Quantcast
PplWare Mobile

Greenrail ou o conceito de transformar as linhas férreas em produtoras de energia limpa

                                    
                                

Imagem: Greenrail

Fonte: Greenrail

Autor: Vítor M.


  1. Digo eu says:

    Tudo o que seja largar a queima de combustíveis fósseis, deve ser utilizado e desenvolvido. Uma excelente ideia, essa da Economia Circular.

  2. PGomes says:

    O problema da produção de energia solar não é o espaço onde colocar os painéis. O problema é a sua eficiência, em termos de custo de instalação e manutenção, contra a quantidade de energia produzida.
    Para garantir a sua eficiência ótima, os painéis são orientados contra o sol e é feita limpeza regularmente da sua superfície. Numa central solar, isso é relativamente fácil de fazer, com sistemas direcionais dos painéis que acompanham o movimento do sol. Como os painéis estão concentrados numa área, realizar a limpeza da superfície é mais fácil.
    Quando se coloca painéis numa estada ou numa linha férrea, os painéis raramente vão ficar alinhados com o sol, o que reduz drasticamente a sua eficiência. Pior do que isso, estão no chão, onde passam veículos, estando expostos a muito mais sujidade, o que reduz ainda mais a sua eficiência. E para piorar a situação, como estão espalhados ao longo de vários kilometros, o custo de limpeza vai ser muito mais elevado.
    Como estão aplicados numa via de circulação, vão estar expostos a um meio mais agressivo. Entre vibrações, queda de materiais, exposição a elementos e a vandalismo, o resultado será um custo de manutenção muito mais elevado. Mesmo com sistemas para proteger os painéis, as falhas técnicas serão muito superiores do que numa central solar.
    Esta ideia do greenrail não é uma solução, apenas adiciona muitos mais problemas. Torna a produção de energia elétrica solar muito mais cara e muito menos eficiente. Isto é um disparate completo e não devia ser apoiado.
    Precisamos de soluções que resultem em otimização dos sistemas de produção de energias renováveis, não em disparates como as “solar roads” e “greenrail”.

    • Paulo says:

      Não entendeste absolutamente nada do projeto, mas nadinha mesmo… exceptuando que tem painéis na linha…lol

      • PGomes says:

        Explica então as maravilhas deste projeto.

      • Backonline says:

        Paulo a ideia é gira só isso! Tens que ler sobre o solaroads e projectos semelhantes a este pra perceber que não é viável monetariamente.

      • pauloj says:

        Ho fixe ou argumentas ou cala-te!

      • LG says:

        O PGomes tem razão! Sim é giro mas vai falhar, tal como falhou o(s) “solar road”… Isto não passa de um projeto para angariar fundos de investidores que ficam maravilhadas com esta “ideia” para depois não dar em nada a não ser manter uns “recém-licenciados iluminados” felizes para ter pão em casa…

      • Balmer says:

        Se o que o PGomes não te soa coerente, acho que o problema é não perceberes como funcionam paineis solares…

        Ideia engraçada, mas com muitos contras desde uso de recursos a tempo e custo de instalação e manutenção., versus retorno. Sim, estamos a aproveitar espaço desperdiçado, mas quem conta isto e quer fazer parecer bem só te conta que instalas aquilo e “está feito”.

    • Victor says:

      Pode não ser uma opção rentável, mas quanto à limpeza dos painéis acho fácil. Uma carruagem com água e aspersores pode facilmente percorrer a linha lavando e limpando os painéis.

      • paulo rodrigues says:

        Fixe! Até porque essas carruagens existem, não será preciso a sua concepção… Não se esqueceu da locomotiva e dos respectivos tripulantes, somando a energia, seja esta qual for e de onde vier… já está a “juntar” encargos à ideia, será que continua a ser rentável?

    • Ruy Acquaviva says:

      Muito bem explicado. É o tipo de ideia que parece genial em um primeiro momento mas mostra-se inviável por questões que não são pensadas de imediato. Nesses momentos é bom ter alguém colocando os pés no chão e explicando essas questões com clareza. Excelente comentário.

  3. Rui Afonso says:

    A ideia é boa, aproveita espaço já disponível mas duvido imenso do rendimento dessa proposta, sobretudo pela questão de rapidamente os painéis ficarem cobertos de sujidade e perderem imensa capacidade de produção de energia. E também poderem ficar danificados quando da reposição de brita… sim, porque é necessário fazê-lo regularmente!

    • Ruy Acquaviva says:

      Pois é, chamou-me atenção nas fotos aquelas pedras bem ao lado dos painéis de vidro. Quanto tempo eles iriam durar? Pode-se argumentar que será usado um vidro resistente (e portanto mais caro), mas com certeza ele vai cobrir-se de riscos e a eficiência do painel será comprometida.
      Acho que foi um dos piores lugares para se colocar painéis solares que eu já vi.
      Já existem propostas de instalação de painéis solares nos postes que sustentam a rede aérea nas linhas eletrificadas e aí sim existe alguma racionalidade, mas essa ideia de colocar painéis solares nos dormentes me parece descabida.

  4. paulo rodrigues says:

    As linhas usam travessas de carril a carril onde existem as agulhas. Depois não existem travessas em madeira de carril a carril, mas sim um “agarra” em betão que não atravessa a linha. Essa ideia parece-me votada ao fracasso, primeiro por causa do vandalismo e depois, com as sucessivas passagens dos comboios, vão-se sujando e alguém terá que limpar.

  5. Ramiro says:

    “Cada quilómetro de travessas solares Greenrail pode produzir 35 MWh por quilómetro, energia suficiente para suprir as necessidades anuais de eletricidade de 10 residências”

    Não serão KWh ??

  6. miguelito says:

    Tá tudo a pensar nas férias

  7. jaquim says:

    é como aquela da estrada produtora de energia elétrica, um fiasco… Vai acontecer o mesmo com isto. Façam mas é coberturas de instalações e nos parques de estacionamento e deixem.se de invenções. Isso precisa de manutenção com limpeza e não é nos carris que isso funciona

    • Vítor M. says:

      Isto no início ainda é muito à base do conceito, não se pode dizer que vai ou não funcionar, até porque, como temos visto, com o tempo os problemas vão surgindo e as empresas por trás destes projetos vão corrigindo e melhorando. Agora a ideia é boa e havendo já empresas a tirar proveito, a gerar receita, é meio caminho para que possa funcionar, mas….

      • Podence says:

        Não se pode dizer que vai ou não funcionar? Pode, pode: não, não vai!
        Se isto não é óbvio, rapaz…

        • Vítor M. says:

          Jovem, podes dizer o que entenderes, mas com base no trabalho desenvolvido pelas entidades promotoras, aquilo funciona. Daí em diante, podes dizer o que entenderes, que para o caso não tem relevância, dado que não tens provas sobre o assunto em causa. É apenas falar, exercício meramente retórico.

          Cumps.

  8. Rui says:

    O projecto é engraçado, mas não é viável.

    Sabem que os comboios têem wc que apontam para as travessas? E a gravilha não está sempre no mesmo sítio. Além de que na manutenção dos carris, não sei se já viram que passa uma enorme máquina para manutenção das linhas e acrescentar e ajustar a gravilha (https://youtu.be/HEJxBZrv7oI) ……. a caír precisamente sobre os painéis!?!?

    Não era mais prático colocar aos painéis ao longo das catenárias ou na ausência destas, no local onde estas estariam? Até conseguiam maior exposição solar e os km de linha e bermas estão lá na mesma!!!!!!

    • PGomes says:

      Sim, uma atacadeira de via férrea vai destruir aqueles painéis num instante.
      Imaginem ter de andar a desinstalar e depois reinstalar todos aqueles painéis sempre que fosse preciso fazer manutenção na via.
      Este projeto do greenrail é mesmo um disparate completo.

  9. PPais89 says:

    Será mais prático colocar comboios com os vagões com paineis soláres.
    1º Aplicação de painéis em todas as linhas é despendiosa;
    2º Alguns troços não têm grande exposição solar, pois existem colinas, túneis e fauna que as encobrem.
    3º Para a aplicar também teriam de mudar todos os vagões, pois como já mencionaram em um comentário os dejectos e resíduos do WC são atirados para a via.

    Sugestão: Este tipo de via pode ser um benefício se aplicado meramente em estações de comboios, onde a manutenção seja permitida e onde normalmente as pessoas efectuam as idas à casa de banho antes de partir. Nesse sentido a não utilização dos WC antes da partida. A aplicação de painéis Solares nos comboios será mais viável e em caso das estações serem cobertas, usar os telhados. Não pensando nisto, tornar as próprias estações auto suficientes.

  10. Zé Montanelas says:

    Ideia algo medíocre dada a área de cada painel e a extensão de cabo necessário, baixa densidade, não vai tardar a ficar coberto de sujidade e óleo, mais vale cobrir telhados inteiros com painéis fotovoltaicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.