Quantcast
PplWare Mobile

Tags: antitrust

Regulador da concorrência da Alemanha levanta processo antitrust à Apple

O regulador alemão para a concorrência, Bundeskartellamt (Federal Cartel Office), levantou um processo antitrust contra a Apple. O foco principal está na App Store, mas a entidade da concorrência também está a examinar o impacto mais amplo do ecossistema da Apple, como as aplicações pré-instaladas e o tratamento de serviços que competem com a Apple (como o Spotify).

A Apple é o quarto gigante da tecnologia a ser investigado desde que uma nova lei antitrust entrou em vigor em janeiro.

Ilustração Apple Alemanha processo antitrust


União Europeia finaliza acusações contra a Apple na sequência da queixa do Spotify

A Apple continua debaixo de fogo por eventuais práticas “antitrust”. Os investigadores da União Europeia planeiam anunciar os resultados da sua investigação sobre a Apple nas próximas semanas. Isto vem depois de o Reino Unido ter anunciado que vai abrir a sua própria investigação sobre a App Store. Assim, depois do Spotify apresentar a queixa, a Apple poderá enfrentar novas ações judiciais.

Face à acusação da empresa sueca de streaming de música, a Apple respondeu na altura, acusando o Spotify de apresentar conscientemente informações falsas relativamente às taxas que paga à Apple através da App Store.

Imagem Apple AirPods Mac com iPhone 12 Pro Max com Spotify


Facebook pode ser forçado a vender o Instagram e o WhatsApp

O Facebook pode estar com um grande problemas em mão. A Federal Trade Commission (FTC) dos EUA processou a empresa de Mark Zuckerberg por supostamente violar as leis da anticoncorrência. Assim, se o processo for a favor da FTC, a família de aplicações do Facebook pode ser forçada a se separar.

Esta informação foi adiantada num comunicado à imprensa no site oficial da FTC. A gigante das redes sociais enfrenta agora uma dura batalha contra os procuradores-gerais.

Imagem do monopólio do Facebook nas redes sociais com Instagram, e WhatsApp na mira das autoridades


Apple estará a desenvolver o seu próprio motor de pesquisa. Irá cortar os laços com a Google?

A Google está debaixo de fogo das autoridades norte-americanas num processo antitrust. Em causa está o motor de pesquisa da empresa que, segundo os promotores da ação judicial, atua com práticas anticompetitivas no que respeita à pesquisa e publicidade. A Apple, tem sido uma grande aliada, tendo em conta que os seus dispositivos têm o Google como motor de pesquisa predefinido. No entanto, apesar dos milhões que a Google paga à gigante de Cupertino, o cenário poderá mudar.

Há um novo relatório a apontar que a Apple está a trabalhar no seu próprio mecanismo de pesquisa. Reitera mesmo que já há sinais da mudança no iOS 14.


Google paga à Apple 8 a 12 mil milhões por ano para ser o motor de pesquisa do iOS

A Apple tem um sistema operativo móvel muito bem conseguido e cresce ano para ano em número de dispositivos colocados no mercado. Assim, tendo em conta a quantidade e qualidade dos seus utilizadores, a Google sabe que tem de ter uma presença relevante dentro deste ecossistema. Segundo informações, a gigante de Mountain View paga à Apple entre 8 a 12 mil milhões de dólares por ano para ser o motor de pesquisa padrão do iOS.

A Apple, além de mais esta receita, oferece em simultâneo, aos seus utilizadores, um produto de qualidade.

Imagem do motor de pesquisa da Google nos dispositivos Apple