Quantcast
PplWare Mobile

Segunda-feira Júpiter estará tão próximo da Terra que será mais brilhante que a Lua

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. César Albert says:

    Será que não á nenhum perigo nisso?

  2. Paulo says:

    não, não vai ser o objeto mais brilhante no céu. Meu Deus…

    • Vítor M. says:

      O teu Deus é mais brilhante? Segundo o astrofísico da NASA, Adam Kobelski, vai ser um dos mais brilhantes… 😉

      • Miratan says:

        Ele deve estar se referindo aos diversos satélites artificiais.

      • Rodrigues says:

        Vai ser o objecto mais brilhante dado que a lua só vai nascer por volta das 5 da manhã, no entanto a olho nu não vai deixar de ser um pequeno ponto luminoso no céu

        • Vítor M. says:

          Em determinada altura do cair da noite, como diz no texto, Júpiter será mais brilhante que a Lua. Aliás, que, o afirma é o astrónomo da NASA.

          • Setnom says:

            O astrofísico, se formos ver à fonte original (blog da NASA), a partir do qual estas informações presentes no artigo foram traduzidas, não diz que Júpiter será mais brilhante que a Lua. Diz que se fizéssemos de conta que a Lua não existe, que seria dos, se não O objeto mais brilhante do céu noturno.

            Mas a Lua existe, por isso não é. A citação está mal interpretada e portanto induziu em erro.

            Para efeitos de confirmação por parte de qualquer pessoa, podemos aceder a um planetário virtual, configurado para a hora exata da oposição (26 de setembro, pelas 21 horas) e verificar a magnitude aparente da Lua e de Júpiter.

            A “magnitude aparente”, que é o parâmetro científico que indica o brilho de um astro, funciona assim: quanto mais negativo o valor, mais brilhante é o objeto. Quanto mais positivo o valor, menos brilhante é.

            Ao verificarmos os valores da magnitude aparente para os dois astros, recorrendo a um planetário virtual, constatamos que a magnitude aparente da Lua é mais negativa do que a magnitude aparente de Júpiter. Ou seja, Júpiter não será mais brilhante do que a Lua.

          • Vítor M. says:

            Foca-te na realidade. A lua de hoje está 0,31% visível.

          • Setnom says:

            Vítor! Precisamente por eu querer focar-me na realidade, é que aqui estou!

            Realço então novamente a má interpretação do que o astrofísico disse no blog da NASA. A citação original, em inglês, é: “Outside of the Moon, it should be one of the (if not the) brightest objects in the night sky”.

            Ele NÃO disse que Júpiter ia ficar mais brilhante do que a Lua. Este artigo é que está a dizer que ele disse isso. O astrofísico diz que se fizéssemos de conta que a Lua não existe, AÍ SIM, é que seria dos, se não o objeto mais brilhante do céu noturno. Conseguimos chegar à conclusão de que a citação não corresponde ao que está aqui escrito neste artigo?

            Igualmente, chegou também a ir verificar os valores da magnitude aparente aquando do evento desta noite, num planetário virtual como o Stellaris ou theskylive? Quais os valores fornecidos para os dois astros?

            Na minha consulta no theskylive, para Faro, Portugal, às 21 horas de hoje, Júpiter tem magnitude aparente -2,94. A Lua tem magnitude aparente -5,14. A Lua tem o valor mais negativo (-5,14 é mais negativo do -2,94), logo a Lua tem magnitude aparente superior.

            Convém também realçar, após ler o seu último comentário, que VISIBILIDADE de um astro não é o mesmo que MAGNITUDE de um astro! Parece que está a confundir as duas coisas.

            A magnitude de um objeto, por exemplo, brilhante o suficiente para ser visto a olho nu – digamos, Vénus -, não desliza magicamente para valores para lá do que o olho humano consegue observar simplesmente por este, por exemplo, ficar abaixo do horizonte!

            A magnitude aparente depende, sim, da sua luminosidade intrínseca, da distância da Terra e de quaisquer efeitos de extinção da luz provoada por poeiras no espaço.

          • Vítor M. says:

            Estás a misturar as coisas. Estamos a falar em ver a olho nu ou, com uns binóculos, no limite com um telescópio, como foi sugerido. E, o brilho da lua, como disse, está 0,31% visível. Estamos a falar de hoje OK? Não estamos a falar de outra altura qualquer e estamos a falar daqui, de Portugal. Portanto, o que o astrónomo disse está corretamente citado no texto, não estejas a tentar dar a volta. Como hoje a lua está apenas com 0,31% visível, Júpiter torna-se destacado pelo sua aproximação.

            Logo olhem para o céu 😉

          • Setnom says:

            Correção: Stellarium, não Stellaris. Stellaris é o jogo, hehehe.

          • Setnom says:

            Foi verificar as magnitudes dos objetos no planetário virtual? Qual os valores indicados para a hora em questão? Diga-me, por favor, os valores que obteve para a Lua e para Júpiter.

          • Vítor M. says:

            A Lua hoje está como referi, com uma visibilidade de 0,31%.

          • Setnom says:

            Vítor… a pergunta é para a magnitude.

            A magnitude é o parâmetro astronómico que indica o BRILHO do objeto. Neste caso, “magnitude aparente”.

            Também existe a medida de “magnitude absoluta”, que é a magnitude aparente de um objeto caso fosse colocado à distância de 10 parsecs, sem interferência de outros objetos no caminho ou da poeira cósmica. Na astronomia, ou usamos a magnitude aparente. Ou a magnitude absoluta. No contexto da observação astronómica, mais frequentemente a magnitude aparente.

            Os valores que os astrónomos usam para medir o brilho, os valores que as fórmulas nos dão, não são percentagens. São NÚMEROS. Podem ser negativos. Pode ter valor 0. Podem ser números positivos.

            Por exemplo, o brilho – magnitude aparente – do Sol é -26,74. É o objeto com a magnitude aparente mais elevada. Não há nada mais brilhante. Claro, a não ser que viajássemos para outras estrelas. Aí, essas estrelas poderiam ter magnitudes aparentes superiores à do Sol.

            A estrela Vega tem magnitude aparente 0,03. Um bom olho humano, em teoria e sob condições excelentes, consegue observar até mais ou menos à magnitude 6. De aproximadamente magnitude seis para cima, só observando com binóculos ou telescópios, o olho nu não tem capacidade para mais.

            Vítor, a visibilidade a que se refere, no contexto da Lua, é uma medida de ÁREA. Não uma medida do brilho. É a percentagem da face lunar que conseguimos ver iluminada [a partir do ponto de vista de um observador na Terra a olhar para o céu].

            Sim, há relação entre a percentagem de disco lunar iluminado [pelo Sol a partir do ponto de vista da Terra] e a sua magnitude aparente. Quanto mais área iluminada, maior a magnitude aparente. Mas o valor que vamos buscar para o brilho é SEMPRE o da magnitude, não o da área iluminada no disco. Que, para uma Lua que pouco passou de Nova, será o brilho da área iluminada pelo Sol SOMADO com o brilho da área apenas iluminada pela Terra, o chamado “earthshine”.

            Quando se pergunta o brilho de um objeto astronómico, não respondemos com a percentagem do disco que nos é visível. Dizemos a magnitude (aparente; ou absoluta, caso necessário).

            Se assim fosse, então para todos os planetas exteriores à Terra, o brilho (ah, perdão, a “visibilidade”) seria sempre 100%, hehehe. Pois, devido à geometria do Sistema Solar, todos os astros para lá da Terra têm sempre toda a face iluminada pelo Sol.

            A área iluminada a que o Vítor se refere, apesar de pequena devido à fase em que nos encontramos, tem efetivamente magnitude aparente. É esse valor que estou a perguntar. É esse valor que temos que comparar com o Júpiter. É esse valor que vamos buscar aos planetários ou às tabelas de efemérides.

          • Setnom says:

            Correção: onde diz “Pois, devido à geometria do Sistema Solar, todos os astros para lá da Terra têm sempre toda a face iluminada pelo Sol.”

            Quero dizer “todos os astros do Sistema Solar, para lá da Terra, têm sempre toda a face iluminada pelo Sol”.

            Da maneira como escrevi pareço dar a entender que posso falar de exo-astros, estou apenas a falar de objetos do Sistema Solar para lá da Terra.

          • BitBit says:

            Nem me quero meter nos dislates que dizem. Mas ontem, Domingo foi Lua Nova.
            Hoje, 2ª Fª, 26:
            – O Sol nasceu às 7:20 e pôs-se às 19:20
            – A Lua nasceu às 7:43 e pôs-se às 19:53. Ou seja, por ser Lua Nova a Lua está acima do horizonte acompanhando o Sol (e por isso não é visível a olho nu) e não se vê de noite, depois do pôr do Sol.
            – Júpiter, que estava em oposição ao Sol, nasceu quando o SO e a Lua se puseram. Ou seja, esta noite, vê-se Júpiter mas não se vê a Lua.
            Por*a.

          • Vítor M. says:

            Que mais se pode dizer?

          • Setnom says:

            Que mais se pode dizer? Dizer a resposta à pergunta que coloquei sobre as magnitudes aparentes da Lua e de Júpiter aquando da oposição, que já perguntei várias vezes e ainda ninguém respondeu, quando é tão FÁCIL ir verificar os valores tendo em conta os recursos online disponíveis. Porque é que está a custar assim tanto? Não é nenhum segredo, que eu saiba!!!!

            Além dos planetários virtuais que já mencionei, Stellarium e o site theskylive.com, também podem ir ao invés recorrer a tabelas de efemérides, como no site in-the-sky.org . Aí, onde diz “Data Tables” e depois em “Ephemerides”.

            Lá, configurar para mostrar as tabelas para a Lua e Júpiter à hora do evento e ver a coluna da “magnitude aproximada”. E depois comparar os valores dos dois astros.

            Se não querem consultar um planetário, vão lá ver a esse site de dados astronómicos. Novamente: quais são os valores para a magnitude da Lua e de Júpiter?

            Torno a repetir: visibilidade não é indicador de brilho! A visibilidade a que o Vítor se referia, no contexto da Lua, indica a percentagem de ÁREA que está iluminada pelo Sol – que conseguimos ver a partir do ponto de vista da Terra – , não é um parâmetro de brilho! É a MAGNITUDE que nos diz o brilho!

            BitBit, a fase de Lua Nova já tinha passado e já estava parcialmente iluminada pelo Sol à hora da oposição. Além de que o “earthshine” também entra para a determinação da magnitude da Lua quando está tão jovem no seu ciclo de fases.

            Isto, INDEPENDENTEMENTE DE ESTAR ACIMA OU ABAIXO DO HORIZONTE. Os objetos continuam a ser iluminados pelo Sol ou a ter brilho próprio quer a gente os esteja a observar atualmente no céu, quer não!

          • Vítor M. says:

            Não estava nada. Eu disse-te já várias vezes o valor de visibilidade da lua. Mas continuas a bater na mesma tecla.

            Lua nova, não era visível, Júpiter, na sua distância mais próxima da Terra, mais brilhante.

          • Setnom says:

            Visibilidade não é o mesmo que magnitude aparente (brilho).

            Analogia: a Pequena Nuvem de Magalhães nunca é visível de Portugal, por ser um objeto do céu do hemisfério sul. O Vítor diria que a visibilidade do objeto é 0%? Isso quer então dizer que o objeto não emite brilho?
            NÃO! Tem brilho! Os observadores noturnos do hemisfério sul podem constatar isso, até a olho nu, e determinar o valor! Continua a ter magnitude magnitude aparente de -2,69. Mesmo que não a consigamos ver de Portugal, tem brilho e pode ser observada à vista desarmada brilhando no céu do hemisfério sul!

            Visibilidade não é o mesmo que magnitude aparente (brilho), Vítor!! Não são sinónimos, são indicadores diferentes, embora relacionados. Já aqui o disse várias vezes! É a magnitude aparente – ou a magnitude absoluta – que indica o brilho de um astro. Só esses.

            Não é o parâmetro “visibilidade” que mede o brilho de um astro. O termo visibilidade, no contexto da observação astronómica, pode dizer respeito a dois cenários:
            1 – à posição acima/abaixo do horizonte: ou está acima, ou está abaixo;
            2 – à área iluminada [pelo Sol] do disco lunar ou dos discos planetários; é aqui que encaixa o valor comentado pelo Vítor, que é percentual e que varia entre 0(%) e 100(%).

            Repare que o que está a sugerir, seguindo a lógica de que “visibilidade igual a brilho”, implica que um objeto astronómico possa ter MAGNITUDES APARENTES DIFERENTES AO MESMO TEMPO (pois pode ser visível de um sítio, mas não ser visível de outro)! Isto é impossível. O Sol não tem um brilho diferente quando é dia num lado da Terra e quando, ao mesmo tempo, é noite no outro. A magnitude aparente (brilho) é a mesma, quer seja dia na Nova Zelândia e ao mesmo tempo noite em Portugal: -26,74.

            Repito: o brilho de um objeto é indicado pela sua MAGNITUDE APARENTE e não pela % de área iluminada do seu disco, como menciona para o segundo cenário acima descrito.

            Além do mais, a visibilidade percentual e variável de um disco a que o Vítor continua a fazer alusão só é totalmente aplicável à Lua e aos dois primeiros planetas interiores (Mercúrio e Vénus). Pois são os 3 únicos objetos astronómicos que mostram ciclos completos de fases (de 0% a 100%). Os planetas mais distantes só podem ter intervalo de visibilidade >50% a 100%, nunca <=50%. E mesmo assim Marte é o único que se consegue ver pouco acima de 50%, os restantes estão quase sempre perto dos 100% ou nos 100%.

            O valor da magnitude aparente encontra-se numa escala logarítmica, sendo ou um número negativo, 0 ou um número positivo! NÃO É UMA PERCENTAGEM, como os 0,31% que o Vítor mencionou. Nunca foi uma percentagem. É sempre um número negativo, 0, ou positivo.

            Segunda analogia: se eu lhe perguntar qual o brilho do planeta Saturno, o Vítor responde-me que é 100% caso esteja visível acima do horizonte, e 0% caso esteja abaixo do horizonte?
            Não, claro que não! A magnitude aparente (brilho) do planeta Saturno é [atualmente] de 0,48. Esteja ele visível acima do horizonte à noite, ou não.

            Fui claro quanto à distinção entre os termos "visibilidade" e "magnitude aparente" (brilho)? A internet possui muitos recursos que melhor informam a este respeito. Se eu colocar aqui alguns links exteriores, será que passam o filtro de moderação?

            Voltando às comparações das magnitudes aparentes entre Júpiter e Saturno aquando da oposição. Já foi constatar nos recursos indicados por mim?

            Eu posso, ao invés, e para poupar trabalho, já que não obtenho resposta astronomicamente válida, colocar aqui diretamente hiperligações que indicam as magnitudes aparentes de Júpiter e da Lua. Sejam screenshots de planetários virtuais, sejam hiperligações para tabelas de efemérides. Isto ajudará o Vítor e todos os utilizadores que estão a ler a página, para que possam constatar que a magnitude da Lua continuou a ser mais negativa (portanto, mais brilhante) que Júpiter.

            Será que essas hiperligações passam o filtro da moderação? Eu tentei anteriormente colocar links exteriores, em resposta à minha linha original de comentário, mas por alguma razão desconhecida não passaram ali…

          • Vítor M. says:

            Sim, isso não está em causa. Estamos a falar em visibilidade, uma pessoa tem a visibilidade maior do brilho do planeta por este estar mais próximo. Foi o caso, a lua estava menos visível.

          • Setnom says:

            O facto de haver mais proximidade e visibilidade de Júpiter, em comparação com a visibilidade da Lua, não veio a implicar que a sua magnitude/brilho (que é efetivamente o cerne da minha questão) se tornou superior à do nosso satélite, como está no artigo. É o que tenho pedido que se verificasse em sites da especialidade. A magnitude da Lua, mesmo finissamente iluminada àquela hora, mesmo abaixo do horizonte (a magnitude aparente não depende disso, expliquei anteriormente), em comparação com a magnitude de Júpiter, continua a ser mais negativa (mais brilhante).

            Eu penso que já não consigo explicar as coisas de outra forma. Estaria a repetir-me ainda mais do que já me repeti.

            Deixo aqui estes links que evidenciam o que tenho vindo a referir (todos são seguros, verificados e “uploaded” por mim, os do bit.ly substituem os diretos para efeitos de os tornar mais curtos):

            Screenshots do Stellarium-Web.org (ver caixas vermelhas; não forneço link direto porque o website não o permite, tenho que fazer screenshot):
            Júpiter – https://i.imgur.com/H7grSB7.jpg
            Lua – https://i.imgur.com/zdf5sBu.jpg

            Planetário virtual The Sky Live, devidamente configurado para a hora da oposição (ver valores da magnitude, canto superior esquerdo; usei um encurtador de links para aparecerem mais pequenos):
            Júpiter – https://bit.ly/3BOGNt1
            Lua – https://bit.ly/3DXUFEb

            Tabelas de efemérides do site In-The-Sky.org, devidamente configuradas:
            Júpiter – screenshot (ver caixa vermelha): https://i.imgur.com/Qvxgojd.jpg
            Júpiter – Link direto encurtado: https://bit.ly/3SApWRn

            Lua – screenshot: https://i.imgur.com/mITEApo.jpg
            Lua – Link direto encurtado: https://bit.ly/3fnxVmP

            Estes recursos estão à disposição de todos, pelo que é possível qualquer pessoa replicar a obtenção destas medidas. Eu tenho acesso a mais software de astronomia, mas que fica instalado no meu PC, já não podendo ser reproduzível do vosso lado a não ser que também os tenham. Não coloquei precisamente por isso. Se for necessário, posso colocá-los à mesma, apenas em print screens.

            Dos três recursos que evidenciei, todos indicam que a Lua, à altura da oposição, tem uma magnitude mais negativa do que Júpiter. Júpiter não derrotou a Lua em termos de magnitude aquando da oposição de ontem.

      • paulo says:

        “o mais brilhante” é muito diferente de “estará tão próximo da Terra que será mais brilhante que a Lua”…

        Que desastre…

        E não! com uns simples binóculos não vai ser possível ver nada. Muito menis se o ceu esta limpo e a lua ilumina o céu por completo.

  3. Setnom says:

    Tenham cuidado ao escrever estas coisas se querem ser levados a sério em termos da divulgação da astronomia. Júpiter não tem magnitude aparente superior à da Lua (-2,79 vs. -7,38). Nem nunca terá a não ser que exista alguma catástrofe a nível do Sistema Solar.

    Se apenas assim o consideram porque a “Lua põe-se cedinho naquela noite, pelo que tem brilho nulo porque está por baixo do horizonte. E portanto Júpiter, que permanece visível, é assim mais brilhante que a Lua”. Então utilizando a mesma lógica defeituosa, a Lua Cheia é sempre mais brilhante do que o Sol. Pois o Sol está abaixo do horizonte aquando da fase de Lua Cheia, que está sempre bem visível à noite…

    Por o Sol não ser visível à noite, isso quer dizer que se a Lua Cheia for [visível à noite, isto é], é mais brilhante que o Sol? Não, claro que não. Os brilhos dos astros não mudam nem dependem se são ou não visíveis acima do horizonte terrestre.

    Isto é uma racionalização muito anti-científica.

    • Vítor M. says:

      Pelo menos lê o texto todo, em vez de leres só o título, isto só para dar alguma utilidade ao que escreveste. Aliás, é dito até de forma mais isolada, no fim do texto “Portanto, ao cair do dia de segunda-feira, assim que o sol começar a desaparecer, Júpiter aparecerá brilhante no céu, até mesmo mais do que a “nossa” Lua.

      Não será sempre, mas a determinada altura e lá diz “assim que o sol começar a desaparecer”… Júpiter terá uma grande visibilidade… 😉 não vão truncar a informação, sejam intelectualmente honestos.

      Mesmo depois, no cair da noite, e segundo Adam Kobelski, astrofísico investigador do Marshall Space Flight Center da NASA, Júpiter “…sem contar com a Lua, deverá ser um dos (se não o) objetos mais brilhantes do céu noturno”

      Bom domingo.

  4. AndroidPolice says:

    Bem, hoje, dia 25/09, é Lua Nova, à Lua não se vê durante a noite.
    Qual é a estranheza de se ver Júpiter a brilhar, ainda por cima se está mais perto da Terra? Nem é preciso binóculos.

    • Realista says:

      Daí que será verdadeira a frase que diz que Jupiter “será mais brilhante que a Lua”. Pelo menos em Portugal :p

      • Nuno V says:

        Alguma vez conseguiste observar uma lua nova?

      • BitBit says:

        Além de ser Lua Nova (hoje), contam duas coisas. Na 2ª Fª, 26, Júpiter está em oposição ao Sol – nasce, quando o Sol se põe (ocorre a cada 13 meses) e está mais perto da Terra (em 59 anos – está a 590 milhões de km e chega a estar a 965 milhões).
        Na 2ª Fª está mais brilhante do que em qualquer altura do ano.
        A SIC diz que com uns bons binóculos vai ser possível ver quatro das luas de Júpiter. Daqui a bocado vou ver se consigo ver alguma 🙂

  5. Nuno V says:

    Que autentica salgalhada de texto, a lua entrou na fase de lua nova hoje. Não é apenas Júpiter que é possivelmente mais brilhante que esta nesta fase quanto o primeiro se encontra em oposição. Marte e Vénus também o são. A magnitude aparente máxima de Júpiter quanto atingir a oposição vai ser de -2.8. Não muito longe da magnitude aparente da lua nova de -2.5. A magnitude da lua quando cheia é de -12.9.

    Ninguém vai confundir Júpiter com uma segunda lua. Se fosse tal o caso também confundiríamos Vénus com uma segunda lua porque a magnitude máxima deste é superior á de Júpiter. Na realidade, se não tivessem lido esta notícia nem sequer teriam topado qualquer diferença.

    • Vítor M. says:

      Assim já sabes a diferença. Como Júpiter vai estar mais brilhante, vai notar-se mais, ao ponto de ter um brilho que as pessoas poderão confundir com o da Lua. Está muito o simples de se perceber.

      • duniz says:

        Caramba caro Vítor… confundir com o da Lua?
        Só se for para alguém pouco habituado a ver Júpiter, Saturno ou Vénus todos os anos… está praticamente igual a todos os anos e dificilmente confundível com o brilho da Lua…
        Visto às 21h48m desta segunda feira, dia 26 de setembro de 2022.

      • paulo says:

        O senhor Vítor nem com uma pessoa que claramente entende do tema e corrige o desastre da redação você se retrata? Eu sei que já direciona a alguns anos muita noticias aqui no pplware mas não perde nada em corrigir. Só tem a ganhar bem com os leitores.

  6. Nem vale a pena says:

    Bem… Já não vinha aqui há alguns meses, mas ainda está pior do que eu me lembrava… A opinião do “patrão” vale mais que a ciência!
    Talvez volte cá na próxima década, porque antes … não vale a pena!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.