Quantcast
PplWare Mobile

Deveriam as empresas considerar o teletrabalho mesmo depois da pandemia?

                                    
                                

Autor: Marisa Pinto


  1. eu says:

    Absolutmente que sim mas a cultura de caverna vai fazer voltar a mola ao ponto em que estava.
    Talvez nem todas mas a maioria diria que sim.
    Por outro lado se isto durar 6 meses ou mesmo 1 ano, talvez ai sim, a cultura mude.

  2. Toni da Adega says:

    O único entrave ao trabalho remoto é somente a mentalidade. No meu caso sempre tive a opção de trabalhar remotamente e estava a fazê-lo em media uns 2 dias por semana, por isso pouco mudou.
    Por esse mundo fora, principalmente nos grandes centros urbanos é prática comum trabalhar parte da semana de casa.
    É também prática comum ter horários flexíveis onde se vai trabalhar mais tarde ou mais cedo, de modo a evitar a hora de ponta.

    (Isto como é óbvio para as profissões onde é possível trabalhar remotamente).

  3. Je says:

    acho que há MUITOS trabalho que podem ser feitos dessa forma, alias acho que a maioria só descobriu agora, infelizmente!
    em resposta…. SIM

  4. bruno says:

    O grande “problema” é a mentalidade dos patrões e empregados, para muitos trabalhar em casa é sinônimo de: descontrair/ relaxamento, trabalho pausado e sem horários !!! Por outro lado há profissões que precisam de uma forte modificação para que seja possível, não sabemos para onde caminhamos, mas por força das circunstâncias seremos mesmo forçados a mudar os nosso hábitos.

    • ervilhoid says:

      Pois mas eu até acho que é melhor estar por casa, as horas que poupo em viagem e transito, não me importo de ficar mais um pouco para lá da hora de despegar. há mais aproveitamento

  5. FGS says:

    Um dos maiores entraves é a sensibilidade de certas informações que os sistemas podem dar aos trabalhadores sobre clientes. Se dentro da própria instalação da empresa já é difícil controlar que certas informações sejam tornadas públicas ou usadas de forma incorreta, mais difícil é controlar alguém que esteja em casa e com “livre acesso” a um CRM. Não podemos ser unilaterais na análise desta questão, existem três intervenientes, a empresa, o trabalhador e o cliente.. portanto não é uma decisão fácil em muitos casos.

    • 21CenturyMate says:

      Não se esqueça que os trabalhadores fazem a sua empresa, e a partilha dessa informação é crucial.
      Para quem pensa assim e vê os trabalhadores como simples button pushers irá ter sempre um desafio de lealdade que nunca irá resolver…
      Existem inúmeras maneiras técnicas de assegurar melhor o controlo, o resto é confiança, algo crucial em qualquer trabalho.
      Felicidades

    • Ivan Teixeira says:

      Simples, computador da empresa com VPN.

    • Toni da Adega says:

      A única forma que existe de controlar é ter alguém ao lado a vigiar tudo o que a pessoa faz, porque se alguém do trabalho quiser partilhar informações, vai conseguir faze-lo.

      • Joao says:

        Isso não é verdade. Há muitos mecanismos que podem ser implementados para evitar fugas de informação. Claro que nunca será impossivel mas há muitas formas de o dificultar.
        Na empresa onde trabalho é realmente muito complicado sacar informação para fora sem que ninguém dê conta., estando no escritório. Já em casa, é muito fácil.

        • Toni da Adega says:

          Então como é que as multi nacionais e muitas empresas de IT conseguem funcionar? Empresas em que cada um tem o seu portátil e possuem liberdade de trabalhar em qualquer local.
          Seja em casa, seja num hotel? em locais diferentes dentro do escritório, seja em escritórios diferentes?

          Isso de estar agarrado a um posto de trabalho fixo é coisa do passado.

      • ze says:

        Oi? Isso nem há 20 anos era verdade, muito menos nos dias que correm.
        IAMs, AIPs, DLPs, SIEMs cada vez mais simples e mais baratos, só quem não tem modelo de governance nem estrátegia de TI não tem ferramentas capazes de controlar o quer que seja e impedir qualquer leak, interno e até externo.

        • Toni da Adega says:

          Alguém que tenha acesso a um sistema se quiser partilhar consegue.
          Nem que seja uma foto ao écran.

          • Joao says:

            obviamente que nada é inviolavel…trata-se de minimizar o risco. E relativamente ao méotdo que referes, há muitas empresas onde não podes estar com o telemovel na desk. Além disso uma foto tem uma quantidde de informaçao muito reduzida.

          • Jorge Carvalho says:

            @Joao Então o problema esta na empresa porque contratou as pessoas errados ou implementou um sistema de segurança de dados ineficaz.
            Não há nada de diferente entre o remoto e o local,

            Abc

          • ze says:

            Aí é que estás enganado, como disse andas mesmo fora do mercado.
            Existem várias soluções com tecnologias distintas para impedir copy paste e mesmo foto/gravação.
            É preciso perceber de IT, não é ter um diretor de IT para só para falar de ERP e CRM, esses tempos já vão longe.

  6. falcaobranco says:

    Mas têm duvidas disso? Acreditem que muita coisa vai mudar e esta é uma delas… antes de receberes X, recebes Y… o patrão antes de pagar X, paga Y… só tens vantagens e em relação ao trabalho tens que apresentar provas do trabalho ao final do dia, ou final da semana…

    • Toni da Adega says:

      O que é que trabalhar remotamente tem haver com a questao do ordenado? eu recebo exactamente o mesmo trabalhe sempre no escritório ou trabalhe em casa.
      Aliás normalmente que mais ganha é que mais trabalha remotamente e muitas vezes é uma das condições em aceitar o emprego.

      Empresa que condicione o ordenado em relação se está em casa ou no escritório, é empresa em que não interessa trabalhar.

    • PTO says:

      O ordenado não muda. Onde foste buscar essa ideia?
      A única coisa que pode mudar é deixar de receber o subsídio de refeição mas tb é verdade que se contam pelos dedos as empresas que o pagam (até pq não são obrigadas a isso).

      • Paulo L says:

        Estás enganado, a partir do momento em que não precisas de ir ao escritório, deixa de ser necessário contratar alguém na área do escritório, para que te paga a ti x se pode contratar na Índia a y !!!

        Á muitos anos quando iniciei a minha vida laborar, na primeira empresa em que trabalhei, havia na entrada, mesmo ao fim de subir as escadas, uma moldura com um dito que eu nunca esqueci.
        “Cuidado, não faltes muito ao trabalho.
        O teu chefe pode descobrir que não fazes falta”
        Talvez não fossem estas mesmas palavras mas o sentido era claro e o mesmo se aplica aqui, cuidado com o que desejam, pode que as empresas se mudem a mentalidade.

        Afinal que bom seria gastar menos em mesas, cadeiras, instalações de redes, etc… podem reduzir em renda para espaços mais pequenos, e porque ficar por aqui, se também podem reduzir os custos e contratar noutros países.

        • Toni da Adega says:

          Confundir faltar ao trabalho em trabalhar remotamente é porque não sabe minimamente o que fala.

          Estás a descrever má mentalidade de trabalho. Quem diz que podem contratar na índia, são empresas que procuram mão de obra barata, mão de obra de qualidade ou qualificada.

          Como é que explicas que em Londres contratem pessoas a ganhar 4/5mil ao mês com a opção de trabalhar remotamente?
          Conheço dezenas de casos de pessoas que trabalham remotamente. Na minha empresa temos vários a trabalhar remotamente aos anos. E todos os anos levam um belo aumento.

          • Paulo L says:

            Existe sempre o tal jargão do “conheço muita gente”.
            Também te posso dizer que conheço muito do mercado e a vida não é assim como dizes, especialmente em Londres.

            Os ordenados em Londres, apesar de maiores do que em Portugal, não são de 5 mil ao mês, e mesmo sendo maiores, se tiveres em conta o desnível no resto dos preços, não são assim tanto.

            Mas enfim, tu conheces muita gente que ganha isso é todos os anos levam belos aumentos.
            Apenas o resto da sociedade não sabe o que são bons aumentos.

            Quanto a mão de obra barata, as empresas existem para dar lucros, se consegues que alguém na Índia faça o mesmo trabalho, com a mesma qualidade (e não penses que não tem a mesma qualidade, porque existe gente muito inteligente em todo o lado, não estão todos em Portugal) e for mais barato, porque achas que as empresas não o deveriam fazer?

        • dc@dd.c says:

          Ter um letreiro desses na entrada diz muito sobre a empresa.

  7. eu2 says:

    se possível e se for melhor sim

  8. Figueiredo says:

    Sim, desde que as empresas/patronato paguem metade das despesas do trabalhador nomeadamente renda, água, luz, telecomunicações, e alimentação.

    As empresas/patronato terão também de fornecer aos trabalhadores o equipamento necessário para o teletrabalho.

    Se o trabalhador não tiver condições de logística na sua habitação para efectuar o teletrabalho, a empresa/patronato deve fornecer ao mesmo uma habitação com as condições essenciais que lhe permitam viver e trabalhar nesse local.

    P.S.: A tentativa de implementação do teletrabalho não se deve à doença do coronavírus covid-19, mas sim à crise económica e a mais uma tentativa das empresas em tentar conseguir maximizar os lucros de outra forma.

    • Toni da Adega says:

      Normalmente o trabalho remoto é uma opção, não uma imposição.
      E as empresas fornecem o equipamento necessário, telemovel (se necessario) computador portátil e acessórios.
      Se a pessoa não tiver condicoes para trabalhar em casa não trabalha,há que nao se importe de perder 1 ou 2h em transportes ou no transito.
      Obviamente que pedir que paguem a renda é ridículo. E o que se poupa em deslocações paga facilmente o que se gasta extra em luz (embora algumas empresas paguem ajudas de custo).

      PS: Em certos países é obrigatório trabalhar em casa devido à doença do coronavírus covid-19.

      • ze says:

        A minha empresa e muitas pagam internet. Eu trabalho 2 dias em casa e 3 no escritorio e assim irei continuar depois deste cenário.
        Para mim é o mais inteligente, pois a rotina de ir ao local de trabalho é muito importante e pode ser diferenciador teres relações interpessoais.

      • Figueiredo says:

        «…Obviamente que pedir que paguem a renda é ridículo…» – Toni da Adega 6 de Abril de 2020 às 16:58

        Você não pode ceder a sua habitação (que é isso mesmo, uma habitação ou seja o local onde você vive), a custo zero para usufruto da empresa/patronato, isso é completamente ridículo.

        • Toni da Adega says:

          Ao deslocar para o trabalho gasta tempo essas horas sao lhe pagas? O veículo tem desgaste esse desgaste é pago?
          Se tiver filhos o infantário tem custos, pagam-lhe isso. Certas empresas possuem dress code e os fatos custam dinheiro. certamente no trabalho que lhe pagam todas essas coisas pois está a ter despesa em prol da empresa.

          • Paulo L says:

            Toni, não te ensinaram que não se discute com gente parva?
            Eles baixam a conversa a esse nível e ganham por experiência.

            Desiste…

          • Figueiredo says:

            «…Ao deslocar para o trabalho gasta tempo essas horas sao lhe pagas?…»

            O que você escreveu não faz qualquer sentido, pois o trabalhador tem um horário de trabalho, com começo e fim, é esse período de horas que são pagas; o tempo que demora a deslocar-se até à entidade empregadora para pegar ao serviço não pode ser contabilizado porque não se enquadra nesse mesmo horário laboral.

            «…O veículo tem desgaste esse desgaste é pago?…»

            Esta sua pergunta é basta diminuída, e também não faz sentido, porque uma empresa não tem que pagar o tal «desgaste» nos veículos que você refere.

            A maioria dos trabalhadores usam o transporte público para se deslocar, e não se esqueça que nos centros urbanos e arredores não se justifica ter viatura pois existe uma ampla oferta desses mesmos transportes públicos e privados.

            Se prefere usar o seu veículo para deslocar-se para o seu local de trabalho é problema seu; não se esqueça que pode sempre ir a pé ou inclusive de foguete para o trabalho que a empresa não tem nada a ver com isso, o importante é que você la esteja para dar início às suas tarefas no horário acordado.

            «…Se tiver filhos o infantário tem custos, pagam-lhe isso…»

            Meu amigo(a), quem os faz depois que os ature, temos pena.

            «…Certas empresas possuem dress code e os fatos custam dinheiro…»

            Quando alguém usa um bom atavio só porque a empresa assim o dita, ou é uma pessoa sem gosto nem dignidade, ou então pauta-se pelo desleixo.

            O bom atavio, seja em que circunstância for (no lazer ou no trabalho) é o nosso cartão de visita; não é por sermos pobres que não devemos ter orgulho em nós próprios e cuidado com o aspecto.

            «… certamente no trabalho que lhe pagam todas essas coisas pois está a ter despesa em prol da empresa…»

            Isto não comento, porque você escreveu aqui uma salgalhada que não se percebe.

          • Toni da Adega says:

            Com isso posso concluir que disponibilizar o seu tempo e dinheiro a custo zero para usufruto da empresa/patronato é algo normal e aceitável. E no final da semana perdeu quase o equivalente a 1 dia de trabalho (fora a despesa).

            Alguém que opte em não fazer isso, tenha mais tempo livre para fazer o que quiser, está a fazer um má opção de vida.

            Sao opcoes de vida.

    • PTO says:

      Renda? Água? Alimentação? Que é que isso tem a ver com o teletrabalho?
      O teletrabalho aumenta-te a renda? Passas a tomar banho mais vezes? Vais comer mais?
      A luz e as telecomunicações até poderiam ter uma pequena comparticipação mas nunca 50%, isso é um absoluto exagero.
      Ganha juízo.

      • Figueiredo says:

        Não seja palerma, você não pode ceder a sua habitação (que é isso mesmo uma habitação, o local onde você vive) e todas as condições que a mesma possuí a custo zero para usufruto da empresa/patronato.

        Pelo seu comentário, nota-se claramente que não tem muita experiência de vida bem como falta de traquejo profissional, ou então é mal-intencionada(o).

        • Toni da Adega says:

          Mas quem é que está a ceder a habitação a quem? Ninguém da empresa tem acesso á casa, ninguém pode utilizar a casa.

          Uns preferem acordar 2h mais cedo andar metidos no trânsito e fechados num escritório todo o dia.
          Eu gosto de poder estar em casa se assim o quiser, posso muito bem fugir para o Algarve durante uns tempos e estar a trabalhar com vista para o mar. Poupo em tempo, poupo em transportes disfruto muito mais da vida.
          Sao opcoes de vida.

          Mas isto é visão limitada quem aparentemente não tem muita experiência de vida bem como falta de traquejo profissional.

          • Figueiredo says:

            «…Eu gosto de poder estar em casa se assim o quiser…»

            Então fique em casa à vontade, teletrabalhe onde quiser, mas deixe os demais cidadãos em paz a trabalhar como quiserem.

            «…posso muito bem fugir para o Algarve durante uns tempos e estar a trabalhar com vista para o mar…»

            Que parolice.

          • Toni da Adega says:

            O que uns consideram de parolice, outros opcoes de vida.
            Sempre dá para ir apanhar um pouco de sol na esplanada ou praia antes e depois do trabalho, pode ser parolice, mas sabe bem. Confesso nao sera tao bom como estar no meio do trânsito, mas não é mau de todo

  9. Figueiredo says:

    Sim, desde que as empresas/patronato paguem metade das despesas do trabalhador nomeadamente renda, água, luz, telecomunicações, e alimentação.

    As empresas/patronato terão também de fornecer aos trabalhadores o equipamento necessário para o teletrabalho.

    Se o trabalhador não tiver condições de logística na sua habitação para efectuar o teletrabalho, a empresa/patronato deve fornecer ao mesmo uma habitação com as condições essenciais que lhe permitam viver e trabalhar nesse local.

    P.S.: A tentativa de implementação do teletrabalho não se deve à doença do coronavírus covid-19, mas sim à crise económica e a mais uma tentativa das empresas em tentar conseguir maximizar os lucros de outra forma.

  10. Miguel says:

    Eu nao quero… para além de ter um sítio com melhores onde me posso concentrar melhor.
    Também não quero ter um escritório com boas condições em casa, isso não deve ser minha responsabilidade, não quero gastar espaço nem dinheiro com isso, prefiro que seja a empresa a proporcionar-me isso. Para além de discutir assuntos relacionados com projectos mais rapidamente em pessoa.
    Acho que o que todos querem é horario flexivel e estão a confundir as coisas…
    Atenção a minha empresa é uma multi-nacional e no meu escritório trabalho muito tempo com pessoas de outros países, por isso não é experiencia nova..

  11. Rizzo says:

    Teletrabalho e algo normal aqui em Londres. Microsoft teams e o melhor software para o efeito e o zoom também e bom para algo menos confidencial desde que usem pass

  12. kodiakshadows says:

    Eu acho que depois disto tudo as empresas que tiveram sucesso vão passar a essa fase, porque para ambas as partes saem todos a ganhar. Eu conheço bons exemplos, na Escócia , Suiça e Alemanha e que não querem outra coisa é assim que trabalham nos últimos 5 anos, só vão à empresa 1 vez por semana para reuniões.

  13. João M. says:

    Trabalho remoto, em casa, não é para todos e não é tão trivial como parece. Trabalho neste contexto já há algum tempo e, como qualquer coisa, tem os seus prós e contras (isto, na minha opinião).
    Prós:
    — A grande vantagem, para mim, são as deslocações. A trabalhar em casa não perco tempo no transito, não gasto dinheiro em combustivel ou transporte publicos.
    –Controlo sobre o que se faz sem olhar a horários ou distrações. No local de trabalho temos horario a cumprir e temos sempre alguém “perto” a ver o que fazemos sem grande liberdade. Também a distração de ter um colega a vir ao nosso sitio distrair com trabalho ou conversa da treta já não acontece dado que é susbituido por chats ou emails que podemos “ignorar” (não responder de imediato).
    –a meu ver, dá uma grande abertura a que exista um melhor equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

    Contras:
    — O contacto social torna-se muito reduzido. Conversas por chats ou video-calls não são propriamente “calorosas” e perde-se o contacto humano. Trabalho remoto a 100% (que é o que eu faço) não aconselho a ninguém mas pelo menos 2-3 dias em casa eu diria que é o ideal pra encontrar equilibrio.
    –Gestão de tempo. Nem toda a gente é capaz de gerir os seu tempo de forma eficas e com disciplina. Trabalhar em casa tem muitas distrações (televisão, jogos, lida da casa, filhos, conjuge, etc..) e é preciso saber separar trabalho de “vida normal”. ISto implica ter um local sossegado para trabalhar (nem todos têm condições para isto), implica ter horarios e cumprir esses horarios – por exemplo, é muito fácil passar 3 horas num almoço porque começamos aver uma série no netflix e o tempo passa. E também, o contrário também é válido – é preciso saber PARAR de trabalhar <– isto é muito importante.

    Em resumo, tele-trabalho, a meu ver, é uma mais valia se for no max 2-3 dia por semana. Só assim conseguimos um bom equilibrio entre trabalho, cultura da empresa, e vida social e pessoal. Trabalho 100% em casa pode-se chegar a um ponto em que eu, por exemplo, já associo a casa a trabalho e não a um local de descanso e para estar em familia. Tele-trabalho também implica muita disciplina – tanto para começar a trabalhar como saber parar de trabalhar. Eu levei uns 2 meses até atingir um bom ritmo.
    Quanto Às empresas, a cultura interna também deverá saber adaptar-se a este novo mundo; seja a nivel de segurança, video-calls com camara ligada para se ligar nomes a caras, etc…

    • PeFerreira98 says:

      Melhor comentário. Parabéns, tudo dito

    • Daniel Paiva says:

      Sem dúvida, melhor comentário. Há sempre vantagens e desvantagens

    • SergioFerreira says:

      +1 …sem tirar nem pôr

    • Narciso Miranda says:

      Bom comentario, mas do teu ponto de vista.
      Identifico me com a parte das vantagens, principalmente aquele/a colega com conversa de nheca, todos temos um/a.
      O facto do transito, combustivel, desgaste, paciencia, local para estacionar, é menos um martirio/perda de paciencia diária que ajuda muito a auto estima.

      Das “tuas” desvantagens: Rapidamente encontrei equilibrio, nao me incomoda ficar 1 2 3 4 semanas de casa, o contacto social, ha sempre, ou arranja-se, aqui tb vai dos colegas de trabalho, ha muitos que já os ver no local de trabalho é o q é, se puder evitar… E como trabalho com clientes estrangeiros, já é BAU para mim nao haver contacto diario com quem trabalho directamente.

      O que peca a mim, é nao fazer pausas, e a hora d almoco, como e volto a trabalhar, nao ligo a televisao enquanto trabalho, nem para almocar.

      Mas faco questao de comecar às 0730 e terminar às 1630 sempre.

      Mas lá está, é a minha visao, para a minha pessoa, para o que faco, nas condicoes que eu tenho.

      Em Portugal nao existe muito a mentalidade de “tele” trabalho, e os chefes gostam muito de fazer micro management, o que eu, pessoalmente, acho que é ridiculo.

    • Narciso Miranda says:

      Esqueci me de referir, que trabalhar de casa, com mulher e filhos, nem pensar.
      Para isso escritorio. Trabalhar de casa, somente sozinho.

  14. Rui says:

    Sim e Não
    Vai servir para despedir muita gente, mas muita gente mesmo.
    ainda a dias falava com antigo colega onde me dizia que já se falava em largas centenas só numa organização em Portugal.

    • Rui says:

      Economicamente e no trabalho o pós covid vai ser um problema muito serio .
      O verdadeiro problema não é o covid é o que virá a seguir.

    • João M. says:

      da minha experiência, teletrabalho até pode contratar mais pessoal.
      Até agora tinhas de viver nas “redondezas” da empresa para sequer pensarem em te contrar (ou tinhas de mudar). Com teletrabalho podes estar na aldeia, com um pc ligado à net, só vais ao escritório 2-3 vezes por semana (Se for o caso…eu não vou) e trabalhas e ganhas o teu sem ter de ir para Lisboas, Porto, Braga,e tc…

  15. MACnista says:

    Isso, ponham-se com ideias ponham-se, se não têm nada para postar deixem-se estar quietinhos…

  16. Marcos says:

    Já há meses que se falava de falta de escritórios no mercado imobiliário português. Com o teletrabalho resolvia-se esse assunto como também, ia descongestionar as estradas, poupava-se gasolina e o meio ambiente.

  17. Rudi says:

    No mínimo a possibilidade de teletrabalho.

    Não faz sentido em dias de mais transito ou mau tempo haver deslocações desnecessárias.

  18. Dark Sky says:

    Convinha nos comentários acrescentar qual é a situação de quem comenta, do tipo:

    – “Nunca trabalhei, não sei o que é o trabalho precário, não faço ideia do que é ficar em casa à espera que apareça um serviço ou tarefa … mas acho que o teletrabalho é uma grande coisa”
    – “Já estou em teletrabalho muito antes do Covid-19, os problemas são estes e as vantagens são estas”
    – “Estou em teletrabalho por causa do Covid-19, com muitas dificuldades em me habituar”. Como diz o “DN”: “É normal estarmos na mer?%a, é normal estarmos em baixo, é normal estarmos desmotivados, é normal estarmos à beira de um ataque de nervos. Não fomos feitos para isto, malta. Portanto o primeiro passo é aceitar que estamos a dar o nosso melhor.”

  19. Paulo Marques says:

    O teletrabalho tem muitas vantagens, mas na minha opinião, não deverá ser feito em exclusividade, ou seja, deve ser feito em complemento ao trabalho presencial em equipa/escritório, sobretudo para manter as dinâmicas sociais e de equipa. Acredito que muitas empresas implementem em definitivo o teletrabalho depois da pandemia, no entanto, deveria haver uma alteração ao código do trabalho neste sentido uma vez que, neste cenário, estamos a ver empresas a retirar direitos a trabalhadores que estão em teletrabalho nomeadamente no que ao subsídio de refeição diz respeito.

    • eu says:

      Isso já foi exclarecido. O subs. continua a ter de ser pago, tal como foi negociado no pacote salarial. Claro que muito abútres vão ter abusar.
      Por outro lado concordo com metade da tua análise.
      3 ou 4 dias por semana em teletrabalho e 1 ou 2 a ír ao escritório seria o ideal.
      Com isto do covid não sei se não será esse o caminho até se ter uma vacina.

  20. SANDOKAN 1513 says:

    Era só o que faltava !! Queriam todos ficar na mama,em casa !! Só faltava essa !! Passando esta fase do coronavírus é urgente que se torne ao antigamente o mais rápido possível.Dar ideias a incautos ainda faz das pessoas autênticas retardadas mentais !! Nem é bom falar nisto.

    • Toni da Adega says:

      Tens que ir bem rápido avisar alguns dos países mais ricos desenvolvidos do mundo que eles estão completamente errado. Andam eles em Londres e afins a contratar pessoal a ganhar uns bons milhares por mês com opção se trabalhar a partir de casa. Quando podiam pagar 1/4 disso e ter o pessoal no escritório

      • Figueiredo says:

        «…Tens que ir bem rápido avisar alguns dos países mais ricos desenvolvidos do mundo que eles estão completamente errado. Andam eles em Londres e afins a contratar pessoal a ganhar uns bons milhares por mês com opção se trabalhar a partir de casa…»

        O regime da Inglaterra está completamente falido, cerca de 30% da população inglesa é toxicodependente, a precariedade e violações dos direitos laborais dos cidadãos trabalhadores são uma constante por parte do regime, existindo muito dificuldade por parte do trabalhador em sobreviver após pagar a renda do apartamento ou a hipoteca.

        Antes de escrever falsamente sobre a realidade inglesa, você deve primeiro deslocar-se ao país e conhecer a vida daquela gente, e não vir para aqui tecer comentários infundados sobre uma realidade desconhece.

        • Toni da Adega says:

          Eu dei o exemplo de Inglaterra porque trabalho em Inglaterra conheço por isso não vale estar a inventar histórias que são uns coitados. Inglaterra é um país onde circula muito dinheiro, e só não trabalha e não ganha trocos quem não quer.

          A hipoteca na minha casa não chega a 30% do meu ordenado, e somos 2 a trabalhar, por isso estamos mais que folgados.
          Agora quem quiser viver no centro de Londres onde um estúdio custa meio milhão pode ter alguma dificuldade a pagar a renda sim, mas Inglaterra não é só Londres.

          Mas o mesmo se passa nos USA, onde temos um escritório e vou lá regularmente, e trabalhar remotamente é a maior das realidades. O mesmo se passa na Europa central, paises Nordicos, e por esse mundo fora.

          É muito raro termos uma reunião presencial com clientes, é tudo remoto.

    • eu says:

      Deves ser um velho retardado. Claramente és um chefe mas nunca irás saber o que é ser líder. Devias era de levar com o corona no cú.

  21. Andre Moreno says:

    Na minha opinião, deverá ser cada vez mais uma escolha. Na sua totalidade, acho que não é saudável, mas nem que fosse 2º, 4º e 6º feiras no escritório e o resto em teletrabalho, ou vice-versa.

    Comecei na empresa onde estou há um mês e estou a fazer teletrabalho pela primeira vez. Fora o facto de não ter os equipamentos que gostaria, acho ser uma mais valia que devíamos de ter cada vez mais a hipótese de escolher.

    Só o facto de não ter que perder todos os dias mais de 1h em transportes é um grande pró. Além de que estando em casa, se for preciso fazer algum tempo extra, acho que se torna mais fácil.

  22. Ze das Quintas says:

    É uma questão de mentalidade / cultura, mas também é uma questão de mudança de NDAs, visto que levamos a propriedade intelectual da empresa para casa. Estou na área de Informática e portanto não tenho problemas nenhuns em trabalhar a partir de casa, mas existem outras áreas em que muito do NDA está preso a material do escritório, portanto vai ter que haver muita mudança de mentalidade, eu tenho a certeza que isto vai ser ótimo para o País no geral, até porque gabamo-nos de ser um País extremamente virado para as novas tecnologias

  23. Pisca says:

    É só “empregados de escritório”, quando chegar à parte dos pãezinhos vai ser uma chatice

  24. Narciso Miranda says:

    Eu já fazia trabalho através de casa, antes desta situacao. Por isso isto a mim, a unica coisa que “muda” é quando acabo de trabalhar, fico em casa, ao invés de ir sair para dar uma volta ou beber um cafe para espairecer.

    De resto parte muito da mentalidade do “tele” trabalhador, eu pessoalmente, em casa tenho menos distraccoes do que quando estou no escritorio, há sempre alguem a passar, que indirectamente nos distrai, alguem a falar, o chefe a “reclamar”, as conversas paralelas, muitos factores de distraccao.

    Por outro lado, em casa acabo por trabalhar mais do que no escritorio, nao ha pausas, almoca-se a trabalhar para se estar “distraido” isso tudo quem “ganha” é a empresa pois tem um recurso a fazer 8h e picos

  25. Emperador says:

    Claro que sim, mas cortar com o subsídio de refeição, é patético pagar subsídio de refeição quando o trabalhar está em casa, e haver legislação para monitorizar e controlar a 100% o tempo e o que o trabalhador faz enquanto trabalha em casa.

    • Narciso Miranda says:

      É patetico porquê? Não almocas quando estás em casa? E se formos a ver, trabalhares em casa, estás a consumir recursos de tua casa, luz nomeadamente.

      O monotorizar, depende muito do trabalhador, da mentalidade do mesmo. Mas existem apps de monotorizacao, horas a q comecas e quando acabas.

      Mas se o patrao nao tem confianca nos seus colaboradores, nao vale sequer a pena colocar de casa.

      • ze says:

        Não almoças pelo mesmo valor.
        Caso não saibas, subsidio de alimentação é para quando vais ter uma despesa que não terias de outra forma, por isso se vê o subsidio pelo menor valor de uma refeição perto do local de trabalho.
        Isso dos gangues da marmita é modernice para poupar uns trocos.
        A única coisa que faz sentido pagarem é internet, o que muitas empresas fazem. Além de material de trabalho.
        Não esquecer que o que gastas a mais em luz poupas muito mais em transporte e alimentação.
        Eu por exemplo em transporte e refeições por mês gasto uns 600€, vou pedir para me pagarem 600€ em electricidade? God..

        • Narciso Miranda says:

          DIz-me onde eu almoco por 5,80 que é o meu sub de alimentacao? E posso dizer que os meus escritorios ficam a 5min a pé do colombo.

  26. dc@dd.c says:

    NÃO. EU ESTOU FARTO DE TELE-TRABALHO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.