PplWare Mobile

Coronavírus: Saiba em tempo real num mapa o impacto deste vírus


Autor: Pedro Pinto


  1. Ze says:

    Não estao a transmitir os valores reais.
    A china esta a dar valores muito por baixo para não causar panico.
    Fala-se em 100x mais mortos do que o relatado.

  2. ToFerreira says:

    LOL! No mesmo espaço de tempo o vulgar Influenza matou um número MUITO superior de pessoas e ninguém quer saber.

    • Paulo Santos says:

      Sim, mas a percentagem de morte sobre o número de infetados é muito menor.

      O SARS causou quase 10% sobre o número de infetados. Agora imagine que este vírus atinge as pessoas que uma gripe comum atinge . Está a ver a quantidade de mortes que haveria?

      • Wishmaster says:

        @Paulo Santos
        O Influenza mata 500 mil por ano… Vê alarme por causa disso?
        Além disso, propaga-se muito rápido..Se este vírus é tão contagioso, já deveriam existir milhares de infectados em muitos países…

        Isto é claramente manipulado em laboratório e lançado.
        Em 2015, foram publicados vários estudos e num deles o cientista confirmou que conseguiram manipular o vírus que estava presente nos morcegos, de forma a que fosse contraído por humanos.

        Isto lançou um debate polémico entre os cientistas da área por considerarem que esta pesquisa e experiências seriam mais perigosa do que os benefícios que se retirariam dela…(que seria avaliar e conhecer a perigosidade para a Humanidade e a possibilidade ou não de tais vírus serem contraídos por humanos).
        Mas conseguiram fazê-lo na altura, os cientistas conseguiram manipular para que infecte humanos.
        Os EUA retiraram os apoios a este tipo de investigação, pela perigosidade e polémica que causou. Mas pelo menos é o que dizem….
        Muita coisa se faz secretamente em laboratórios.

        Foi acidente? Foi propositado? Parece claramente ter sido propositado.
        Depois deste dramatismo e teatro nos media, lá vão os estados comprar as vacinas, as farmacêuticas ganham balúrdios e passados 20 dias já não se ouve falar da “pandemia”.

      • Wishmaster says:

        E ainda há outra circunstância que ajuda, o facto da China estar sob ferro e fogo por parte dos EUA.
        Convulsões sociais que levaram aos protestos de Hong Kong (até que ponto não são os EUA a meter o seu dedinho? Já o fizeram noutros países, dezenas e dezenas de vezes!! E de forma muito discreta).
        Após os confrontos de Hong Kong, que pelos vistos não fizeram muito efeito, apesar de terem durado meses, aparece isto 😉 Logo na China.
        Chamem teorias da conspiração se quiserem, mas que é estranho, é. E o vírus transmuta-se 4 anos depois de o conseguirem fazer em laboratório…? Hum…

        • Paulo Santos says:

          Aquilo que referi é sobre a incidência. Se o SARS tivesse os mesmos infetados que a gripe comum, seriam aos milhões as mortes.

          • Wishmaster says:

            Sim, nessa parte tens razão. Mas o SARS matou 300 pessoas.
            Sem te querer contradizer, não deixa de ser estranho que o vírus não se propague mais rapidamente. Vemos bem o que acontece com o vírus da gripe…

          • Paulo Santos says:

            Wishmastet, o vírus não se está a propagar rapidamente porque as autoridades chinesas estão a ter uma atuação fantástica e completamente aberta, acho.

        • Paulo Santos says:

          Relativamente à teoria da conspiração americana, nem comento. Se sabem mais que os investigadores chineses, enviem as vossas conclusões para a Embaixada da China. Eles darão provimento a tão brilhante teoria.

      • ToFerreira says:

        Segundo os dados do site indicado a mortalidade é inferior a 3% do total de infectados.

  3. Abreu says:

    Eles estão a abafar muita coisa, o coranavirus não veio das cobras ou lagartos, foi somente uma mutação do vírus da gripe normal… Sabem o que causou isso? FOI A REDE 5G.. acreditem se quiserem nessa região já tem antenas 5g a mais de 6 messes. Temos que unir e não deixar por esse microondas no nosso país! A rede 4g LTE ainda tem muito para dar

    • Mf3rRo says:

      Deixa adivinhar, lestes isso no mesmo site em que diz que a terra é plana… LoL

    • golo says:

      5G mas eles já vão no 10G eheheh, não deixes de fumar disso não…

    • Le Juntista di Fibre says:

      Pessoas como tu nem deveriam ter acesso à rede, seja LTE ou 5G.

      Anda um gajo a montar antenas para isto acontecer… blyat..

    • Nauan says:

      kkkkkkkkk mds mano, onde que você andou fumando essa maconha? tá estragada viu, você me fez dar uma gargalhada aqui no trampo, abraços, se cuida, obrigado pela risada kkkkk.

    • Rodrigo says:

      Não sei o que andas a pôr no tabaco, mas eu também quero.

    • Pedro says:

      Agora o 5G cria virus? 😀

      • Wishmaster says:

        Claro que sim…Vírus, malware, etc…lol

        Agora numa de ficção…E se realmente agentes patogénicos ou outro tipo de informação puder ser transmitida desta forma e o 5G é a geração que consegue fazer isso..? :O
        (muita ficção, eu sei, mas nunca se sabe…nunca se sabe…lol)

    • Guilherme Lino says:

      Teorias da constipação

    • Wishmaster says:

      O que o Abreu diz é, ou parece ser, uma perfeita tolice…Sem desrespeito.

      Mas a verdade é que descobri este tipo de intervenção “sonogenética”
      Só um exemplo que existem coisas aí que não fazemos ideia….

      https://www.nature.com/articles/ncomms9264

      A major challenge in neuroscience is to reliably activate individual neurons, particularly those in deeper brain regions. Current optogenetic approaches require invasive surgical procedures to deliver light of specific wavelengths to target cells to activate or silence them. Here, we demonstrate the use of low-pressure ultrasound as a non-invasive trigger to activate specific ultrasonically sensitized neurons in the nematode, Caenorhabditis elegans. We first show that wild-type animals are insensitive to low-pressure ultrasound and require gas-filled microbubbles to transduce the ultrasound wave. We find that neuron-specific misexpression of TRP-4, the pore-forming subunit of a mechanotransduction channel, sensitizes neurons to ultrasound stimulus, resulting in behavioural outputs. Furthermore, we use this approach to manipulate the function of sensory neurons and interneurons and identify a role for PVD sensory neurons in modifying locomotory behaviours. We suggest that this method can be broadly applied to manipulate cellular functions in vivo.

      Controle de som

      Descobri que o ultrassom – ondas sonoras além do alcance da audição humana, que não são invasivas e seguras – é uma ótima maneira de controlar as células. Como o som é uma forma de energia mecânica, imaginei que se as células cerebrais pudessem se tornar mecanicamente sensíveis, poderíamos modificá-las com ultra-som. Esta pesquisa nos levou à descoberta do primeiro detector mecânico de proteínas de ocorrência natural que tornou as células cerebrais sensíveis ao ultra-som.

      Medo! :/

  4. yaondex says:

    isto e o que acontece quando pessoas começam a comer animais que não podem…. so faltava apanharem um virus de caes/gatos para aprenderem a não comerem eles…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.