Quantcast
PplWare Mobile

Bicicleta elétrica ou trotinete? Temos sugestões para si

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Profeta says:

    Bicicleta.

  2. LuisO. says:

    Para as velocidades e potências apresnetadas estes veiculos deixam de ser equiparados a velocípedes.
    Para ser considerado velocípedes atenção a potêcnia no máximo 250 W e a velocidade de 25 km/h.
    Fora desta categoria para andar na estrada precisam de matrícula e seguro.

    • Rugas be like says:

      Precisam tanto… Vejo aos adolescentes com os seus 16 a 19 com estes brinquedos, sem carta, sem nada e sem capacete.
      O código da estrada devia de mudar, lá fora já se conduz com 13 anos

      • David says:

        A legislação não obriga a utilização de capacete. O que penso é que como em tudo deve existir fiscalização no sentido de sensibilizar as pessoas para o bom uso em vez de se ter de taxar e dificultar o uso deste tipo de equipamentos amigos do ambiente. Nós só conseguimos admirar os paises que criam só restrições mas aqueles que zelam pela ordem pública de forma mais democrática… não há essa cultura.

    • opl@po.lk says:

      Essa legislação foi mudada, agora já podem ter mais de 250 W. Mas a limitação da assistência aos 25Km/h ainda se mantém obrigatória.

  3. LarilasOS says:

    É tudo muito bonito..mas a bicicleta ou a trotineta não passa a ponte 25 de abril….bem que gostava de poupar mas, se ao sábado ao final da tarde tiver um serviço pra ir filmar…tenho de levar o carro porque se entretanto terminar às tantas….esquece lá o barco pra Cacilhas ou pro Seixal …esquece lá o comboio …e fico apeado e de bike na mão à espera do primeiro barco das 6 da manhã porque me faço acompanhado de bicicleta…boa snoopie

    Era fixe poder ir pro bairro alto, ou prós Santos de trotinetes até porque estacionar o carro é tarefa impossível…então e depois pra voltar pra margem sul? É o voltas…nem da pra meter a bike no Uber…a não ser aquelas dobráveis

    • opl@po.lk says:

      Temos de fazer pressão para que haja maneira ciclopedonal de atravessar o Tejo.

    • David says:

      As trotinetas são equipamentos muito expostos quando se fala em zonas com muito transito como a ponte ou outras vias. Basicamente o para-choques é o condutor da trotineta! Então o que tem de mudar são as infraestruturas. Devia existir mais passeios e mais ciclovias. Essa alternativa hoje em dia faz todo sentido. Que exista uma separação faz todo o sentido o problema são os interesses em torno dessas medidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.