Quantcast
PplWare Mobile

Novo Recorde: 74 mil euros para trocar a bateria de um Nissan LEAF

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. rui says:

    a senhora chama-se zoe, a nissan pedir 1 bateria do leaf para zoe ficou a esse preço

  2. TugAzeiteiro says:

    Vamos todos repetir 20 vezes (como se fazia antigamente na escola): “Antes de comprar um veiculo elétrico tenho que ver se o mesmo tem baterias refrigeradas a liquido!”
    É só para depois não acontecer o mesmo que está sempre a acontecer aos Renault/Nissan e outros, que ficam uns bons pisa papeis e tanto prejudicam a imagem do veículo elétrico!

    • Ola says:

      Podes explicar? São mais caras ou mais baratas quando são refrigeradas a liquido?

      • Jorge says:

        Degradam-se menos pois não aquecem tanto. O meu Ampera tem refrigeração aquando do carregamento e em temperaturas altas, mesmo sem estar em carregamento, activa a ventilação do sistema de baterias. Com 180 mil kms continua a fazer, em média, 70 kms em cidade com uma carga.

        • Jonas says:

          O zoe tem as baterias refrigeradas.

          Mesmo o Leaf não tendo as baterias refrigeradas, aguenta-se muito bem numa utilização normal, não em ubers que lhe espetam 3 CR por dia.

          Dentro do pseudo assunto: esta é mais uma noticia para o click bait , muito tipica do pplware, sem nenhum fundamento e apenas a espalahr tudo o que aparece no facebook sem tentarem verficar fontes, nem nada mais…

    • TT says:

      Não metas a Renault ao barulho porque as baterias nem sequer são do mesmo fabricante, os motores eléctricos são diferentes e não tens esses problemas no ZOE

  3. Toni da Adega says:

    “Fair Go rang Nissan NZ and we did get a response, but it wasn’t very satisfactory. The company said the quote of $121,000 for a new battery was “an error” but it wouldn’t say how the error occurred, or what a correct price would be.”

    Um nissan Leaf novo custa $61,990, eles pediram $121,000 por uma bateria
    De certeza que isto era o stand a querer vender um carro novo com a conversa: um carro novo é metade do valor de uma bateria nova.

    • João says:

      Acredito mais nisso, já me pediram mais de 150 euros para reparar um aspirador que novo custava pouco mais de 60, aconteceu-me o mesmo com um telemóvel e um computador, penso que a ideia é vender novo e não reparar o velho…

  4. eu says:

    A Sra. desistiu, trocou de cerebro e comprou um carro a GPL.
    A história teve um final feliz.

    • Chuck Norris says:

      Nem mais nem menos. 0,60 cêntimos o litro.

    • Pirata das cabernas says:

      E depois voltou a trocar o cérebro porque o GPL não é nem será uma alternativa

      • cepos says:

        E depois existem as pandemias. Para varrer os gajos que acham que o GPL ainda tem futuro.

        • GM says:

          Dizes tu. Comprei um há 14 meses, de serviço e com 650km, hoje tem 39000km e foi um óptimo investimento no que ao consumo diz respeito. Os dois únicos pontos negativos que aponto: não poder entrar em certos estacionamentos subterrâneos e não ter computador de bordo activo, por deficiência de concepção da RENAULT (na minha opinião).

          • Rocha says:

            amigo(a) independentemente de ter o seu carro a GPL, desde que o seu kit disponha de selo verde no parabrisas (kit recente) pode estacionar onde quiser….

          • GM says:

            Rocha, obrigado pelo esclarecimento. Consultei a legislação aplicável, a viatura tem kit de origem ao abrigo da legislação de 2013 ( a que se encontra em vigor), e fiquei com esse entendimento. No entanto, em certos estacionamentos a indicação é o ser proibido o GPL, não distinguindo antes ou após 2013. Na dúvida, prefiro não arriscar. E sim, tenho o dístico verde no para-brisas.

          • Woot! says:

            Arriscar o quê? Dentro dos estacionamentos que ninguém passa multa nem aos carros antes de 2013? Onde há acidentes em com pessoal em contra mão e a policia e seguradoras dizem que não se trata de uma estrada “regulada” e por isso chapéu?

            Pode estacionar à vontade em parques subterrâneos com o distico mesmo naqueles que dizem proibido. Os autocolantes a dizer proibido nao estão acima da lei.

          • Vitor Afonso says:

            @woot Confirmo totalmente. Sempre estacionei em parques subterrâneos e nunca ninguém me chateou (tenho o dístico verde).

      • Toni says:

        Isso dos carros elétricos é tudo muito bonito mas quando se começa a fazer as contas as baterias torna se feio.. Algum fica a perder sempre é não são as marcas

    • David says:

      Compreendes que a principal motivação social para a transição para o eléctrico é eliminar a utilização de combustíveis fósseis por serem insustentáveis?

  5. anon says:

    Olha mais um incentivo para comprar carro à gasolina.

  6. ze says:

    Sao descartaveis

  7. Rui says:

    Go Go electric!!!!!

    Quando forem comprar um carro eléctrico, façam um contrato de crédito para o carro e logo outro renovável para 4 anos, para mudar a bateria 🙂

    Grandes reparações que tenho tido no E92:
    235 000km = Filtro de partículas e mais algumas peças de admissão = 2 500€
    Agora com 280 000km vou ter o turbo = 2 000€

    A bateria já vai na 2 ou 3, mas isso não interessa, 100€ chegam e sobram!!!!!!

    • Miguel Nóbrega says:

      Agora imagina eu com o meu Micra K11 de 98, até hoje a única vez que foi à oficina foi para trocar a Bomba de água e apoios de motor, já com 220k Kms.
      Revisão em casa, por 45€.

      É caso para dizer que o meu Nissan sai mais em conta…

      • cepos says:

        oh bu&%$s!!!! então e o dinheiro da gasolina, não conta? andam com o carro à cabeça?

        • Filipe says:

          Os 25000€ que gastas a renovar as baterias depois de 4 anos dão para quantos 4 em gasolina? O teu nick diz tudo sobre ti. 🙂

        • oeuropeu says:

          Digamos que esse Nissan tinha 10 anos, divida 74mil euros por 10 anos da 7400 euros por ano, da para muito gasolina por ano.

        • Joao Magalhaes says:

          Não sabia que a electricidade era de borla!!! A aposta cada vez mais vai ser no eléctrico mas neste momento tempo é dinheiro e 1 hora ou mais para carregar o carro!!!! E mesmo que tenhamos milhões de carros eléctricos qual vai ser o “combustível” usado para carregar esses carros ? Neste momento o mais barato talvez seja carvão mas e o ambiente?

      • Blackbit says:

        Nissans dessa época eram muito mais fiáveis do que os de agora que derivam de Renault. O savoir faire da Nissan não passou para a marca francesa, infelizmente.
        Relativamente ao artigo, é claramente jogada do concessionário para o cliente comprar carro novo e não renovar o antigo. Isso para mim era motivo para não comprar Nissan, pois preços de peças assim inflacionadas eu nunca me atreveria a levar o carro a reparar nessa concessão 🙂

      • TRaveller says:

        Agora imagina eu com o meu nissan leaf de 2013 com 203.000kms que até hoje só foi à oficina mudar de pneus 55€ cada ja mudou 8 e mudou as escovas dos vidros 45€ duas e uma bateria de 12 V 55€ mas foi mudado em casa.
        Se a bateria tem no minimo 5 anos de garantia porque é um pisa papeis ao fim de 4 anos? santa burrice.

      • iDroid says:

        O meu Golf de 98 também fez há bem pouco tempo 220kms, coincidência…

        • Não Obstante says:

          O meu Stilo também já vai nos 230K – 20 anos na mina mão, comprado novo. Continua um relógio suíço.

          • César says:

            O meu também já com 300 mil km subestitui o kit todo da embraiagem 830€ e mandei reparar o turbo 230€ foi também todo estufado teto e portas 200€ tá pago não dá despesas é meter gasóleo e andar o a.c carreguei em 2008 até este último Verão impec 100% fiável 1.9 jtd

      • João says:

        Como gastas 45 euros a fazer a revisão do teu micra? É que eu gasto menos de 20 € (com filtro de ar e óleo) a fazer a revisão do meu almera…

    • TRaveller says:

      ó RUI tu pagas as pretações todos os meses no combustivel 🙂
      mesmo assim podes fazer contas 2500€ + 2000€ do turbo que acho pouco ou nao é da marca são 4500€ . com 280 000kms ainda não mudou correias?
      280000kms= +ou- 16.000€ combustível
      280000kms=20.000€ sem falar IUC, etc

      Elétrico 280.000Kms=7000€ eletricidade +10000€ bateria com iva que o mais certo é nao necessitares de trocar nunca ou trocar só alguns módulos. daria 17000€ em vez de 20.000€

      “No entanto, a marca não se livra das polémicas no que diz respeito aos preços exorbitantes para troca de baterias. Em Portugal, a marca já veio reforçar que o valor da bateria para um Nissan LEAF ou E-NV200 continua a custar 7000 euros “

      • Paulo Machado says:

        Mete mais 15000€ que é a diferença de um eléctrico novo comparado com um de combustão novo da mesma gama. Daqui a 10 anos deitas o carro fora que ninguém o compra.

  8. Joao Ptt says:

    Anda para aí uma senhora a dizer que os fabricantes de baterias não sentem grandes incentivos para querer fabricar baterias realmente duráveis… é ver o Biosfera “As baterias do Ambiente” (Temporada 18, Ep. 30 – 10 out. 2020) começa a falar da indústria em 00:07:10 e fala de não acharem bom para a indústria pouco depois de: 00:08:30, podem ver no RTP Play: https://www.rtp.pt/play/p6689/e498374/biosfera (talvez tenham de ter uma ligação à Internet a partir de Portugal).

    Resumindo: isto só lá vai com legislação mundial que exija uma determinada durabilidade/ fiabilidade que obrigue os fabricantes a deixar de só estarem a olhar para os seus bolsos a ver como fazem o pior produto com o qual se possam safar.

  9. Valentim says:

    Enquanto for permitido circular com carros à gasolina, diesel e gpl, não mexo em elétricos.

  10. Joao says:

    Eu acredito que dentro de um par de decadas, quando veiculos e residuos como o desta historia se começarem a acumular, o impacto da produção de baterias começar a ser mais significativo e a sociedade civil começar a dar mais atenção à problematica originada, vai acontecer o que está a acontecer com o diesel. E então os estados irão icentivar a troca do electrico por uma outra tecnologia.
    Não digo que os fosseis sejam melhores que o electrico ou vice-versa. O que não me parece bem de todo é que se incentive a abater carros perfeitmente funcionais, como se o abate e a produção de um veiculo novo fossem processos limpos.

    • qwertyuiopus says:

      E o ciclo continuará a repetir-se. Depois de tanto recurso natural queimado, viramos para o mundo do Mad Max, mas para andarmos todos à batatada pelo eletrão.

      Só não me meto num EV usado por não ter garagem e tomada acessível no parque de estacionamento. Isso e o PCR mais próximo ser a 20 kms de casa.
      Como a maior parte dos EVs usados têm autonomias não superiores a 200 kms, e fazendo 30 kms diarios para trabalhar, imaginem o tempo que se perde a “fazer piscinas” para carregar a 20 kms de distância e controlar o “range anxiety”.

    • Blackbit says:

      Concordo plenamente, se for possível prolongar a vida do carro (sem comprometer segurança e conforto) acho que é sempre a melhor solução do ponto de vista ambiental, mas como o que prevalece é o econômico…

    • Toni says:

      E limpo mase pro bolso das marcas e concecionarias.. O cliente é que fica sempre a perder.. Leve um carro com mais de 15 anos a inspeçao e veja quanto tempo eles andam em volta dele.. Depois leve um novo e veja o tempo a reduzir..o carro pode ate estar a cair mas passa sempre ja o velho tenho as minhas duvidas

      • Robin says:

        Pois eu tenho as minhas duvidas porque neste momento e desde algum tempo que carro novo corresponde a um carro biodegradável assim que sai da fabrica já se está a desmanchar chega a ser visível até nas peças de substituição algumas nem a garantia aguentam.

        • João Ferreira says:

          Tenho uma mitsubishi l200 4×4 de 98 com quase 350 mil km, ainda nunca tive um único problema na inspecção mesmo ouvindo dizer que os gajos onde vou são maus e chumbam os carros

  11. AbreuBanido says:

    Essa senhora come gelados com a testa?

  12. Carlos says:

    O “futuro não é hoje”
    Hoje temos carros eléctricos que vão durar o período de garantia das baterias que é medido em anos e em Km (o que acontecer primeiro) e não tarda nada teremos de pagar para ser desmantelado.
    Hoje compramos um carro e vendemos passado alguns anos , para rodar ou para a sucata e ainda nos pagam.
    O futuro será eléctrico e eventualmente a hidrogénio, mas o “futuro não é hoje”

  13. me and me says:

    isto é no minimo vergonhoso.
    as marcas estão a cobrar o que lhes apetece pelas baterias e ainda por cima criaram um “pack” de celulas (que formam uma bateria) que nao se podem substituir…
    recordo que a honda nos seus hibridos tinham uma bateria que era reparavel. podia ser desmontada e retiradas as celulas para reparar e com paciencia ate podia ser feito em casa. nao passavam de 2000€ ,se nao me falta a memoria, para trocar as celulas todas da bateria.

    por isso acho que as marcas estão é a aproveitar-se e muito dos consumidores.

    PS: ja viram que o preço dos leaf estao a baixar?

    • Miguel Coutinho says:

      que tamanho tinha a bateria do Honda… 1 kw agora a media vai entre 40 a 60kw sem falar nos teslas que vao de 75 a 100 kw, por isso os 2 mil da bateria do Honda são caros para as baterias atuais…. mas como ja foi dito, os elétricos são carros descartáveis, e vai começar a haver furto de carros para retirar as baterias…..

    • TRaveller says:

      estão? infelizmente não vejo isso, vejo é anúncios de preços sem IVA para parecerem mais baixos tendo em vista que as empresas pode recuperar o iva dos carros electricos.

    • João Ferreira says:

      Se por exemplo fores ver os tão pack de células do tesla teoricamente podes mudar o único problema é que não deves fazer isso sendo o pack está novo enquanto que os outros já têm desgaste, mesma razão porque nos carros com velas incandescentes se uma queimar deves trocar todas porque se só puseres uma nova as outras vão queimar na mesma porque vai passar mais corrrente

  14. Pirata das cabernas says:

    Ainda não percebi a lógica desta notícia…as agora vamos a contas.. Quantos carros há dessa marca elétricos? Quantos casos aconteceram iguais a este? Será que foi mesmo assim como dizem? Enfim…

  15. Artur says:

    Não acredito em nada que dizem para aí. É impossível uma bateria custar mais três vezes que o valor de o carro novo. Para mim existe complo com os árabe por causa do petróleo e como querem distrui a imagem dos carros elétricos então entram por estes tipos de notícias. Enfim só acredtam os totós.

  16. RM says:

    Compre uma bateria e leve grátis um Nissan LEAF 🙂

  17. Zé Maluco says:

    Não é a primeira notícias tipo. Convém a Nissan meter ordem nestes concessionários, ou anos de investimento vão pelo cano do Xico Esperto.

  18. TT says:

    Eléctricos? Só cai nessa quem quer!

  19. Samuel MG says:

    Moral da historia: Nunca compres um elétrico da Nissan (nem tesla).

  20. Polo says:

    80km? Deve ter 0 gestão de bateria e refrigeração.
    nada como a tesla com células de topo e gestão da durabilidade da bateria a limitar a carga da mesma

  21. Pedro says:

    O debate entre combustão e elétricos não irá ter fim tão cedo. Vamos supor que são empresários, pequenos, médios ou grandes empresários, as viaturas típicas de administração são diesel 1.5, 1.6 e 2.0 litros,
    e os elétricos,tirando altos cargos de administração que gostam de exibir topos de gama e gastam o que bem entendem na compra. Os benefícios fiscais são o motivo de comprar estes veículos. Fora do setor empresarial, a compra do elétrico está ligada a uma imagem, forma de vida e consciência, muitos dos proprietários de veículos elétricos usam painéis solares em casa, consomem energia que produzem e podem ou não vender o restante, casas com alto coeficiente energético, além de outras preocupações com o meio ambiente e reciclagem. Consciencializar os jovens e população para uma forma de vida mais limpa, ecológica e sem desperdício energético. Claro que nem todos podemos ter um chalé inteligente repleto de novas tecnologias, um tesla para o dia a dia e um zoe para as voltinhas da esposa. A maioria dos leitores que Aki comentam já têm carros há mais de 8 anos, e pretendem continuar com os mesmos. Um elétrico daki a 8 anos está obsoleto a nível tecnológico e a degradação das baterias e autonomia será evidente. É uma tecnologia em evolução e esperamos que a capacidade duplique e o tamanho e peso reduza nos próximos 2 a 3 anos. Será sempre uma opção que mais pessoas irão aderir com o tempo. Para já ninguém tira as vantagens aos veículos a combustão no que toca a custos, facilidade de reabastecimento e autonomia.

    • paulo g. says:

      O meu electrico tem quase 7 e realmente está obsoleto… só na autonomia inicial da bateria…. 140km. Porque os novos chegam a mais de 350km. Como faço em média 20km por dia só trocarei de carro daqui a uns 10 anos….15… 20

  22. Matreco says:

    Alguém aqui nos comentários compraria um computador com 8 anos? Então o que pensam que vai acontecer a estes eléctricos daqui a 8 anos quando a tecnologia e as baterias estiverem completamente ultrapassadas? Até pode ser relativamente barato na altura trocar as baterias mas quem tiver posses irá fazê-lo se nessa altura já houverem alternativas com, digamos, o dobro da autonomia? Onde estarão as preocupações ecológicas na altura? Até ver os EV ainda não são para o cidadão comum e acredito que haja muita gente que embarcou nessa aventura e se tenha arrependido ou se venha a arrepender.

    • TRaveller says:

      vai ver os preços dos Tesla com 7 anos ou mesmo dos leaf com 7 e 8 anos.
      Depois se dizes isso dos VE’s então alguém compraria um carro a combustão com 8 anos daqui a 8 anos?
      Depois vejo tanta gente a dizer ai daqui a 10 anos, quando a media do parque automóvel em Portugal é de 12 anos.

      • Matreco says:

        Preços cada um pede o que quer, não quer dizer que vendam. E o que não faltam por aí é carros a combustão em segunda mão à venda com 8 (e mais) anos. Nunca na vida eu daria os 9-10 mil euros que estão a pedir por Leafs de 2013, sabendo que mais cedo ou mais tarde teria que gastar outro tanto a substituir a bateria mas cada um é que sabe o que faz ao seu dinheiro.

  23. aaaaa says:

    Já se estava mesmo a ver, alem de poderem ser ainda inseguras msao carissimas, tem que se esperar uns 10 anos para ser mainstream e affordable

  24. manuel jose says:

    Até porque se repararem na notícia diz que o mesmo carro custou 8000

  25. lol says:

    Ainda vao aos concecionários estao feitos com os lobbys ja para nao falar destas noticias para espalharem fake news do lobbys do petroleo quanto custa a manutenção de 3 anos de bmw mercedes e audis de topo de gama??

  26. lol says:

    nao me admira nada eu tenho um eletrico e em 8 anos gastei 1500 euros numa bateria, mas fui a um mecanico especializado só em veiculos eletricos e baterias, nao esses, gatunos dos mecanicos dos carros a combustao agora estao com medo tentam passar noticias falsas para por pessoal com medo nao acredito em fake news

  27. hugo béjinha says:

    escrevam mil vezes o que vos vou dizer
    “carros eletricos/plug in estão a ser vendidos não por serem melhores mas porque a guerra às emissões o assim obriga”

  28. Zé isolado says:

    Baterias de carros são como baterias de telemóveis… Novos maravilha, menos novos uma tragédia. O meu primeiro híbrido foi de 2004, era um ambientalista feliz e orgulhoso… Em Julho comprei um diesel novo… Chateei-me com o ambiente e fiz as pazes com a carteira… Ando ao contrario? Quem sabe… Parece a história da Microsoft, o Bill ficou rico, enquanto o povo cobaia ia financiando a escolinha…

  29. Nuno says:

    Os 3.000 eur que a marca oferece é para trocar a bateria dessa m$?%!a depois de 60.000km.
    Quem quiser que compre esse lixo francês…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.