Quantcast
PplWare Mobile

Lucid Motors apresentou o Air, o carro elétrico que bate a concorrência, até no preço

                                    
                                

Fonte: Lucid Motors

Autor: Pedro Simões


  1. ToFerreira says:

    Por esses preços? Bos sorte.

  2. Elvio says:

    Qual o preço do Lucid

  3. SANDOKAN 1513 says:

    “A versão elétrica mais barata ronda os 80 mil euros,sendo o modelo base.” Como ?? Bye,bye,Maria Ivone… 🙂

  4. Ricardo says:

    Gostava de saber o que é que é “Carregamento 1930 km/h”??? What?

    • Gajo says:

      Qual e’ a duvida? Significa que a cada hora que o carro estivesse em carregamento, recebia uma autonomia de 1930km (se as baterias tivessem essa capacidade).

      • Hélio Musco says:

        Mesmo assim está estranho, porque diz que carrega 480km em 20mins (24km/min) mas 1930km em 60mins (32km/min)…

        • Louro says:

          A velocidade de carregamento máxima será os 1930km/h, no entanto durante o carregamento a velocidade máxima varia, mesmo nas condicoes ideiais (temperatura e bateria) as baterias carregam sempre muito mais rapidamente ao inicio de a partir de uma determinada altura a velocidade de carregamento comeca abaixar significativamente, essa é uma das razoes para carregares as baterias até 70/80% e se tiveres o suficiente para chegar ao próximo carregador já nao vale a pena carregar mais.

      • Ricardo says:

        A dúvida é que km/h é uma unidade de velocidade de um CORPO. Não se utiliza km/h para medir velocidades de carregamento como é lógico.

        Se querem utilizar essa métrica para comparar vários carros eléctricos utilizem outra nomenclatura.

        • Louro says:

          O valor é apresentado para teres uma nocao de quantos km poderás percorrer se estiveres a carregar durante 1 hora e nao para defenir uma velocidade do corpo.

          Os Tesla e nao só, sempre mostraram isso, estás a carregar e no Cb aparece a velocidade de carregamento e o equivalente em km que estás a ganhar por cada hora de carregamento.

          Tens aí um exemplo
          https://i.ytimg.com/vi/_ZKHv0-FWjA/maxresdefault.jpg

          Esse estava a carregar a 116kwh o que equivale a um ganho de 530milhas por cada hora de carregamento.

          • Ricardo says:

            Eu percebi o conceito, mas a notação utilizada km/h no Sistema Internacional de Unidades mede a distância percorrida por unidade de tempo.

            Fui pesquisar essa imagem do dashboard de carregamento da Tesla para a Europa, e de facto a maneira como é apresentado é “km/hr” (não está km/h).

            https://photos.joetourist.ca/teslamodels/e3dea827

            Pode parecer insignificante, mas é um pormenor que faz toda a diferença. Basicamente a Tesla inventou uma notação diferente para ser fácil comparar velocidade de carregamento.

            Ou seja, o Pplware (ou a fonte de onde tirou a notícia) enganou-se na forma como coloca essa informação…

            Uma pessoa mais burra podia olhar para os 1930 km/h e achar que o carro atingia velocidades supersónicas de mach 1,5

          • Vítor M. says:

            É assim que a marca disponibiliza no seu site. Assim como outras marcas. Lê o press da empresa que está na página deles, foi de onde retiramos a informação.

          • Louro says:

            @Ricardo,
            Só quem nao estiver mesmo atento é que iria pensar que o carro atingia 1930km/h, até porque a informacao está na coluna para a info de carregamento.

            Por isso nao estou a ver o problema em referir que o carro tem a capacidade de ao carregar, armazenar energia necessária para percorrer Xkm por cada hora.

            É normal, e aceite.

            Da mesma forma a tesla apresenta miles/hr, nao mph.

        • Paulo says:

          Os Km/h é a velocidade instantânea de carregamento Teoricamente numa hora, quando ligado ao carregador rápido,o carro carregaria 1930km de autonomia. Na realidade isso só acontece em condições ideiais, ou seja, temperatura otimizada da bateria e quando a % da bateria é muito baixa depois a velocidade de carregamento diminui muito, conforme vai aumentando a percentagem de carregamento da bateria, muitas vezes não compensa carregar quando a bateria atinge os 80% de carga porque vai carregar muito mais lento. Já carreguei a 1430 km/h mas começa a diminuir a partir dos 40% da bateria e aos 80% só se precisar desses 20% para ir a alguma lado, caso contrário é desligar. Normalmente carrega dos 12% aos 75% em 10 minutos mas dos 75 aos 100 demora uns bons 40 minutos mais

        • IonFan says:

          A tua questão faz sentido, mas se pensares que os carros têm eficiências diferentes, faz sentido falar em km/h.
          A alternativa é usar kW, mas perde se o termo de comparação entre carros com eficiências diferentes. Por exemplo, o Model 3 carrega a 250kW e o Taycan a 270kW, mas, devido à eficiência superior do Model 3, os 250kW significam mais autonomia por unidade de tempo do que os 270kW no Taycan.

    • Vítor M. says:

      Velocidade máxima de carregamento.

  5. darksantacruz says:

    Essa autonomia e velocidade de carregamento ja parecem ser valores bem interessantes (mesmo tendo em conta que a real nao seja essa) pena mesmo sao os preços mas colocando-se num patamar de luxo nao admira.

  6. João Reis says:

    Este sim é um carro de luxo e preferia dar 80 000 euros por este que pelos tesla.

    • Mico says:

      Precisas de ter mais comentários aqui, é?

    • Louro says:

      É complicado avaliar isso sem ver ao vivo, no papel sim é… na prática nao sabemos, e depois uma das coisas que mais atrai nos teslas é a rede de super carregamento, se a Lucid nao tiver essa rede de carregamentos bem que podem vender os carros a 50k que nao vao vender tanto como os Tesla.

      • Blackbit says:

        Exacto, ao comprar Tesla estas a comprar o carro e o acesso à rede de carregadores exclusiva dessa companhia, o que é muito importante tendo em conta a escassez de carregadores potentes.
        Não entendo como é que ainda há carregadores a 7,2KW a serem implementados, não faz sentido nos dias de hoje.

        • Louro says:

          A transicao de carros a combustao para carros eletricos é lenta e enquanto nao existir uma forma de potenciar isso, nao irás ver muitos carregadores com potencias superiores.

          A realidade é que também nao precisamos assim tanto deles, só em viagens grandes que fazem uma percentagem muito baixa das viagens anuais.

          A maioria das pessoas conduz desde casa até ao trabalho, a volta de 20/30km, depois deixa o carro parado o dia todo até ao final do dia em que volta a percorrer os mesmos 20/30km para chegar a casa.

          O que precisamos é de muitos carregadores, especialmente em parques de estacionamento, mesmo que lentos enquanto as pessoas estao nas suas vidas, os carros ficam a carregar e quando elas chegarem estarao prontos para mais uns km.

          • darksantacruz says:

            Muitos carregadores sim e acrescento uma gestao eficiente dos mesmos; manutenção, gestão de carregamentos( e frequente encontrar carros que ja estao carregados a ocupar o lugar a outro que poderia estar a carregar), os carregadores publicos disponibilizarem a opcao de pagar com multibanco ou via verde ou outros metodos de pagamento existentes, carregadores wireless ( a tecnologia ainda e cara mas ha que comecar a dizer adeus aos cabos, viajar com cabos nos carros e retirar e por a carregar claramente nao e uma solucao eficiente), ETC…

            Ah e o mais importante as marcas optimizarem os tempos de carregamento, tempo é dinheiro: mais de 5 min a carregar um automovel nos dias de hoje nao e fiavel.

          • Louro says:

            @darksantacruz
            Basta que te cobrem pelo estacionamento e que durante o periodo possas carregar.

            Se estiveres lá mais tempo vais estar a pagar por carregamento que nao usas, pelo que a tendencia é do pessoal sair para dar lugar a outro.

            Acredito que num futuro nao muito longinquo vamos ter postos de carregamentos em todos os lugares de estacionamento ou pelo menos numa maioria.

            quanto ao carregamento wireless, a menos que algo mude, o desperdicio de energia nao justifica.

          • darksantacruz says:

            @Louro quanto ao carregamento wireless ainda estamos numa fase inicial obviamente que a tecnologia ainda não é madura mas no futuro certamente será e claramente já não se usarão cabos até lá resta aguardar porque para mim é ridículo tirar o cabo do carro, ligar ao carro ligar ao carregador /tomada ao fim de N vezes a fazer o mesmo irrita.

  7. Estefâneo Empregos says:

    Uma boa opção para o segmento elétrico com um bonito design.
    Tenho algumas dúvidas no que toca a autonomia e carregamento.

  8. O Tuga says:

    Só vêm dar mais valor à Tesla
    E mostrar que a Tesla tem o melhor custo/benefício nos carros eléctricos!!

  9. Samuel MG says:

    1- são 482,8 km em 20 min.
    2- já estão a trabalhar num SUV.

  10. Martin says:

    Carro na versão base c/ um custo de $80.000, não será certamente para o mercado tuga, onde o salário médio está nos 750 a 800€!
    É uma “torradeira” demasiado cara, para a maioria das pessoas que trabalha no dia a dia!

    • Rui says:

      Em lisboa vejo MUITOS carros a circular, que custam bem acima de 60.000 euros.

      Esta gama de veículos nunca foi pensada para clientes que ganham entre 750 – 800€

      Não é para quem quer, mas sim para quem pode. Sempre foi assim e sempre será

      • Martin says:

        Pois!… muitos falam como você até a AT ou PJ lhe bater à porta!

        • IonFan says:

          Isso é uma generalização inaceitável. Sem qualquer dado estatístico ou prova, está a insinuar que muitos dos carros de 60.000€ e acima pertencem a criminosos.

          • Martin says:

            Veja quantos carros de alta cilindrada são apreendidos pelas policias/AT e posteriormente vendidos em hasta pública.
            Coitados, eram gente séria, que ficou sem o pópó!!!

          • IonFan says:

            @Martin, isso é uma falácia. Haver criminosos com carros de alta cilindrada não significa que todos os donos de carros de alta cilindrada sejam criminosos.

            Isto é um raciocínio básico, mas vou dar um exemplo para ser mais claro:
            A maioria dos Martin que conheço vivem em vivendas em Cascais. Será que este Martin que aqui comenta também vive numa vivenda em Cascais mas vem para aqui fingir que tem pena de quem ganha 750€, porque é da esquerda caviar?

        • Louro says:

          Um pouco de pomada no cotovelo era bem capaz de conseguir resolver isso…

          As pessoas terem carros melhors/mais caros nao significa que andem a cometer ilegalidades ou a fugir a impostos.

        • AL says:

          Não venha para estes sites falar de mafiosos, não é o mais adequado, a malta não gosta!

      • Martin says:

        Relatórios como os da Pordata há para todos os gostos, pode publicar os relatórios que entender.
        Uma coisa é a teoria outra é a prática, ou seja a lei da oferta e procura no mercado de trabalho em 2020.
        Há muito licenciado nas TI que vai para o desterro, porque cá no BURGO, só lhe oferecem no máximo 800€ a 850€/líquidos mês com os subsídios incluídos!

        • IonFan says:

          Agora as insinuações de desonestidade já se estendem à PORDATA? Está bonito. Às tantas o Martin é o único português sério…

          Fica então os dados do INE (provavelmente são mais uns criminosos, mas pronto): https://observador.pt/2020/02/07/salario-medio-bruto-subiu-27-para-1-276-euros-em-2019-divulgou-o-ine/

          Estes dados não se tratam de teorias. São extraídos do que é a prática.

          Eu trabalho em TI e o cenário que conheço não corresponde com o que descreve. Mas folgo em ver que já passamos de uma média de 750 a 800€ para 800 a 850€ em inicio de carreira. Mais uns 10 comentários e chegamos aos 1500€ 😉

          • Martin says:

            Palavras como, criminosos, desonestos, saíram da sua boca, ou melhor dedos, as partes não fazem o todo, se não entende português, paciência.
            Dei o exemplo das TI, que são a área de atividade económica onde há maior empregabilidade, porque de outras áreas nem vale a pena falar.
            Guarde os links das entidades que referiu para si, que lhe faça bom proveito!

          • IonFan says:

            @Martin, que as partes não fazem o todo eu sei, aliás, é precisamente o que estou a tentar explicar te há vários comentários… Lá porque uma parte das pessoas que tem carros caros não é séria, isso não faz o todo não ser sério.

            Se a AT ou a PJ te andam a bater à porta e te apreendem carros sem seres desonesto e/ou criminoso, é melhor recorreres para o tribunal europeu dos direitos do Homem.

            Quando se usa certo argumentário, não e preciso usar as palavras todas para percebermos o que se quer dizer. A isso chama-se pensar e complementa muito bem o saber português.

            A razão certa para se dar um exemplo de uma área de actividade seria o conhecimento da realidade dela. Assim ficou só mais um número mandado para o ar, tal como foi o dos salários médios. Mas pior mesmo que mandar números para o ar, é ficar chateado por quem os calculou a sério ter números diferentes. Como se o problema fosse que quem faz as contas e não de quem atira para o ar…

          • Paulo says:

            O que quero dizer a quem trabalha em TI ou em outra área não está pior do que há 22 anos atrás, mas também não está nada melhor, se não tiver experiência de trabalho. É o País que temos e as escolhas que se fizeram e de quem lidera o País e de quem, com os votos, está no poder neste momento e nos últimos 25 ano. Podíamos estar bem melhor? Podíamos, mas as escolhas políticas nos últimos 25 anos colocaram Portugal no lugar que está. Agora, quem começa a vida profissional a ganhar 900€ não está pior que quem começou em 1993 a ganhar 200€, 400€. Quem compra um elétrico, mesmo um a 48 000€ não é rico, apenas alguns tiveram 23 anos a poupar.

        • Paulo says:

          Quando comecei a trabalhar com o bacharelato, em 1993, comecei a ganhar 200€ (na altura ainda em escudos só) depois fui fazer a licenciatura (5 anos no total) e fui ganhar, depois de passar por outra empresa, 350€ no Norte (não interessa onde), em 1999. insatisfeito, fui trabalhar para Lisboa a ganhar 1600€ em 2000 e depois em 2001 passei a ganhar 1930€. Em 2019 estava a ganhar praticamente o mesmo que em 2001 (é a realidade do País), mas passaram-se quase 20 anos. Poupei, não fumo, não vou a restaurantes, não viajo muito e e em20 anos paguei todas as contas que tinha e achei que era hora de comprar um elétrico. Tendo em conta que o que escolhia seria um a gasoleo a custar 42 000€ e por isso um eletrico Tesla a custar 47800€ seria a escolha acertada porque não pagaria eletricidade, manutenção, IUC, obrigatória e para os trajeto e dimensão do carro fazia sentido. Estou muito satisfeito com a escolha. O que quero dizer é que realidade de cada um é diferente e idade diferente. Depois, de sair da empresa, tive de fazer-me à vida e para quem é empresário em nome individual ou empresa compensa muito mas muito mais o elétrico porque abate o IVA para além de outros beneficios. É a vida e cada um tem o seu trajeto

          • IonFan says:

            Pois Paulo, mas para chegar a essa conclusão é preciso saber fazer contas. Como já deu para perceber, aqui a relação com os números nem sempre é a melhor.

          • Martin says:

            Paulo, não tenho nada contra com quem tem um carro caro ou uma casa de luxo, desde que tenha rendimentos legais para tal, seja por poupança, herança, prêmios de jogo, etc.
            O conhecimento do mercado de trabalho que eu tenho em 2020 é, infelizmente, desencorajador, licenciado c/mestrado em gestão, salário oferecido 760€/mês, enfermagem 800€/mês, quando não chegam ao ridículo de oferecer o salário mínimo nacional a outros mestres!

          • AL says:

            Os elétricos são a transição dos carros a combustão para o hidrogenio num futuro próximo, o lítio é escasso e caro!

          • Isidoro Martins says:

            O Hidrogênio nunca passará de hidrogênio…você pressupõe que as baterias nunca deixaram de ser de lítio…(nunca se teria inventado a tesoura sem inventar a faca primeiro)

    • IonFan says:

      E se incluirmos subsídios e prémios eram 1.170,3€.

  11. Helder Couto says:

    pena que nao deve chegar ao mercado europeu os carros eletricos da china como por exemplo o SUV da xiaomi mesmo que chegasse a valores a rondar os 15.000€ porque o preço de lançamento eram 11.000€ era uma boa aposta ou entao o Xpeng P7 este parece muito bem interior porreiro a construção também não parece má… porque ate a tesla sendo tesla tambem teve alguns problemas na construção.. por isso

  12. João says:

    Gosto do design esta muito bem, tem um estilo suave e futurista quanto às versões luxo com bancos xpto é um niche e não uma oferta generalizada ao público geral, outra coisa e o painel e sistema infotainement bem conseguido

  13. AL says:

    Quando os políticos, associações ambientalistas, falam repetidamente na descarbornização das economias, mobilidade verde, um construtor auto independente, lançar um tipo de veículo elétrico com um preço base na ordem dos 80.000 dólares, parece um contrassenso.
    Seria preferível, lançar no mercado um veículo mais modesto, a um preço mais acessível e ter outro(s) modelo(s) mais equipado(s) para outro tipo de clientes.

  14. George M. says:

    Mais uma oferta (luxo ou não) com proezas de sofware do Vale do Silício onde os alemães não podem competir. Por exemplo, o Mercedes S Class é uma cópia do Tesla Model S com um monitor central e sem botões, notícia velha que a T.M.S ofereceu em 2012. Com os alemães sempre atrasados entre 5 e 10 anos em tecnologia, os dias da indústria automobilística alemã estão contados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.