Quantcast
PplWare Mobile

Apple investigada por limitar xCloud e Facebook Gaming na AppStore

                                    
                                

Fonte: Reuters

Autor: Marisa Pinto


  1. Cicrano says:

    Fácil… Basta aplicarem uma multa com o valor dos impostos que não pagam há mais de 2 décadas.

  2. LG says:

    O problema é que existem contradições nas “defesas” da Apple com as Guidelines da AppStore. A Apple parece que inventa novas regras “semi-oficiais” quando esta encontra concorrência populares nos seus serviços.

    Se a Netflix, Hulu, Amazon Prime etc fosse lançado simultaneamente com a AppleTV+, não tenho dúvidas algumas que seriam rejeitadas na AppStore porque a Apple tinha que “rever” o conteúdo nessas plataformas para “proteger” os seus utilizadores. Ridículo não? Pois bem podem achar mas é exatamente isso que acontece agora com estes serviços gaming que correm na Could, e não no lado cliente…

  3. Jorge Carvalho says:

    Uma coisa que não consegui nunca perceber é porque é apenas a Apple que é investigada pelos 30% quando a Google cobra exatamente o mesmo e ninguém se queixa …. curioso.

    Abc

    • Alexandre Cardoso says:

      Provavelmente tem a ver com a segunda parte desta frase:
      “Isto porque a Apple retém 30% sobre qualquer transação feita a partir de uma app para iOS, mas também porque impossibilita os utilizadores de fazerem download de apps externas à App Store.”

      Apesar de tudo, no Android não és obrigado a usar a Play Store, sendo possível obter apps a partir de outras fontes (embora seja necessário uma série de passos para o conseguir). Também há os casos dos smartphones que não podem trazer os Google Services instalados, mas que continuam perfeitamente funcionais, alguns inclusive com app stores alternativas.

      Relativamente às queixas dos 30%, tens possivelmente nas ações da Epic Games com o Fortnite um dos casos mais famosos desse tipo de queixas, em que inicialmente o Fortnite só estava disponível FORA da Play Store. Para lançar o jogo para o iOS a Epic não fez nada semelhante porque sabiam que não tinham alternativa.

      • Jorge Carvalho says:

        E depois tiveram que voltar a play store e pagar certo ?

        A message from Epic Games explains: “After 18 months of operating Fortnite on Android outside of the Google Play Store, we’ve come to a basic realization:

        “Google puts software downloadable outside of Google Play at a disadvantage, through technical and business measures such as scary, repetitive security pop-ups for downloaded and updated software, restrictive manufacturer and carrier agreements and dealings, Google public relations characterizing third-party software sources as malware, and new efforts such as Google Play Protect to outright block software obtained outside the Google Play store.

        “Because of this, we’ve launched Fortnite for Android on the Google Play Store. We’ll continue to operate the Epic Games App and Fortnite outside of Google Play, too.

        • Alexandre Cardoso says:

          Sim, exatamente pelo exposto nessa mensagem. Embora seja possível evitar a Play store, a Google acaba por levantar muitas dificuldades ao processo. Agora, até que ponto essas dificuldades poderiam levar a uma investigação, isso não sei dizer.

    • LG says:

      https://ec.europa.eu/commission/presscorner/detail/en/ip_20_1073

      Duas razões:

      – O uso obrigatório do “In‑App Purchase”
      e
      – A proibição dos developers informarem os seus utilizadores da possibilidade de compras fora da app.

      A Google não obriga/proibide a tais práticas de anti-concorrência

      • Jorge Carvalho says:

        O uso não é obrigatório de in-app . Não podes é despoltar o processo para fora a partir da app. Exp : Netflix , HBO , etc.

        “A proibição dos developers informarem os seus utilizadores da possibilidade de compras fora da app.”
        Nao podem é ser redirecionado para fora , se bem que acho que o Spotify o faz..

        Abc

        • Jorge Carvalho says:

          ” While Apple allows users to consume content such as music, e-books and audiobooks purchased elsewhere (e.g. on the website of the app developer) also in the app, its rules prevent developers from informing users about such purchasing possibilities, which are usually cheaper.”

          Este excerto está errado . Assim não admira que depois percam em Supremo .

          A mim é-me indiferente. Se bem que acho que seria mais honesto dizer que só no 1º ano é que é 30% o resto é 15%.

          Abc

          • LG says:

            Ainda não percebi porquê achas que a Apple está a ser investigada por cobrar 30% em taxas… O caso é claro: Apple vai/está a ser investigado pelas suas regras duras. Se a CE provar que tais regras são anti-concorrentes haverá multa e mudança… Não tem nada a haver com os 30%…

          • Jorge Carvalho says:

            @LG Achas que é porquê ?
            Porque achas que estas empresas querem que o cliente pague por fora ?
            Tudo está relacionado com o pagamento, nada mais.

            Abc

    • Carlos says:

      A Google também está na mira das investigações anti-competitivas.
      E não só por causa da Play Store, mas também pela publicidade no Google.

      Aliás, a Apple é que ainda tem passado entre os pingos da chuva:
      https://www.nytimes.com/2018/07/18/technology/google-eu-android-fine.html

  4. xnelox says:

    A Apple devia de bloquear a navegação de qualquer browser disponível na app store, permitindo somente a visualização do site da própria Apple.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.