PplWare Mobile

Categoria: Ciência


Stephen Hawking pensa saber o que existia antes do Big Bang

Apesar de já termos descoberto imenso sobre o Universo, ainda existem muitas perguntas sem resposta e muitas teorias que até podem andar muito perto da verdade, mas que ainda não conseguimos provar completamente.

De onde é que viemos? Se dantes havia nada, de onde é que surgiu tudo o que hoje vemos, tocamos e questionamos? Esta semana, Stephen Hawking respondeu a uma das perguntas que todos nós fazemos: O que é que havia antes do Big Bang?


Inteligência Artificial dá um passo importante para se “humanizar”

Grande parte das pessoas ainda não percebeu o impacto que a Inteligência Artificial terá na vida do ser humano. Nada será como conhecemos hoje, nunca mais precisaremos de acender luzes dentro de casa, porque a “casa vai aprender os nossos hábitos e rotinas” e tomará a decisão de acender a luz. Na medicina, a IA saberá diagnosticar uma doença muito mais rápido, com base na aprendizagem feita de todos os casos avaliados sobre a condição médica ali em causa. Mas estes são apenas alguns de muitos exemplos.

A Inteligência Artificial é um mundo tão fantástico como assustador. Não há volta a dar para essa realidade e agora foi dado mais um passo crucial para humanizar a Inteligência Artificial.

Ilustração da Inteligência Artificial


Astrónomos detetam sinais das primeiras estrelas do Universo

As primeiras estrelas no Universo apareceram cerca de 180 milhões de anos após o Big Bang. Nessa altura, o Universo era escuro e frio.

Recentemente, uma equipa de astrónomos descobriu pistas importantes acerca do nascimento das primeiras estrelas que poderão revolucionar o nosso entendimento acerca da evolução química do Universo e abrir novos horizontes para a compreensão da matéria negra e da energia negra.


Ártico com 20ºC acima do normal traz frio siberiano à Europa

Uma onda de calor nunca antes registada no Ártico fez a comunidade científica olhar perplexa para o que se passa nesse pedaço do globo, onde o sol praticamente não brilha até março.

Este tempo “atípico” na região setentrional do planeta Terra estará a causar uma onda de frio siberiano na Europa e a forçar à revisão das previsões mais pessimistas sobre o aquecimento global.

Frio vem do Ártico quente