Quantcast
PplWare Mobile

Questão: Concorda com a semana de 4 dias de trabalho?

                                    
                                

Autor: Marisa Pinto


  1. Cenas says:

    Não digo que não seja algo bom a ser implementado, no entanto, não concordo que neste momento em que precisamos de produzir mais estejamos a criar ferramentas para fazer o contrário.

    • TugAzeiteiro says:

      O problema da EU é precisamente não produzir…

      • ifm says:

        Os EUA tambem não produzem nada, vendem sonhos e funciona lindamente.

        O que custa não é viver é sabe viver.

        Eles tem uma divida publica do 134%, e uma divida per capita de 74.943$.
        Tem uma balaca comercia de -999.883,3 M€

        Desde de 1968 que nunca conseguiram ter a balaça comercial possitiva.

        Isto traduzido se posse uma pessoa singular, seria uma pessoa que desde 1968 só acumula dividas, e sempre a aumentar as dividas, seria uma pessoas que passou 54 anos a gastar mais que aquilo que recebe (produz).

        Isto o que esta a dar é produzir sonhos, e instablidade no resto do mundo.

        • Zé Fonseca A. says:

          Pouco importa desde que a divida vá sendo paga, todo o conceito de vida nos EUA é esse, para fazeres um credito precisas de credit score, por isso quanto mais credito tiveres e desde que não falhes o pagamento desse credito melhor para ti para comprar casa, carro, investires, etc.
          Não está correcto mas no caso deles funciona.

        • deepturtle says:

          pq foi a partir de 69, com o Nixon, que o dólar em vez de ouro passou a ter lastro com base no O2

    • Filipe says:

      Pode tb assim dar emprego a mais gente. Uns trabalham de 2ª a 5ª e outros de 3ª a 6ª por exemplo.
      Ha profissões onde acho dificil de implementar como na construção civil, onde se quer fazer mto em pouco tempo, para alem da falta de pessoal..
      Mas acho que é uma coisa que terá de implementar de pancada e então o pessoal ir se acostumando. E tb ha horas extras se quiserem

      • Ze Manel says:

        A Falta de pessoal é transversal a todos os sectores, saude, educação, turismo, construção etc. Por isso, a semana de 4 dias ao ser implementada iria garantir mais postos de trabalho… Obviamente que terá custos associados, mas faz parte do progresso.

    • ifm says:

      O patrao não concorda.
      Para o funcionario, é o mesmo que perguntar se o cego quer ver.

    • Octávio says:

      Produzir mais , não está somente relacionado com o número de horas para efetuar uma determinada tarefa ou função. Mais importante são os processos e tecnologias.
      Neste caso, o que o mercado vai acabar por alcançar será a mesma produtividade com menos 1 dia de produção.
      Exemplo disso na Europa é a Bélgica, onde de segunda a quarta-feira produzem o mesmo que em Portugal de segunda a sexta… com as mesma horas de trabalho.

  2. Naodouonome says:

    Em todos os trabalhos que não exista perca de produtividade.
    Já trabalhei num local que só trabalhávamos sexta de manhã, na prática era 4 dias porque pouco se fazia na sexta, não existia perca de produção e tinha o dia pra ir ao cinema.

    • Verdade dói says:

      Aposto que já não existe. Foi devidamente a comportamentos como esse que descreve, que várias empresas (maioria multinacionais), fecharam as delegações de cá….

  3. Alfredo says:

    os que não trabalham á sexta, aproveitem e vão trabalhar esses 3 dias para a construção civil

  4. Luis says:

    Desde que o dia seja o acordado entre a organização e o trabalhador.
    Desde que faça sentido no serviço. Um serviço em backoffice é diferente de um serviço de atendimento ao público.
    Desde que não haja corte salarial (pode ser negociado com aumento de carga horária nos 4 dias)
    Cumpridas estas 3 regras, sim.

    • Jorge says:

      Os serviços podem continuar a funcionar os mesmos dias.. As pessoas é que passam a trabalhar apenas 4.
      Para mim as grandes superfícies deveriam estar fechadas à semelhança de outros países europeus

      • Zé Fonseca A. says:

        não percebo essa panca com as grandes superficies, devem trabalhar nessas superficies e querer algum tipo de tratamento especial. quem trabalha precisa de dias e horários alargados para ir nessas superficies, elas estão abertas por necessidade e porque rendem nesse horário.

    • JP says:

      Por mim, era já amanhã. Condição? mais carga laboral.
      Na verdade, esse aumento de carga laboral já o tenho sem beneficio nenhum. Servia só para oficializar as horas a mais e não pagas que trabalho. e como a mim, acontece a muitos.

  5. Jebus says:

    Mas haverá alguém que não queira trabalhar menos 1 dia por semana, e ter mais tempo para si, desenvolvimento pessoal, família, etc ? ? ? Se houver perda de produtividade, há outras formas de colmatar isso, por exemplo contratar mais pessoas para as funções….uma coisa que tenho visto muito é as empresas constantemente terem pessoas a menos para as tarefas necessárias, e não e por isso que deixam de lucrar muito dinheiro. É preciso lucrar menos e viver mais !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  6. MenosHorasMaisProdução says:

    Concordo plenamente.
    Na em presa onde trabalhava, havia turnos. 1 com 8 horas por dia, outro com 7 horas (diurno). Acontece porem que em 7 horas, por vezes até em menos se produzia mais do que em 8 horas. ISTO É PURA VERDADE.

  7. Joao M says:

    Há coisas que nao podem ser feitas “por decreto”.
    Esta opção deve estar directmente ligada à produtividade da empresa e, a meu ver, não pode ser feito de outra forma.
    Depois é preciso pensar a forma da semana de 4 dias, sito é, quantas horas semanais há de trabalho efectivo:
    – já vi casos em que passa de 40 para 36horas semanais – 9horas diárias x 4
    – Já vi um caso (li algureS) em que continuavam as 40 horas semanais com 10 horas diárias
    – um caso que tenho conhecimento passa de 40 para 32 horas semanais.
    em todos estes casos pode acontecer perda de produtividade, mesmo nas 40 horas semanais dado que 10 horas seguidas a produtividade da pessoa diminui depois de tantas horas seguidas de trabalho. questiono até se 9 horas não será também demasiado.

    Isto deveria ser visto caso a caso e por decisão da empresa e trabalahdor, o mesmo que se faz para o teletrabalho.

  8. AM says:

    Andamos armados em ricos…

  9. z-life says:

    Sim, assim em vez de recebr 1 dia a horas extra na semana, passo a receber dois dias a horas extra.

  10. o outro lado says:

    há cerca de três semanas estive em frança e acabei por ver uma reportagem na tv onde este tema era abordado … houve patrões (porque tiveram um acréscimo de facturação) e funcionários (porque puderam dedicar-se a actividades enquanto os filhos estão na escola) que adoraram a semana de 4 dias, mas também existiram outros que odiaram a experiência (porque necessitaram de reformular a planificação do trabalho com clientes e fornecedores ou porque tiveram de organizar a vida familiar para poder trabalhar mais horas diárias) … portanto, a meu ver, há em portugal margem para se fazerem experiências 🙂

  11. Ângelo says:

    Vamos ver que resultados vamos obter dessa experiência. Sem dúvida que para o trabalhador é melhor e com isso os patrões ficam logo desconfiados, se é bom para o trabalhador, não deve ser para ele… 🙂

    Trabalhadores mais satisfeitos e com mais tempo pessoal, regra geral, produzem melhor. Claro que quem já faz o mínimo possível, não deverá ter grande alteração de atitude por trabalhar menos um dia… Existirão sempre bons e maus trabalhadores.

    Ao se limitar o número de dias de trabalho por semana, poderá abrir novas vagas de emprego (partindo do princípio que, para além do número de horas, não se tente sobrecarregar demasiado os trabalhadores com trabalho nos dias em que estão, para compensar o dia extra de folga).

    Abrirá inequidades, onde uns podem gozar de 3 dias de folga por semana e outros não. No caso da função pública, não confio que o Estado tenha especial atenção a isso. Já existem inequidades (por exemplo, a propósito desta greve, enfermeiros que não recebem como licenciados que são e que não vão actualizar os pontos da progressão da carreira, como irão fazer aos outros funcionários da FP, porque já são muitos pontos que foram congelados ao longo dos anos e porque são 20000 enfermeiros, actualizar os seus salários teria algum impacto financeiro).

    Mas em relação a isso, acho que não se deve usar o pretexto de que muitos não poderão usufruir dessa semana de 4 dias, para não avançar para com quem pode. Para um mundo melhor, tems que ir melhorando onde e quando podemos. Não estar à espera de uma solução que resolva tudo a todas ao mesmo tempo. Senão, nada avança, nada melhora.

  12. Jota says:

    Sou absolutamente contra a semana de 4 dias de trabalho, porque como sempre os únicos beneficiados disso vão ser os funcionários públicos! “Ah e tal, depois a reboque dos funcionários públicos entram os privados” Isso é conversa da treta! A semana de 35 horas na função pública já está instituída há muitos anos e os privados não foram a “reboque disso”! Portanto ou é para todos ou não é para ninguém!

  13. eu says:

    Dúviido que isto vingue em Portugal, por culpa de empregados da geração passada.
    Contudo se algumas começarem a fazer, os outros vão preder pessoal e ai talvez.

  14. Tiago says:

    Num país atrasado como o nosso trabalhar apenas 4 dias será muito mau. Se já em 5 dias os serviços públicos funcionam com atrasos, imaginem com 4.
    Além de isso, em áreas como IT, se eu fosse patrão não pagaria o mesmo. Não venham com tretas a dizer que fazem em 4 dias o trabalho de 5. Trabalham menos, recebem menos.
    As pessoas querem é trabalhar cada vez menos. Não admira que a Europa está a ficar atrás dos EUA e da Ásia.

    • SANDOKAN 1513 says:

      Tudo o que afirmou está absolutamente correcto.

    • Ze Manel says:

      A Europa não está a ficar atrás dos EUA e da Ásia…Sempre Esteve. A Questão é que Nos EUA é normalissimo veres pessoas com 70 anos a trabalhar…tal como na Asia…. Se é a esse ponto que quer chegar na Europa, por mim tudo bem.

    • B@rão Vermelho says:

      A trás da Ásia, mas há alguma forma de competir com os países Asiáticos, eles trabalham 16 horas dormem dentro das fábricas são escravizados sem qualquer direito é isto que quer para a Europa?

    • JP says:

      Sr. Patrão do IT, essa de “trabalham menos, ganham menos”, também aplicava a “trabalham mais, ganham mais”? Se calhar não certo?
      Pois há quem veja este tema de forma diferente. Uma das opções é o aumento de horas de trabalho nos restantes dias da semana para compensar o 5 dia. E o que os Patrões não querem é precisamente esse método, porque vão perder uma quantidade enorme de horas a mais que os seus empregados já trabalham sem serem pagos. todos temos razão, mas a verdade é que os Patrões já ganham muito com as horas extras que indevidamente não pagam.

  15. Toni da Adega says:

    Há que meter um travão nestas medidas.
    Começaram com o tele-trabalho, agora andam agora com a conversa de trabalhar somente 4 dias.

    A continuar assim um dia destes começam a pagar ordenados mais altos…..

  16. Renato Silva says:

    Pelo visto foi de nossos irmãos portugueses que herdamos essa preguiça. Implemente uma semana de 4 dias e terás colaboradores pedindo por 3 e assim por diante.

    • Ze Manel says:

      Essa frase só pode ter saído do teclado de alguém MUITO NOVO, ou sem memória. Não se esqueça que as Férias, tal como os dias de descanso foram conquistados, e nem sempre garantidos. imagine…. querem 22 dias de férias…depois pedem 50… Circo é onde você devia estar.

      • Renato Silva says:

        opa, vá com calma amigo. Realmente sou jovem, mas não vejo porque isso distorceria a minha visão. Vejo que aqui se trabalha pouco e tem excesso de leis trabalhistas, porém tem muita gente indo embora trabalhar no exterior onde não se tem nada disso e com carga horária maior sem reclamar.

        • UmGajoQualquer says:

          Sabes o que se diz em Portugal a quem vai para fora trabalhar? Nunca trabalhes para um patrão português.
          Muitas dessas leis trabalhistas e o fluxo de emigração resultam dos abusos e chico-espertismo de muitos patrões deste país

  17. SANDOKAN 1513 says:

    Evidentemente que não.Sempre o disse aqui.Aqui e em todo o lado.

    • Toni da Adega says:

      O que é preciso é aumentar as horas de trabalho, isso sim

      • UmGajoQualquer says:

        Parece que já se esqueceram das estatísticas que se viram nos tempos da Troika. Em Portugal já se trabalhava mais dias que nos países que não estavam em crise. Por isso tempo de trabalho não é indicador de produtividade. Aliás aumentar a carga laboral até pode diminuir a produtividade.
        Como se diz em inglês: “Work smarter, not harder”

      • Mr. Y says:

        Sim, trabalhar mais horas resolve tudo. Que tal 12 horas por dia e 7 dias por semana?

        Ganha juizo! Já há várias estatísticas que mostram que a produtividade não aumenta por se trabalhar mais horas. Ora vê lá quantas horas se trabalha nos países nórdicos ou no centro da Europa.

  18. Manuel F. V. G. Mourão says:

    Os profissionais de saúde não são suficientes para a redução dos dias de trabalho. Os alunos continuarão a ir às aulas cinco dias por semana (nem pensar em reduzir). Os transportes públicos funcionarão todos os dias. Os bombeiros, as forças de segurança e os militares terão de estar presentes diariamente. Os infantários e creches fazem falta permanentemente. Os lares não poderão contratar mais pessoal sem aumentar muito os preços. Os restaurantes e os hotéis têm que funcionar diariamente. Os meios de produção teriam de reduzir a produção ou contratar mais pessoal e isto significaria menor competitividade, além da dificuldade em recrutar os recursos humanos necessários. Muitas outras questões idênticas podem ser levantadas. Este sistema dos quatro dias acabará por ser aplicado apenas a alguns.

  19. Carlos says:

    No passado, quando foi para se passar a ter fins de semana de 2 dias, também ouve muita resistência. No entanto, um dos impulsionadores foi Henry Ford que foi visionário o suficiente para se aperceber que se desse mais tempo de folga aos empregados, estes iriam gastar o seu dinheiro em bens de consumo, tal como carros (que produzia), noites em hotéis, refeições fora, parques temáticos… precisamente porque as pessoas iriam ter mais tempo para o gastar.

    O facto de se trabalhar menos dias dá também a possibilidade para aqueles que assim o decidirem ou puderem, usar o 5º dia como outra fonte de rendimento, trabalhando para outros empregos ou investindo em negócios próprios.

    Acho que não podemos ver a coisa do modo mais simples em que existe uma relação direta entre os dias de trabalho regular e a quebra de produtividade (medida no PIB), já que haverão algumas pessoas (para não dizer muitas) que irão aproveitar para trabalhar o 5ª dia noutra coisa. Os que não trabalharem mais, terão mais tempo para gastar o que ganham em outros serviços (cultura, diversões, viagens…) fazendo assim circular o dinheiro na economia, gerando até mais postos de trabalho e pro fim maior receita para o estado (impostos diretos e indiretos).

    O não trabalhar um dia pode até – para alguns – resultar em poupança. P.e. para aqueles que têm filhos em centros de estudo ou amas. Ou nos custos de estacionamento e combustíveis.

    Não quero com isto dizer que a solução é perfeita e livre de riscos. Mas tem que ser analisada com muita ponderação.

    Infelizmente, no meu trabalho, não acredito que me venha a ser possível adotar uma semana de 4 dias… caso contrário, consideraria essa opção, mesmo que tivesse que ter uma [ligeira] quebra nos rendimentos.

  20. PrimeOne says:

    Já vi tanta gente a argumentar pelo sim e pelo não. Por mim era simples, quem quiser ter a semana de 4 dias tem, quem quiser trabalhar a semana toda e fins de semana e feriados, trabalhe.

    Eu valorizo muito o meu tempo pessoal e mais especialmente o tempo em família, por isso dou valor à escolha da semana de 4 dias (obviamente trabalhando mais horas nos outros dias).

    Como diz o ditado, “a vida são dois dias…”, e se passamos a maioria do nosso tempo a trabalhar, para quando teremos tempo para a família? Quando formos reformados com 70 anos? É aos 70 anos que vamos gozar a vida?

  21. D says:

    Pensei que seria para trabalhar menos e sem reduções salariais. Afinal é para trabalhar 10 horas por dia.
    Certas industrias provavelmente vão precisarar de mais empregados, mas se calhar vão distribuir mal as folgas e sobrecarregar os funcionários, e trabalhar com o mínimo de pessoal.
    O comercio poderia fechar ao domingo, mas muito certamente não o vai fazer.

  22. Cora says:

    Estou desconfiada que alguém está a tentar nos enganar: Porque, queremos 4 dias de trabalho sem aumentar o número de horas diárias. Se for assim, estou 100% de acordo
    Sejamos coerentes, não sejemos hipócritas. Se é para beneficiar o trabalhador, que não seja prejudicá-lo 2ª, 3ª, 4ª e 5ª para que chegue supercansado a sua casa, pois essa atitude não corresponde a nenhum ganho a festejar e é deshonesta.

  23. R says:

    E quase toda a gente se esquece que em Portugal há cidadãos de primeira e de segunda. Os primeiros trabalham para o estado 35h semanais; os segundos para o sector privado e 40h semanais.
    O resto ainda é folclore…

    • Ângelo says:

      Posso dizer-lhe, com toda a segurança, que você anda mal informado.

    • 01010101 says:

      @R os concursos para cargos no serviço publico estão abertos a todos os cidadãos desde que tenham habilitações para isso , não critique o que não sabe , candidate -se …

    • Cora says:

      Mais do que trabalhar menos 1 dia por semana, o futuro reserva muitas surpresas, principalmente para os conservadores, que não querem ver a evolução do mercado. Pois o trabalho tal como ele existe, está destinado a acabar, e cada um só exercerá trabalho para si próprio e se quizer. A ciência evolui, o mercado de trabalho evolui, a robotização do trabalho vencerá em benefício da humanidade. Os donos de empresas preferiram ter trabalhadores que nunca comem, nunca dormem, nunca adoecem, nunca se cansam, não precisam de férias e não precisam de remuneração.

  24. Renato Paupério says:

    As opções de resposta são vagas, na minha opinião. Aqui não sei se concordo com a semana de 4 dias ou se concordo com um regime de, por exemplo, 35 horas de trabalho semana para todos ou um horário alargado de trabalho no inverno e mais reduzido no verão – garantindo um equilibro anual de horas de trabalho.

    Para mim é sim importante, um equilibro proporcionado a todos os trabalhadores para uma vida pessoal, familiar e profissional equilibrada, devendo ser também garantida as sustentabilidade das empresas.

    Esta questão deve ser colocada às empresas, sabendo desde já que no mesmo setor, poderemos encontrar empresas que se podem adaptar a este tipo de regime e outras que não.

    Antes de passarmos para esta discussão, que acredito que seja muito válida, penso que deveríamos fechar primeiro a regulamentação do teletrabalho em Portugal, que continua a ter muitas zonas cinzentas e não vem de todo, dar uma resposta à necessidades das empresas e dos trabalhadores.

  25. JC says:

    Tens absolutamente toda a razão.
    Assim também eu estaria, não 100, mas 125% de acordo, apesar de achar que quatro dias de trabalho ainda seria um pouco desonesto. Dois ou três dias de trabalho, se não menos, seria, sim, uma atitude a festejar (de preferência durante o dia de trabalho).

  26. PTO says:

    Se continuar a receber o mesmo, claro que concordo.

  27. LUIS says:

    EU PREFERIA 30 HORAS SEMANAIS.

  28. mamba says:

    isto devia ser decidido por HORAS de trabalho e não por DIAS.
    4 dias de trabalho, mas se se continuar com as mesmas horas, óbvio que sim.
    Se não é só trabalhar menos e receber o mesmo.
    Porque não me venham dizer que trabalhar menos oito horas por semana, se consegue produzir o mesmo. É claro que não..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.