Quantcast
PplWare Mobile

Homem declarado morto acorda pouco antes da sua autópsia

                                    
                                

Fonte: Science Alert

Autor: Ana Sofia Neto


    • Duarte Fonseca says:

      O que tem este artigo a ver com tecnologia? Gostava que alguem tivesse a simpatia de o explicar sem a arrogancia e a seensura do costume. Comeca a ser demais este site tornou se numa ditadura que não deixa pessoas exprimirem se e onde metade dos artigos sao publicidade e a outra metade e literalmente artigos traduzidos e manipulados para criar guerras e coments. Muito baixo nivel

  1. Vasco says:

    Duas coisas: um caso de incompetência brutal (como existem tantos), e também um caso em que talvez a ESA, que está oficialmente a conduzir estudos sobre a viabilidade da hibernação humana em viagens espaciais longas, esteja interessada. Existem outros, sendo um dos mais celebres o de uma americana que passou uns dias perdida numa tempestade e literalmente parecia ter morrido quando foi encontrada, apresentando partes do corpo congeladas e que sujeita a reaquecimento controlado no hospital recuperou o ritmo cardíaco e a consciência. Vestígios de velhos mecanismos de sobrevivência como a hibernação dos nossos antepassados muito longínquos e que reaparecem quando o organismo é submetido a certos tipos de trauma? Tema fascinante.

  2. Jorginho says:

    Isto acontece muito em filme de terror, nenhuma novidade 🙂

  3. eu2 says:

    Está claro que os “sinais clínicos de morte” usados não são 100% fiáveis.

  4. IKAROS says:

    Há que diga que foi isto que aconteceu a um certo senhor há quase 2000 anos atrás, e que ele escapou da morte.
    Quando foram ver, a tumba estava vazia.
    Ainda andou por ali a dizer “olá” aos incrédulos amigos, antes de desaparecer de vez para parte incerta (Índia?).

  5. Joao says:

    O filme A onda perfeita, relata o caso de um surfista de morreu no mar. Foi dado como morto e acordou mais tarde já na morgue. Ele era ateu, disse que teve um encontro com Deus enquanto esteve morto e depois converteu-se ao cristianismo.

  6. Luis Rosalino says:

    É so verem a serie Sherlock e aí têm mais uma possível explicação para o sucedido. Um das melhores séries que vi, Sherlock

  7. Abreu says:

    Save by the Bell, já os ingleses tinham esse sistema na idade media

  8. Marco Duarte says:

    Apagar o meu comentário só porque dizia CMTV é tão valida como a vossa doença a quem nao se vacina e o bla bla bla das vendas do Windows, vão se tratar e tomem + uma dose e mudem o nome da pagina para o degredo de informação

  9. AlexX says:

    Já aconteceram situações similares várias vezes. Mesmo caixões que foram desenterrados, já por várias vezes encontraram o cadáver numa posição completamente diferente daquela em que foi colocado. Uma pessoa com muito treino pode estar 7 a 10 minutos sem respirar e baixar o ritmo cardíaco para 30~40 pulsações por minuto. Não vejo motivos para que, em condições que desconheço, seja impossível parar completamente a respiração e ritmo cardíaco durante 2, 3 dias, quem sabe até mais. E voltar. Dizerem que o sangue coalogava nas veias é desculpa que não cola nestes casos. Mas como fica mal assumirem que não sabem, tem então que ser catalepsia, cianose ou whatever.
    Em circunstâncias que desconhecemos, coisas ditas incríveis ou surreais podem acontecer, tal é o potencial do poder que se encontra adormecido em todos. Se foi permitido a Gonzalo reter na memória aquilo que experienciou, pode ter uma boa história a contar. Nesses 2 ou 3 dias que esteve “ausente”, podem ter passado várias semanas, meses ou anos, na dimensão onde esteve de visita.

    • HeyYo says:

      Um atleta costuma ter batimentos entre 45 a 55 facilmente o que para maioria seria Bradicardia.

      Seja como for, a história têm muito que se lhe diga. Todavia, existem fármacos que reduzem até 4 batimentos por minuto portanto nada é impossível.

      Fingirem a morte não é só nos filmes. Porém, o facto de 3 médicos não conseguirem detectar que ele apresentava sinais vitais (sons cardíacos serão sempre emitidos, bastava estar 1 min a ouvir na zona da jagular).

      Mas… vá se lá entender

      • AlexX says:

        Há vários relatos de monges tibetanos que conseguem através de meditação reduzir a zero o batimento cardíaco e permanecer nesse estado horas. Sem necessidade de tomar quaisquer fármacos ou o que seja, apenas a vontade, o querer. Duvido muito que aqui tenha havido erro médico, o corpo do rapaz pode muito bem ter parado. Só ele poderá contar o que aconteceu nesse período, e provavelmente terá contado à sua esposa, mas contar ao resto do mundo será quase certamente um passo para ser declarado como “maluco” e ser descredibilizado pela comunidade médica. Temos esta mania, que não passa disso mesmo, uma mania, de querer quantificar, mensurar e explicar tudo. No entanto existem imensas coisas para as quais isso não é possível e só nos resta aceitá-las como são. Ou não e ficar em negação. Ou em alternativa, engolir as explicações que alguém sempre se prontifica em dar, por muito absurdas ou sem sentido que essas explicações possam por vezes ser.

  10. Há cada gajo says:

    O pplware, qual é o problema com o meus comentários aqui ? Acham que é mentira ? Querem o contato da pessoa ? Francamente !

  11. Carlos says:

    Eu ainda sou do tempo em que Pplware só publicava sobre tecnologia. Pode haver quem não acredite, mas eu juro que é verdade.

    • Vítor M. says:

      Estás enganado. Só alguém que anda muito distraído diz um disparate desses 😉 se fores ver todos os meses desde que o Pplware nasceu há 17 anos tens artigos de tecnologia, espaço, ciência, inovação, humor, música… etc 😉

      Por isso, a seguir são outro artigo sobre a vida e o a ela diz respeito 😀

      Bom fim de semana

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.