PplWare Mobile

Chegaram os motores elétricos universais. Qualquer carro pode ser um elétrico?


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Realista says:

    Uma vez que o meu carro é apenas para viagens casa-trabalho-casa não me importava de fazer uma reconversão… até dava na boa mil euros.

  2. Carlos Fernandes says:

    …o problema vai ser o bloqueio das homologações.

    • Realista says:

      Certíssimo, se reclamam por uma simples lâmpada imagino o que pedem para homologar um motor. LOL

    • Vítor M. says:

      Pois, mas até isso vai ter de se adaptar à nova realidade. Pode até ser importante para converter o parque automóvel poluente numa realidade “mais limpa” e isso facilitar a reconversão. Há razões que têm muita força. Mas…

      • Blackbit says:

        Vai sonhando… os poderes publicos preferem k abatas o carro velho e compres um novo.
        Na europa nao existe essa tradicao de reconversao, infelizmente.

        • Vítor M. says:

          Pois… mas sabes que uma coisa é o que poder público quer, outra coisa é o que as pessoas conseguem e quando se estica demais… já sabemos o que acontece.

          • Ufmi says:

            Victor conheço um carro,mini dos antigos, que tem um motor eléctrico a pelo menos 8 anos.
            Desde essa altura está a servir de modelo, dá uma voltas de ano a ano para demonstração.
            E é isso, fui desenvolvido em conjunto com o departamento de engenharia eletrotécnica e o de eng mecânica.
            Aquele nunca na vida vai sair para a Rua legal.
            E fui construído por ” eng mecânicos e eletrônicos”

        • Louro says:

          Em Portugal será certamente um problema, no caso de outros paises da UE nao será qualquer tipo de problema uma vez que existe liberdade legal de fazeres praticamente o que quiseres.

        • JL says:

          O estado não tem qualquer interesse nisso, perde muito mais do que ganha com essa troca do velho por um novo, por isso mesmo cada vez devemos mais ao exterior.

      • Catarino says:

        Vitor tens esta empresa que também faz conversões.
        https://www.evolutionsbc.pt/conversao/

        • Ufmi says:

          E fazem o averbamento?? Depois da conversão ficam street legal?

          • Catarino says:

            no site diz:
            Sim desde que a conversão cumpra com todos os requisitos técnicos de acordo com a legislação em vigor. De acordo com o IMT, o processo de legalização demora no máximo 25 dias desde que devidamente instruído, e o custo estimado será entre 250€ e 500€ incluindo todas as taxas. A EVolution assegura a gestão de todo o processo de homologação das viaturas que converte (já homologados anteriormente para circulação na via pública).

    • Fgtdrgxgv says:

      Ninguém precisa saber

  3. KodiakShadows says:

    Agora é que vamos ver alguns NSU, DKW, Dauphines , de vota ás ruas de Portugal, nem que seja para um simples passeio até à torre de Belém

  4. Miguel says:

    O que faz um eléctrico caro não é o motor mas sim a bateria.

  5. Peter says:

    Esqueceram-se de mencionar onde serão colocadas as baterias e qual o preço das mesmas.

    • Vítor M. says:

      Boas Peter. Não está em causa as baterias, neste artigo. Claro que o carro em si depois tem de ter baterias, mas as baterias é outro dos pontos que já se começa a ter de várias marcas e mesmo já com empresas tradicionais no fabrico de baterias. Agora, o que não existia era o fabrico de motores universais e em quantidade e preços que valessem o investimento. Pelo menos é por aí que o mercado tem de ir, visando a possível transformação do parque automóvel atual. O que se vai fazer a milhões de carros novos, em excelentes condições?

  6. Robin Hood da Silva says:

    como se o preço caríssismo dos carros eléctricos fosse pelo custo dos motores… toda a gente sabe que é no custo do “depósito” (aka baterias) que está quase metade do preço de um eléctrico

  7. ToFerreira says:

    Acho que isto tem mais potencial para o mercado dos clássicos. Estou de olho nisto…

  8. jaugusto says:

    Isto só serve para biscates, pois as marcas irão sempre trabalhar os seus motores, sendo os de combustão muito mais caros de desenvolver que os electricos não é aí que estará o problema, aliás basta ver o que está dentro dum motor da tesla para ver o software acoplado ao motor para controlar toda a cena https://www.youtube.com/watch?v=3ARHdRwfxjY

  9. LSO says:

    Podem ver as questões encontradas de uma transformação deste género feita em Portugal, podem pesquisar no google por “Tamai Capri”.

  10. iSad says:

    Tudo interessante mas os carros antigos sem terem a plataforma desenvolvida para albergar as baterias, como os carros EV actuais. Simplesmente muito incêndio de baterias a caminho.

    • Douglas Ferreira says:

      Talvez o ponto mais preocupante esse do “alojamento” das baterias. Num acidente, o incêndio e a explosão seriam certos.
      Mas, por outro lado, talvez a conversão seja a única forma de manter os carros clássicos em atividade daqui a 30 anos, quando talvez a gasolina seja tão rara e difícil de comprar.

      O jeito é esperar pelo avanço na tecnologia das baterias. Além disso, acredito que para uso na cidade não exista a necessidade de uma autonomia de 200 km por carga. Eu geralmente ando menos de 10 km por dia, moro numa cidade pequena e uso o carro para ir ao trabalho, ao mercado etc.

      Uma pessoa que tenha um saudoso Fusquinha e que o utiliza pouco poderia ter uma bateria bem menor: usa durante o dia e carrega durante a noite para usar novamente no dia seguinte.

      Outra coisa que acredito que vai acontecer com esses carros “convertidos” é a troca das lâmpadas tradicionais por led, isso ajudaria ainda mais a economizar energia, e, aliado à geração de energia que se pode ter com os freios, acredito que a necessidade de uma bateria muito grande seja para poucos.

      • Mascos says:

        Mas e a conversão que já existe de gasolina para gás, que é colocado uma botija de gás na mala não é mais perigoso do que as baterias?
        Isso da colocação de baterias é um não problema.
        É muito mais seguro do que as botijas de gás e são muito mais manejáveis de colocar debaixo dos assentos.

  11. Miguel says:

    Seria bonito a inspecção ahha

  12. Electron says:

    Tanta história e tanto drama , para nada ….
    Começavam a vender aquela cena para nos ” tele- transportar ” e pronto , tava feito …. que Cambada .

  13. Miguel says:

    Tanta confusão e o meu carro a diesel ainda vai durar uns aninhos e até existir carros eléctricos ainda trocarei 3 ou 4 carros na minha vida. O verdadeiro carro eléctrico está construído mas simplesmente estão a vender a porcaria pra ganharem dinheiro. O verdadeiro carro eléctrico é carregado uma única vez e em andamento vai recarregando pelas 4 rodas. Só será preciso carregar se estiver parado mais de 5 dias. Até lá, meu carro diesel vai andando nas ruas da Europa.

  14. Pedro Ribeiro says:

    Como se o motor fosse o problema! Bons motores eléctricos não faltam. Boas conversões também não. Já baterias boas e baratas, continuam a ser o desafio… Há mais de um século!

    • J .f rava says:

      Não precisa de uma super bateria mais de um gerador de energia para recarregar é simples pode ser um motor 50 cc ou na própria movimentação do veículo

  15. Pedro Ribeiro says:

    Como é que um motor de 108 cv pode ser “universal”?

    • TF says:

      Porque são eléctricos, vai dizer a seguir que é tudo igual, não, não é, eu tenho uma carrinha eléctrica, uma peugeot partner de 1998 e tem um motor com 37 cv, e faz o mesmo e à mesma velocidade que as suas compadres a gasóleo. Isto devido aos suas características únicas, torque constante a qualquer rotação, etc.

      • Pedro Ribeiro says:

        À mesma velocidade? A sua carrinha de 37cv anda a 200Km/h, por exemplo?
        E não tem que ser igual. Tem que ser MELHOR! O exemplo está longe disso…

        • TF says:

          Então qual é a carrinha peugeot partner de 98 a diesel que anda a 200 kmh, mesmo vazia ?

          Tem de ser melhor, mais barato e se possivel de borla não é ? LOL

          • Pedro Ribeiro says:

            O exemplo não foi meu…
            Mais uma vez, uma “carrinha peugeot partner de 98 a diesel” está longe de ser um exemplo “universal”… FELIZMENTE!!!

          • TF says:

            Só posso falar daquilo que tenho não é ? eu não disse que dava 200, eu disse que fazia o mesmo que as suas compadres a gasóleo.

            Agora se em 98 já era igual, agora é igual, iguais em caracteristicas às suas irmãs a gasóleo.

        • Louro says:

          @Pedro Ribeiro,
          1- Qual é que é o interesse de andar com uma carrinha comercial a 200km/h?
          2- Qual é a Peugeot Partner de 2008 e que chega aos 200km/h (de origem claro).
          3- Que me recorde o limite de velocidade máximo em Portugal (e nao só), sao 120km/h.

          • Pedro Ribeiro says:

            @Louro
            Antes de mais, parabéns pela escolha do Nick. Assenta-lhe que nem uma luva!
            Qual o interesse de andar com uma “carrinha comercial” a 200Km/h? Que tal entregar as coisas em metade do tempo que circulando a 100Km/h?
            Qual o meu interesse em andar numa “carrinha comercial”? Nulo!
            Recordo ainda que o limite de velocidade de uma “carrinha comercial” é de 110Km/h, e já foi de 90Km/h

          • TF says:

            Que tal ficar sem carta de vez em quando ? Conhece alguma carrinha que faça issso ? talvez uma carrinha ferrari. looooool

            Mas olhe, para o ano pode ver uma, a minha vai ser transformada, já levou um pack tesla, de um tesla acidentado, tem agora 350 kms de autonomia, e também já tenho um motor frontal de um 90D para lhe meter, é um motor com 220kw (294 cv), com as specs que tenho dá para dar 220 kmh sem problemas.

          • TF says:

            Está a ver porque disse que fazia o mesmo que as compadres a gasóleo, ela está limitada a 117 kmh reais, mas a subir e só com 37 cv envergonha qualquer carrinha do segmento, ainda à dias a subir a A8 de Loures para Torres Vedras com 250 kg de carga, o ponteiro foi aos 110 kmh. Autonomia ? tem que chega e sobra, pois é usada entre Lisboa e Caldas da Rainha, e quase sempre com energia paga pela empresa para quem trabalho.

  16. Zé Socrates says:

    Basta fazer a transformação ilegal ou às rodas trazeiras e meter de forma que na inspeção não seja detectado ou que dê para remover antes de cada inspecção. Estamos sempre a aprender com os políticos deste país.

  17. Theboice says:

    Que raio de publicidade “Transformar um carro num 100% elétrico? É possível e custa 5000 euros”, então 1º eram 30000 só para trocar as baterias do leaf depois passou para 7000 e agora 5000 incluindo motor? Amanhã (sexta-feira) baixa 50%? E para o natal?

  18. paulo says:

    Se fosse simples desenvolver a tecnologia de motores elétricos as marcas não estariam hoje individadas e eles estariam presente desdo início do século passado.

    • Pedro Ribeiro says:

      Tendo em conta que os fabricantes ganham mais com a manutenção e peças do que na venda de carros novos, e que a manutenção dos eléctricos é insignificante face aos modelos movidos a motores térmicos, facilmente se percebe que a electrificação é um tiro no pé, que só está a acontecer porque um fabricante teve a audácia de entrar no mercado com carros altamente desejáveis e 100% eléctricos. E o mercado respondeu…

    • TF says:

      Simples é, tanto que já existem à décadas. O problema eram as baterias terem densidade energética baixa e pouca duração, como isso tudo já foi ultrapassado, agora é a hora.

      • Paulo says:

        Uma coisa é conceito e experimentação de laboratório na prática muda tudo, aconta ainda não chegou a sociedade, quando chega os governos são os primeiros a dá pra trás.

  19. J feijão says:

    É pá não sou engenheiro mas tenho um curso de mecânica e o que eu tenho visto de carros eléctricos pra mim não chegam às minhas ideias porque de total elétrico não têm nada é uma farsa

  20. AJ says:

    Em 2020 vamos ter comparativos de “motores elétricos universais”? Em Portugal alguém usa destes?
    https://www.acpropulsion.com/index.php/product-service/drive-system

  21. Pedro says:

    Carro elétrico: a grande mentira do século XXI

  22. AJ says:

    Será mentira a possibilidade de converter um Peugeot 208 com o motor a gasolina gripado, num GT elétrico, a partir de outro carro estampado?

  23. Carlos Vargas says:

    Matérias show

  24. José Parrilha says:

    Ainda esquecem outro problema nos elétricos se num dia muito frio estamos horas num autoestrada ou outro sítio, lá se vai a bateria no aquecimento.

  25. Adriano Augusto Andrejeski says:

    Olá tudo bem!
    Só pergunta?
    Veículos Elétricos que Valor dinheiro.
    Sou carro Corsa Wind motor sempre.

  26. José Parrilha says:

    Ainda esquecem outro problema nos elétricos se num dia muito frio estamos horas num autoestrada ou outro sítio, lá se vai a bateria no aquecimento.

  27. Clauder Silva says:

    Nos carros se põe até motores de empilhadeiras elétricas, esses motores devem custar em torno de uns 40/50 euros aproximadamente, usados e muito bons, o problema nem é esse e sim as benditas baterias, as convencionais não aguentam muito, tem de ser as de Lítio, mas preparem os bolsos meus queridos são vaaaarios euros kkkkkkk

  28. J .f rava says:

    Elétrico ou híbrido? Eu estive pensando nos somos bobos o carro tem um motor elétrico ele não precisa de uma grande bateria pois quando anda ele pode gerar energia com movimento é de graça não sustenta ninguém , mas já tem esse projeto mais ganância não deixa.

    • TF says:

      Porque não pega nessa ideia e mete a em prática? Já pensou que podia ficar em pouco tempo, um carro eléctrico que não precisa de carregar!

      Não pode ser não é?

    • AJ says:

      Talvez para si o melhor seja reconstruir um Toyota Prius, transformando-o num híbrido plug-in, com módulos de lítio recuperados de um carro elétrico.

  29. Paulo Sérgio says:

    Vcs acham que o governo vai dx barato .chegar carros elétrico e quebrar a Petrobrás?lógico que não vejam o caso da energia solar o que vai acontecer.o mesmo será com carro elétrico.

    • AJ says:

      A Petrobrás pode tomar outros vetores energéticos. Bio-óleo, hidrogénio… o Brasil está cheio de recursos naturais. Hajam recursos humanos para os gerir sustentavelmente.

  30. Bruno Letra says:

    Só não estou a perceber um promenor, os carros elétricos que conheço são de caixa automática….
    É possível haver carros elétricos com caixa manual?
    É que se não for possível, tem também de mudar a caixa de velocidades, porque a maioria dos carros em Portugal são de caixa manual….

    • TF says:

      Os eléctricos não têm caixa automática nem manual, têm apenas uma redução, nas conversões o que se faz é manter a caixa por ter o diferencial incorporado, quem quiser manter o seletor de velocidades mantém, mas normalmente bloqueia se numa segunda ou numa velocidade que combine com a rotação do motor escolhido.

    • AJ says:

      Os que eu conheço só têm uma relação de transmissão. O motor elétrico inverte a rotação p/ a marcha atrás.
      Nas conversões, é vulgar manter a 2.a velocidade. Mas parece que o futuro trará BEVs com caixa de velocidades:
      https://www.google.com/amp/s/cleantechnica.com/2019/07/22/ev-transmissions-are-coming-and-its-a-good-thing/amp/

      • TF says:

        Não acredito nisso, no máximo caixa robotizada com 2 ou 3 velocidade no maximo para poder usar motores mais fracos, a razão é simples, o ser humano não sabe usar a caixa de velocidades, daí se queixarem que os carros nunca fazem as médias que os fabricantes anunciam, isso num eléctrico é ainda mais problemático, porque aquilo que se quer é eficiência, com um humano a controlar uma caixa nunca haverá eficiência….

        • AJ says:

          Concordo consigo: caixas de 2, no máximo 3 relações. O TF faz conversão de veículos?

          • TF says:

            Sim, trabalho em veículos eléctricos numa empresa que também faz conversões.

          • AJ says:

            Da minha parte, não se iniba em escrever qual é a empresa. Procuro alternativas à Nissan e-NV200, essencialmente p/ fazer transporte escolar. Estou mais interessado em aluguer operacional, do que na aquisição. Obrigado, Alexandre Júlio.

          • TF says:

            A empresa é a Evolution SBC, temos alguns projectos interessantes de conversão, uma mercedes Vito para tours em Lisboa, um UMM , um Mini da década de 70, entre outros.

  31. Bruno Letra says:

    Só não estou a perceber um promenor, os carros elétricos que conheço são de caixa automática….
    É possível haver carros elétricos com caixa manual?
    É que se não for possível, tem também de mudar a caixa de velocidades, porque a maioria dos carros em Portugal são de caixa manual….

    • TF says:

      Já foi respondido, os eléctricos não têm caixa automática nem manual, têm apenas uma redução, nas conversões o que se faz é manter a caixa por ter o diferencial incorporado, quem quiser manter o seletor de velocidades mantém, mas normalmente bloqueia se numa segunda ou numa velocidade que combine com a rotação do motor escolhido.

  32. Henrique Kugler Neto says:

    Senhores do mundo, os cartéis do petróleo estão com os dias contados, me disse um herdeiro da família Saudita que manda no planeta. Elon Musk está vendendo o Tesla S para entregar num prazo de 5 anos, isso mesmo, 5 anos…e a fila está imensa. A maravilha tem autonomia de 800 km por enquanto, mas breve, passará para 1200km.
    Uma maravilha. Para atender a absurda demanda, fez acordo com os chineses e, em troca de uma violenta redução de impostos, está montando a maior fábrica de automóveis do mundo, para atender os 335.000.000 de americanos, isto em tese é claro, por que nos EEUU, o índice de veículos por habitante, é de 2,7. Em outras palavras, cada americano possue, hoje, 2,7 veículos… Será que o carro elétrico puro deu certo?
    Todos que escreveram anteriormente e fizeram comentários na contramão desta história, não sabem nem onde estão parados…
    Vamos subir no trem do futuro pessoal?
    Vamos “obrigar estes governos corruptos” a reduzirem os impostos do carro elétrico para 5% . E até é o caminho pessoal, esse é o caminho. Estados, municípios e países, mandem pra casa 80% dos seus funcionários, já é muita gente os 20% que restarem… consrstei esta imbecilidade nas viagens que já fiz pelo mundo…Noruega, Dinamarca, Suécia, Áustria, Suíça, Alemanha, Canadá e outros poucos, já fizeram isso , faz tempo…
    Henrique Kugler Neto, Curitiba-Brazil.
    P.S. o príncipe saudita bravejou num árabe carregado: já ofereci sociedade e um capital infinito para o Sr. Musk, mas êle nem sequer respondeu, mandei emissário dzer que êle continuarua com 49% do negócio…não me respondeu…

  33. Johnny André says:

    Tudo muito bom muito lindo já fico imaginando os proprietários levando seus carros nas oficinas para fazer a conversão chamando o elétrica para instalar a estação de carga em suas casas gente empreendendo criando postos de recarga para veículos elétricos com abastecimento por painéis solares. Mas só meus netos viveram isto contando que já estou com 33 anos.

  34. Douglas Charles Cunha says:

    Só quero saber se um dia poderei colocar um motor elétrico de respeito no meu Fusion de primeira geração (2008).

  35. Marcos Magoga says:

    108 cavalos num elétrico é até demais, pois os motores elétricos tem uma eficiência de 94% ou mais, enquanto que nos motores a combustão a eficiência é de no máximo 40%. Assim um motor elétrico de 50 cavalos é equivalente a um motor de 140 cavalos a combustão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.