Quantcast
PplWare Mobile

Fabrico de baterias para carros elétricos vai ficar 22% mais caro em apenas quatro anos

                                    
                                

Fonte: CNBC

Autor: Marisa Pinto


  1. Ludita_Modernaço says:

    Pode haver muitas razões para comprar um carro elétrico mas quando essas razões forem a eficiência energética e a consciência ambiental, qualquer instante de reflexão apontará para uma revolucão nos transportes públicos. O futuro não são Teslas, são passes de autocarro. Face it.

    • aj says:

      Vou comprar o Tesla para ir até lisboa ou porto (120km) para utlilzar os transportes publicos. Realidade é, Portugal é lisboa e porto, o resto é paisagem

    • NoName says:

      São passes de autocarro se quiser andar em cidades, vá la fazer uma viagem de 300km com um passe de autocarro…
      E para esse futuro acontecer ainda é preciso que os transportes públicos melhorem muito por esse país fora.

    • Miguel says:

      Verdade até porque não passa por tantas baterias

    • Rui says:

      Eu admiro como é que em 2022, há pessoas que pensam que Portugal é Lisboa e Porto e o resto é só para passar férias…… já agora, vai de autocarro passar férias para o interior? Pois, se calhar não há transportes públicos!!!!!

      Mas mais insultuoso é o facto das grandes cidades terem empresas públicas que nunca dão lucro (prejuízos financiados por nós, bem como a compra dos mais modernos e caros autocarros, pagos por todos nós), e ainda vão ter passes sociais em parte pagos por todos nós!!!!!

      Isto sim chama-se equidade!!!!! Para quem mora em Lisboa!!!!!

      Para nossa infelicidade, 90% do território não tem transportes públicos, apesar de pagar os outros 10%, e também na agricultura por exemplo, a Tesla ainda não chegou para substituir as alfaias agrícolas com motor diesel ou o transporte das mercadorias, entre os quais os alimentos de outra forma que não seja através de camião com motor diesel!!!!!!

      • Carlos says:

        Mais de 50% das viaturas seguradas em Portugal estão seguradas nos distritos de Lisboa, Porto, Setúbal e Braga. Lisboa e Setúbal têm comboio. Porto e Braga também estão ligadas por comboio.
        Se desses 50% metade passassem a usar Transportes Coletivos (cerca de 25% do total de viaturas seguradas em Portugal) seriam quase 2M de viaturas a menos nas estradas (imagine-se o impacto nas emissões!!!)
        (dados de 2019 retirados da ASF)
        Ah e tal… mas muitos são pesados e cenas… Ligeiros representavam 82,6% das viaturas seguradas. Para o meu exemplo anterior, seriam cerca de 1.6M.

        Efetivamente Portugal não é apenas Lisboa e Porto. Mas Lisboa e Porto concentram a maioria da população de Portugal Continental.

        O interessante é usar-se o o território como se todo ele tivesse a mesma densidade populacional…

        • Gurer says:

          Como é que faz para os mais ricos andarem de transporte colectivo? Ou os 50% que fala são os que têm menos dinheiro e chama a essa medida responsabilidade e equilíbrio para um Portugal melhor?

        • Rui says:

          Olhe? Em que distrito é que a Galp, CGD, CTT, Allianz, Ageas, BCP, GNR, PSP, Governo, Institutos Públicos, Ministério da Saúde, etc, etc registam as suas viaturas todas? Sabe dizer-me?

          Só por aí já tem parte da resposta às suas questões!

          Quanto à última afirmação sua, o que quer dizer, temos de nos subjugar ao que decide Lisboa, mesmo que não faça sentido nenhum para o resto do país?

          • Carlos says:

            Não temos que nos subjugar a nada.
            Escrevi apenas factos. A maioria dos votantes está no litoral. Desses, uma grande maioria vivem ou trabalham na grande Lisboa e Grande Porto. Pode ir a PORDATA confirmar. E não são pessoas que são a Galp ou EDP como morada.

            É natural que o privado esteja nessas regiões e também é natural que qualquer governo ao tentar agradar ao máximo de votantes dê mais relevo a necessidade da maioria.

            É justo? Não. Também não é justo o valor das rendas em Lisboa ou no Porto

            Se leu até aqui, vou esclarecer o intuito do meu comentário: o investimento em TPC no grande Porto e na Grande Lisboa são per capita um melhor investimento do que incentivos á compra de elétricos por exemplo no que respeita a medidas de redução na emissões para cumprir as metas exigidas pela UE.

            Por outro lado, essas medidas de apoio aos elétricos e painéis solares p.e. apenas são aproveitados pela classe alta que tem dinheiro na carteira. Quem mora no interior (maioritariamente classe média/baixa) não consegue gastar 33.5k por um ZOE para receber 4 de incentivos e as suas autarquias não terem postos de carregamento.

            Se havia de haver TPC para chegar a todo o lado? Claro. Mas o dinheiro não estica (como as mantas) e para agradar a uns, outros ficam de fora.

            Ah… Esquci de dizer que até já fui passar férias ao parque campismo da cerdeira (Gerês) sempre de transportes públicos.

        • João Ferreira says:

          Já experimentaste andar de transportes públicos em qualquer cidade que não seja Porto e Lisboa? Não deves e mesmo nessas grande cidade são uma merda com graves e falhas constantes. Dizer que uma cidade tem comboio não serve para nada. O comboio em Portugal geralmente liga cidades, não liga a periferia ao centro da cidade, pelo menos na periferia. Há montes de cidades que nem linha de comboio tem perto.

          • João Ferreira says:

            Se quiseres tornar as cidades como Lisboa e Porto ainda mais caras então a tua solução é perfeita.

      • darksantacruz says:

        Bem dito Rui!

    • Mr. Y says:

      Não querendo ser advogado do diabo mas penso que a ideia dos passes de autocarro não quer dizer que sejam gratuitos mas sim o massificar o uso dos transportes públicos.

      Está mais do que provado que os transportes públicos são o meio de transporte mais eficiente do que andar uma pessoa por carro.

      Agora isso não basta. É preciso que haja uma boa rede de transportes públicos e de haver menos tráfego dentro das cidades sendo apenas restrito a transportes público e veículos comerciais. Necessitando, por isso, de áreas de parqueamento para quem venha de ‘fora’.

      E sim, já sei que isso não servirá para todos mas não se pode estar à espera de uma medida que vá resolver tudo. Esta é apenas mais uma e que já foi identificada há muito mas que não é de fácil implementação.

    • Grunho says:

      E bicicletas eléctricas, que a maior parte das vezes tiram bastante tempo aos transportes públicos.

    • Tonheco says:

      Transportes públicos? Isso é para os miseráveis.

  2. Engenheiro de obras feitas says:

    Baterias de grafeno vai ser o futuro, mais eficientes, não explosivas e suporta maior carga.
    Os passes vão sempre existir.

  3. Miguel says:

    Pois é… é insustentável da forma que existem hoje…

  4. andy says:

    Esta falsa questão ecológica para optar por VEs serve para enriquecer os bolsos de muitos. Eu vou continuar a aguardar por alternativas mais viáveis para a carteira e para o ambiente.

  5. João says:

    Resumindo, se nada mudar e não houver nem mais um grama de inovação, as baterias vão ficar mais caras. Mas isso nunca acontece, há sempre mais inovação e mais conhecimento.

  6. Samuel says:

    Quem vive na Guarda e trabalha na Covilhã, Trancoso, Celorico, etc… Gostava de saber quais são os transportes públicos que existem , se são viáveis em termos de horários e preço.

    Claro que não são ..
    Investem em Lisboa e Porto o resto é paisagem.
    Assumam que querem fechar o interior e assim todos vão viver para o litoral . Se bem que com a largura em km do nosso país nem interior deveria existir…

    É só experts em transportes por aqui

    • Grunho says:

      Nessas zonas do país rurais e despovoadas o automóvel é N vezes mais eficiente que em Lisboa e Porto e ainda tem alguma justificação. Continua a ser caro, apesar de não haver o desperdício do para-arranca das cidades grandes que faz do carro um autêntico flagelo. A solução é a co-viaturagem, ou partilha ou lá o que for. “Ah e tal, que eu não quero andar com gente estranha no carro”. A gente estranha só é estranha até ser conhecida, e é a maneira de dividir por 3 ou por 4 a factura. E os bombeiros, câmaras e juntas de freguesia podem perfeitamente fazer a intermediação.

  7. Grunho says:

    Os portugueses são miseravelmente pagos: em igualdade de trabalho e de horas levam para casa menos de 1/3 do que leva um holandês ou dinamarquês. Não ganham para grandes carros eléctricos. E o meio de transporte que mais lhes convêm, 1000 X mais que a um holandês ou dinamarquês, é a bicicleta. Normal ou eléctrica. Anda grátis ou quase e faz o 3 em 1 absoluto: poupas em transporte, em ginásio e em tempo. E se não houver quedas, roubos, furos ou corrente a saltar, só tens uma coisa a perder: barriga!

  8. compro essa também says:

    Por outras palavras …

    Falam do ambiente mas depois o que se vê? !

    Metais pesados acima das recomendações, entre outros quimicos, etc, etc…. nas terras, aguas e por conseguinte nos alimentos….

    Falam de sustentabilidade mas depois o que se vê? !

    Não se permite que as pessoas tenham se quer os mínimos para a condigna sobrevivência ….

    Basta olhar para uma renda de casa, estado do SNS, da segurança ( incluindo a rodoviária ) …

    Falam de mobilidade mas depois o que se vê? !

    Mesmo nas periferias das grandes urbes como é ou são os tramportes ?!

    Propaganda no seu melhor e só…e se assim não fosse, não se verificava o que se verifica…

    Onde andam os jornalistas ?

    Ministerio publico ?

    O tal marketing para encher o olho, atingir os objectivos impostos nem que para isso se sonegue direitos ou viole as obrigações nucleares do Estado ou a constituição,ou, direitos Fundamentais e isso porquê o ataque e violência econômica que o país tem e esta a sofrer se reflete em todo o resto…

    Beneficiar os Offshores e as grandes companhias… como é o caso dos metadados, onde sistemas operativos, sites e aplicações e suas politicas abusivas…não respeitam nada…não faltam factos.

    Enfim …factos.

    • RC says:

      Metais pesados onde ? só se for nos a combustão.

      Este assunto tem a ver com o SNS ? 😀 😀 😀

      Objetivos Impostos ? onde ? na sua mente ?

  9. secalharya says:

    Boa notícia!

  10. compro essa também says:

    Menino RC

    Esta tudo ligado, mas pode ficar contente com a cenoura e só ver a mesma e nada mais.

    ( https ://www.publico.pt/2022/04/21/sociedade/noticia/rios-ibericos-contaminados-pesticidas-herbicidas-metais-pesados-2002874 )

    ( https ://alertalitio.quercus.pt/os-riscos-da-extracao-do-litio/ )

    ( https ://www.escolahenriquemedina.org/projetos/20192020/ImpactosAmbientais.pdf )

    ( www .felgueirasmagazine.pt/6-riscos-da-extracao-de-litio-para-a-quercus/ )

    ( https ://www.noticiasaominuto.com/pais/871703/ambientalistas-realcam-impactos-de-exploracao-de-litio )

    ( https ://www.tsf.pt/portugal/sociedade/exploracao-de-litio-zero-da-parecer-negativo-a-estudo-de-impacte-ambiental-da-mina-do-barroso-13944418.html )

    Bom apetite menino RC !

  11. fabio says:

    hidrogenio penso que vai ser melhor e menos poluente.

  12. Jon says:

    Tão a ver não foi falta de aviso

  13. Rafael says:

    Pois claro era uma questão de tempo… O governo quando já começa a sentir de um lado tem que tirar do outro… Era uma questão de tempo.

    É tudo muito bonito é tudo para o bem do Ambi€nt€. Tudo mentiras como os elétricos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.