PplWare Mobile

Carros elétricos: Governo quer reduzir tarifa para carregar

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Yamahia says:

    Combustíveis a serem castigados com 11mil milhões ano. Electricidade a ser abonada com 3 mil milhões ao ano. O que é que é preciso mais?

    • Realista says:

      Vamos só ignorar o AutoVaucher no valor de €20 por pessoa…

      • JL says:

        E o desconto no ISP.

        • Yamahia says:

          Mesmo assim ainda é muito. Pq há-se um item de 1ª necessidade pagar 50% em impostos?

          • Realista says:

            Se combustível é um bem de primeira necessidade então a eletricidade para carregamento automóvel também se deve aplicar os mesmos princípios…

            Mais uma vez a tua argumentação é falaciosa e tendenciosa.

          • Yamahia says:

            Quem disse que a electricidade não era? Tanto é um como é outro. Só que um é roubado até quase partir a corda enquanto o outro é abonado.
            Se bem que por esta época os combustíveis sejam mais urgentes que a electricidade.
            Sem eles a electricidade não é gerada em quantidade suficiente, sem eles a comida não te chega à mesa!

          • JL says:

            Primeira necessidade ? Desde quando ? Para os que são de primeira necessidade têm descontos para ficar mais barato.

          • JL says:

            Um é roubado ? Segundo você até dão dinheiro para chocolates. Lol

          • Realista says:

            Também não queres falar que os combustíveis tornam a nossa balança comercial deficitária e a economia dependente dos interesses de terceiros…

            Não vá pela vertente económica, diga só que não gosta e pronto e evita fazer figurinhas. Aliás, é preferível dizer que não gosta – porque gostos não são se discutem – do que estar a atirar argumentos sem noção. 🙂

      • Yamahia says:

        Que era usado para tabaco e chocolates e outras mariquices mesmo por malta que nem carro tinha! Bastava um MB e um NIF!!!

        • Realista says:

          Ainda por cima…

          Se calhar devias era estar calado.

          • Yamahia says:

            Porquê? Significa que até a malta com BEV usava os 20 paus para tudo excepto para combustíveis. Já não chega serem abonados com grande parte dos impostos sonegados à gasolina e ao gasóleo e ainda vinham, como quem não quer a coisa, catar os 20 paus destinados aos combustíveis. Grandes gosmas!
            Ainda achas que me devia calar?

          • JL says:

            Eu não usei, conhece algum dono de BEV que fosse a um posto de gasolina para beneficiar desse dinheiro.

            Ah já sei, vai dizer que sim.

          • Yamahia says:

            Não usou pq não quis. Mas podia ter usado. Era à fartazana! Serviu para tudo excepto para resolver o problema a que dizia ser destinado. É fartar vilanagem!

          • JL says:

            Eu não sou desse tipo, falo mal de algo e depois vou lá comer, mas realmente a sua opinião é de brandar os céus, com tanto hate por eléctricos até os dos de ve de usarem algo que foi inventado para os a combustão, enfim, nada de novo da sua parte.

        • JL says:

          Portanto para os combustíveis até subsidiam sem sequer verificarem para que é usado; depois diz que a electricidade é que é altamente subsidiada, vá se la entender ….

          • Realista says:

            Aqueles argumentos lógicos…

            Mais vale estar calado.

          • Yamahia says:

            Claramente a intenção não era essa.
            Como lhe disse noutro local, os combustíveis não são subsidiados em Portugal ou em outro qq pais da Europa ocidental.
            Na verdade, Portugal tem um dos preços de combustível mais altos da Europa e o governo português aplica impostos elevados sobre o combustível, o que aumenta o preço final aos consumidores

            Se me disserem que o combustível na Venezuela é subsidiado (0.015€/litro) aí já acredito. https://pt.globalpetrolprices.com/Venezuela/gasoline_prices/
            De resto não me façam comer gelados com a testa porque não vou em “grups”!

          • JL says:

            Sao subsidiados sim, senão não tinha o gasóleo mais barato que a gasolina, só isso diz tudo.

            Portugal tem a energia eléctrica mais cara da Europa, então como ficamos !

            Por ser mais caro nao quer dizer nada. E quanto mas barato tentarem deixar o gasóleo, mais caro todos eles vão ser, pore razões bem lógicas.

          • Yamahia says:

            Não @JL os combustítveis não são subsidiados, antes pelo contrário! Os combustíveis são altamente penalizados com impostos. Pior só o tabaco!
            Qual foi a parte do meu comentário anterior que não percebeu?

            E não. Não temos a energia mais cara da Europa, longe disso! A electricidade, essa sim é altamente subsidiada em PT, o que faz com que esteja muito próxima dos valores da Venezuela!
            https://pt.globalpetrolprices.com/electricity_prices/

          • JL says:

            Não são ? então isto é o quê ?

            Apoio, subsidio, não é tudo a mesma coisa.

            https://pplware.sapo.pt/motores/combustiveis-governo-vai-manter-descontos-ate-final-do-mes/

            Mas olhe, o FMI que deve saber mais você, diz o contrário.

            https://www.imf.org/en/Topics/climate-change/energy-subsidies

          • Yamahia says:

            Isso que está aí do FMI não é mais odo que eu já lhe tinha dito n’outro espaço.
            Os combustíveis fosseis usados para gerar ELETRICIDADE são subsídiados.
            O gasóleo e a gasolina não são subsidiados. Antes pelo contrário, são usados para extorquir dinheiro fácil à população em forma de impostos de valor pornográfico para com eles poderem subsidiar o sector electrico e outras poucas vergonhas.

            Ainda este ano foram entregues ao SECTOR ELECTRICO 3 mil milhões que foram em forma de subsídio ao COMBUSTÍVEL GÁS! Esse valor foi conseguido à custa dos 11 mil milhões que prevêm extorquir em 2023 aos consumidors de gasolina e gasóleo!

            Leia com olhos de ler o artigo do FMI e veja lá se não é o que lá está exposto (combustíveis CARVÃO, PETRÓLEO E GÁS subsidiados para serem usados na geração de electricidade)

            Qt à realidade exposta no artigo do Pplware, não é mais que a devolução de umas fatias finas a quem lhes dá um presunto inteiro! Não se trata de nenhum subsídio!

          • Yamahia says:

            Como digo e repito, o grande peso desses subsídios incide sobre o sector elétrico.

            Apenas vem dar razão ao que tanto se debate. A geração de electricidade através de combustíveis carvão, gás e petróleo é a que tem mais impacto na saúde das pessoas, não é devidamente penalizada por isso e ainda por cima recebe avultados subsídios em dinheiro para que se consigam manter os preços baixos.

            Em relação ao gasóleo e gasolina, o FMI entende que deviam ser ainda mais penalizados em forma de mais impostos. Porque poluem.

            Mas ei… Sigam as recomendações do FMI e ficamos todos contentes. Sempre queria ver em quanto ficaria o kWh!

          • JL says:

            Onde diz que é só para o sector eléctrico ?

            Agora só a elecricidade é que usa combustíveis ? As outras industriais como comenteiras, metalurgias, entre outras não usam combustíveis.

            Deixe de ser cego e cheio de preconceitos.

            Não, não vem dar razão nenhuma, só o vem mostrar o contrário.

  2. Romab says:

    Governo tinha que obrigar a ter placa solar no teto dos carros, ou ate mesmo versoes igual o Prio da toyota com placa solar de fora a fora ate na traseira e com o espelho retrovisor interno feio por cameras.

  3. Joao Ptt says:

    Desde que baixar o preço não prejudique a cobrança de imposto, parece bem. Talvez seja possível atacar na margem de lucro de quem presta efectivamente o serviço?

    Com 35,3% em 2021, e 36,4% do PIB recolhido em impostos em 2022, vamos rumo aos 50% do PIB, que nenhuma redução de tarifas prejudique este grande objectivo nacional!

    • Realista says:

      Alguém faltou à definição de elasticidade da procura nas aulas de economia do 10 ano…

      Falta de iliteracia económica portuguesa dá respostas deste género e isto nem é economia avançada, é mesmo economia que se ensina aos putos de 14 anos.

  4. Lelo says:

    Podiam começar por eliminar a burocracia para quem quer investir na rede pública de PCRs…

    “É essencialmente um processo burocrático, onde a instalação física do equipamento é o que menos tempo demora e onde não sendo do interesse do OPC (Operador de Postos de Carregamento) ter carregadores parados, resulta em avultados investimentos estagnados no tempo e espaço, não sendo benéfico para ninguém, especialmente para o crescente número de utilizadores que procuram cada vez mais estes serviços.”

    https://www.uve.pt/page/processo-instalacao-pcve-portugal/

  5. Jorge Roque says:

    Curioso como estes “governantes” falam aquilo que o povão quer ouvir não dizendo o resto. Qq baixa administrativa de preços será suportada por alguém que nunca serão as empresas, mas sim os mesmos de sempre. Não há almoço grátis..

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.