Quantcast
PplWare Mobile

Toyota considera que nem todos devem conduzir um carro elétrico

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. jedi says:

    Concordo, da mesma forma que existe gasoleo, gasolina e gas natural. Devia haver outras tecnologias / formas mais limpas para além de puramente eléctricos.

  2. Luís Silva says:

    Claro!
    Imaginem os biliões de carros a consumir eletricidade somada à eletricidade que hoje em dia se gasta no consumo doméstico, comercial e industrial. De onde virá tanta produção de eletricidade? O mundo será “meio globo” de estacionamento para estações de carregadores e, de centrais de produção eólica, hídrica e solar.

    • Miguel says:

      Tens de começar por perceber que não vai haver 250 carros por pessoa.

      Depois
      esquece o que leste no faKebook
      e procura saber quantos litros de combustível rodoviário se vendem por mês
      para quantos km dão esses litros vendidos por mês
      quantos kWh são necessários para fazer esses km
      e, por fim, que esses kWh todos são 2% do total de kWh atualmente consumidos

      Tem cuidado que te vai ficar a doer a cabeça com a dificuldade dos cálculos envolvidos

      • yamahia says:

        2%??? Nem por sombras. O que gasto de electricidade em casa são 343 kWh /mês, daria para percorrer num carro eléctrico relativamente económico apenas 2200 kms.

        • Miguel says:

          Tens de começar por perceber que
          o País não cabe na tua casinha…

          • Yamahia says:

            Pois claro que não.
            Agora é só pensar que existem 5,5 milhões de casas vs aprox. O mesmo nr. de carros particulares.
            Só por aí já se vê que a rede não iria aguentar.

          • Miguel says:

            sim
            a indústria do País cabe na tua casinha

            está bem

          • Miguel says:

            a média de km/dia desses alguns milhões de carros é inferior a 25.

            gastas mais eletricidade enquanto estás a fazer o jantar do que a carregar o carro.

          • Miguel says:

            Como não deves ter percebido ali em cima
            repito para leres com mais atenção

            Esquece o que leste no faKebook
            e procura saber quantos litros de combustível rodoviário se vendem por mês
            para quantos km dão esses litros vendidos por mês
            quantos kWh são necessários para fazer esses km
            e, por fim, que esses kWh todos são 2% do total de kWh atualmente consumidos

            Tem cuidado que te vai ficar a doer a cabeça com a dificuldade dos cálculos envolvidos

          • RC says:

            Nem mais, eu tenho carro eléctrico e a energia que gasto por mês com ele é uma pequena percentagem do que gasto em casa.

          • ohg says:

            essa fórmula tem falhas: temos de adicionar outros factores como compar os custos de manutenção, reparação em caso de acidente, tempo de vida útil das baterias de lítio e substituição, entre outros. Nada disto sai barato comparado aos veículos de combustão.

          • RC says:

            Ohg, a manutenção anual é mais barata, aliás, muito mais barata, até porque muitas das marcas nem a têm como anual, a tesla até nem obriga a fazer manutenção, aconselha sim a verificar tais pontos.

            Tal como nos a motores a combustão, as baterias também têm uma vida util, com os preços atuais já sai mais barato meter uma bateria nova do que trocar um motor, a prova é simples, uma bateria para um leaf custa 7000 euros, quanto custa um motor novo para um carro idêntico ? Não estou a falar em segunda mão, até porque baterias em segunda mão também existem, eu tenho uma no meu veiculo.

        • RC says:

          Eu tenho carro eléctrico e tenho paineis no telhado, os 1500 a 1800 kms por mês são abastecidos pelos paineis.

          Em Portugal se todos os carros forem teslas p100d o aumento de consumo atual é de 14 a 15%, se é muito ? é, mas desde 2009 e 2016 houve um aumento de 21 % na produção em relação ao consumo atual

        • RC says:

          Eu carro relativamente economico não consome 15 kwh, isso já é um tesla, eu tenho uma carrinha peugeot partner e faço entre 12 e 13.kwh, há carros a fazer menos de 10.

          Mas tudo bem, fazemos contas com o pior dos cenários.

      • Pedro V says:

        Até podias ser o Einstein, o maior génio do planeta, agora, Educação e Formação não tens nenhuma.

        “O Ministério da Defesa austríaco enviou um aviso urgente aos cidadãos do seu país, alertando para o risco de haver uma falha no fornecimento de infraestrutura elétrica na Europa.”

        “Alternativas renováveis ​​não são suficientes para o aumento exponencial da procura de energia elétrica, com recursos insuficientes para abastecer toda a população. Não é uma situação que afeta o preço da eletricidade como aconteceu nos últimos meses, mas afeta sim o fornecimento direto de luz.

        Esta é uma situação crítica que já começou na Europa e, apesar de tentar evitá-la, pode ser iminente. O Ministério da Defesa austríaco mostra-se preocupado com o grande apagão, garantindo que este é apenas o início de uma crise que afetará todos os aspetos e serviços do dia a dia da população.”

        • RC says:

          então quer dizer que hidrogénio é uma solução muito pior.

          • zakarias says:

            Como assim? E exactamente o contrario, o hidrogénio é armazenavel

          • RC says:

            Sim é, o problema é que gasta 100 para depois aproveitar 30 , não se esqueça das pressões envolvidas e dos custos que isso tem, um compressor para comprimir 1 kg de hidrogénio gasta 2 a 4 kwh.

            A energia nas baterias dos veiculos fica lá até a gastar, ou seja, também é armazenavel.

    • Grunho says:

      Um litro de gasolina contém o equivalente a 9 kwh e um de gasóleo quase 11. Um Tesla model 3 gasta à volta de 18 kwh/100. Bastaria converter em electricidade todo o combustível fóssil que hoje se consome para dividir logo por 2 ou mais o consumo de energia e as emissões.

      • eu2 says:

        Só que converter cada litro de gasolina em eletricidade provavelmente seria tão eficiente como usá-lo num carro, com perdas em calor. Então seria cerca de 3kWh por litro.
        https://www.quora.com/How-many-kWh-can-you-get-from-burning-1-litre-of-gasoline

        • Grunho says:

          “Depends on how you do it”. Se for num gerador como o do BMW i3 ou do Ampera, não é eficiente, fica abaixo da tracção mecânica às rodas. Se for numa central térmica bem projectada, com aproveitamento total do calor, pode render o dobro.

        • RC says:

          Essa tecnologia já é usada à décadas, procurem por comboios e navios com sistemas diesel-electric.

      • Yamahia says:

        Na verdade produzir electricidade com recurso ao gasoleo emite 3 x’s + CO2 que usar esse combustível directamente num carro a Diesel. (Carvão tem paraticamente o mesmo impacto)

        • RC says:

          Não é verdade, por acaso emite menos, até com achismo se chega lá, basta pensar num hibrido, que em muitos caso usa combustivel para produzir electricidade para fazer andar as rodas. Basta pensar nos navios e comboios diesel-electric, que fazem exatamente o mesmo. Até máquinas de carga e terraplanagem já existem com esses sistemas.

          Se fosse como diz, então anda tudo enganado.

          • rjSampaio says:

            esse “achismo” é mesmo so isso, porque a justificacão para esses veiculos (nao contando com os carros hibridos) não é as emissoes, e garantidamente não é a eficiencia.

            Os veiculos que fazem isso (regra geral grandes veiculos) é preferível por outros motivos, regra geral a manutencão e downtime ser menor, o conjunto ser mais resiliente, e podes ate poupar combustivel porque podes arrancar/parar grupos geradores/motores em vez de teres um unico diesel que tem de estar sempre a trabalhar.

            voltando aos carros hibridos, não consegues ter um carro com a mesma potencia e menos Co2 com um sistema destes.

          • RC says:

            Sim, é a eficiência e redução de emissões, logo menor consumo.

            Pode procurar onde quiser, não vai encontrar outra informação.

            Se tem menos a manutenção e downtime é menor = menos emissões. Tudo conta.

            Então mostre lá um que não tenha menos emissões.

            https://pt.wikipedia.org/wiki/Diesel-el%C3%A9trico

          • rjSampaio says:

            Mas a onde estas a tirar que a eficiencia é maior????
            Mesmo no link que meteste, vai ler todas as referencias a “eficiencia”…

            A eficiencia desses veiculos é maior em alguns cenarios vs os diesel, especialmente a baixas velocidades/carga, obviamente que se desenhas um motor de 10 mil HP a eficiencia a 2000Hp vai ser uma porcaria ainda maior.

            Agora no regime normal, nunca vais atingir maior eficiência, quanto mais transforma energia, mais perdas tens isto é um facto inegável.

            Se para obteres X newtons precisas de Y em diesel,
            um gerador diesel vai ter de gastar um Y maior para alimentar um motor elétrico que produza esse X.

            Isto é Inegavel.

            Existem uma serie de outras vantagens, dai que o fazem, e potencialmente a eficiência do combustivel até pode ser ter o seu peso, mas so depois de um complexo calculo de todo o trajeto, paragens, tempos em cada regime, etc etc

            Este artigo explica melhor, podes ter melhor eficiência sim, mas ligado diretamente a variacao do trabalho, ter múltiplos geradores para teres eles sempre no seu pico de eficiencia, implicado ligar e desligar geradores para equivaler a carga que precisas, etc etc.

            https://oceantimemarine.com/diesel-electric-propulsion-is-this-a-safer-more-efficient-solution-for-your-vessel/

          • RC says:

            Então mas é mais eficiente ou não ?

            Volto a dizer, ninguém investe para perder.

          • rjSampaio says:

            Se poupares na manutenção, evitar multas por não cumprir prazos de entrega devido a avarias, se souberes que nunca trnasportas nada de volta e por consequência não precisas de um motor enorme a gastar rios de dinheiro quase ao relenti.

            Neste cenário compensa optar por disel elétrico vs diesel, daí que que confere o que dizes de ninguém quer perder.

            Mas o motor em si NÃO É MAIS EFICIENTE

          • RC says:

            Como pode ler nesses artigos, os sistemas até são mais complexos, as vantagens são várias, entre aquelas que falou e até economia.

            Já viu como trabalha um Opel Ampera ?

            Aquele motor não tem fim, o motor a gasolina só trabalha em certas circunstâncias e sempre à mesma rotação, aquela onde ele é mais eficiente.

          • RC says:

            Como pode ler nesses artigos, os sistemas até são mais complexos, as vantagens são várias, entre aquelas que falou e até economia.

            Já viu como trabalha um Opel Ampera ?

            Aquele motor não tem fim, o motor a gasolina só trabalha em certas circunstâncias e sempre à mesma rotação, aquela onde ele é mais eficiente.

          • rjSampaio says:

            “Como pode ler “…
            pois estares a repetir o que eu disse já disse so serve para mostra que tu leste, menos mal.

            Quanto ao ampera, sim sei, é um carro que tem um peso extra brutal, e que em electric nem 100KM faz, e so as baterias pesam 200Kg.

            Certamente um carro exclusivamente a diesel com aquele motor era bem mais eficiente, perdas e tal…

          • RC says:

            Pois, mas ainda assim o peso faz-o ser bem mais eficiente que um sem elas.

            Peso é sempre mau, tal como todos esses sistemas diesel-electric, todos são mais pesados.

          • rjSampaio says:

            Continuas a usar a palavra eficiente para tudo, é esse o problema…

            O Ampera existe para malta que regra geral faça menos de 80km entre cargas, e se fizer possa dar uso ao gerador.

            Se me disseres que 95% do tempo para o uso particular de uma pessoa o gerador nunca entra em acção, entao mais valia ser 100% elétrico, era mais econômico pois não tinha que levar o peso extra do gerador e combustivel.

            Se o uso for mais 40% eletrico, certamente era mais eficiente ser 100% combustivel, não tinha de andar com o peso extra dos motores eletricos e baterias.

            Existe efetivamente um sweet spot de uso que comprar um Ampera pode ser visto como “mais eficiente”, que é o que a malta dos veiculos “gigantes” tem mais margem para explorar., diria que a vasta maioria da malta que compra nem pensa nisso ou percebe sequer como fazer as contas.

            Agora o motor (conjunto) em si como um todo, nunca é mais eficiente.

            Andamos a comprar um 2CV com 4.5l/100km vs um Patrol com 14l/100km

            A primeira vista um 2CV é mais eficiente?
            é que ele so produz 60HP maximo e o patrol quase 300HP.
            Temos de equiparar o trabalho

          • RC says:

            Sim, por tudo roda à volta dessa palavra, até os nossos ordenados.

            Então pegando nos 40%, quer dizer que em 1000 kms, gastamos 600 kms a gasolina e 400 kms em eléctricidade.

            400 kms / 100 * 2 = 8 euros em electricidade

            600 kms / 100 * 6 * 1.8 (preço medio gasolina no maisgasolina) = 64.8

            Portanto 8 + 64.8 = 72.8

            1000 / 100 * 5 * 1.8 = 90 euros:

            Ainda dei um desconto de 1 litro ao carro a gasolina.

            É mais eficiente ou não ?

          • RC says:

            Mas ainda assim, quem compra este carro é para fazer casa -trabalho todos os dias e ao fim de semana ir mais longe. Para quem more até 30 kms do trabalho ou até mais tendo carga no local de trabalho é a melhor opção.

            Não é por acaso que a venda de hibridos e eléctricos está a disparar a todo o gás, ou será que ninguém faz contas ? lol

          • rjSampaio says:

            “É mais eficiente ou não ?”

            Depende conheces algum carro elétrico ou disel com a mesma potência e peso desse e qual o seu consumo para poderes comparar?

          • RC says:

            Mas o que interessa o peso ? interessa é o que ele faz, transportar pessoas.

          • rjSampaio says:

            continuas a nao querer perceber que o que é eficiência neste contexto, e cada vez mais afastas-te do motor…

            Em termos de elétricos por exemplo um fiat 500e de 24 kWh é mais eficiente que um tesla model 3, consegues perceber porque?

          • RC says:

            Está no dicionário:

            https://dicionario.priberam.org/eficiente

            . Que obtém resultados ou tem o funcionamento esperado com uma maior economia de recursos e/ou tempo (ex.: o equipamento da fábrica é eficaz, mas pouco eficiente porque gasta muita energia).

          • RC says:

            Por caso um tesla model 3 é mais eficiente que um fiat 500e.

            Ao que parece você é que não quer perceber, a eficiência nos elétricos não se mede pelo peso, nem nos eléctricos nem nos a combustão nem em lado nenhum, mas enfim.

          • rjSampaio says:

            “Por caso um tesla model 3 é mais eficiente que um fiat 500e.”

            500e 24kWh 144 Wh/km
            model 3 range + 146 Wh/km

            e ja agora

            xiaomi M365 Pro 11Wh/Km, tens scooters não tens? se calhar devias deixar de os carros…

            não vale a pena discutir contigo, nem que seja porque nao consegues responder nun unico post…

          • RC says:

            Pelos numeros do ev-database é, mas na realidade existem outras contas que eles não consideram, além de ser umcarro de 4 lugares, o tesla é de 5, mas isso não é tudo.

            Na realidade o tesla é mais eficiente porque o carregador dele tem menos perdas, isto testado na empresa que trabalho, temos um fiat 500e de serviço como também temos teslas.

            Atualmente o tesla model 3 é o carro mais eficiente que existe, até mesmo comparado com o fiat 500e. É impressionante a eficiência que o carro tem, até aproveita o calor dos motores para aquecer as baterias e o habitáculo, depende claro onde é necessário o calor.

            Na tomada não dá hipotese a nenhum.

          • RC says:

            Mais um posto, peço desculpa, tenho scooter sim, mas se pensa que as motas por terem peso menor consomem menos, nem por isso, se assim fosse uma honda pcx que é atualmente a scooter mais economica não fazia 2 litros ou pouco mais, se pesa pouco mais de 100 kilos, segundo o que diz fazia menos de meio litro.

            Por incrivel que pareça, a aerodinâmica é o grande calcanhares de aquiles, as motas/scooters têm um maior coeficiente aerodinâmico maior que os carros.

            Tenho scooter sim, equivalente a uma 250, faz médias de 6 kwh/100 kms, cerca de metade do que faço na carrinha, a scooter pesa 180 kg (praticamente o mesmo que uma 250 cc a gasolina) e a carrinha 1240 kg.

          • Yamahia says:

            Não é achismo!!!
            1 kWh de electricidade obtido a partir do gasóleo emite 950 grms CO2. Num electrico que gaste 20kWh/100 que são a maioria), estás a emitir 19 kgs de CO2 por cada 100 kms percorrido

            Um carro a gasóleo moderno emite 100 grms por km o que resulta em 10 kgs de CO2 por cada 100 kms percorridos.
            Não é o triplo mas é praticamente o dobro!

          • RC says:

            Errado, só teslas a andar bem fazem mais de 20kwh, e os carros a combustão também não emitem só o que dizem, mas enfim, você prefere inflacionar os dados reais dos ev e usar valores fictícios dos a combustão, enfim a conversa do costume, daqui a pouco até eles nascem das arvores.

            Mas já agora quantos carros vê a ser carregados por gerador ? até que gastam menos, claro que quando comparado com a realidade.

            https://thedriven.io/2018/12/14/diesel-charge-evs-remote-locations-greener-than-you-think/

      • RC says:

        Um tesla a gastar 18 kwh por cada 100 kms já equvale a um carro identico a gastar 7 a 8 litros aos 100.

        Cada litro de gasóleo consegue num gerador eficiente cerca de 3.4 kwh por litro, conta simples dá entre 5 a 5.5 litros.

        Portanto menores emissões e pode usar um gerador por muitos carros, ou seja, as manutenções que também emitem CO2 são distribuidas.

        Se fosse mau, os navios e comboios que usam propulsão diesel-electric não existiam, ninguem investe para perder.

    • PeterJust says:

      Ainda não chegou a crise e já limpaste a prateleira de papel higiénico?! A energia se for precisa produz-se, já há países com milhões de carros elétricos e ainda não faltou a luz a ninguém, não vai haver nenhuma crise, nem o papel higiénico acabou.

      • Pierre Cross says:

        Ahahahaha!

        Também acho que não vai haver, porque, será tudo faseado… mas atenção, não temos rede elétrica para suportar isto tudo, nem daqui a 2 décadas e os carros eléctricos atuais, não são nada eficientes… porque temos de fazer cálculos da produção da viatura e da deslocação, ui ui ui…

        Os combustíveis líquidos (que já estão aí) são bastante limpos, por isso, vamos com calma.

        A energia atómica (seja se fusão ou de fissão) ainda é a energia mais limpa, basta terem a coragem de a enviar após terminada para o espaço profundo… o universo encarrega-se de a absorver na matéria negra mas isso é outra conversa, outro ponto, que não dá dinheiro a quase ninguém… mudem o sistema económico para haver uma verdadeira revolução energética e tecnológica, por favor.

        • PeterJust says:

          Durante a noite, que é quando a maioria dos carros elétricos carrega, não falta energia… e quando digo não falta, digo que muita da energia é desperdiçada porque não está a ser consumida. Nas barragens até usam essa energia para levantar novamente a agua para produzir no dia seguinte. Ainda não vi nenhum cientista preocupado com esta suposta crise porque ela só existe nos lóbis dos combustíveis fósseis. Quanto a enviar resíduos atómicos e serem absorvidos pela matéria negra, claramente não tens noção do que estás a dizer, nem fazes a mínima ideia do que é matéria negra nem a sua função no universo, e muito menos a dificuldade e custo de colocar no espaço seja o que for e depois enviá-lo para longe da órbitra terrestre, desculpa mas é simplesmente anedótico, poderias enganar a maior parte das pessoas com essas teorias exóticas de matérias negras, mas a mim?! Tentares enganar-me a mim?! Amigo… tens de estudar muito para te meteres nestas discussões.

  3. Jeronimo says:

    Sou da opinião que o hidrogênio é ainda a melhor opção.

    • Blackbit says:

      Depende de como produzes esse hidrogénio.
      Se for a partir de eletricidade entao esquece, o uso de carros 100% eletricos é muito mais eficiente do que usares hidrogénio.

      Enquanto nao se conseguir produzir hidrogénio sem ser de forma eletrica ou tendo por base petroleo e/ou metano então o recurso a eletricidade para os carros continuará a ser a forma mais eficiente de aproveitar esse energia eletrica.

      Neste momento o hidrogénio só faz sentido em utilizações pontuais em que o peso das baterias é incomportavel (avioes por exemplo) ou a necessidade de elevada energia o tornam imprescindível (aviões com motores a jacto para longas viagens).

    • RC says:

      Eu sou da opinião contrária, isto porque o seu uso requer muito mais energia electrica(cerca de 5x mais) para fazer o mesmo, portanto quando dizem que não vai haver energia suficiente, não digam o disparate que o hidrogénio é solução.

  4. Abreu says:

    A Toyota está a perder a corrida ao elétrico e faz essas declarações! Ainda a 2 anos o CEO da Toyota dizia que não iam investir em 100 por cento elétrico. Agora tem que correr atrás do prejuízo

    • Nuno Manuel Alves says:

      Abreu
      Concordo a 300 % no que disseste … A Toyota colou se a BYD e as baterias lâmina da marca usando o fosfato de iões de lítio … Penso que a Mercedes tb se juntou a BYD
      Os fabricantes chineses estão a trabalhar com o KW abaixo dos 90 dólares atenção…. A paridade penso que era nos 111 USD relativamente ao motor ICe.
      Parece me que os construtores legacy vão sofrer e muito com modelos caros e com tecnologia ultrapassada.

  5. Atento says:

    Este Gill Pratt fez uma afirmação lúcida e objectiva.
    Claro que, para a Europa, a premência é maior que para outros países (pela enorme dependência energética).
    A transição não pode ser feita de forma demasiado rápida, por ausência de infraestruturas de suporte/produção.
    É possível que, à medida que a transição for feita, com o défice de produção e capacidade da rede eléctrica para abastecimento a acentuar-se, o hidrogénio venha a ser inicialmente adoptado pelos pesados (numa dicotomia eléctrico/hidrogénio a lembrar o passado da gasolina/diesel, entre ligeiros e pesados) .

    • Luís Silva says:

      Nas tuas poucas palavras, muita assertividade e muita visão!

    • RC says:

      Certo, mas o problema é que o hidrogénio vem como grande sugador de energia eléctrica, um veiculo a hidrogénio ou consome hidrogénio feito de gás natural, que é neste momento 95% da produção ou feito de eletricidade, onde estes requerem 5x mais energia para fazer os mesmos kms.

  6. Milton says:

    QQ ser humano minimamente inteligente percebe que o elétrico nos carros não passa de um protótipo, uma tecnologia de passagem, que LOBBIES muito fortes estão a querer passar como eficiente e com futuro. Só que não.

    É poluidora na sua fabricação, é cara, é ineficiente e não existe transição sustentada.

    • RC says:

      Então e os outros não são ? nascem em árvores ?

      Neste momento o carro eléctrico polui apenas 10 a 12% mais na construção que aquilo que polui um a combustão, no entanto e tal como você se esquece ou faz para esquecer, os combustiveis também poluem no seu fabrico. A redução é muito grande para ser apenas um prototipo, não se anda a investigar estas coisas à 2 dias e não existe nenhum, repito nenhum estudo cientifico que confirme o seu achismo.

  7. Electricgate says:

    Vamos acordar daqui a 20anos com as emissóes de CO2 a aumentar mas todos de carros electricos. Depois vão perceber, já tarde, que lhes venderam o peixe do carro electrico da mesma maneira que venderam o peixe do Diesel. A indústria engana da mesma maneira e iremos ter certamente um electricgate.

    • Grunho says:

      Os ganhos poderão não ser por aí fora, mas o simples facto de o eléctrico não gastar nem poluir quando está parado em filas de para-arranca já representa um grande avanço. 70 ou 80% das emissões ligadas ao trânsito provêm das áreas metropolitanas, onde o automóvel a petróleo não é bem vindo.

      • Zé Fonseca A. says:

        Problema maior é que só olham para o CO2, quando há problemas bem maiores na produção de EVs e produção de eólicas ou painéis que vão ter uma implicação 1000 vezes superior no planeta que o CO2.

        • RC says:

          Como por exemplo ?

          • Zé Fonseca A. says:

            Poluição de solos e lençóis freaticos para começar.
            Esgotar de materiais essenciais para o ser humano como areia para fazer vidro, e ainda muitos metais necessários em dezenas de outras áreas e sem alternativas.
            Aumento de custos de energia.
            Poluição de proximidade com inexistência de reciclagem de baterias, painéis solares e eólicas porque já hoje em dia é mais barato comprar novo que reciclar e acabam em aterros a libertar fósforo e cádmio para o solo e consequentemente para os lençóis freaticos.

            Basicamente não vamos deixar de viver num mundo co2 free porque vamos continuar a ter 1001 áreas onde não vai existir vontade política de alterar e vamos ter uma poluição de solos e rios 1000 vezes superior ao atual assim como deixaremos de ter materiais essenciais que já estão a aumentar neste momento em muitos sectores.

          • RC says:

            ???

            E provas, para achismos basta continuar a ler ou ir ao facebook.

          • Zé Fonseca A. says:

            Provas estão em todo o lado, quando não sabes pesquisas, não vou alimentar pessoas que são ignorantes por preguiça.
            Informa-te.

          • RC says:

            Mostre as provas.

            Todos sabemos que qualquer atividade humana moderna provoca danos, o que interessa saber, e é isso que se discute e investiga à anos, é qual é a menos danosa.

          • RC says:

            Se quer ser ambientalista de verdade, ande a pé, nú e descalço e coma plantas e animais selvagens.

          • Zé Fonseca A. says:

            Eu quero ser a favor da razão, estou-me pouco lixando para o ambiente, tenho um híbrido que só anda a diesel, tenho painéis solares e baterias em casa porque tenciono ser energeticamente independente no futuro, também tenho reservatórios de água e tenciono ter tratamento de águas pra consumo, espero mais é que o planeta e a humanidade explodam, enquanto isso vou fazendo o meu caminho para estar preparado para o apocalipse.

          • RC says:

            Esses minerais também são usados nos a combustão, e noutras atividades, nem sequer existe aluminio como o conhecemos sem litio.

            Mas enfim, é mais fácil culpar as minorias do que as maiorias…..

          • RC says:

            Eu também tenho tudo isso, e tenho um quintal com muitas árvores.

      • Yamahia says:

        Apenas mais 10 a 12%??
        Nem tu acreditas naquilo que acabaste de escrever, certo?

    • RC says:

      Já andam de volta disso há muitos anos, ninguém decidiu isso em cima do joelho.

      As emissões baixam e muito, até 80 % do actual.

      A sua opinião é fundamentada em quê ? Achismo ?

      • Zé Fonseca A. says:

        Achismo é o que tu achas que pensas que sabes com base em mera opinião politica e de imprensa.
        Gostas tanto do termo que não és nada mais que um “achista”.

        • RC says:

          Com base naqueles que trabalham com isso, e não por opinião própria como você está a ver, isto não é uma questão da opinião de cada um, é preciso saber quais as formas mais sustentáveis, ou menos danosas ao planeta, porque o planeta ficará cá até o Sol o engolir numa gigante vermelha, temos de pensar é como preservamos o planeta.

      • Yamahia says:

        Meu caro, um eléctrico qd chega ao mercado já poluiu o equivalente a 200.000 kms relativamente a um a combustão.
        Ao fim de 200 mil tem q trocar as baterias e o ciclo repete-se:
        https://youtu.be/stxkY2JelZ0

        • RC says:

          Errado, não existe nenhum estudo que prove isso, a não ser que se considere que os combustiveis são fornecidos pelo São Pedro e os carros venham das arvores.

          Esse documentário é o comum documentário que culpa uma minoria dos males das maiorias, todos os minerios retratados nesse documentário são usados também nos a combustão.

          Em 2021 é estranho ainda haver quem fale destas coisas, quando já se provou em todas as vezes o contrário.

          Já agora, desde que esse documentário saiu estou a oferecer almoços a quem provar que o tesla mostrado ou igual e também as eólicas offshore usam imans nos seus motores / geradores. Já agora lamento informar, mas até agora ninguém ganhou um almoço.

        • RC says:

          Já agora aqui ficam os ultimos estudos, de entidades pagas por todos, até agora não vi ninguém a desmenti-los, vem dos mesmos que lançaram o escandalo diesel, navios a emitir mais SOx que muitos carros, hibridos plugin que emitem mais quando não são carregados na tomada, entre outros. Com certeza que fabricantes e governos não andam com achismos como se vê por aqui.

          O segundo estudo até inclui os a hidrogénio para que não pensem que também são criados em árvores.

          https://www.transportenvironment.org/wp-content/uploads/2020/04/TEs-EV-life-cycle-analysis-LCA.pdf

          https://theicct.org/sites/default/files/publications/Global-LCA-passenger-cars-jul2021_0.pdf

        • RC says:

          Já agora, onde foi buscar esse numero tão redondo de aos 200 mil leva bateria nova ? que comentário mais ridículo , só na família temos mais 4 carros com mais de 200 mil e 1 até com mais do dobro e estão impecáveis. Na empresa temos vários que também já passaram isso.

          É verdade que alguns com esses ou menos já levaram, a esmagadora maioria de TVDE’s que escolheram o pior carro para a sua atividade, os nissam leaf para andar a fazer 2 e 3 cargas por dia num carro que não tem refrigeração de baterias onde até a marca desaconselha a carga rápida nesse carro. Ok, é uma falha da nissan, mas é o único no mercado. Também há muito carro a combustão a partir motores com esses e menos kms, se não fosse assim o mercado de motores em segunda mão não existia, tal como existe o das baterias, as pessoas falam normalmente em preços de baterias novas, mas existe mercado em segunda mão, tenho uma carrinha com 23 anos que levou uma bateria de um tesla batido.

          • Yamahia says:

            Na vdd até estava a ser bonzinho
            “Outra informação importante que se pode retirar dos dados introduzidos por estes utilizadores europeus diz respeito à vida útil da bateria, com pouco mais de 250 clientes, dos 1.040 que aqui colaboraram no estudo, a solicitar uma troca de bateria. Em relação ao número de quilómetros percorridos até esta mudança, na maioria dos casos acontece até aos 30.000 km, com apenas um dos donos a informar que trocou a sua aos 77.000 km. ”
            https: //observador.pt/2018/04/19/sabe-quanto-vai-durar-a-bateria-do-seu-electrico/

          • RC says:

            Corresponde a 1040 clientes tesla que se queixaram de problemas, das muitas centenas de milhar, esse é o universo dos que tiveram problemas, e não o universo dos que têm carros.

            Outra é que desde sempre, os carros da tesla têm 8 anos de garantia e até 2017 tinham garantia em kms vitalicios, portanto nenhum deles teve de pagar, e além disso são conhecidas essas trocas devido a problemas de gestão das mesmas, não tendo a ver com o desgaste da bateria em si.

        • rjSampaio says:

          Um carro a combustao quanto poluio antes de chegar a ao mercado?

  8. Jota says:

    A Toyota continua a sua “cruzada” contra os carros elétricos! Ainda agora voltou a lançar um híbrido que nem plugin é (Yaris Cross)! Assim sujeitar-se a ficar para trás!

    • Blackbit says:

      O plugin deixou de fazer sentido qd consegues ter carros eletricos mais baratos.
      Ao ter motor ICE, depsosito, baterias e motor eletrico no mesmo veiculo estas aumentar a complexidade de produção e o preço final do carro.
      Não ganhas muito com essa mistura de tecnologia pois já ha carros BEV a preço equivalentes ou mesmo mais baixo hoje em dia. Então em manutenção o ganho ainda é maior.

      • PeterJust says:

        Até podes ter um elétrico ao preço de um plugin equivalente mas só se tiver uma bateria de 20 ou 30 kw no máximo, é que no preço de um carro elétrico com uma bateria de 50kw para cima o preço da bateria é maior que o preço do resto do carro, carros com baterias de 100kw, custam mais de 100 mil €. Além disso o elétrico não serve para toda a gente, se não puderes carregar em casa e usares os postos de abastecimento publico, são tão caros que fica praticamente ao preço do gasóleo, já para não falar que tens de ficar horas à espera que o carro carregue, além disso a autonomia ainda é relativamente baixa, se tiveres de fazer viagens Porto Lisboa, assumindo que o carro tem bateria para fazer a viagem de uma vez, tens de chegar a Lisboa e ficar horas à espera que carregue para voltar.

        • RC says:

          Nop, nenhuma bateria custa mais do preço do carro. Essas noticias já foram desmentidas, a média de uma bateria NOVA na marca (sim, porque existem alternativas) custa entre 1/4 a 1/3 do custo do carro em novo.

          Nop, já existem muitos carro com baterias de 100kwh abaixo de 100 mil.

          Sim, carregar na rua ainda é caro, existe pouca concorrência e a malta ainda não os sabe usar, deixa lá os carros estacionados e pensa que só paga a energia, depois aparece a conta dos minutos. Mas pronto, além desses pontos existem muitos outros onde carregar, como trabalho, hipermercados, centros comerciais, restaurantes, hoteis, entre muitos outros.

          Mais uma vez não, ninguém precisa de ficar à espera que o carro carregue, ele carrega sozinho, dos exemplos que deu antes, pode estar a fazer muita coisa, até a trabalhar que o carro trabalha, eu neste momento durante um ano perco muito menos tempo que aquilo que perdia para abastecer o carro nas bombas. Parece tontice, mas carrego a viatura no maximo 2 vezes por semana, uma ao fim de semana em casa, e outra durante a semana no trabalho, perco 10 a 20 segundos por semana para o fazer, se fosse abastecer de 15 dias perdia pelo menos 5 minutos.

          Nunca ouviu falar em postos rápidos ? são aqueles que repõem a bateria em 20 a 30 minutos, na maioria dos carros que se vendem hoje novos, 15 a 20 minutos é o suficiente para cada lado, Lisboa Porto.

          No trabalho temos vários carros que fazem isso todas as semanas e várias vezes por semana.

          • PeterJust says:

            Dás o teu exemplo como se fosse a verdade universal mas nem toda a gente pode carregar o carro em casa e no trabalho, nem toda a gente pode esperar que o carro carregue.
            Carros com baterias de 100kw a menos de 100mil dá um exemplo sff
            Carregar 60Kw em 20 minutos, são quase 200kw/h ainda muito poucos carros conseguem e só os mais caros, além disso existem 3 ou 4 postos em todo o país que conseguem essa velocidade.
            Conclusão: Ainda há muita gente que não tem garagem e muito menos que pode carregar no trabalho, não vão comprar um elétrico para carregar nos postos públicos. Lá chegaremos, mas para já ainda não servem a toda a gente e os híbridos nesse especto justificam-se e, voltando à minha resposta ao Blackbit que diz que um elétrico equivalente é mais barato ou ao mesmo preço, é simplesmente mentira, pode ficar mais barato a médio prazo, lá está, se carregar em casa, mas isso é outra conversa.

          • RC says:

            Não, não disse isso, nem todos podem, apenas 31% dos portugueses ou dos lares portugueses estaciona os seus veiculos na via publica, não sou que eu que digo, são os numeros do ACP – O condutor português, página 14.

            Nem todos os carros têm essas baterias grandes, e muitos carregadores novos já são de 150 kw para cima. Não, não existem 3 ou 4 postos, já são centenas, incluindo os da tesla que já tem 7 sites com muitos.

            Nunca me ouviu dizer que vai dar para todos, não vai, mas como disse, dá para uma grande maioria, até porque fazemos poucos kms.

            Sou a favor de todas as tecnologias que permitam mais eficiência.

            Sim, actualmente em novo ou segunda mão ainda custa mais, mas justifica em muito, muitas das pessoas que vejo aderir dizem apenas “epá prefiro estar a gastar o dinheiro para pagar o carro do que para queimar.

        • RC says:

          Faltou uma coisa, não serve para todos, isso é uma verdade, mas serve para a grande maioria, sabem os fabricantes e os governos disso.

  9. KadoPT says:

    Não é a Toyota mas sim os japoneses que não estão a apostar nos eléctricos porque já viram que a infrastructural eléctrica atual não tem nem capacidade de produção nem de transporte de electricidade se os carros se tornarem todos eléctricos.
    Outra situação é o lobby para desactivar centrais eléctricas a carvão e nucleares apostando apenas em energias “verdes” como eólicas e solar que produzem muito menos energia.
    E para quem achas que o hidrogénio é a solução, a electrólise usada para “criar” o hidronegio requer quantidades elevadas de electricidade e ao mais vale utilizar carros eléctricos. Isto só vai para a frente se se apostar em reactores nucleares como produção efectiva de energia.
    E finalmente para quem tem medo dos reactores nucleares a França tem 57 e predende construir mais.
    Vão banir o petróleo e racionar a electricidade para carga de automóveis…

    • Yamahia says:

      A vantagem do hidrogénio é que pode ser armazenado em periodos de excessos de produção, ao contrário do electricidade que tem que ser descarregada para a terra. Essa electricidade peedida poderia ser aplicada na obtenção de hidrogénio.
      Por outro lado o posto de hidrogénio da Abruxada é autosuficiente na produção de H2 para aquilo que foi pensado apenas com recurso a painéis solares. Exactamente porque não há desperdício.

      • RC says:

        Descarregada para a terra ? então para produzir hidrogénio conseguem aproveitar os raios das trovoadas ?

        Por acaso está enganado, os veículos não estão sempre a andar e servem de armazenamento, aliás essa é tida como vantagem até para vender à rede, usando o netometering que vai se implementado, aproveitar essa energia para criar hidrogénio é a uma falácia muito grande, porque na prática só vai aproveitar 20 % dela.

        Infelizmente os custos e a eficiência do hidrogénio não permitem essas brincadeiras.

      • KadoPT says:

        A quantidade de carros ICE e EVs atual é incomparável, o que eu me estava a referir é a substituição das frotas atuais (ICE para EV) em mais de 75%, não vai ter como se carregar os carros, e não por falta de postos mas capacidade energética (transporte e produção).

        • Blackbit says:

          Transporte não é problema pois a esmagadora maioria dos carregamentos é a noite, altura em que a rede eletrica esta com pouco uso.
          Para a produção temos de apostar mais nas eolicas, parques fotovoltaicos com parques de bateria e auto-produção.

          • KadoPT says:

            Já demonstraste uma possivel limitação que é ter que carregar apenas de noite e estamos a falar de gigawatts aqui nada que esse parques eólicos / solares ofereçam sem contar com o conceito de armazenar energia em baterias de lítio (com vida útil) ou parecido para carregamento noturno, investiga a extração de cobalto (ingrediente essencial nas baterias de lítio), vais ver que é feito em condições miseráveis.
            O futuro é nuclear, um reactor RBMK que é um design bem antigo oferece entre 750 a 1500MW.

          • RC says:

            @KadoPT, nessa investigação da extração do cobalto também chegou onde ele é usado ? como refinação de combustíveis ?

            Sim armazenar em baterias de litio, que é a dos carros com uma eficiência de 95%, até é mais eficiente que rede eléctrica.

          • RC says:

            A solução não é esta nem aquela, são todas aquelas são permitirem a mais alta eficiência, tanto na produção como no gasto, e também a maior sustentabilidade, para já a toyota com o hidrogénio está completamente a leste disto.

          • RC says:

            A solução não é esta nem aquela, são todas aquelas que permitirem a mais alta eficiência, tanto na produção como no gasto, e também a maior sustentabilidade, para já a toyota com o hidrogénio está completamente a leste disto.
            Como recebeu muitos milhões para investir em hidrogénio e eles estão a acabar e não consegue mostrar nada ao mundo que seja viável, mais vale dizer que os outros estão errados.

            Há muitas pessoas assim, quando não conseguem passar a mensagem tentam convencer os outros que estão errados.

          • KadoPT says:

            @RC
            Sim,

            https://www.youtube.com/watch?v=kqFzSdyeq7c

            e

            “Cobalt is used as a catalyst in refining operations. It helps remove sulfur (and maybe other impurities) from the hydrocarbon stream. In theory no cobalt is consumed in the reaction, but in practice some will be lost to erosion and flaws in the recycling process.

            It takes about 1 pound of cobalt to remove the sulfur from 80,000 gallons of petroleum products, like gasoline. 80,000 gallons would power a car for about 2.4 million miles, but 98.8% of that cobalt is recoverable, meaning we permanently lose only a pound of cobalt for every 6.6 million gallons we refine.

            So, as I said, we use lots of cobalt, but we don’t consume it, we use the same cobalt over and over again.

            Rechargeable battery cathodes contain up to 33% cobalt. Since batteries are small, that doesn’t sound like much, but we make lots of them. 50% of all the cobalt we use ends up in rechargeable batteries, and since the advent of battery powered electric cars, the amount of cobalt used has mushroomed to around 25,000 tons. At current rates, it’s expected to hit 100,000 tons within 5 years.

            On the other hand, several experimental lithium ion battery designs use no cobalt, and if they prove reliable, and we’re successful in mass producing them, cobalt could return to being the thing we use to make blue glass.”

          • RC says:

            “But the industry isn’t just moving ahead to consume more cobalt. Leaders like Tesla and others are rapidly moving to design batteries which do not require as much or any cobalt in the future.”

            https://www.chargesmart.co.nz/post/cobalt-mining

          • RC says:

            @KadoPT mostre fontes fidedignas, não o comentário de alguém num forum.

          • RC says:

            Já agora, as baterias usadas hoje são NMC622, 60 % niquel, 20% manganês e 20% cobalto, e também as NCA niquel cobalto e alumínio que contêm +- o mesmo cobalto.

          • KadoPT says:

            @RC

            No video que partilhei tem estudos da industria.

          • RC says:

            Eu quero é estudos recentes com a tecnologia atual, não os velhos, isso só interessa aos velhos do restelo.

    • Blackbit says:

      “…a infrastructural eléctrica atual não tem nem capacidade de produção nem de transporte de electricidade se os carros se tornarem todos eléctricos.”
      Como os carros são maioritariamente carregados à noite (caso dos particulares) a infraestrutura de transporte serve perfeitamente para o efeito. Basta olhar para a curva de consumo eletrico de um pais num dia para perceber isso (há um enorme vazio à noite…).

      Para a produção, eu apostaria nas eolicas (é a noite que produzem mais) e em parque de baterias associadas aos parques solares.
      A auto-produção e armazenamento tambem seria de considerar mais ai falta a vontade politica…

      Nuclear? Com a tecnologia actual creio que ninguem os quer por perto, demasiados perigosos e com residios demasiados tóxicos que ninguem consegue tratar.

      • Zé Fonseca A. says:

        As eólicas produzem mais à noite? Só se for numa noite de tempestade.

        Um reactor nuclear gen IV não tem perigo nenhum nem nenhuns resíduos. Os de gerações antigas também não representam grande perigo em países de 1o mundo e os resíduos embora existentes são um mito, são enterrados no fundo do mar e até a radical chegar a uma profundidade capaz de interferir com a nossa vida seriam precisos 10.000 anos, curiosamente a radioactividade perde-se antes disso, além que hoje em dia já se pratica a vitrificacao dos mesmos. Já nos gen IV os resíduos resultantes são aplicados de volta na própria central até esgotar a sua radioactividade.

          • Zé Fonseca A. says:

            Grande amostragem, 1 dia. Mais fácil saíres todos os dias à noite pra perceberes o que quero dizer, maioria dos meses em PT o vento atenua de noite.

          • RC says:

            Não precisa de só de um dia, tem o campo em cima à esquerda do dia, pode selecionar outros e até por mês e ano.

          • RC says:

            Eu não tenho de achar nada, os dados estão ali.

            São falsos ?

          • Zé Fonseca A. says:

            Não são falsos, são mal interpretados, viste o ultimo dia e achaste que sim.
            Vai consultar vários dias e faz uma media e vais perceber o que acontece à produção de energia eolica após as 23h.

          • RC says:

            Eu dei-lhe um link onde pode ver a produção em qualquer altura para poder confirmar que de noite se produz mais eólica.

            Tanto é que algumas barragens usam esse excedente para bombear a agua para montante, uma forma de armazenamento de energia.

          • RC says:

            A energia só é produzida quando existe consumo ou alguma aplicação, pode haver alturas que não existe consumo nem se pode injectar excedente e a produção é parada ou abrandada, não sei se sabe mas as eólicas podem diminuir a produção mesmo com vento, por isso têm o pitch das pás.

  10. RC says:

    Mas, mas, mas mas, mas carros a hidrogénio são elétricos !!!!!!!

    • Blackbit says:

      ora ai esta!
      A usar eletricidade pq nao logo usar eletricidade a partir das baterias e nao do hidrogénio?
      O rendimente é muito superior!

      • RC says:

        É uma tremenda estupides gastar 100 kwh de eletricidade para no fim ter apenas 20 a 30 kwh, quando usado num veiculo electrico consegue usar 95 kwh. (os 5kwh são perdas do carregamento).

        Isto fora os custos, cada posto de carga custa 4 milhões de euros para abastecer até 40 veiculos por dia, com esse dinheiro consegue-se postos de carga para abastecer 1400 electricos por dia.

        • Zé Fonseca A. says:

          Não quando podes armazenar o que produzes tal como os combustíveis fósseis e não precisas de uma disponibilidade energética para horário nocturno impossível de alcançar com energias renováveis.

          • RC says:

            Não pode porquê ? eu já o faço em casa.

          • Zé Fonseca A. says:

            Eu também faço em casa com LG Chem, sabes que investimento tive de fazer? Agora multiplica pelas necessidades de milhões e depois vai lá às minas de lítio, cobalto e níquel perguntar quantos anos da pra produzir e aos fabricantes de painéis solares a que preço está a areia para fazer vidro e mais quantos anos vai durar se quisermos passar tudo a solar a eólica.
            A ideia é gira, mas na prática não é possível e só seria pior para todos, quer financeiramente quer em poluição.

          • RC says:

            Eu fiz com uma bateria avariada de um carro. Se não usasse essa bateria, ia para reciclagem. Assim aproveito-a para segunda vida.

          • RC says:

            Em poluição já sabemos o quanto é melhor, a alternativa é pior, é isso que anda o mundo a convencer, mas parece que muita gente pensa que a alternativa vem do universo, como costumam dizer com aquela tanga que o hidrogénio é o elemento mais abundante do universo, boa sorte em ir lá buscar. LOL

          • Zé Fonseca A. says:

            A alternativa sempre foi o nuclear, essa sim a unica alternativa com menor pegada ecologica e sustentavel over time.
            Hidrogenio é o mal menor dentro dos pseudo green.

  11. Ambrosio says:

    Num país como Portugal que mal tem água para regar as couves no Alentejo, está-se mesmo a ver que a eletricidade é o futuro. Quando tiverem de deixar de tomar cafe para meter gasolina, depois falamos. Já falta pouco. Passa-vos logo a vontade

  12. Ze says:

    Elétricos é pra panilas!

    • Ricardo Silva says:

      Nah. Panilhas não. Para comandos de TVs, carros radios comandados (alguns) e trotinetes servem.

      Este pessoal acha mesmo que a electricidade nasce do ar. E que por ser (pensam eles) “100% eficiente” deve ser imposta a tecnologia a torto e a direito.

      Diversidade. Bom senso. Adaptabilidade. O EV tem lugar em situações especificas. Como tem o hidrogênio nos EVs assim como nos ICEs. Apesar de alguns contestarem com o “baixo rendimento destes motores”. Para que quero eu um motor com muito rendimento se não vou poder andar a mais de 30 KMs/h em cidade? Balelas é o que é. Prefiro mil vezes um ICE “lento” e não poluente com CARACTER do que um secador de cabelo.

      Esta questão deve ser enquadrada tendo em conta a condicionante economia/geografica, assim como considerando as infraestruturas actuais e eventuais dos países. Assim como considerando o R&D que se pretende estabelecer no futuro para determinadas tecnologias.

      Quanto mais diversidade, mais possibilidade de escolha tem o consumidor. Ficam todos a ganhar. Simples.

  13. Chinotuga says:

    O meu starlet de 96 está impecável e não vou abrir mão dele

  14. Miguel says:

    Parabéns à Toyota pela visão

  15. Nuno Manuel Alves says:

    concordo com o RC em tudo.
    hidrogenio e demasiado ineficiente, so o retardamento mental de meter energia eletrica para obter Hidorgenio faz com que todo o processo ande nos 60 % de eficiência.
    Um Eletrico tem eficiencia sempre acima dos 90 %, carros com motores eletricos poderosos ao contrario dos motores dos carros movidos a celula de hidrogénio. Vejam o Mirai,,, 184 cv e na tugolandia 64 mil aerios…NAO OBRIGADO. A Toyota não tem juízo, já esta a ser alvo de boicotes com estas atitudes de atrasar a eletrificação, a serio uma Vergonha. Ainda tem milhões de euros investidos nas supostas Baterias solidas e protótipo a funcionar e nem assim vão em frente, a serio que falta de visão. Palpita-me que vao entrar pela madeira dentro, espero enganar-me

    • Pierre Cross says:

      O problema do EV é mesmo a quantidade de energia despendida para mover a coisa… é muito superior à combustão, devido ao peso das baterias… nem as compactas trarão melhora, penso que apenas mais autonomia. Hidrogénio é bonito falar mas na prática a infraestrutura para distribuir e armazenar é colossal…. para não falar como o vamos produzir… atualmente sai 3X mais caro devido à energia que precisamos para o fazer… essa energia vem de onde???? Ahahhaahhah!!!!

      • RC says:

        Errado, a quantidade de energia é muito menor.

        Basta saber fazer contas e ter noção das coisas, um comboio ou um navio é muito mais pesado para fazer o mesmo que fazem os camiões, no entanto consomem muito menos, para ter uma ideia, cerca de 2.5 % do que consome os navios.

        Sobre o hidrogénio sim, consome muita energia, necessita de 5x mais de energia para fazer os mesmos kms que faz com um electrico a baterias (já que a hidrogénio é electrico na mesma).

        Contas simples, se quer medir energia tem de ir ao joule ou kwh.

        Um litro de gasolina tem entre 9 a 10 kwh, um litro de diesel tem 10 a 11 kwh, a minha carrinha pegueot partner electrica faz uma média de 12 a 14 kwh por cada 100 kms, o que equivale a 1 a 1.4 litros de diesel.

        Onde é que consome mais ? ?acha mesmo que o mundo está enganado e você está certo ?

      • RC says:

        Já agora se não sabe de onde a energia vem, é simples, eu tenho 4 kw de paineis em cima do telhado e com isso abasteço a casa e as viaturas, principalmente ao fim de semana que estão em casa, são 3 viaturas, uma carrinha e 2 scooters, quando não dá para carregar de dia, tenho armazenamento, o que me leva a pagar mensalmente 12 a 18 euros de electricidade por mês.

        • Yamahia says:

          E mesmo qd não há sol. Sempre a aviar!!!
          É isso e o “Somente 31% dos carros estacionam na via publica” qd apenas 25% das casas em Portugal têm garagem:
          https:// ionline.sapo.pt/artigo/644496/apenas-uma-em-cada-quatro-casas-em-portugal-t-m-garagem
          Continuam os milagres. És um mestre milagreiro
          Com 4kW (12 paineis) não safas uma casa de família média, qt mais uma casa+3 charutos+baterias para o ano inteiro…Cura-te
          Já agora as tuas baterias para armazenamento são de que marca?

          • RC says:

            Mas quem falou em garagem ? foi falado em lugar de estacionamento próprio, não tem nada a ver com garagem.

            https://observatorio.acp.pt/estudos/condutor_portugues/14/index.html

          • RC says:

            Se tiver duvidas pode visitar, ou então podemos apostar, o que quer apostar ? um ferrari ? Já que é todo petrolhead.

            As minhas baterias são de um Nissan Leaf.

          • RC says:

            Aqui tem o resultado dos censos à 10 anos, onde já mais de metade tinha garagem ou estacionamento.

            https://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=ine_censos_indicador&contexto=ind&indOcorrCod=0005976&selTab=tab10

          • Ricardo Silva says:

            Não sei como ainda continuam a dar atenção aos comentários do RC.

            Alguém que não sabe que a tecnologia no hidrogénio vai muito para além da utilização das baterias e que é notoriamente acérrimo defensor do Full EV porque sim, não precisa de muita troca de argumentos.

            Pelo menos aprendeu um pouco por estas bandas. Como seja ter ficado a saber que efetivamente o hidrogénio (para nomear apenas uma tecnologia
            e apenas uma possibilita – de entre várias que devem ser equacionadas – consoante as aplicações) não se cinge à aplicação “full pack” de baterias. Os ICE no hidrogénio não são uma miragem nem tão pouco são uma tecnologia abandonada.

            https://www.cycleworld.com/story/motorcycle-news/kawasaki-reveals-hydrogen-fueled-bike-plans/

            É caro desenvolver? É. É possível? É. Tem aplicações funcionais? Imensas – especialmente no mundo das duas rodas (mas não só). E não fosse por mais nada, só por por conta de apenas uma palavra que está ali bem expressa no texto: CARÁCTER. Coisa que essas tretas a pilhas não têm nem alguma vez terão, ainda as pintassem de dourado. Mas há quem diga que conduzir carros full auto e sem barulhinho ou trepidar algum “dá pica”. E que é subjectivo argumentar do contrário. LOL. Sabem lá estes o que é CONDUZIR. Há 40 anos atrás os full EV eram uma miragem e só o R&D e o forte investimento facilitaram o seu desenvolvimento. É fazer o mesmo. E não deixar que um lobbie venha encobrir outro. Simples.

            Diversidade, possibilidade de escolha, bom senso. Tão simples quanto isto.

          • RC says:

            Só para o elucidar, veja os testes com resultados ridículos que o famoso motor ICE alimentado a hidrogénio conseguiu numa pista, média de kms por depósito 45 kms, onde teve 4 horas a abastecer, entre outros resultados ridiculos, onde tinha 2 camiões tir equipados com toda a maquinaria pesada para o abastecer, estranho não publicarem mais essa informação, no final das contas fez metade dos kms que fez o vencedor, 1634 kms em 24 horas, quando um eléctrico já fez mais de 2700 em 24 horas.

            https://toyotatimes.jp/en/insidetoyota/150.html

            Se quiser também pode ver outros projectos, como o BMW Hydrogen 7 e o Mazda Rx7-Re, todos eles muito bons.

            Já agora, não sou defensor, SOU UTILIZADOR, que é bem diferente, você é utilizador dessa tecnologia para poder dar uma opinão, ou vai também pelos achismos e noticias bonitas.

            Eu não sou contra nenhuma tecnologia, que venham elas e provem o que valem, só depois podemos avaliar. Agora dizer que uma coisa é boa sem existir, é no mínimo estupido.

            Já agora fica aqui um video muito bom de como funciona com os numeros em termos de energia.

            Aprenda, é o melhor remédio em vez de tentar intoxicar os comentários como se fosse o rei da razão.

          • RC says:

            Já agora não percebi isso do caracter, vão gastar milhões para produzir um motor ineficiente, que vai pagar por emissões de NOx( sim, a queima de hidrogénio ou outro combustivel qualquer dentro de uma camara em compressão liberta NOx, com 10x menos eficiência que outras tecnologias que já existem, para fazer barulho que vai ser reduzido já em 2022 e uma tremideira, tudo isto que na verdade usa eletricidade como fonte de energia.

            Eu se fosse petrolhead engasgava-me já. LOL

            Mas venham elas, tecnologias novas, estou curioso.

        • Yamahia says:

          Mais um milagre II
          Por acaso o ZOE que dizes que consome menos de 10kWh, na realidade consome 13,3 kWh/100 . Dados do fabricante.
          Se for numa AE…ui…ui…
          https://motoreu.com/pt/renault-zoe-consumo-ficha-tecnica-168655
          Só mais uma para plantares no teu mundo da lua

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.