Quantcast
PplWare Mobile

Tags: Ucrânia

Rússia tem cada vez menos mísseis cruzeiro para atacar a Ucrânia?

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia não tem fim à vista. As “baixas” humanas têm sido muitas e os gastos em armamento são exorbitantes… mas será que a Rússia está mesmo a ficar sem mísseis cruzeiro?

Se por um lado há indicações do ocidente que a Rússia tem cada vez menos mísseis cruzeiro, por outro lado o número de ataques não tem abrandado.


Ativistas da Ucrânia usam filmes e séries para informar os russos sobre o conflito

A Rússia está a tentar conquistar o território da Ucrânia desde fevereiro deste ano, num conflito que tem agitado a Europa e o mundo. Pela possibilidade de a informação estar a chegar aos russos de forma adulterada, há ativistas ucranianos a utilizar filmes e séries para dizer a verdade.

A iniciativa surgiu a partir do grupo Torrents of Truth.

Guerra na Ucrânia


Atualização: Mísseis russos atingem a Polónia

Atualização: Depois da investigação dos EUA, Polónia confirma que míssil é da defesa antiaérea ucraniana

Num momento em que a Ucrânia canta vitória por voltar a ter a cidade de Kherson, eis que surge uma notícia inesperada. Um alto funcionário dos serviços de informações dos Estados Unidos revelou que mísseis russos caíram na Polónia, país membro da NATO.

O incidente causou a morte a duas pessoas.

Última hora: Mísseis russos atingem a Polónia


Boris Johnson diz que Vladimir Putin seria louco se usasse armas nucleares na Ucrânia

Desde a invasão da Ucrânia, Vladimir Putin tem soltado muitas ameaças – algumas consideravelmente preocupantes. Apesar das suas consequências (des)conhecidas, uma delas envolve armas nucleares. Na opinião de Boris Johnson, ex-primeiro-ministro do Reino Unido, usá-las “seria louco”.

O mundo já conheceu as consequências de um desastre nuclear, bem como da utilização dessa tática em contexto de guerra, e não quer ver a história a repetir-se.

Boris Johnson


Chinesa Lenovo é a marca que mais PCs vende na Rússia durante a guerra

Depois de 8 meses desde o início da guerra, não se vê um fim à vista para este conflito que diariamente tem novos ataques com a ameaça nuclear latente. E embora a situação não esteja favorável para a Rússia, com tantas sanções, o país de Vladimir Putin mantém-se focado nesta invasão à Ucrânia, indesejada pela maioria da população mundial.

E devido a essas mesmas sanções, muitas empresas de equipamentos tecnológicos deixaram de vender na Rússia. Como consequência, destaca-se a chinesa Lenovo que é atualmente a marca que mais PCs vende no país invasor. O curioso é que a empresa garantiu que a partir de maio deste ano deixaria de vender produtos em território russo.