PplWare Mobile

Em poucos anos começará a exploração de minério na Lua


Imagem: Cont.ws

Fonte: Oil Price

Vítor M.

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Ze says:

    Espero que não…

  2. the oneee says:

    E que impactos terá na lua e planeta ao fazerem tal exploração? Não irá a lua diminuir de tamanho lentamente à medida que vão removendo tal material? Não iremos notar (penso eu) nos primeiros anos ou decadas mas deverá afetar alguma coisa penso eu.

  3. Luis says:

    E o dinheiro que conseguirão será suficiente pra manter a mão de obra de ter que levar todas essas coisas até a lua?

  4. Daniel says:

    Não vejo a hora que comecem a explorar todos esses planetas e luas mortos…

  5. Bruno says:

    Espero ainda poder cá andar anos suficientes para ver, quiçá fazer uma viagem para fora do nosso planeta, nem que seja até á lua ou assim. E se calhar já me estou a esticar…

  6. William says:

    Precisamos ser uma espécie multi-planetária se quisermos salvar a civilização. Se ficarmos presos a Terra iremos ser extintos, seja por nós mesmos ou por motivos de força exterior (meteoro, desastre natural, epidemia). Seria bom, além de “explorar”, morar e tentar estabelecer uma colônia permanente nesses corpos, tais como Marte, Lua, Titã, Ganímedes e até mesmo Plutão.
    Precisamos de um backup da humanidade. A Terra é como um ninho, nele estamos protegidos (isso se uma presa não resolver atacar o ninho), mas temos que saber voar para sair do ninho. Ninguém fica no ninho/berço pra sempre. E ficar na Terra pra sempre é andar pra trás.

  7. Sonhador says:

    E que tal rebocarem pra cá a Lua?

  8. Foster says:

    Só me fez lembrar daquele filme ‘A Máquina do Tempo (2002)’.
    Entretanto, a mineração na lua demonstrada no filme não saiu… digamos… como esperado.

  9. Dani says:

    Acredito eu que eles só estão pensando nos lucros e não estão nem aí para as consequencias. Como sempre
    A humanidade só faz merda.
    Depois reclamam das catástrofes ambientais. Com esta exploração com certeza afetará as estações do ano, mar enfim TD o que está relacionado com a lua.

    • Luis says:

      A maior parte da força de maré vem do Sol e não dá lua… A lua tem muita massa, acham mesmo que a exploração irá afetar a terra? pff

      • Alfie says:

        É exactamente ao contrário. É a massa da Lua que tem maior peso na origem das marés.
        Um bocadinho mais de leitura é muito bom.

      • Nuno V says:

        Errado, o maior causador das forças de maré vem da lua. As forças de maré são causadas pela direrenças de gravidade de um ponto para outro ponto antipodal, não pela força da gravidade no geral. Embora a força da gravidade do sol seja superior à da lua, a lua encontra-se substancialmente mais próxima.

        • Luis says:

          Mas ninguém reclama da força que a Terra faz sobre a lua causando até lunamotos.
          Por mim poderia explodir a lua.

        • Luis says:

          Lua está mais próxima, porém o Sol é mais massivo e maior em raio. Há pesquisas que dizem que sem a lua continuaremos a ter força de maré e nada seria tão afetado além do dia e noite.

          • Nuno V says:

            Eu acho que não leste bem o que eu disse. Eu disse que a lua era o maior causador das marés, não disse que era o único. Se perdêssemos a lua continuaríamos a ter marés, mas bem mais fracas. A força de maré do sol é por volta de 1/3 quando comparado com a da lua. A maneira como os campos diferenciais da gravidade do sol e da lua interagem é que quando a lua se encontra em lua cheia ou nova, a soma destes faz com que as marés sejam maiores (chamamos a estas marés vivas); quando a lua se encontra em quarto minguante ou crescente, a soma destes faz com que as marés sejam menores (chamamos a estas marés mortas). Mas em qualquer situação, a protuberância de maré está sempre direcionada mais ou menos para a Lua (digo mais ou menos, porque na realidade a protuberância segue um bocado à frente da lua devido à rotação do planeta, e é isto que causa o aumento de velocidade orbital da lua que, por sua vez, causa a recessão desta, bem como a diminuição da velocidade rotacional da terra. E as forças de maré num objeto não têm nada a ver com o tamanho dos objetos causadores desta, mas sim com as suas massas, a sua distância, e sim o raio do objeto que observamos as forças de maré, neste caso, o raio da terra.

  10. BlackFerdyPT says:

    Toda a gente que sabe o que se passa nos bastidores políticos (ouvir, por exemplo, os webcasts do movimento LaRouche) há uns bons anos que sabe que existe uma (muito discreta) corrida para extrair o precioso hélio-3 da Lua, para ser usado na Fusão Nuclear, que se espera que seja desenvolvida dentro de duas décadas. Razão pela qual até já a “pobre” Índia tem missões lunares – https://en.wikipedia.org/wiki/Chandrayaan-2 – e Fusão Nuclear essa, que (a longo prazo) será necessária para que se possa ter energia suficiente para viagens para fora do Sistema Solar.

    (Aliás, há até pelo menos um filme de “ficção científica”, daqueles que aparentam ser feitos para mentalizar as pessoas para o que aí vem, chamado “Moon – O Outro Lado da Lua”, que retrata exactamente este tipo de operações na Lua.)

    Agora, no que toca ao Ocidente e falando das perspectivas a *longo prazo*, o que fica em aberto é: Que tipo de desenvolvimento espacial teremos?

    1) Um regresso ao uso de agências estatais, como a NASA, em que a exploração e o desenvolvimento espaciais sejam feitos de modo colectivo?

    2) Ou, como começa a ser o modelo adoptado – e é referido neste artigo – um desenvolvimento feito por empresas privadas (i.e. elites económicas) que dê origem ao que se chama uma “Breakaway Civilization” por parte das elites, em que partirão estas para o Espaço, acompanhadas dos seus robots e andróides, enquanto a restante população humana fica apenas a olhar – e para trás, na Terra – tal como é retratado no filme “Elysium”?

    (Vejam também, por exemplo, o filme “Blade Runner 2049” – feito também pelas grandes interesses económicos ocidentais. O projecto ocidental é ficar a restante Humanidade para trás, enquanto o Espaço fica reservado para as elites.)

  11. LG says:

    E o Brasil ! mico ou mito! Pois não estamos fazendo nada. Nosso astronauta nada fala. Brasil não tem projeto para o espaço infelizmente vamos lamber só dos gringos como sempre.

  12. Falcão Azul says:

    “Em poucos anos começará a exploração de minério na Lua” Certo.Mas e por quem ?? Por homens ou por robots ?? Só pergunto isso. 🙂

  13. Fulano says:

    Já deviam ter começado nos anos 70 do século passado.
    A esta hora os custos seriam muito mais baixos

  14. Filipe says:

    Hoje é este minério amanhã é aquele, não vão parar simplesmente… é sempre assim.

    • Fulano says:

      Chama-se evolução em Português…
      Se a nossa espécie não evoluir e expandir-se primeiro no nosso sistema solar e quiçá galáxia, extinção em poucos séculos será uma realidade.

  15. crackonthemoon says:

    unobtanium
    exoplanetary moon
    Of interest to the humans is Pandora’s reserves of unobtanium, a valuable room-temperature superconductor mineral valued at “20 million a kilo”. The name is a reference to mythical materials used in engineering which have better properties than real materials.

  16. Ramon says:

    Consegue-se ir à Lua extrair Hélio-3 mas não se consegue tirar os gajos no Rossio a vender haxixe falsificado.

  17. Saraiva says:

    Acabar com a fome e a miséria no nosso planeta com 1/4 desse dinheiro é que era.
    Mas pronto uma vez mais o homem egocêntrico como fosse dono do Universo.

    • Ruy Acquaviva says:

      Concordo plenamente.

    • Luis says:

      Mas somos o dono do universo mesmo. Não tem mais ninguém lá fora a fazer melhor que a gente.
      O universo está morto até onde podemos ver.
      Se existir vida tão inteligente quanto a nossa, está tão longe que sua existência torna-se irrelevante à nossa.

  18. Ruy Acquaviva says:

    Quem tem a mais vaga ideia do custo que representaria tal tipo de mineração não pode levar a sério o texto deste artigo. Mesmo que já houvesse reatores de fusão comerciais a demandar o Hélio 3, o que ainda está longe de acontecer, o custo dessa mineração lunar dificilmente seria comercialmente viável. Por mais raro que esse isótopo seja na Terra, o custo de cada grama do elemento vindo da Lua seria com certeza maior que o custo de obtê-lo aqui mesmo.

  19. Navi itub says:

    Livrar a massa da lua, vai provocar mudanças reais na terra, tais como chuva, marés, terremotos, etc

    • Nuno V says:

      Não, a Lua possui uma massa de 7.342*10^22 kg, isto significa que retirássemos 0,00001% da sua massa teríamos que minerar 7.342*10^15 kg.

  20. Bruh says:

    Opá não. Tudo errado. Deixem a Lua em paz, faz-nos tanto jeito….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.