Quantcast
PplWare Mobile

Novo estudo revela que carros elétricos poluem menos que os com motores de combustão

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. Pedro says:

    Amanhã vai sair outro estudo a dizer que afinal poluem mais, e daqui a duas semanas outro estudo a dizer que afinal poluem o mesmo. Daqui a um mês voltamos à estaca zero.

    • FAR says:

      Aos velhos do restelo agora juntam-se também Terraplanários. Não há nada que os demova das suas crenças.

      Existirão sempre estudos tendenciosos, tal como sempre existirão estudos idóneos. É uma questão de menos bitaites e mais leitura crítica. Separar o trigo do joio, como se costuma dizer.

    • RC says:

      Amanhã ? só conheço um estudo que foi mal interpretado e o jornalista que não o soube interpretar meteu até gasolina pelo meio, e até esse de 2011 já mostrava as vantagens.

      Não meu caro, uma coisa de dura milhares de vezes, pode ser reutilizada e reciclada não é pior que uma que só dura uma vez.

  2. David Cordeiro says:

    O problema é que normalmente esse tipo de estudos são tendenciosos. Se um fabricante de automóveis de combustão quiser provar que os elétricos poluem tanto ou mais que os seus, vão pagar a uma empresa o dito estudo. Como são eles a pagar, o estudo vai favorecê-los Se for ao contrario, vai ter resultado diferente! Infelizmente isso passa-se em qualquer tipo de estudo devido a forma tendenciosa como são elaborados.

    • RC says:

      Como é que algo que dura milhares de vezes pode ser pior que algo que só dura 1 vez?

      Estudos tendenciosos nunca vi nenhum, vi foi artigos mal interpretados onde os jornalistas até juntaram gasolina há mistura, coisa que esse estudo não refere em lado nenhum, mas como é costuma as pessoas só leiem o título e formam logo uma opinião.

      • Ev says:

        Exatamente o que penso. Está gente diz o mesmo dos pineis solares, um painel pode durar cerca de 25 anos e durante esse tempo produz energia, em 25 anos as emissões que são poupadas não compensam as que foram emitidas na sua produção? O mesmo com os carros elétricos, as emissões e poluentes que não são emitidos durante a sua vida útil não compensam as emissões da sua produção? Os combustíveis tens emissões na extração e na sua utilização que é única!

        • RC says:

          Eles podem durar mais, esses 25 anos são para uma perda de 20% de potência, ou seja, um painel que agora produz 100w a uma certa hora do dia, daqui a 25 anos produz 80w.

  3. L.Sousa says:

    Para mim não convencem… Energia a sério só se for nuclear mas depois pergunto quanto tempo durará um elétrico? As baterias os milhares de baterias? Temos motores de combustão com dezenas e dezenas de anos, os elétricos quando for para trocar as baterias? Todos sabemos que quanto mais tecnologia mais propenso está para avarias….

    • Toni da Adega says:

      +1
      Bastou ver no pico da pandemia. Nessa altura existiam menos carros eléctricos a circular nas estradas para o ar das cidades ficou logo mais limpo.

    • Luis Henrique Silva says:

      Que ignorância, achas mesmo que as pessoad vão andar com carros a energia nuclear, para não falar no perigo que isso é bem pior que a combustão.
      Energia dléctrica é o futuro, só falta é ser melhor desenvolvida.
      Energia nuclear é algo que o homem deve ter cuidado, e quanto mais andar ai a espalhar veiculos movidos a energia nuclear….

      • iDroid says:

        Os choques a alta velocidade seriam um espectáculo digno de se ver.

      • Zé Fonseca A. says:

        Isso é tipico de quem desconhece o que é energia nuclear.

        • Luis Henrique Silva says:

          Sei bem que é energia nuclear, um acidente seria bonito só radiação ionizante a ser libertada. Uma coisa é uma central lá quietinha num sitio, outra é veiculos a cilcular com um nucleo lá dentro. Isso torna-se bastante perigoso. É a mesma coisa que os submarinos nucleares, se um daqueles tem problemas imagina o desastre local.
          Energia nuclear é perigoso então nas mãos das pessoas pior.

          • Zé Fonseca A. says:

            Pois, novamente, falas falas e só revelas cada vez maior desconhecimento.
            Tiveste submarinos e navios nucleares atingidos por torpedos que estão neste momento no fundo do mar, nenhum deles rebentou ou sequer libertou radiação (ionizante.. lol).
            É mais perigoso um carro a gasolina, a gás ou até electrico que seria um a energia nuclear.
            É com cada mito sobre energia nuclear…

          • ue é o que se transforma quando says:

            Não libertaram radiação por sorte, é radiação ionizante mesmo ignorante, porque é o que se transforma quando é ligado um reactor nuclear……em carros ia ser mesmo um desastre, nos submarinos foi por sorte, porque não atingiu directamente o reactor porque é protegido, num carro não dá para fazer.
            Agora quando poderem inventar uma forma diferente de energia ai sim….
            Toda a gente sabe que energia nuclear ainda por cima móvel!! É desatre certo e bem mais perigoso sim que combustível, é teimoso….arre

            Aliás já puseram essa hipótese no passado num carro, só que para isso tinha de ser algo enorme em termos automobilísticos.

            Isso nem se poe em hipótese em causa se quer pelo riscos que se corre, e não são pouco, num submarino nem há tanto risco porque não há assim tantos acidentes com eles…..agora carros…..

            Temos de ter um pouco de inteligência, para colocarem energia nuclear tinha-se de criar um reactor ainda bem menor de um submarino, já para não falar de conseguir controlar a energia, proteger bem o motoro nuclear e mesmo assim com certos impactos em acidentes é um problema.
            Futuro mesmo vai ser energia movida a magnetismo….

        • L.Sousa says:

          Desconheço? LOL você sabe interpretar o que escrevi? Nunca escrevi criar um carro a energia nuclear mas alimentado por centrais nucleares!!!! Aprendam a ler!

      • L.Sousa says:

        LOL alguem falou em carros a carros a energia nuclear? Ignorante deve ser você, provavelmente tenho bem mais conhecimentos na área da energia que o sr! Estava a falar no método de produção de energia elétrica geral que depois irá alimentar o carro indiretamente. Fique sabendo na sua ignorância que a energia nuclear é o método mais eficaz para produção de energia elétrica, fique sabendo também que já existem muitos navios inclusive submarinos movidos a energia nuclear…

        • PeterJust says:

          Mais eficaz?! O que entendes por mais eficaz? Gostava também de saber onde vais colocar os resíduos nucleares? De baixo da tua casa? É que se for da tua eu não me importo, mas se for da minha eu já me importo, entendes? Não… então pergunta aos teus filhos se eles querem uma prenda tua

  4. Johnny says:

    Quando for para trocar as baterias, cá estarei para ver o que os autores destes “estudos” terão a dizer.

    • nelson says:

      As baterias são essencialmente um conjunto de metais, da mesma forma como tens retoma para as de chumbo nos carros antigos, vais ter o mesmo nos novos.

      Já agora tenta reciclar 1 litro de gasolina depois de sair pelo escape a ver como corre

    • EV says:

      Uma baterias de um Tesla Model 3 Long Range nova custa 12000€ + IVA = 147600€ (preços 2020).
      Eu no meu carro a combustão fiz 325000Km em 15 anos, a uma médias de 5.8L/100km = 18850L de combustível. Se fizermos uma média de 1.15€ (optimista) o litro de gasóleo neste últimos 15 anos dá a módica quantia de = 21677,5€.
      Ou seja, se eu com o meu elétrico se trocar de bateria nos próximo 325000Km 1x ( não me parece vá aconteçer, dado que conheço pessoas que tem 400k com a mesma bateria…) ainda tenho uma diferença de 6917,5€. Dizes tu “Ainda falta o combustivel!”
      O meu elétricos para fazer 325000km gasta 5850€ de eletricidade (uma média de 1.8€ aos 100) carregado em casa, metade bi-horário, metade ciclo normal.
      Logo 6917,5€ – 5850€ = 1067,5€ de lucro relativamente ao meu carro a gasóleo.
      Agora voltas tu a dizer “Mas não te custou mais 1000€ que o teu carro a gasóleo!”. Pois não, mas quanto gastas tu em manutenções nestes 325000km? E em IUC? Eu só no meu carro a gasoleo nos ultimos 2 anos gastei 3500€ em peças, fora revisões!
      Não tive problemas por aí além com ele mas contas por alto em peças que me lembre foram as seguinte:
      2 x EGRs = 2 x 250€ = 500€
      2 x Baterias = 2 x 140€ = 280€
      1 x Correia distribuição = 800€
      1 x Alternador = 250€
      + 3500€ ultimos arranjos, entre ar condicionado, embriagem, etc..
      15 x 150€ de média entre revisões (filtros e óleos) = 2250€
      15 x IUC = 34€ * 15 = 510€
      Dá um total de 8090€ em manutenções e IUC!
      As pessoas não tem noção do que um carro a combustão gasta também durante a vida util do mesmo.

      • EV says:

        Agora atualiza os valores que referi para os valores atuais do gasóleo e valores atuais de IUC…
        Gasoleo = 18850L x 1.48 = 27898€
        IUC = 224€ x 15 = 3360€

        Tens só para estas duas componentes 31000€! E eu?
        Electricidade = 6000€ aproximadamente

      • k says:

        Isso está tudo correto.
        Mas nem toda a gente tem cerca de 58 mil € para dar por um Tesla M3 LR novo. A tesla, no site deles neste momento, estima 420€/mes depois de poupanças estimadas, na verdade pagas 584€ e nem sequer sei se é com iva, provavelmente não. Mesmo usados, uma vista de olhos no OLX mostra que ainda estão a cerca de 50k. E comprar usado só significa que vais ter que trocar a bateria mais cedo.

        Entretanto, com 10/15k já compras um veiculo a gasóleo bastante decente e económico usado, que não vai ter um custo adicional garantido no futuro do valor do carro. As tuas manutenções e IUC deram 8k. Mesmo somado com os 15k do carro, ainda te sobram 35k de diferença (só comparado com o valor do carro eletrico, nem meti eletricidade ou eventual manutenção que, embora menos frequente, também tem) que devem chegar e sobrar para cobrir restantes despesas.
        E esse 8k foram diluidos em multiplas coisas ao longo do tempo, não são 8k de uma vez, que seria muito mais complicado de pagar (mas talvez possas comprar a bateria às prestações, não sei). Ainda assim a bateria é o dobro -14k. O veiculo de combustão tem custos, claro, mas contas feitas, ainda sai muito mais barato.

        Podia, claro, comparar com um eletrico mais barato, tipo um Zoe. Mas ainda custam 30k-35k novos e ainda tens a questão da bateria. Mesmo usados, quando são muito baratos é porque trazem o belo do contrato de aluguer vitalicio da bateria de 50€+iva mensais associado, o que depressa se torna caro.
        Entre um Mercedes C220, BMW 118, Audi A3/A4, VW Golf/Passat, etc (todos a cerca de 15k neste momento) ou um Renault Zoe usado, eu sei qual escolhia.

        Atenção, sou todo a favor dos elétricos. Isto não é ser velho do restelo ou do contra. Eu adoro a condução do eletrico e não tenho dúvidas que é mais eficiente no combustível que usa. O elétrico tem definitivamente vantagens mas custo vs combustão não é uma delas neste momento. Com um ordenado mínimo de pouco mais de 600€, ainda não está lá para a maioria das carteiras portuga. E nem acho que o carro seja caro, o cidadão comum é que, em média, não ganha que chegue.

        • Rui says:

          por cerca de 20k compras um hyudai ioniq primeira geração, que tanto quanto se tem visto as baterias pura e simplesmente não degradam, pelo menos os que se viu até agora e é um dos eletricos mais eficientes do mercado mais do que o Tesla LR e iguala o standard, mesmo o i3 da BMW já é possivel por menos do que isso mas ai vais ter alguma degradação.
          Se fores então comprar um carro novo a gasolina tipo um focus ou um megane vs um leaf olhando a versões base preço de tabela a diferença é 5k a mais para o leaf, mas para alguem que faça credito a 8 anos com entrada de 5k em ambos a diferença de prestação ronda os 70€, mas a poupança é 110 para 15mil km ano ou 150€ para 20 mil km ano.
          Alias mesmo para alguem que faça 10 mil km ano há uma poupança de 5€ mês!
          e estamos a falar apenas de combustivel, a revisão de um leaf ronda os 40€, um focus ou megane a gasolina é mais para a casa dos 200€.
          Impostos não vou falar pois isso por agora é assim mas a qualquer altura pode ser alterado e não se deve ter isso em conta.

          Já agora concordo que carros com aluguer é para esquecer.

          falas num c220 ou 118d, tudo carros muito bons, mas quando tens de trocar a FAP ou outra treta qualquer nunca deixar menos de 3 zeros a direita na oficina e sim vai acontecer.

          • k says:

            Certo, são 3 zeros mas para trocar o FAP, o primeiro numero ronda um 2 ou um 3 (já nem vou dizer tira-lo por 200-500€ como vejo muita gente a fazer). As baterias do tesla segundo o comentário acima, são 14k. Pagas muitos FAP com uma bateria e ainda sobra bastante para as revisões.

            Não falei num carro a combustão novo porque não acho que valha o preço, há propostas muito melhores nos usados. Mas o ioniq não conhecia tão bem, por 20k é um bocado mais realista e comparável a um carro usado de combustao na casa dos 15k. Se vale a pena, vai depender do valor que eles cobram na bateria quando tiver que ser trocada.
            Falando nisso, a bateria não degradar, parece bom demais para ser verdade. Se realmente não tiveres que a trocar, isso seria game changer na inústria automóvel inteira. Perdoa o meu cepticismo aqui, a história inteira da bateria de litio diz o contrário. 🙂 Não que esteja a duvidar, estou só a dizer que acredito que eventualmente irá acontecer.

          • Ev says:

            K são 15k os 4 módulos pifados! Normalmente não pifam todos ao mesmo tempo…

        • Louro says:

          Quantos mais houverem e quando houver um mercado de eletricos usados decente os eletricos vao ficar mais baratos.

        • Ev says:

          Dou-te um exemplo de custos de manutenção. Um rapaz que eu conheço tem o Model X e em 400k gastou 3500€ e a bateria ainda é a de origem…
          Agora soma este valor ao custo da electricidade: 3500 + 6000= 9500€
          Ora 31000 – 9500= 21500€ de poupança estimada para 325k ao preços atuais

      • Luis Henrique Silva says:

        ÷1
        Bom comentário

    • EV says:

      Há faltou dizer um pormenor, o Tesla Model 3 Long Range a bateria custa 12000€ + IVA nova, se necessitares de substituir os 4 módulos. Se tiveres um modulo apenas danificado é possível substituir, ou seja dificilmente pagas os tais 12000€, substituir apenas o módulos que estão danificados e pagas essa diferença… se for 1 modulo 3000€. Não é o bicho papão que todos por aí dizem, ou compras um carro electricos no Stand Virtual sem bateria?

      • AP says:

        Já agora qual o risco de uma bateria aquecer e arder? Já me disseram que aquilo quando começa a torrar vai o carro todo, porque não há nada que as apague…

        • k says:

          Pelo menos o mesmo de qualquer bateria de lítio. Toda a gente anda com uma no bolso no telemóvel, provavelmente uma no pulso no relógio, possivelmente uma ou duas nas orelhas nos headphones bluetooth, uma no tablet, outra no portátil e mais uma nos outros 3 mil gadgets espalhados pela tua vida.

          Tirando uma vez em nunca de que ouves falar no telemovel do outro lado do mundo que pegou fogo porque a dona comprou um carregador de 1€ manhoso nos chineses e deixou o telefone a carregar debaixo da almofada a noite toda, não vês nem ouves falar de nenhum desses aparelhos todos (pensa que TODA a gente tem pelo menos um ou dois que usa e anda aos tombos diariamente) a explodir ou a incendiar.
          Num carro, a chance provavelmente até é menor. As do carro são arrefecidas e super controladas por uma porrada de sistemas.

          Mas sim, se incendeia, um incendio com litio é tipo maçarico, é complicado de apagar e é perigoso.

        • Rui says:

          Se começar a arder dificilmente é apagado, contudo normalmente é um incendio lento ao inicio e dá tempo para sair do carro em situações normais, ter em atenção que carros a gasolina tambem ardem

    • Ângelo says:

      Se olhar para o gráfico, verá a amarelo a poluição gerada pelo fabrico das baterias. Se tiver que mudar de baterias, acrescente esse valor amarelo outra vez. Mesmo assim, ficará bastante abaixo dos veículos a combustão.

  5. Vitor Tavares says:

    Continuo com a mesma opinião de sempre…tem de ser levado em consideração a chamada “pegada ambiental” do princípio ao fim de vida do veículo! Levar em consideração,por exemplo,os efeitos da extração de “metais raros” para o fabrico de baterias cada vez mais potentes e depois saber os “custos” ambientais da reciclagem desses componentes em “fim de vida”! Só recordar que AINDA HOJE não existe solução para a reciclagem das embalagens de plástico (garrafas,garrafões,sacos,etc) e muito menos para o “tratamento” das baterias e demais componentes de um simples telemóvel,notbook ou computador! Para mim esses “estudos” servem para duas coisas…encher os bolsos de quem os realiza e a seguir rasgar e acumular (ainda) mais lixo!

    • Rui says:

      Atenção que o problema das baterias é em muitos casos a escala das mesmas, o potencial de lucro a reciclar meia dúzia de baterias de portáteis em nada se compara com um carro que tem 100 ou 200 vezes mais células…

      • Vitor Tavares says:

        Falas em escalas de produção e não fazes contas…vou te dar uma ajuda. Se levares em consideração que são ANUALMENTE lançados no mercado BILIÕES de produtos de grande consumo que funcionam através de pilhas e baterias de diversos tamanhos,formas e potências (desde smartphones,notbooks,teclados,mouses,aspiradores,frigorificos,etc) achas mesmo que é uma QUANTIDADE tão inferior à quantidade de baterias para automóveis e meios de deslocação?! O que estás a dizer é que a tecnologia para reciclar esses componentes existe e não é utilizada porque “dá” pouco lucro? Explica onde e quem tem toda essa capacidade tecnológica e a mantém “escondida”…ou reconhece que falas daquilo que não tens noção do que possa ser!

        • Rui says:

          num mundo perfeito as pessoas removiam as baterias e faziam a separação das mesmas, na realidade isso não acontece, já viste o preço que é remover a bateria de milhares de telemoveis em que estão seladas no chassi do mesmo? ou mesmo de qualquer outro eletrodomestico ou gadget, em comparação um carro é tirar um pack que em relativamente pouco tempo tens acesso a centenas de celulas.
          para alem disso a tesla quando anunciou a fabrica de baterias ia duplica a produção anual de celulas de litio, quer dizer que a escala vai aumentar muito ainda.
          depois tens outra, paises como reino unido tem reservas muito pequenas de litio, por isso mesmo vao apostar na reciclagem para nao ficarem dependente de mercados externos.

          • Vitor Tavares says:

            Essa do “mundo perfeito” estamos completamente de acordo em em total sintonia. Quanto à falta de Lítio no R.U….isso não vai obrigar a que “eles” aumentem a reciclagem desses produtos por uma razão muito simples. As maiores reservas de “metais raros” no mundo estão localizadas em dois locais do planeta…na China ou nos chamados Paises “pobres. A China sabemos que vai utilizar essas reservas para tentar dominar (ainda mais) o mercado mundial e fazer com que quem deles precisar se coloque (quase) de joelhos perante eles. Os Países pobres…faz uma pesquisa e vê o que está a acontecer na Colômbia com a extração de Lítio! Abraço…

    • Ev says:

      Não existe reciclagem? Lol em países de terceiro mundo acredito, mas na Europa… para tua informação 90% da bateria é reciclável, e o teu gasóleo ou gasolina que percentagem é reciclável? Isto não é propriamente uma pilha que tu feitas para o lixo, como muitos fazem, no fim de vida.

      • Vitor Tavares says:

        O que chamas de reciclagem na Europa ou nos USA?! Chamas de reciclagem os chamados “Países ricos” PAGAREM para que alguns “Países pobres” principalmente em África recebam e “armazenem” os desperdicios que não conseguem reciclar e que as populações não admitem que vão para as “licheiras”?! É essa a tua noção de reciclagem? Em lado nenhum eu defendo o “meu gasóleo ou gasolina” até porque mais de 90% das minhas deslocações são feitas a pé ou de bicicleta…mas não tenho “palas nos olhos” para defender aquilo que não tem defesa e gosto de questionar! E outra coisa…não formo as minhas opiniões por pseudo-estudos sem credibilidade ou por postes que vou vendo no Facebook e outras redes sociais!

        • Louro says:

          @Vitor Tavares,
          A nocao de reciclagem das baterias é simples e nao tem muito que saber, com o tempo ainda será possivel fazer mais.

          Ora vejamos… quando as baterias já nao forem boas o suficiente para poder armazenar energia para um carro, podem ser usadas para armazenar energia por exemplo em casa para os paineis solares que cada vez sao mais populares, caso nao seja para isso, poderao ser usadas para armazenar energia criada pelas eolicas que muitas vezes estao paradas nao porque nao há vento mas sim porque nao temos capacidade de armazenamento de energia suficiente.

          Quando nada disso for possível, sao desmanteladas e os seus componentes usados para fabricarmos outras baterias.

          Para além disso também teremos de ver a evolucao das coisas, se reparares há uns anos atrás as baterias eram mais caras e com muito menos autonomia do que aquilo que sao hoje, daqui a 20 anos serao ainda muito mais baratas e com muito mais capacidade, isto se já nao tivermos outra forma mas eficiente de conseguir armazenar e descarregar energia.

          Os carros a combustao sao coisa do passao e cada vez mais assim será, sao energeticamente pouco eficientes, sao lentos, barulhentos que faz com que sejam menos confortáveis.

          Já tiveram a sua era, deixem isso no passado e vamos para a próxima.

    • Jon says:

      Então e a neutralidade carbonica onde fica??

    • RC says:

      Então mas não foi isso que o estudo vem esclarecer ? Leia o estudo.

      E sim há, tanto é que a vw, renault, tesla, entre outros têm o seus centros de reciclagem.

    • RC says:

      Encher os bolsos de quem os realiza ? mais uma vez não o leu, tem lá as 2 entidades que o financiaram, e não, nada têm a ver com carros nem baterias.

      Falar pelos cotovelos é o que dá.

  6. ToFerreira says:

    Os elétricos serem mais eficientes é um facto. A partir daqui é dificil serem mais poluentes. Ademais, a poluição gerada pelos elétricos é mais controlada, nomeadamente no localização; os de combustão elétrica poluem em todo o lado, sobretudo onde as pessoas mais convivem.

    • AP says:

      Efectivamente é urgente substituir os motores a combustão por algum outro tipo de motor não poluente. Já viram bem as estatísticas da evolução do cancro de pulmão? É que a maioria de nós mete estes problemas debaixo do tapete até ao dia em que o problema nos bate à porta.

      • Vitor Tavares says:

        Da mesma forma que muita gente se recusa a ser vacinado contra o Covid…até alguém (ou o próprio) ser infetado e ficar “convencido”! É como S.Tomé…ver (e sentir) para acreditar! Os motores a combustão também acho que devem ser substituídos…quando existir uma tecnologia que o faça sem “somar” ainda mais danos aqueles que já existem!

  7. Homo Sapiens Sapiens says:

    Esse estudo tem em conta a poluição e a destruição dos recursos gerada pela exploração dos metais raros usados na construção dos carros elétricos?

    • Tadeu says:

      diria mais, será que teve em conta os desastres ambientais com derrames de petróleo, poluição dos lençóis freáticos pela indústria petroquímica e bombas de gasolina, as minas para extrair os materiais para produzir os motores e dos seus componentes electrónicos?

      • Homo Sapiens Sapiens says:

        Não estava a defender a indústria petroquímica mas sim a fazer uma questão pertinente. Bem haja.

        • Tadeu says:

          A questão pertinente é a poluição e destruição de recursos, e isso aplica-se a tudo, não apenas a uma coisa isolada e/ou apenas um dos lados.

          • carlosmag says:

            O meu feeling é que será muito maior a poluição e gastos de recursos indispensáveis nas novas energias.

          • RC says:

            Como, se a eficiência é muito maior ?

            Sabia que um electrico gasta sensivelmente o mesmo em electricidade que um a combustão gasta por 100 kms, porque na produção de gasolina é gasta electricidade.

            É o seu feeling, porque como vê, os entendidos dizem o contrário, já agora é formado em quê ?

  8. António says:

    Nunca se chegará a um consenso. Cada um puxará a brasa á sua sardinha! Pondo os dois em uso e no imediato será o motor de combustão o mais poluente. Mas na sua construção perde o elétrico, pois os materiais são mais raros e a sua extração da natureza produz mais agentes poluentes. Mesmo na produção elétrica, dita verde, são necessárias matérias primas que sofrem do mesmo problema. Dizer-se que o elétrico tem zero emissões é incorreto. Mesmo na Europa a produção elétrica não é 100% limpa..
    Vai ser necessária a construção de milhares de km de redes de abastecimento cuja base é o cobre e o plástico…. prevê-se que nos próximos 30 anos sejam produzidas mais toneladas de cobre que aquelas que foram produzidas até hoje!
    Todas as revoluções trazem efeitos colaterais, e esta não será excepção!
    Nos países em vias de desenvolvimento ou em que as vontades políticas são absolutas estão a ser desenvolvidos mecanismos de produção de elementos procurados pelas indústrias automobilísticas e produção elétrica que não respeitam qualquer norma usada pelos países onde essa tecnologia vai ser usada. Fica, portanto a produção poluente nesses países, o que vai, de forma indireta afetar todo o planeta.
    A única forma de acabar com a poluição… seria regressar á idade da pedra…. mas para isso teríamos de deixar de habitar este planeta!
    Hipocrisia á parte! Não há boas soluções! Somos nós, humanos, a pior solução para o planeta. Os dinossauros desapareceram….e mais milénio, menos milénio…seremos nós!

  9. AP says:

    E alguém me explica porque os fabricantes não procuram construir modelos com baterias facilmente substituíveis em 2 ou 3 minutos como os vulgares empilhadores eléctricos?

    • Vitor Tavares says:

      Em termos ecológicos o tempo de substituição da bateria não tem impacto…interessa é saber a forma de reciclagem das ditas baterias sem impactos ambientais! E isso ainda ninguém explicou…

      • Homo Sapiens Sapiens says:

        Vítor a questão é que fica mais barato fazer uma nova do que reciclar uma antiga! Em fim de vida acabam por ser descartadas, possivelmente de formas não tão “legais”. O que interessa é o lucro obtido pelas empresas envolvidas!

    • Rui says:

      A tesla fez isso durante uns anos na california, mas fechou o programa em benefício da rede de super carregadores, aparentemente não havia interesse, em parte porque tinhas de voltar para ir buscar a tua bateria, pois a que punham no carro era só alugada para fazer a viagem em causa

      • AP says:

        Cá para mim a resposta é óbvia: obsolescência programadíssima!

        Paga Zé!

        • Filipe Rocha says:

          Tipo os Rádios terriveis de todos os carros abaixo de 30.000€?

          É que essas porcarias com sistemas touch baratos já não funcionam passado 4 anos. Tenho um Renault Clio e um Zoe e o maior problema com obsolescência é esse.

    • AP says:

      É que isso poderia fomentar uma rede de estações de baterias de aluguer.

      Mas não! O negócio não são baterias! O negócio é vender mais carros!

      • Rui says:

        Já vista o numero de baterias extras que tinhas de ter para fazer isso? Um dos problemas da Tesla e outras construtoras para não fazer mais carros elétricos era não haver baterias, agora imagina se ainda fosses roubar mais baterias a produção para por paradas a espera de potencialmente serem usadas?
        e com carros novos como o ioniq 5 que em carregadores de 350kw/h metem a bateria de 20% a 80% em 18 minutos não vejo a necessidade…

  10. João sem paciência says:

    Só o facto de existir um estudo destes mostra bem que a diferença entre os dois não é do dia para a noite e que depende de muitos factores.

  11. Tiago says:

    E de onde vem o lítio para as baterias dos carros? Falam muito das alterações climáticas, dos carros elétricos que poluem menos, mas não dizem de onde vem os recursos naturais. Vou dar um pequeno exemplo. Na Alemanha, a cidade que foi completamente arrasada durante as cheias com o deslocamento de terras, deveu-se a uma mina de exploração de recursos que ficava mesmo ao lado. Com as cheias, as terras cederam e a mina “engoliu a cidade”. Também na Alemanha, já estão a estudar desviar o rio Reno para exploração de lítio. Fonte: euronews.

    • Homo Sapiens Sapiens says:

      Lítio, Cobre, Tungsténio, Neodímio, Cério, Európio…. A lista não se fica por aqui.

    • Keyboardcat says:

      Deixa lá que o petróleo nasce das árvores!

      E essa mina que falas era uma mina de carvão. Tal como o petróleo, material poluente não reciclável.

      • Zé Fonseca A. says:

        Excluindo potenciais acidentes, é mais poluente e mais nefasto para os ecossistemas naturais e populações as mineração de litio e cobalto do que fracking de gás ou petroleo.
        Precisam de se informar de como é feito o processo de mineração e principalmente do que é uma lavaria de litio e que quimicos são usados e que contaminam rios e terrenos numa extensão de centenas de kms.
        Devem pensar que é ao acaso que está tudo contra a exploração de litio em Portugal.
        Eu sentia-me mais seguro viver na costa alentejana com uma plataforma a 50 km de casa do que a 100 km de uma mina de litio, caso tivesse casa a menos de 200km de uma mina de litio era garantido que me mudava.

  12. Eu says:

    A questão das emissões poluentes não pode nunca ser analisada sob o mero ponto de vista financeiro do que cada proprietário de um veículo elétrico a bateria gasta. Existem várias vertentes a analisar, nomeadamente:
    – Análise das emissões poluentes libertadas desde a extração do minério até à reciclagem do veículo;
    – Análise das emissões poluentes libertadas para carregar o veículo elétrico;
    – Análise das emissões poluentes resultantes da extração dos combustíveis fósseis para os veículos a combustão;
    – etc.

    Podia enunciar mais uma série de análises que seriam necessárias para uma correta avaliação do impacto de cada uma das tecnologias nas emissões poluentes. Quando vejo aqui as contas relativas ao quanto sai da carteira, digamos que é uma análise meramente egoísta pois quem toma decisões não se pode basear única e simplesmente nesse aspeto.

    Apenas para dar um exemplo, o carregamento dos veículos elétricos a bateria possui um custo diferente dependente do país, mas isso todos entendem. No entanto, o que não entendem é que as emissões, por exemplo de CO2, de um veículo elétrico a bateria dependem do mix produtivo do país onde estão inseridos. Ou seja, o carregamento de um veículo elétrico a bateria num país com uma elevada percentagem de produção de energia elétrica de origem renovável ou nuclear implica obrigatoriamente menos emissões poluentes, incluindo CO2, do que o carregamento de um veículo elétrico a bateria num país com uma forte componente produtiva de energia elétrica baseada em combustíveis fósseis, Se analisarmos o mix produtivo europeu (não vou colocar aqui as referências porque não estou para ter esse trabalho), as emissões de CO2 ao longo de toda a vida útil de um veículo elétrico a bateria é cerca de 1/3 superior às emissões de CO2 de um veículo a diesel moderno. Por sua vez, os veículos a diesel modernos emitem ao longo de todo da sua vida útil mais também cerca de 1/3 de CO2 que os veículos a gás natural. Resumindo, pelo lógica, o natural seria que a transição para o hidrogénio fosse efetuada a médio e longo prazo recorrendo ao gás natural. Aliás, é o que muitos países europeus se preparam para fazer, mas como este assunto envolve muitos interesses económicos e politiquice nunca se sabe que decisões acabam por tomar. Cumprimentos.

  13. AP says:

    Quando todos os carros forem eléctricos… a rede aguenta toda a gente a carregar as viaturas?

    • Rui says:

      já fiz essas contas a uns tempos e não chegava a um aumento de 20%, a industria gasta muita energia o que gastamos em casa é uma gota ao pé das fábricas que temos pelo pais…
      E atenção esses 20% foi a puxar tudo para cima em consumos acho que coloquei carros a mais pois considerei que todos os condutores portugueses têm carro e fazem 15 mil km ano…

    • Louro says:

      Como está de momento, nao necessariamente, mas quantos mais houverem mais procura irá haver portanto sim irá porque uma coisa acompanha a outra.

      Para além disso muitas pessoas já instalaram paineis solares nas suas casas, fazendo em muitos casos que energeticamente sejam autosuficientes ou praticamente autosuficientes (como é o meu caso).

  14. Oscar says:

    Isso será outro problema. A nossas redes eletricas nao aguentam. Cada carga com os supercarregadores gasta mais que a maioria de pequenas e medias empresas a laborar. Carregadores que podem variar de 250 a 500kw.
    Vamos ver o que se vai passar. Agora ainda é barato o eletrico mas quando o governo deixar de ter o dinheiro verde dos impostos dos carros de combustao arranja outro.
    Bem gostava de ter um Tesla para levar a familia, somos 4, e apenas faço 10k a 15k por ano. Pelo mesmo valor comprava um carro de sonho… a combustao.
    Eletricos neste momento é moda.
    Entre comprar um i3 ou um serie 3 para levar a familia definitivamente nao me é dificil escolher.
    As contas que se fazem sao de acordo com uma estimativa de duracao e utilizacao e sao todas diferentes. No meu caso nao justifica porque faco poucos km.
    E uma coisa que ninguem falou ainda é a questao dos acidentes. Quanto custa reparar um eletrico?

    • Rui says:

      a rede aguenta, basta ir ao site da E REDES e ver a rede de subestações e vê que é raro haver alguma que esteja acima dos 50% de uso de capacidade, e qualquer empresa com maquinas facilmente alcança os 250kw, onde trabalho o normal é 17000kwh e não é das maiores do setor.

    • Tadeu says:

      Tal como o Rui já disse, se todos os carros em Portugal passassem a ser eléctricos estaríamos a falar dum aumento de cerca de 20% no consumo (pelas minhas contas na pior das hipóteses 50%).
      Algo como isso é mais do que gerivel pela rede eléctrica, até porque o aumento será muito gradual permitindo fazer acertos pontuais na rede.
      Quanto aos carregadores rápidos, eles necessitam de instalação eléctrica própria tal como em muitas empresas. E não será por poderem ter uma potência de 250 kW que isso significa que vão consumir mais do que uma empresa – potência não é energia.

    • Ev says:

      O teu carro de sonho a combustão se for um BMW 320d Xdrive custa o quê? 53500€? O preço de um Tesla Stantard Range Plus e ainda te sobra uma euros…
      Se é para comparar preços comparem com carros da mesma gama…

      • TT says:

        Lol! E a qualidade de construção de um e de outro? O Tesla é feito de bocados de fita cola e cuspe à beira de um BMW!

      • Zé Fonseca A. says:

        Eu gosto de comparar o meu GLE 300d 4MATIC a um model S ou Y, fica mais barato, é infinitamente mais confortavel e qualidade de construção superior.
        Principalmente para quem faz viagens longas, eu por exemplo uma vez por ano vou a Andorra ou Alpes, é comum ir a Madrid ou Barcelona e pelo menos 1 vez por mês faço uma viagem grande dentro de Portugal, sempre com 4 pessoas, faz toda a diferença um carro a sério no conforto para toda a familia.

        • Ev says:

          Um model S dá quase para fazer um baile la dentro…

          • Zé Fonseca A. says:

            Sim, espaço não lhe falta, embora prefira o Y, no entanto é igual a ir comprar um sofá em pele, muito giro, muito minimalista, adorava ter na sala para decorar, se me sentava nele para ver tv? não..
            O mesmo se passa com os Tesla, se por algum motivo caísse da cadeira e batesse com a cabeça e quisesse comprar um EV, minha aposta seria sempre BMW ou Mercedes.

    • Ev says:

      Comparar um I3 com um série 3 é o mesmo que comparar um Clio com um Megane…

  15. Rafael says:

    Polui menos diretamente, porque poluições diretas polui muito mais(centrais elétricas aonde a eletricidade é fabricada

  16. José Gonçalves says:

    Em prol do ambiente também gostaria de ter um automóvel eléctrico mas… Amanhã vou percorrer 800 Kms, com o carro a combustão um depósito chega e sobra. Como seria com um eléctrico? (O prédio onde vivo não tem garagem).

  17. TT says:

    Tretas! Um Tesla por exemplo dá a volta ao mundo antes de chegar à Europa, muitos modelos de outras marcas eléctricos já são fabricados na China e enviados para a Europa é meia volta ao mundo no meio de transporte mais poluidor que existe, e em Portugal a energia eléctrica produzida 70,85% vem de fontes não renováveis e poluidoras, portanto esse estudo é uma TRETA paga por alguma entidade com interesses na área dos veículos eléctricos.

  18. Ev says:

    Vai a este site antes de inventares percentagens…
    https://www.apren.pt/pt/energias-renovaveis/producao

  19. Fernando says:

    Esta discussão não está a acontecer pois não? Já de si é muito preocupante o simples facto de esta questão se colocar. Alto aí, alguém nos andou a enganar! A ideia que nos estão a vender há muito é que os carros elétricos são amigos do ambiente.
    Isto só pode ser brincadeira das redes sociais.

  20. Jorge Amaral says:

    Ou seja, claramente só a produção de baterias para carros eléctricos revela-se bem mais poluente que a produção e uso de um carro “convencional”!
    Já estava esclarecido há um bom par de anos acerca disso, principalmente depois de um célebre julgamento nos estados unidos onde isso mesmo foi demonstrado, inviabilizando a instalação de uma fábrica de produção de baterias na zona de boston!

  21. Miguel says:

    Quem financia os estudos?
    E quem gere o estudo, qual o seu background e ligações com entidades investidoras?
    Sem se saber isso, o estudo vale zero, pois todos os dados são manipuláveis.
    Aplica-se em qualquer área

  22. Jon says:

    Vai ser lindo ver a malta a carregar o carro e a luz ir abaixo ou começar a arder instalações elétricas

  23. Oscar says:

    Eu como sou amigo do ambiente e por acaso tenho dois locais para instalacao de pontos de energia, solicitei autorizacao para instalar 2 unidades de 250kw. E como sou amigo do ambiente e queria apenas ganhar algum dinheiro com o investimento mas foi negado.
    Mas eu sou amigo do ambiente! So queria utilizar 60% do tempo para carregar…

  24. Ev says:

    Informa-te antes de dizer barbaridades… está em construção uma fábrica de reciclagem de baterias de lítio aqui em Portugal. As actuais vão para França, Alemanha, etc…
    https://www.tsf.pt/portugal/sociedade/primeira-fabrica-de-reciclagem-de-litio-da-peninsula-iberica-nasce-na-bairrada-13476254.html

  25. Bp says:

    Em Portugal 80% dos carros não tem garagem, dormem na rua. Nos grandes centros urbanos, só existe 1 lugar oficial de estacionamento por cada 3 carros. Logo, ainda que colocassem um carregador em cada lugar oficial (com todas as obras que isso implicava) haveria sempre 2 carros que não tinham onde carregar. E não estou a ver a malta a passar extensões pela janela para os carregar e os peões no passeio a ter que se desviar dos fios. Para além disso, os que tem garagem, a maior parte tem que fazer novas instalações elétricas para suportar as wallbox, para além de que terão que aumentar a potência contratada se não querem andar sempre a ligar o quadro. Tudo isto junto torna impraticável a mudança total dos carros a combustão para elétrico, a não ser que 2/3 da malta abdicasse de ter carro. Portanto, o futuro, pelo menos em Portugal não vai ser elétrico tão cedo. Pela minha parte, com o preço de um Leaf compro dois clios novos com equipamentos semelhantes. Se tiver em conta que faço 12000 km ano, nunca compensarei a compra de um elétrico vs motor a combustão.

  26. José Bacalhau says:

    Bem, o nome da organização que promoveu o estudo não dá garantia de grande isenção. Pessoalmente só confio em estudos de universidades reputadas em engenharia. Não confio em estudos de grupos de advocacia de energias limpas ou de energias fósseis. Duvido muitíssimo que um pequeno utilitário a gasolina tenha pegada de carbono de ciclo de vida maior do que a de um Tesla, tal como um Zoe de certeza terá uma pegada menor do que a minha VW Passat.

  27. Antonio Santos says:

    Alguém consegue calcular/saber quanto custa a produção deu 1 litro de gasolina/gasóleo?
    Toda a logística necessária, a poluição produzida, etc. tudo para produzir 1 litro de combustível?

  28. L.Sousa says:

    LOL baterias? é o calcanhar de aquiles dessas coisas eletricas!!!! Tenho um BMW com 600K e nunca mexi no motor de 6 cilindros. A mim não me convencem e sou bastante esclarecido não com as coisas que aqui escrevem mas aquilo que investigo! Fiquem com o vossos brinquedos a baterias eu resistirei até ao fim, um dia vão ver a moda do eletrico vai passar…. Quando verem as casas e os pedaços de terra cheios de paineis solares ou aerogeradores… Energia limpa?! LOL é para rir!

    • Ev says:

      Vai passar vai, elétrico, hidrogénio ou outro tipo de energia que ainda não tenha sido inventada será o futuro. Combustão está condenada é uma questão de tempo… e qual o mal de teres os telhados das casas forrados a painéis? Gostas de pagar a fatura da electricidade ao final do mês? Eu gosto do meu telhado forrado a painéis, tenho piso radiante na casa ligado 24h por dia 365 dias por ano e é graças aos meus painéis.

      • Oscar says:

        Como eu dizia anteriormente, eu sou amigo do ambiente e tambem quero forrar a casa a paineis e deixar de pagar a EDP e aquecer a casa. Mas ja agora como fizeste isso? Diz me quanto gastaste que eu tambem quero comprar um kit igual.
        E tambem quero um eletrico Tesla ou um EQC para ser amigo do ambiente. Parece ser muito simples ser amigo do ambiente e poupar na conta energetica.

        • Ev says:

          Com um simples
          Kit de
          1600w já consegues uma poupança anual na ordem do 250€-350€ de electricidade, depende dos teus consumos e gestão dos mesmos. Atualmente o estado da apoio para a colocação de um kit desta potência ficando o mesmo em média a 700€ para ti e o restante a cargo do estado…

        • Ev says:

          Eu num ano produzi 3600kw. 3600 x 0.16€ = 576€ brutos de energia produzida, apenas consegui aproveitar 350€. Agora com o carro elétrico aproveito o restante, e se for necessário coloco mais 1600w e assim consigo carregar o carro todas as semanas de borla.

  29. carlosmag says:

    Não se deixem enganar. Para haver postos de carregamento elétricos em níveis apreciáveis, serão necessárias enormes quantidades de cobre. E o cobre é extraído da terra. Um dos problemas é a extração do cobre gastar milhares de litros de água ao segundo.

    Infelizmente, as energias renováveis ainda têm muito que evoluir. Até ao momento, tiram a poluição dos nossos olhos, mas gastam recursos e poluem que se farta nos sítios onde são extraídas as matérias primas, do qual a China controla a maior parte…

    • RC says:

      Exacto, a solução é voltar para as cavernas.

      • carlosmag says:

        A solução é investir muito na resolução dos problemas e não ignorá-los.

        • RC says:

          E não é isso que andam a fazer ?

          • carlosmag says:

            Não, de todo! A indústria está preocupada é com o lucro e em explorar até ao limite os recursos. Quem tem de se preocupar com os problemas são os governantes. Mas a eles também lhes dá jeito promoverem energias renováveis para serem eleitos. Na Alemanha, por exemplo, há montes de ventoinhas eólicas espalhadas pelos campos. Fica muito caro reciclar os materiais ou nem se sabe sequer como fazê-lo…

          • RC says:

            Os problemas resolvem-se quando aparecem, durante quantos anos não houve solução para os óleos lubrificantes e de cozinha usados, baterias de arranque, catalizadores de escapes, etc ? E o que se faz agora ?

            Meta lá no google: reciclagem de eólicas

          • RC says:

            https: //observador.pt/factchecks/fact-check-pas-de-torres-eolicas-colocadas-em-aterros-por-nao-serem-reciclaveis/

          • carlosmag says:

            Não é a esse tipo de fotos que me refiro. São outras que vi num documentário credível que passou estes dias pela TV (penso que é o Lado Negro das Energias Renováveis).

            De facto, pelo Google encontram-se alguns projetos inovadores, que dão esperança ao tópico específico de reciclagem das ventoinhas. Mas até que seja barato o suficiente, com bom aproveitamento dos materiais, desconfio que vá demorar muitos anos a serem utilizados em larga escala. E até lá a matéria prima corre sérios riscos de acabar.

            Gastar imensas quantidades de água é um grande problema e imediato. E diz-se que o cobre pode entrar em grave escassez a partir de 2030. Para além disso, há muita gente a morrer devido às extrações da matéria-prima, processos altamente poluentes…
            Tenho de pôr aqui o link do documentário.

          • RC says:

            Esse documentário tem verdades, mas também tem mentiras, como por exemplo mostra um tesla model s e aerogeradores dizendo que usam neodimio nos imans dos seus motores e geradores, o que é uma mentira, nem o tesla mostrado usa nem os aerogeradores.

            Existe também muita gente a morrer por outros motivos, seja por guerras pela extração de minérios, como pela poluição gerada por todas as vertentes.

            Procure também o novo método da tesla de purificar o litio, que não usa água.

          • RC says:

            Relembro que todos os mineiros referidos são usados também noutras tecnologias, até mesmo nos veiculos a combustão:

            – litio : ligas metalicas nos automoveis e aviões, industria cerâmica (quando toma o café usa litio), industria vidreira em vidros que aguentam altas temperaturas, lubrificantes, baterias, medicamentos

            -cobalto: refinação de combustíveis, usado como catalisador de enxofre, baterias, ligas metalicas,etc.

            -grafite, eletrónica, baterias, filtros de ar de habitáculo, entre muitas outras.

            Curiosamente é nas bateias que estes materiais são mais faceis de reaproveitas, não falando de baterias Lipo e lico, as mais usadas em telemóveis, portáteis e gadgets, as únicas que são de difícil reciclagem são as que usam sais de lítio, porque o seu interior em contacto com o ar oxida rapidamente, felizmente não são usadas em veículos.

          • carlosmag says:

            A procura por matérias primas está a disparar devido às energias renováveis. Mas infelizmente a resolução dos problemas associados não acompanha na mesma velocidade. Quando soube que a extração de cobre gastava milhares de litros de água ao segundo, para mim foi o suficiente para estar contra o estado atual das coisas. Não se brinca com água.

          • RC says:

            Então e sabe que se usa água para extrair, refinar combustíveis ?

            Isso não o incomoda sabendo que é algo que só vai durar uma vez ?

          • RC says:

            “Reaproveitamento de água
            Praticamente 100% da água utilizada no processo de produção de concentrado de cobre na Usina do Sossego, no Pará, é reaproveitada após ser captada na barragem de rejeitos.”

            http://www.vale.com/brasil/pt/business/mining/copper/Paginas/default.aspx

          • RC says:

            Se está preocupada com o lucro porque em 10 anos a baterias cresceram de capacidade em 3 x, mantiveram o mesmo peso, ou seja, usam a mesma quantidade dee materiais, e até menos, passaram a usar menos litio e cobalto, e custam o mesmo ?

            Tem alguma explicação para isto ?

          • carlosmag says:

            Se a água é reaproveitada como diz, é um excelente ponto a favor. Não são especialista na área, não posso comentar. Seria bom haver uma consulta pública em que os especialistas esclareciam estas e outras dúvidas pertinentes.

          • RC says:

            Mas comentou ? não era melhor pesquisar antes de emitir uma opinião ?

          • RC says:

            Então mas não é isso que está no estudo do artigo ?

          • carlosmag says:

            Referia-me a comentar a veracidade e validade do reaproveitamento de água durante a extração de matérias primas.

  30. José Abreu says:

    Com a análise ao ciclo de vida do produto compreendemos que o benefício ambiental anda entre 20 e 65%. Isso quer dizer que a diversidade de soluções é fundamental pois em determinados momentos ou usos os EV não são competitivos

    • RC says:

      Quais usos ? aqueles em mete algumas pessoas a rodar milhares de kms ? com o perigo que isso é, não era melhor irem de comboio, ou até de avião, já que as emissões são muito menores que num carro.

  31. Rui Luz says:

    Alguém já viu o nome da entidade que PAGOU o estudo? Condicionamento zero….

  32. RC says:

    Agora gostava de ver a malta que defende os hidrogénio como estes são limpos, estes sim, ficam abaixo em termos de eficiência e mais acima em termos de emissões que os a combustão, como já se sabia, por essa razão muitos fabricantes terem abandonado essa tecnologia, e os que ainda a detêm não a quererem vender.

    • Ev says:

      Só vejo o hidrogénio vialvel para transportes de mercadorias (camiões, barcos) e transportes como autocarros e aviões…

      • RC says:

        Eu não isso, porque o custo dele é tão alto que duvido que o cliente consiga pagar esse transporte, mas se tiver de ser é…

        • Ev says:

          O custo de produção, dificuldade de armazenamento… se houvesse uma coordenação/cooperação entre entidades produtoras de eletricidade e de produção de hidrogénio e em vez de oferecer o excedente de produção noturna de electricidade aos espanhóis focassem esse excedente na produção de hidrogénio… já era uma boa ajuda na redução de custos. Ainda não houve nenhum iluminado que pensasse neste tipo de “joint force”. Era uma maneira de rentabilizar a produção

          • RC says:

            O problema do hidrogénio é a eficiência total do processo, aproveitar energia para armazenar em hidrogénio para depois voltar a converter em eletricidade tem um rendimento na ordem dos 20%, não é viável.

            Mais vale continuarem como têm feito até agora, baixar os preços da energia quando existe excedente para quem os tem carregar nessas horas, até porque são nessas horas que temos mais conveniência em carregar.

  33. Mario says:

    E é preciso um estudo para ver o óbvio.

  34. Carvalho says:

    Por mim era regime comunista e tudo a andar de bicicleta como na China! E luz eléctrica só para os estadistas. E hospitais e médicos só para a familia monarca! E para acabar com o disparate, eutanásia obrigatória para todos que completassem 45 anos de idade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.