PplWare Mobile

Nova geração de baterias de estado sólido fornecerá 100 milhões de carros elétricos


Imagem: YouTube

Fonte: ABI Research

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Paulo Lopes says:

    a luta não vai ser só essa, em 8 a 10 anos com os carros 100% eléctricos.
    “vender a quem” a fim de 6 anos o valor de uma viatura e 50% do valor da compra (novo), sabendo que uma bateria tem um fim de vida depois de 8 a 10 anos.
    O valor de uma nova bateria e muito elevado, então o carro vale que?

    • Samuel says:

      As atuais baterias duram ate 15 anos ou mais portanto as futuras baterias deveram durar ainda mais.

    • joao rodrigues says:

      Qual o valor de uma bateria daqui a 10 anos? O valor das baterias da Tesla já são 3x menores que há 4 anos a trás.
      Noticias:
      “Com a procura por carros elétricos a subir, os anúncios de usados permanecem cada vez menos tempo ativos – o que significa que a venda é cada vez mais rápida.”

      Já agora um Carro não elétrico de valor superior a 40.000€ vale quanto ao fim de 6 anos?

    • AJ says:

      So se fala em carros elétricos. Para mim o fhturo é Nano Flow Cell.

  2. Eu says:

    E se usassem batcaps? hum? não?

    • Eu says:

      Eu também sou Eu, mas não sou o seu Eu. O problema principal dos carros elétrico é a autonomia e também o risco de morrer o ficar queimado, mesmo sendo prudente e bom condutor. Está tecnologia que nos querem impingir a força até 2025, até antes em que começam as restrições de movimento das viaturas a gasolina e gasóleo. Querer contingência os produtores de petróleo pondo em perigo a humanidade esse é o facto real dos megalómanos do pro-eletrico. O elétrico deve de ser marurado antes de fechar a torneira do de combustíveis. O resto é SÓ MEGALOMANIA. O povo não deve ser tratado como dano colateral na implementação destas novas tecnologias de locomoção. Se pede Juízo à quem governa as nações dem tempo ao tempo.

  3. Caetano says:

    Veremos que reparações são necessárias fazer num VE daqui a 15/20 anos em comparação com um veículo a combustível. A mim parece-me que compensa claramente mesmo aos preços actuais.
    O curioso é que os VE ainda nem atingiram uma décima parte do sector automóvel e já fazem mossa de tal forma que até a minha marca actual me ligou a propor trocar um carro com 2,5 anos (novo) por outro mais novo ainda. Isto é, os VE estão a entrar nas linhas de produção e os clientes aguardam que eles cheguem ao stand. Vai haver muito stock de viaturas novas a combustível para despachar, já não falo do barril de petróleo que dizem, devia estar a 20 dólares para estar competitivo com a energia solar e eólica!
    Toca a mudar mentalidades.

    • Jeezzz says:

      Entretanto os 15 maiores navios do mundo poluem mais que todos os automóveis a combustão juntos, mas ninguém se importa com isso. OK!

      https://www.razaoautomovel.com/2017/03/15-navios-puluem-mais-que-os-automoveis

      Mas alguém acredita que os VE actuais vêm poupar o planeta? Tenham dó e investiguem sff.

      • Reis says:

        Reduz, mas não resolve…

      • mlopes says:

        é óbvio que os grandes navios, os aviões, a produção de cimentos e outra indústrisas são poluidores gigantescos com impactos globais muitíssimo maiores do que os pequenos veículos a combustão.
        mas os ve têm algumas vantagens adicionais para além do “salvar o planeta”.
        têm muito menos componentes, têm muito menos manutenção, a manutenção é mais barata, com todos os impactos sociais, económicos e ao nível da diminuição da poluição que isto representa.
        são também muito mais silenciosos faendo diminuir uma outra forma de poluição, infelizmente muito desvaloriada, que é a poluição sonora, especialmente nos grandes centros urbanos.
        para além disso, a sua utilização massiva permite diminuir drásticamente os níveis de poluição no interior das cidades (onde se movimentam a maioria das pessoas na generalidade dos países) contribuindo assim para uma significativa diminuição dos problemas de saúde pública (e são muitos) associados a tal poluição. e isto é verdade mesmo que a matéria prima utilizada para a produção de energia elétrica seja o carvão (o que cada vez acontece menos e a tendência aponta para que a dimuição continue)

        • Erico says:

          Um carro movido a etanol 100% tem menos emissões em toda sua vida e produção do que um carro elétrico carregado numa rede a base de combustíveis fósseis.

          • Ruy Acquaviva says:

            Sua afirmação é verdadeira apenas em parte.
            Em primeiro lugar o etanol, contém apenas o carbono que foi retirado da atmosfera pelas plantas. or isso é considerado como carbono neutro, ou seja, sua queima não aumenta a quantidade de carbono na atmosfera.
            Porém ele tem emissões sim. Para efeito de poluição do ar urbana ele é mais limpo que os combustíveis fósseis, mas contribui para a poluição do ar nas grandes cidades, enquanto os carros elétricos não tem emissão local alguma.
            Em segundo lugar é importante saber como é feita a produção desse etanol. As máquinas agrícolas normalmente usam gasóleo, seria importante que usassem o próprio biocombustível, no caso óleo vegetal, que substitui perfeitamente o combustível fóssil. Qual a procedência da energia utilizada na usina de produção de etanol? No Brasil, no início da utilização do etanol veicular, nos anos 70, as usinas ainda utilizavam gasóleo e óleo combustível nas caldeiras. Posteriormente passou-se a utilizar os restos vegetais da cana de açúcar como fonte de energia. Hoje está sendo pesquisado a produção de etanol de segunda geração a partir desses restos vegetais. Outro ponto a se considerar é o uso de fertilizantes químicos, produzidos a partir do petróleo e cuja produção utiliza energia de combustíveis fósseis.
            Em terceiro lugar a poluição gerada pelos automóveis movidos a etanol não se restringe ao combustível. O óleo lubrificante do motor e do câmbio e os demais lubrificantes necessários a esses veículos, devido ao maior desgaste no motor e necessidade de sistemas de transmissão complexos, são derivados de petróleo. Além disso o maior número de peças leva a consumo de energia (normalmente oriunda de derivados de petróleo) para sua produção.
            Por fim é bom lembrar que a própria energia dos carros elétricos pode ser produzida a partir de biocombustíveis em substituição aos combustíveis fósseis, não havendo portanto contraposição entre carros elétricos e biocombustíveis.

    • Manuel Conceicao says:

      Tens que mudar mentalidades em tudo não é só no que respeita ao carro.

  4. PORTUGA says:

    O crude de petróleo sabemos que é resultante da transformação dos componentes orgânicos
    ao longo dos tempos logo, estará em reprodução ao nível do subsolo profundo.
    Será que poderemos considerar reciclável?
    O lítio e o silício são minerais de origem???
    Após a sua retirada do solo e transformados como se processará a sua reconversão e reposição no solo?
    Se alguém souber grato ficarei pela partilha.
    Boas férias.

    • Pedro says:

      O silício é o segundo elemento mais abundante da crosta terrestre; 26 a 28% da crosta terrestre é composta de silício. Em abundância na crosta terrestre o silício fica atrás apenas do oxigênio, que compõe quase a metade de toda a crosta. – in Wikipédia

      • PORTUGA says:

        Sim mas… e a questão da sua reposição?
        Por muito que seja um dia esgotará se não houver renovação de stock.
        É a LEI Implacável da NATUREZA.
        Cumprimentos

        • int3 says:

          Cuidado com o uso de oxigénio. Um dia irá esgotar….

        • Pedro says:

          O petróleo leva milhares ou mesmo milhões de anos a produzir e advém da decomposição de matéria, ou seja, na prática não é algo que se possa dizer renovável. Sendo o silício um mineral, está praticamente em pé de igualdade com o petróleo, ou seja, na prática também não é renovável. De todo o modo, se o silício existe em incomparável maior abundância que o petróleo e este já anda a ser utilizado massivamente há décadas e ainda se adivinham várias outras de utilização, como deve compreender seria sempre um recurso incomparavelmente superior ao petróleo. Por outro lado, o petróleo é o elemento principal do combustível atual enquanto o silicio seria um dos elementos destas novas baterias, usado apenas numa única vez, quando da produção das mesmas. Dito isto, neste caso o silicio quase poderia ser considerado inesgotável, apesar de não ser. É a lei implacável da lógica e matemática. Cumprimentos

          • PORTUGA says:

            Com os meus cumprimentos agradeço a gentileza da resposta.
            A grande virtude do ser humano é a sua capacidade de adaptação às circunstâncias desenvolvendo novos métodos para no ambiente ir vivendo.
            O grande Anton Lavoisier nos deixou um legado, em Lei ainda não desmentida, que nos pode dar algum conforto.
            Porém devemos todos e a cada momento procurar agradir o menos possível a NATUREZA que nos suporta e alimenta.
            Dada a hora desejos de bom apetite ´de um bom fim de semana.

    • Toni da Adega says:

      Reciclágem -Processo de conversão de desperdício em materiais ou produtos de potencial utilidade.
      Minerais podem ser reciclados e reutilizados para o mesmo tipo produto ou produtos completamente diferentes.

      Que a parte do petroleo é que é reciclavel?

  5. Adelaide Oliveira says:

    Pura e simplesmente isto é apenas negócio de milhões seja que tipo de energia for os senhores donos disto tudo(sempre os mesmos)estão se borrifando para o planeta.., milhões e milhões isso é o que importa

  6. João Coelho says:

    A autonomia vs tempo de recarga! Há muito que digo serem esses os pontos fundamentais dos VE’s!

  7. Reis says:

    Para produzir as baterias em muito maior escala, quais serão os danos ambientais? Por exemplo, a extração de lítio abre buracos imensos, pois a extração é tipo pedreira… A solução atual é transitória, mas tudo o que seja esburacar, extrair, arrasar não é “amigo do ambiente”. Os combustíveis fósseis quando apareceram também pareciam “inofensivos”. Que mal faria ao planeta 100, 1000, 10000 carros?…

    • Ruy Acquaviva says:

      Eu sempre vejo essa conversa de que a mineração do Lítio é danosa ao meio ambiente. isso é uma meia verdade utilizada para formar uma falácia completa.
      Sim, a mineração do lítio, assim como a do ferro, do cobre, do alumínio ou qualquer outra mineração é danosa ao meio ambiente. Pode ser feita de forma mais responsável ou totalmente irresponsável. Infelizmente praticamente toda a mineração é feita de forma irresponsável. Isso não é culpa do lítio nem é diferente para qualquer outro material. A causa é a insanidade do sistema social em que vivemos, onde o lucro e o dinheiro são colocados como os valores maiores, que regem toda a sociedade.
      A mineração do Lítio não é e nem será causadora de problemas, até porque utiliza-se pouco lítio nas baterias. Os automóveis elétricos por outro lado, utilizam muito menos peças e componentes que os seus correspondentes a combustível. A mineração de ferro (ou alumínio, a medida que este substitui parcialmente o aço nos veículos atuais) poupada com o menor uso de peças compensa em larga escala e com sobra, o lítio que é utilizado nos automóveis elétricos.

      • Kaos says:

        Se tivesses uma mina de lítio à porta de casa não tinhas esse discurso.

        • Ruy Acquaviva says:

          Se eu tivesse qualquer mina de qualquer mineral à porta de casa eu ficaria muito consternado. Qual é a diferença de ser lítio, ferro, ouro ou manganês. E se fosse um poço de petróleo à porta da sua casa, será que você não mudaria o seu discurso?

          • PORTUGA says:

            Se eu tivssse uma à minha porta colocava-a em exploração e com o rendimento me alojava em local bem aprazível.

  8. João Santos says:

    Então mas os carros a combustão também usam bateria e ninguém se preocupa com as pedreiras de lítio.

  9. Eliel says:

    Eu, a algo em torno de 5 anos atrás, pedi patente de um sistema que torna o carro elétrico com autonomia quase ilimitada podendo rodar facilmente 5 mil km sem uma única parada e, MELHOR COM +/_ 1 QUINTO DAS BATERIAS QUE OS ATUAIS USAM…………..Mandei email para a Mercedes….conclusao: está sendo lançado está em teste na Europa como se fosse projeto deles é lá o Governo investiu 500 Milhões de Libras…….
    Me passaram a perna mas eu tenho documento com o selo do governo Federal que comprova.

  10. Joaquim says:

    Nunca vi bactéria no estado gasoso nem no líquido

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.