Quantcast
PplWare Mobile

UE quer data centers no espaço para reduzir o impacto ambiental na Terra

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Fusion says:

    Ambientalistas do espaço em 3, 2, 1….

    • Carlos Fernandes says:

      Espaço 1999 🙂

    • Paulo Martins says:

      Não são propriamente ambientalistas, mas cientistas têm-se queixado da quantidade de satélites em órbita que está a dificultar as observações dos telescópios.

      • Ifm says:

        Se no vácuo absoluto não existe propagação de calor como é suposto ser libertado o enorme valor gerado por esses sistemas.
        Deve haver uma explicação lógica ou uma configuração já pensanda, mas deixa me curioso

        • Bro says:

          Como explicas o calor libertado pelos foguetões no espaço (vácuo)

        • Paulo Martins says:

          A ISS usa radiadores para dissipar o calor, o problema é que no vácuo do espaço a única forma de dissipar calor é através de radiação o que é bastante ineficiente.

          Por isso é que eu não estou a ver um projeto destes a ser viável, para além da latência no acesso aos dados, qualquer data center iria ser massivo em termos de tamanho, basta ver o tamanho dos painéis solares e radiadores na ISS.
          Os painéis da ISS produzem 125KWh de potência máxima, para 2021 a estimativa mais baixa para o consumo de data centers que encontro é 260tWh em todo o mundo, sendo que existem cerca de 7.1 milhões de data centers dá um consumo médio por data center de +/- 36000kWh, nem consigo imaginar o quão grande teria que ser a estrutura, muito provavelmente seria visível a olho nu.

        • Nuno V says:

          No espaço existe propagação de energia, se não, a terra não receberia qualquer energia do sol. A energia pode ser propagada por radiação. Bem como é possível a transferência por condução, embora negligenciavel, porque o espaço não é um vácuo perfeito.

  2. z-life says:

    A UE quer muitas coisas mas a única coisa que sonsegue é datas adiatas para essas muitas coisas.

    • Joao M says:

      Quando as metas são arbitrárias com medidas arbitrárias sem um plano decente, conciso e com uma visão holistica por trás, estás a espera de quê?
      É muito fácil dizer,. como o nosso Primeiro ministro que “queremos carbono zero em ” ou “só temos energia renovavel em portugal!” .. mas depois andamos a importar energia produzida a carvão de Espanha. Enfim… tudo hipocrita ^_^

    • AlexS says:

      A UE é tudo arrogância politica e propaganda.
      São quase como os Comunistas no poder na União Sovética, a realidade não interessa.

    • Yamahia says:

      Já parecem o WhatsApp.

  3. Joca says:

    Sempre criava uma nova profissão, engenheiro informático astronauta. Se existem muito poucos astronautas imagino este tipo de engenheiros , qual seria o valor salarial recomendado.

  4. Mapril says:

    Parece uma boa ideia. Energia grátis em abundância, e previsível (no espaço não há nuvens a tapar o sol). Se os satélites forem geoestacionários será necessário usar baterias durante a noite, o que também é uma desvantagem.

  5. Vasco says:

    Nao sei como será a questão do acesso a serviços que necessitem de baixa latência. As leis da física são lixadas.

    • Mapril says:

      Teriam que se satélites em orbita baixa, como os do Starlink

    • Manuel da Rocha says:

      99% dos serviços não precisam de latência baixa.
      Mesmo que colocassem um super data center de 7000 milhões de discos quantum (mais do que existe em toda a Europa e América do Norte juntas), nada mudava. 0,47 segundos seriam compensados pela poupança de biliões de biliões em energia.

  6. justino says:

    O grande impacto ambiental que precisa ser reduzido é o dos politicos só fazem merd…. e acham que são os donos disto tudo.

  7. Joao Ptt says:

    Quanta energia e recursos seriam desperdiçados a projectar, criar, manter e mandar isso tudo para o espaço?
    Sem falar que com uns picos electromagnéticos do Sol é capaz de fritar tudo ainda mais facilmente que aqui na Terra.

  8. guedes says:

    E para além do custo como é que arrefecem o datacenter no espaço ?

  9. Samuel MGor says:

    Existe bastantes desvantagens:
    1 – O RGPD deixa de ser aplicado pois só pode ser aplicado na UE.
    2 – O custo de mudança e acesso será maior do que manter na terra.
    3 – Se a estação espacial cair ou perder energia os dados serão perdidos.

    • Joao M says:

      1 – RGPD acho que poderia ser resolvido politicamente. Basta o datacenter ser considerado “Europa”
      2 – Já temos comunicações por satélite por isso apesar de o custo aumentar, não é algo novo. Além disso, pode-se poupar dinheiro noutros lados, no que toca a manutenção.
      3 – redundancias.

  10. PJA says:

    Completo disparate. Enfim a UE agora é só disto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.