Quantcast
PplWare Mobile

Smartphone do Primeiro Ministro espanhol alvo de escutas ilícitas através do programa Pegasus

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Joao Ptt says:

    Quando é para escutar o cidadão, é na boa, agora quando são suas excelências, “cai o Carmo e a Trindade”.

    E é ridículo, até empresários de topo de grandes empresas têm de mudar de smartphone diariamente, e provavelmente o deles é especialmente reforçado a nível de segurança, quanto mais aqueles governantes espanhóis que provavelmente têm departamentos do Estado só a fazer espionagem.

  2. V.T. says:

    iPhones? Impossivel!!! LOL

    • Marco Oliveira says:

      Para android não é preciso software de milhões qualquer exploit barato de 10$ funciona. Aliás até podes fazer upload de apps para a play store cheias de malware que a google não quer saber.

  3. LG says:

    Não está a ser um belo dia para a Apple…

  4. Antonio says:

    iPhones? ” versão mais recente é um exploit sem clique.” …namm não é possivel ….

  5. PorcoDoPunjab says:

    Calma, ainda vamos saber que são Aifones com sistema Android.

    Atenciosamente, PorcoDoPunjab

  6. says:

    Quando queres desviar a atenção de um acto que fizeste/mandaste fazer…. dizes que tb te aconteceu a ti….

    Para bom entendedor e conhecedor das noticias anteriores daquelas paragens …

  7. Jane Doe says:

    Há aí um engano. Deve ser um Android qualquer, porque só os Android é que não são seguros e permitem estes tipos de software.

  8. Carlos Seixas says:

    O Pplware publica um interessante artigo sobre este software de espionagem e imediatamente somos confrontados com as guerrinhas Apple vs Google (iOS vs Android). Esta emocional ligação dos seres humanos aos objectos que utilizam é um caso de saúde pública. Tivessem os seres humanos o mesmo tipo (e intensidade) de ligação sentimental aos seres humanos em geral, assim como à natureza (todos os seres vivos) e teríamos um planeta muito melhor, e certamente não em risco de catástrofe climática, de extinção em massa de espécies, etc…

    Dito isto, é preciso ter a noção que não existem sistemas completamente seguros. As linhas de código, aliás, não páram de aumentar, em muitos casos exponencialmente (veja-se o caso paradigmático do Windows). Quanto mais linhas de código, maiores são as hipóteses de erros, “bugs”, vulnerabilidades, etc…
    A agravar esta situação está o facto de a maior parte dos sistemas e aplicações serem de código secreto, fechado. O iOS é um sistema operativo proprietário, por exemplo… Os fan boys do Android respondem dizendo que este tem um kernel Linux e que é um sistema aberto. Mas isto é só parte da verdade. Se de facto o Android em geral é um sistema de código aberto, não deixa de ser verdade que os sistemas Android instalados nos “smartphones”, tal como nos chegam às mãos quando os compramos, estão cheios de superestruturas e de aplicações proprietárias… O próprio Google Play Services, instalado em basicamente todos os telemóveis Android é uma extensa camada de software toda ela secreta, insondável…
    Tal como são vendidos nas lojas, tanto os equipamentos Android como os iOS estão cheios de software de impossível sindicância, análise, auditoria, etc, pois não temos acesso ao seu código. O que esse código possa estar, ou não a fazer, é coisa a que não temos acesso. De forma que vamos detectando os problemas sempre muito tarde, por vias indirectas e só numa sua ínfima parte…

    Significa isto que um sistema exclusivamente baseado em software livre venha resolver todos os problemas de segurança existentes, nomeadamente a nível de “bugs”, vulnerabilidades, “backdoors”, etc? A resposta é não… Vem, sim, diminuir drasticamente todo esse tipo de problemas, sobretudo no que respeita a “malware”, até porque hoje em dia quase todo ele passa pela transmissão de dados, o que o obriga à colocação, no código, dos endereços Internet para onde tais dados terão de ser enviados, coisa que até um simples programa automático de sindicância a código aberto consegue descortinar.

    Mas o código aberto (“opensource”) não resolve todos os problemas… Mesmo em relação a “bugs” e vulnerabilidades poderá sempre haver alguma margem de tempo entre a sua introdução e a altura em que as pessoas que vão de facto ler o código os descortinem. Ainda recentemente isso aconteceu com o software de webmail “Rainloop”, que é software livre, e pois de código aberto… Pois bem, foi detectada uma falha gravíssima de segurança ao nível do “Rainloop”, tal falha foi devidamente comunicada e, não obstante isso, a mesma só foi resolvida uns três meses depois do alerta… A falha foi tão grave que houve mesmo alguns servidores de Webmail, como é o caso do Disroot, que tiveram de passar para soluções informáticas alternativas.
    Em abono da verdade, diga-se que o “belo” do software livre é que ainda antes desta falha ter sido detectada, já a comunidade se tinha dado conta da forma incompetente como os programadores do Rainloop estavam a agir de há algum tempo a essa parte… E, como tal, pegaram no código do Rainloop e fizeram dele um “fork”, chamado “SnappyMail”, fork este que nunca teve a dita falha… Logicamente que no ecossistema de software proprietário nunca tal seria possível, pois obviamente nunca terceiros poderiam ter acesso ao código do software, e muito menos poderíam “pegar” nele, usá-lo, alterá-lo e disponibilizá-lo ao público em geral.

  9. João P. says:

    Se os lideres mundiais escolhem iphone por ser o mais seguro claro que depois os iphone são o alvo. Macron usa iphone (também o primeiro-ministro Jean Castex), Olaf Scholz usa iphone, Pedro Sánchez usa iphone, António Costa usa iphone, Sebastian Kurz usa iphone, Alexander De Croo usa iphone, Ignazio Cassis usa iphone, Boris Johnson usa um iphone, Sanna Marin não consegui ver apenas vi que usa um Apple Watch diariamente por isso usa iPhone, Andreas Norlén usa um android (samsung) mas Stefan Löfven usa iphone, Mateusz Morawiecki usa iphone, Volodymyr Zelensky usa iphone, Mario Draghi usa iphone (e Apple Watch), Erdogan usa iphone, Nicolae Ionel Ciucă usa android, Kaja Kallas usa Android, Micheál Martin usa iphone, Joe Biden usa iphone portanto se o poderio usa iPhone, vão atacar os andropid? LOL claro que não, aquilo não precisa de um software poderosissimo como é o pegasus. basta umas apps com malware lol

    • V.T. says:

      Acho que não estás no mesmo mundo que o resto de nós. Embora a notícia seja que atacaram iPhones, os Androides continuam a ser o “SO” móvel mais atacado por ter quase 90% do mercado!
      Resumindo, e sem que ninguém nos oiça… os Androides também são atacados!

  10. PorcoDoPunjab says:

    Mau, assim já não me entendo.
    Então mas o Aifone é super seguro, é impossível violar as protecções.
    Quando as protecções são quebradas ah e tal se todos usam esta aí o culpado.
    Por essa lógica o telefone mais seguro do mundo é aquele que ninguém usa porque não existe…

    As voltas que as pessoas dão para justificar que o Aifone é afinal tão susceptível de ser aldrabado como outro qualquer.
    Mas espera, se é Android, a culpa é do sistema.
    Se é Aifone, a culpa é de muita gente usar.
    Se ninguém usasse já não havia chatices destas.

    Vou ali ver se está a chover….. Já fui e não chove.

    Atenciosamente, PorcoDoPunjab

    • V.T. says:

      Os iPhones são como os Androides, logo susceptíveis de serem atacados. Mas as pessoas têm uma lavagem tão grande nas suas cabecinhas que acham que aquilo é um bunker inexpugnável. Aos poucos vão acordando para a vida!

  11. compro essa também says:

    Ainda vamos ver se isto não irá prejudicar as empresas de telecomunicações e seu onegócio.

    Sim, porque ter bicho no negócio pode afugentar a clientela.

    🙂
    😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.