PplWare Mobile

5 indícios que a palavra-passe está a morrer


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Blasterjack says:

    Todas funcionam quando estás a “dormir”

    • Pedro says:

      Se por acaso de noite fores uma das milhares de pessoas que fala também a podes dizer alto. Além disso existem muito mais sitemas dispovieis de que eles não falam aqui.

      • hey says:

        Realmente, a identificação por dados biométricos é uma péssima moda que irá morrer, pelo simples motivo que as empresas não conseguem evitar que lhes roubem as bases de dados a torto e a direito… montes e montes de empresas são comprometidas todos os anos… pelo que ter um sistema de identificação que não pode ser anulado de forma segura e trocado por outro… é uma IDIOTICE do tamanho do universo.
        O único sistema que me agrada por completo em termos teóricos é um chamado SQRL (Secure Quick Reliable Login), que é baseado em chaves públicas/ privadas na curva elíptica 25519, e com mais uma série de características interessantes (como poder ser instalado em qualquer plataforma fixa ou móvel… ou mesmo dedicada só para este efeito se alguém quiser levar a sério a segurança)… é gratuito, e qualquer um pode desenvolver para o seu sistema sem ter de pagar a quem quer que seja… é só seguir as especificações. A página do projecto é: https://www.grc.com/sqrl/sqrl.htm

    • ptpedropt says:

      e a maioria delas já existe a muito tempo..

      sem falar que a nº4 que faz parte do grupo da nº5, é mais para outras coisas, se bem que há pessoas que fazem tatuagens por tudo e por nada

  2. ZéTone says:

    Sim sim, mudem. Eu fico pelo minha velhinha pass 🙂

  3. Gilberto Pereira says:

    Fantástico artigo. Parabéns Vitor M. por este resumo realista. Fantástico.

  4. Bovidino says:

    Me parece que a ‘leitura da impressão digital’ leva um sério perigo para o utilizador. Podem te arrancar os dedos para ter acesso ao teus dados.

  5. César says:

    Enquanto não conseguirem “ler” a mente, ninguém me tira as minhas passwords de 15 ou mais caracteres.

    • Scheldon says:

      Tirando os hacker que invadem os serividores que em sua maioria tem segurança porca ou nula.

    • Nelson says:

      Pois não… mas basta verem-te/gravarem-te a introduzires a tua password de 15 ou mais caracteres, para ficarem com ela…

      Por exemplo, quem usa óculos, especialmente de sol, é possível gravar o reflexo nos óculos e ver em que sítio carregaste.

    • Darkvoid says:

      Também uso passwords de 15 ou mais caracteres, (no windows é obrigatório para quem tem noções de segurança)

      Mas infelizmente existem 1001 formas de violarem os seus dados.
      Posso deixar aqui alguns exemplos:
      – Snifers
      – Virus/trojans
      – Violação de bases de dados de sites que normalmente são confiaveis, ebay, dropbox, etc
      – Eyesdropping (já saquei algumas assim é mais fácil que o que parece para quem o quer fazer)
      – Alguns métodos mais extremos como chantagem/rapto/tortura

      Portanto não é preciso lerem mente para ser possível.

  6. chicosoft says:

    A questão é: e se a nossa identidade biométrica for comprometida? Como nos safamos? é que no dia que decifrarem a password podemos troca-la, um dedo ou um olho, ou outras não…

    • Vítor M. says:

      Nessa perspectiva… o ADN é comprometido pela ciência. A segurança é utópica.

    • Nelson says:

      Tens de ter a possibilidade de desativar/inutilizar remotamente o dispositivo, e, principalmente, tens de ter a segurança que a tua identidade biométrica não possa ser retirada do dispositivo.

      No caso do iPhone 5S, garante os dois.

  7. Scheldon says:

    Aleluia, só eu tenho 8 passowords cheias de firquiliques (ja que a maioria dos serviços preferem jogar suas responsabilidades nas costas dos usuários) .

  8. Alex says:

    Com esta não me iludem… As passes só eu é que as sei e se morrer, elas morrem comigo. Já o mesmo nao se pode dizer do Reconhecimento facial, Impressão digital, Impressão Ocular, Impressão Venosa (mesmo morto, tendo acesso à minha cabeça, dedos das mãos, olhos, mãos), etc —-> têm acesso a tudo!!!
    Que raio de seguranças são estas???

    Largar as passwords para meios de segurança “duvidosos”, não obrigado. Como disse antes, se morrer (por exemplo) as passes morrem comigo e não fica cá nada nem ninguém a bisbilhotar……. pelo menos durante uns bons aninhos, a não ser queiram usar o super-computador da NSA e esperar uns minutos para acharem as minhas passes de + de 25 items (numeros, letras, caracteres especiais) e nomes de ficheiros encriptados.

    • JJ says:

      Quando morreres para que servem os dados que guardas-te/proteges-te?

      Alem de revelarem coisas sobre aquilo que fazias enquanto vivo, não te acontece nada!

      Depois não demoravam assim tantos anos a encontrar o acesso aos teus dados, nem precisavam de super computadores. Bastava os criadores dos sistemas que usas, acederem aos teus dados.

    • João Inácio says:

      Lol estás a assumir que o que tens no computador teria interesse suficiente para alguém, que lhes fizesse arrancar-te olhos, dedos, etc, só para aceder…

  9. Nuno Vieira says:

    Tal como já foi mostrado tanto no 5S e no S5, os sensores biométricos são facilmente ultrapassados. É por esta razão que nenhum serviço crítico (excepto nos cinemas) é protegidos apenas por sensores biométricos. Grande parte deles simplesmente não os utilizam, e os poucos que os utilizam funcionam em conjunto com a introdução de uma password.

    • JJ says:

      Existe sistemas bastante avançados, que funcionam muito bem. A questão é que esses sistemas ainda são muito caros para serem distribuídos em grande escala.

      Por outro lado, quanto maior for o acesso a estas tecnologias/sistemas, maior é a probabilidade de serem encontradas falhas e ultrapassados esses sistemas. É como no caso das passwords, a uns 10 anos atrás, uma password de 4/6 dígitos sem grandes complicações, hoje quanto maior melhor e mais complicada.

      Talvez não exista ainda, grande interesse na implementação massiva destes sistemas de segurança.

      • Nuno Vieira says:

        Por mais avançado que os sensores biométricos sejam têm sempre um problema. É a tua biologia que desbloqueia o aparelho, e isso é algo que se pode tirar partido para desbloquear algo sem a tua permissão.

        A senha fica guardada na tua mente. Desde que esta seja devidamente forte, é bem mais difícil alguém ultrapassar o sistema usando um ataque de força bruta do que tirar proveito de um sistema biométrico. A não ser que alguém desenvolva uma maneira de ler o conteúdo da tua mente para extrair a senha.

        • Nelson says:

          É isso, ou simplesmente usam uma câmera oculta, vêm-te a meter a password, e vêm as teclas.

          Assim como tantos malware que podem instalar em android’s, e em teclados de PC…

          Além disso, a tua biometria muda todos os dias. Logo uma impressão digital hoje, amanhã, já pode ser inválida.

          • Nuno Vieira says:

            E o malware não pode ser usado para interceptar a informação de autenticação que tu envias através de um sensor biométrico? Tem muita lógica o que acabaste de dizer.

            Sim, a tua biometria muda todos os dias, mas não significativamente. Se não, qual era a utilidade de utilizar sensores biométricos se a informação que captam mudam radicalmente de dia para dia? E a impressão digital mantêm-se basicamente inalterada durante toda a tua vida, a não ser que haja uma desfiguração do dedo.

            Mas dá-me uma explicação, então porquê que serviços críticos são sempre protegidos por password e não por sensores biométricos?

    • Nelson says:

      Outra vez a história “dos sensores biométricos são facilmente ultrapassados”, porquê? Porque não apetece dar o braço a torcer que a Apple arranjou uma tecnologia revolucionária.

      “Facilmente” ultrepassados como? Então um ladrão tem de ter uma impressão digital de 2400 dpi’s da vítima, sem falhas, sem “smudges”, depois tem de imprimir num papel XPTO, de uma maneira XYZ a 1200dpi, depois tem de roubar o telemóvel, e não sei quê, não sei que mais…

      Típico..

  10. Luna Wolf says:

    Está a morrer? E eu aqui com, deixa-me contar… 114 passwords (http://goo.gl/q6EagH) na maioria de 26 caracteres todas diferentes e nenhum método alternativo (só ajuda de uma dúzia de sites com suporte a verificação em dois passos)… mnh… acho que ainda falta uns bons anos 😉
    Que se venham a proliferar diferentes métodos bastante em breve, concordo, mas acho que a password ainda está um bocado longe de morrer.

    • Cris. says:

      Mesmo aqui, 195, todas diferentes e geradas aleatoriamente. Acho o unico metodo fiavel. Não confio em nenhumas das soluções/alternativas acimas, todas demasiado intrusivas !

  11. Manuel Campos says:

    Excelente artigo,Vítor Martins.No entanto,acho que quer o 4ª quer o 5ª indício acho que são ainda um pouco “avant-garde”,como se costuma dizer.São inovadores,sem dúvida!!Mas fazer uma tatuagem digital,ou inserir cerca de 700 sensores,capazes de monitorizar tudo o que fazemos é,no mínimo,surreal!!Não digo que assim será no futuro,mas de momento,não vejo que estas duas medidas sejam prioritárias a nível tecnológico.Então a última,parece saída de um filme de ficção científica,com o tipo com os sensores a sairem-lhe do pulso!! 🙂 🙂

  12. okapi says:

    Uma realidade, mas assustadora. Quando for o criador da maquina a ser mandado pela sua cria é que vai ser…

  13. fernando marques martini says:

    corta ou machuca os dedos p\ fazer a leitura da digital, ou queima o rosto, ou fica c\ a barba grande demais p\ vc ver se vai funcionar esses sistemas

  14. Ricardo says:

    Força sociedade Big Brother! Vamos chipar a Humanidade toda e usar o sinal da Besta, que é uma coisa tão boa! Vamos todos ser uns robotzinhos obedientes e sempre rastreados e controlados pelos nazis fascistas da NSA/CIA! Que maravilha de progresso, meu Deus, estou delirante com tanta maravilha! Dêem dois passos à frente e dêem-lhes tudo sobre vocês já de bandeja, sem chips nem nada, para eles fazerem da Humanidade ainda mais gato sapato! E VIVA A ESCRAVIDÃO TOTAL, DOS ROBOTS HUMANOS!

  15. Ze da esquina says:

    O problema é que quem faz o software também pode desboquear tudo isso. Nada resiste

  16. Asdrubal says:

    Faz lembrar aquele filme em que a autenticação da pessoa era através dos olhos, ok, rouba-se os olhos. Ou então a autenticação era através da impressão digital, ok, rouba-se os dedos. 😐

  17. Osvander says:

    Acho que de todas estas alternativas a única viável é a leitura da íris estando vivo pode-se ler, estando morto não pode-se ler, pois, não há circulação sanguínea.

  18. Jorge says:

    Fica só uma pergunta: Se raptarem um espião o que é mais fácil? Fazê-lo dizer a palavra passe ou coloca-lo em frente de uma webcam ou colocarem o dedo no dispositivo? Não acredito que existam sistemas infalíveis apenas um pouco mais seguros do que outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.