Discordo. Na vida real as pessoas, na sua grande maioria, são mais ponderadas e para além disso na Internet existem os trolls que se confundem com bullies embora se estejam apenas a divertir ao deixar o seu sarcasmo incendiar as redes sociais.
    Também acho que no cara a cara as discussões tendem a acabar mais rapidamente pois a conversa flui mais rapidamente e o argumentos têm de ser incisivos. Nas redes sociais dá-se a volta ao texto e qualquer afirmação serve pra discutir mais um pouco.

  2. Spoky says:

    Claro que não.

    Vejamos os exemplos das virgens ofendidas:

    Chamar branco a um branco: normal
    Chamar preto e a um preto: racismo

    Chamar hetero a um hetero > normal
    Chamar homossexuais / Gay / Ela ou ele > Homofóbico

    Não ter a mesma opinião sobre orientação sexual sobre ser gay nao ser normal > insignificante!

    Não gosto de África nem de alguns pessoas lá > Xenofobia

    Gosto de USA e dos comportamentos agressivos e vídeos de rapppers com navalhas, drogas, cães e gajas > normal

    Não gostar de ver mulheres com pelos > Machista

    Enfim, e depois vem os LGBT a chorar. Querem que a sua orientação sexual e opinião seja respeitada. Mas não conseguem.respeitsr quem tem uma opinião diferente e que não gosta da escolha.

    Não vamos rir.. literalmente a maioria das pessoas metidas em grupos e manifestações LGBT são virgens ofendidas. Enquanto isso podiam estar com o marido com marido.

    E claro casal de homens podiam até estar a se reproduzir… (Espera isso é possível não é)

  3. Jorge Cunha says:

    É preciso ter muito cuidado com estas questões, porque há uma linha ténue entre o insulto e a liberdade de expressão! À boleia de calar os insultos, espero que não nos retirem a liberdade de expressão!

    • ToFerreira says:

      Espero é que à boleia da liberdade de expressão não se caia numa “libertinagem de opinião”. É que, sendo difícil responsabilizar alguém online, cada um diz o que lhe apetece, sem consequências, e se o tentarem moderar atira com a “liberdade de expressão”.

  4. Manuel Ferreira says:

    hoje tudo é insulto, depende do estado emocional de cada um, mas penso que existe outro motivo por detrás deste estudo

  5. PorcoDoPunjab says:

    Eu gostava era de saber quem é que faz estes estudos.
    Devem ser mais uns sociólogos de uma das madrassas cá do sítio…

    • Vítor M. says:

      Manda-lhe um email a marcar um zoom.

      • PorcoDoPunjab says:

        Lamento, Victor, mas eu não quero proximidades com gente desta estirpe.
        Mas obrigado pela dica:)

        Só para ver como o autor deste ” estudo ” é um tretas, dou lhe desde já este exemplo.
        Com algumas agressões verbais que alguns users me têm feito, se mo fizessem cara a cara, antes de chegarem a meio da frase já estavam a receber energia cinética grátis nas ventas.
        Portanto, o que se tira daqui é, atrás de um teclado somos todos um Rambo, no mundo real já não é bem assim, se bem que alguns continuem iguais a maioria não tem nada a ver.

        Já me faz lembrar aquelas notícias em que apanham um serial killer, um pedófilo, um terrorista, e os vizinhos ficam todos surpreendidos porque ele era uma pessoa super simpática para todos e nunca desconfiaram de nada…

  6. AlexX says:

    Se por um lado é verdade que não existe diferença entre os agressores online e a vida real, por outro lado não implica serem os mesmos. A Internet funciona para muitos como uma segunda vida, e tal como há pessoas boas que mostram o seu lado mau na Internet, também há pessoas más que mostram o seu lado bom na Internet. É um mundo cheio de desiquilibrados 😀 Mas a maioria das pessoas é ainda boa nas suas intenções e ações. Não estará errado dizer que o mal tem crescido estatisticamente mas não acho no entanto correcto atribuir culpas por isso à Internet, política ou redes sociais. É tudo no seu conjunto. Maus exemplos chegam de muitas frentes e sendo o ser humano tão facilmente programável, é muito fácil para este assimilar maus exemplos qualquer que seja a sua fonte, e achar serem um comportamento normal quando não existe quem os corrija. Há um pequeno clip com texto elaborado pela malta da Academy of Ideas e que recomendo vivamente, mostra duma forma muitíssimo resumida como chegámos aqui apesar de tanto estudo já feito acerca do comportamento humano. Muito mais haveria a dizer mas só a imensa minoria presta atenção a estas coisas: MASS PSYCHOSIS – How an Entire Population Becomes MENTALLY ILL

    • SANDOKAN 1513 says:

      “…e sendo o ser humano tão facilmente programável…” Como ?? Será que estou a ler direito ?? O ser humano ser programável ?? Mas agora nós somos algum tipo de máquina ?? Esta agora… 😐

      • PorcoDoPunjab says:

        Ah pois somos máquinas somos. E bem controlados.
        Para que pensa vc que serve a comunicação social?
        Para o informar imparcialmente? LOL…;););)

      • PePe says:

        Nem tu sabes o quanto… não dás é por isso.

      • AP says:

        Então e os chips das vacinas, servem para quê?

      • AlexX says:

        Mais que máquinas, um robot muito avançado que se move a electricidade. Com uma consciência, ou filamentos eléctricos invisíveis ligados ao cosmos. Como a maioria renegou esta última parte e com isso a intuição e criatividade, passaram a ser simples robot operados a lógica e outros conceitos que lhes foram instalados. Não é por acaso que tens o programa escolar, programa alimentar, programa de férias, programa eleitoral, programa televisivo, agenda de programas etc. E num modo bruto ou forçado, mk ultra que já foi desclassificado.

        Não recordas os Salada de Frutas?
        Olhó robot
        É p’ró menino e p’rá menina
        Trabalha muito e gasta pouco
        É muito útil p’ra quem manda
        Está pronto a ser programado.

        Lena nunca te diria isso mas digo eu; referiam-se a pessoas, não ao Robocop nem a bonecos a pilhas ou robótica industrial.

  7. jack says:

    Alguns que insultam online, não terão coragem para o fazer cara a cara, o que é natural não acham? A coragem cai ao chão com medinho de levar nas orelhas d`osso

    • PorcoDoPunjab says:

      Como dizia um conhecido meu Xuxareco no outro dia, , o que faz falta a alguns é um dildo terapêutico, ou seria um cacete ou um cassetete?
      Fiquei sem perceber o que ele prefere… provavelmente, tudo…
      Ele há coisas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.