Quantcast
PplWare Mobile

Tags: emprego

Renault: Transição elétrica custará 2.000 empregos em França

É do interesse da União Europeia que, em breve, a transição para uma mobilidade elétrica comece nos países que dela fazem parte e nas fabricantes que abriga. De todos os senãos que lhe estão associados, um dos mais preocupantes é a perda de empregos que ela poderá provocar.

Afinal, como resultado da transição para os carros elétricos, a Renault, por exemplo, planeia cerca de 2.000 cortes de emprego, em França.

Renault


Estudo revela que a perda de emprego devido à transição para os elétricos será mínima

A transição para uma mobilidade elétrica, que implicará uma massificação da utilização de carros elétricos, apesar da controvérsia, não terá apenas impacto ambiental. Conforme foram avisando algumas organizações, ao longo dos anos, aquela poderia afetar os postos de trabalho.

Todavia, um novo estudo revela a perda de emprego motivada por essa transição será mínima.

Produção de carros elétricos


TikTok está a lançar uma ferramenta para ajudar os utilizadores a encontrar emprego

O TikTok é uma rede social que trouxe ao planeta um fenómeno curioso. Em poucos segundos o utilizador tem de contar uma história, apresentar um conto ou dar a conhecer um cenário em vídeo que possa atrair outros utilizadores por forma a construir um grupo de seguidores. A mecânica de funcionamento da rede foi talhada para encaixar com o cérebro de quem a usa, estudar os gostos e apresentar as preferências. Por isso, o TikTok é viciante.

Uma das tendências dos utilizadores na rede é apresentar o seu dia a dia, como fazem o seu trabalho e curiosidades sobre uma grande variedade de temáticas. Agora o TikTok quer ser também uma plataforma para ajudar os utilizadores a encontrar emprego.

Imagem TikTok emprego


Mozilla despede 250 funcionários devido à pandemia da COVID-19

A Mozilla é uma empresa conhecida sobretudo pelo seu browser Mozilla Firefox. Mas devido à crise provocada pela COVID-19, a Mozilla anunciou hoje o despedimento de cerca de 250 funcionários. A decisão prende-se com um plano para levar a cabo uma reestruturação da empresa.

A pandemia afetou tudo e todos e nem mesmo as grandes empresas escaparam às consequências, sendo que em vários casos conhecidos o impacto tem sido fortemente sentido.


LinkedIn: a rede social de emprego vai demitir quase mil funcionários

O LinkedIn anunciou que vai demitir perto de mil dos seus funcionários. A rede social profissional direcionada para a procura e oferta de emprego está também a passar uma crise devido à pandemia da COVID-19.

Este despedimento em massa corresponde a cerca de 6% do quadro de funcionários da plataforma e foi motivado pela queda na quantidade de contratações.