PplWare Mobile

Ericsson bate recorde da Huawei na velocidade de download na rede 5G


Fonte: Ericsson

Autor: Marisa Pinto


  1. Chicosoft says:

    4,3 Gbps quando chegar a PT anunciam até 1Gbp/s na realidade teremos 10Mb/s com limite de tráfego de 500megas

  2. Rodrigo says:

    Ganda comentário do Chicosoft !! Tá tudo dito!!!

  3. Jose says:

    “a Ericsson utiliza uma frequência proibida de 800 Mhz com onda de 8 milímetros.” Que falta de rigor científico! 800 MHz (800 milhões de ciclos por segundo) dá um período (ciclo) que dura o inverso disso, ou seja, 1,25 nano-segundo (1,25×10^-9 (dez com expoente -9)). Sendo a velocidade da luz 300 mil km/segundo (ou seja, 3×10^11 milímetros/segundo) , o comprimento de onda/ciclo é de 1,25×10^-9 x 3×10^11 = 375 milímetros.

    • João says:

      Ou será a sua ignorância?
      A Ericssson usou uma largura de banda de 800MHz através da agregação de portadoras mmWave. Para esta largura de banda diria tipicamente frequências na casa dos 20GHz.

      • Jose says:

        “Onde a ignorância é uma bênção, é uma loucura ser-se sensato”.
        Fiz um comentário sobre o rigor científico do texto.
        Primeiro: o texto fala de “largura de banda” em algum lado?
        Segundo, a realidade portuguesa a curto prazo: ANACOM – Consulta sobre o projeto de Regulamento do Leilão para a atribuição de DUF nas faixas dos 700 MHz, 900 MHz, 1800 MHz, 2,1 GHz, 2,6 GHz e 3,6 GHz.

  4. Samuel MG says:

    O 5G só vai existir nas grandes cidades o resto do país vai ter de se contentar com 3G e 4G deficientes.

  5. SANDOKAN 1513 says:

    Ericsson-a parceira da minha operadora,a Vodafone,para a implementação do 5G aqui em Portugal.Assim sim. 🙂

  6. Nick says:

    Parece que o 5G e’ pior que 4G devido aos obstaculos fisicos (edificios, arvores, etc). Se assim for vai ser um flop.

    • Tuaregue says:

      N parece é.

    • José says:

      Isso tem a ver com a frequência utilizada.

    • Joao Ptt says:

      Calma, isso é nas frequências altas, nas frequências mais baixas não é tão problemático.
      Então qual é o problema? As velocidades que podem ser atingidas serão menores nas frequências mais baixas do que nas mais altas.

      Por tanto a cobertura integral com o 5G é possível, contudo as velocidades loucas apregoadas, que de resto provavelmente nunca se verificarão em Portugal fora dos laboratórios e um ou outro “showroom”, é que tal como no 4G nunca deverão ser atingidas porque isso custaria demasiado dinheiro a passar fibra-óptica com os equipamentos adequados para suportar toda essa largura de banda… que ainda assim acabaria invariavelmente por ser partilhada por todos os ligados à antena/ equipamentos/ fibra-óptica… e a velocidade será tão elevada quanto o ponto mais lento em todo o circuito para cada terminal. Sem falar que teriam de passar sabe-se lá quantas novas fibras-ópticas e novos equipamentos para os pontos de partilha internacionais que permitem que a ligação chegue ao(s) servidor(es) de destino… a menos que os operadores comessem a cobrar uns 5000 euros ou mais a toda a gente por mês, não me parece realista esperar tal salto “quântico” na qualidade das ligações.

      Espero é que o Rooming entre antenas de operadores diferentes se torne real, para ver se de uma vez por toda melhora a cobertura para toda a gente mesmo que o operador que utiliza não tenha cobertura no local mas apenas outro disponibilize cobertura nesse local.
      Isto sim, é mais realista que esperar loucuras do 5G, quando já se viu pelo 3G e pelo 4G o quão falsas são as promessas umas atrás das outras.
      Até hoje acho que só a rede analógica (“1G”) tinha cobertura integral em todo o lado incluindo serras, tudo o demais tem demonstrado o quão má foi a tecnologia escolhida para o país… talvez o CDMA tivesse sido mais adequado. O dito 4G ainda não chega a todo o lado, e acredito que a menos que o estado obrigasse (dica: não vai) o 5G também não vai oferecer sinal com qualidade em todo o lado, se existir sequer sinal de todo.

      • Rui says:

        5g nas frequências mais baixas atinge os 800mbs, e nas mais altas os 5gbps logo muito superior ao 4g. Quem diz o contrário e mesmo de quem não percebe nada disto nem licenciado deve ser

        • João says:

          Vai sonhando…
          O 5G atinge em cada frequência velocidades de acordo com a largura de banda que tiver definida…
          Em Portugal o 5G 700 terá a LB de 10MHz logo não será de esperar grandes velocidades.
          Em 3,6GHz sim, com 400MHz em leilão para os operadores é de esperar grandes velocidades.

  7. Vitor says:

    “No entanto, é importante dizer que a Ericsson utiliza uma frequência proibida de 800 Mhz com onda de 8 milímetros…”! Nesse caso o teste é importante em que aspeto?! Para anunciarem que “bateram” um record que não pode (ou deve) ser homologado? Um dia destes alguém se lembra,para bater os records do Bolt nos 100/200 metros em atletismo,em colocar atletas em pistas planas e outros na pista do lado com inclinação positiva!!

  8. Pedro Ramos says:

    A Ericsson é uma empresa que anda, desde há alguns anos, um pouco desaparecida dos radares, mas esgane-se se pensa que estagnou.

    “Esgane-se”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.