Quantcast
PplWare Mobile

Pegasus: o que é, como infeta os dispositivos, o que faz e como é possível detetá-lo?

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. LA says:

    Se fosse só o Pegasus que nos espia-se, estávamos a gente bem.

  2. falcaobranco says:

    “Estas vulnerabilidades não são conhecidas, nem os criadores, nem os utilizadores costumam saber delas, pelo que quando alguém as encontra, pode denunciá-las para que possam ser corrigidas. Caso não sejam logo conhecidas, o mundo do cibercrime pode ter aceso primeiro à falha e usá-la para contornar as medidas de segurança do software e introduzir algum tipo de malware.”

    Este paragrafo diz tudo e sinceramente faz-me um pouco confusão como grandes empresas mundiais, inclusivé a Apple e a Google não conseguem trabalhar com hackers para que essas vulnerabilidades sejam conhecidas logo no dia zero…será que existe alguma política das mesmas para que não aceitem trabalhar com estas pessoas?

  3. Gio says:

    O mercado negro paga melhor pelos 0days.
    A Google tem uma divisão dedicada à procura de 0days, já reportou vários à MS que depois de corrigida vem a público.

  4. Amilcar Alho says:

    “E uma das razões deste software ser tão caro tem a ver pela complexidade do mesmo.”, alguém sabe qual o preço deste Pegasus?

  5. Carla Sousa says:

    Apenas uma correcção:
    “Todos os sistemas operativos têm vulnerabilidades, algumas delas desde o momento em que são lançados, chamadas dia zero (zero-day).”

    Os ataques “0day” são ataques a exploits que são descobertos e ainda não foram mitigados. Embora incluam os bugs “desde o momento que são lançados”, é mais relacionado ao espaço de tempo em que a vulnerabilidade foi descoberta e não mitigada. Sendo a sua maioria fruto de updates posteriores do que propriamente “da data de lancamento”.

    Não está errado o que foi dito, apenas não representa o todo.

    • Vítor M. says:

      Sim, como coloquei está simplificado para ser fácil de entender. Sobre este assunto, como sabemos, poderíamos ter muito para falar, é um tema que dá “pano para mangas”.

  6. compro essa também says:

    Será que as empresas de telecomunicações vão sair prejudicadas no seu negócio ?

    Bem, é que ter bicho no negócio talvez afaste a clientela….

    🙂

    😉

    HAHAHAHAHAHA !!!!!

    HAHAHAHAHAHA !!!!!

  7. Silvestre Pires says:

    A questão é que se eu fizer um software destes vou dentro, estes tipos da NSO ainda ganham dinheiro com isso.

  8. compro essa também says:

    Ainda é bem pior que isso.

    Ninguém o pode ter ou reproduzir, tal como o “hackerismo” mas já não vale para as tais alem dos de sempre….

    Viva ao digital que viola as mais elementares regras e direitos …. basta não cumprir com obrigações e as suas politicas serem abusivas…

    Não é possivel esquecer o que o Ed.S. pós a nu…

    Não é e nunca será seguro.

  9. Carlos Elias says:

    Alguém já recebeu alguma mensagem sem identificação e sem assunto a dizer. “Unknown_sender”? Eu recebo, quase todos os dias. Não abro e apago logo. Deve ser algum tipo de Spyware.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.