Quantcast
PplWare Mobile

Facebook pode ser forçado a vender o Instagram e o WhatsApp

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. Tino says:

    Não só compram redes sociais rivais e melhores como também roubam funcionalidades. A FTC deve obrigar o Facebook a vender o whatsapp e instagram

  2. Leal says:

    Em tempo tive o Instagram e também o whatsapp, por pertencerem a essa empresa de boa reputação chamada facebook, eliminei os dois. Messenger, desinstalei e bloqueei todos os contactos. Facebook, eliminei todas as minhas publicações e agora só cusco. Teria muito mais a dizer acerca dos facebooks e da sua segurança, mas ninguém liga, sorte a minha… Comunicações comigo só por chamada ou Signal.

    • Leal says:

      Uma vez que há a necessidade de aprovação de contactos com o Sr. victor., agradeço que apague o meu comentário acima e consigo jamais voltarei a comentar o que quer que seja ou outro que me imponha a aprovação de comentários. comunista

    • Filipe says:

      Mais um iluminado. Todos os outros que não sejam da empresa do facebook são uns santinhos e o pico da segurança. Por sinal, usas um pior. Uma rápida pesquisa dá-te as repostas ao que me vais perguntar mentalmente, pois disseste ali em baixo que não vais comentar mais nada.

  3. Raul says:

    O mundo do Éter é um mundo à parte. Em que outro sector de actividade seria permitido um monopólio desta dimensão. Ou da dimensão do Windows… ou da dimensão da Google, etc.

  4. Luis Silva says:

    Concordo, já tinha messenger e a própria rede social facebook, ainda tinham de ficar com instagram e whatsapp, realmente é estranho, sempre achei estranho porquê do facebook ter duas apps de mensagens….
    Parecem aquelas empresas que tem vários marcas do mesmo serviço, fez lembrar a portugal telecom com telepac, sapo, e depois veio meo era uma salgalhada..
    Não é a unica muitas lançam sub-marcas para criar mais confusão.

    • Vilna says:

      Não é criar confusão é controlar o mercado. Aplica-se a todas as áreas de mercado.

    • LA says:

      +1000
      Portugal Telecom, PT Comunicações, PT Prime, Sapo, Telepac, TMN, Moche, MEO, PT Empresas, Altice Empresas, Altice Portugal e por ai fora.
      O mais engraçado é que a empresa de facturação é a “MEO – Serviços de Comunicações e Multimédia S.A”. É o que eu chamo de uma autêntica palhaçada. Nem se podia esperar outra coisa dessa operadora. É só iluminados nessa empresa.

  5. Urtencio says:

    Parece que o castelo está a começar a cair!

  6. Woot! says:

    É juntarem todas numa única app como planeavam e acabarem com o instagram e whatsapp. Assim não precisam de vender nada, mantêm os users e centralizam tudo numa única app.

  7. SSD says:

    Vocês muito gostam de malhar no Zuckerberg mas continuam a usar as apps todas.
    Quanto ao resto podem ter alguns argumentos com o WhatsApp mas o Instagram acaba por ser algo diferente do que o Facebook oferece.
    Mas monopólios existem em todo o lado e não é preciso ir longe. Olhem para o alcance da Salvador Caetano ou da MCoutinho por aqui e as junções que se vão fazendo nas grandes fabricantes.
    Agora acho que esse processo faz tanto ou menos que o processo contra o acordo em entre a Google e a Apple. Sendo acordos ou vendas feitas de livre vontade e estando as varias empresas ativas ainda (se tivessem comprado para “destruir” era diferente acho) agora assim nem sei até que ponto uma interferência dessas pode ser benéfica. A seguir vão obrigar a BMW a vender a marca mini? Ou a Renault a vender a Dacia? Ou a Google a vender a Waze? Ou milhares de outros exemplos.

  8. Vortex says:

    Não deixam de ter razão. Se aprovaram a compra e agora virem reclamar que ah e tal afinal isto é contra a concorrência é um pouco estupido.

    Bora fazer o mesmo, vamos aumentar a idade legal para ter carta de condução de 18 para 21 e já agora, vamos também aplicar uma multa a todos os que tiraram carta aos 18 e também às escolas e centros de inspeção que o deixaram fazer…

    Que o Facebook, Google são grandes demais, sem dúvida, mas isso não é contra a concorrência, outras práticas que possam usar devido ao seu pod€r sim, mas, no fim de contas, ninguém é obrigado a usar os serviços prestados por eles…

  9. F. says:

    Quem quer ter um perfil de negocios no instagram é obrigado a ter um perfil no facebook. O mesmo para quem quer correr campanhas de anuncios. Tudo é feito no ad manager do fb.
    E claro que no instagram tambem já começaram a limitar o alcance dos posts.

  10. xnelox says:

    Não percebo essas regras, deixa ver se percebo, se eu desenvolver um programa de faturação, um programa de contabilidade é um programa de processamento de salários então sou obrigado a criar 3 empresas?

    • UnExpert says:

      Não, está tudo tranquilo, desde que não cresças demasiado e compres algum “rival” que até ajude a tua empresa mas que aos olhos da lei alguem interprete como estando a “eliminar a concorrência” está tudo certo

  11. André R. says:

    E precisaram de quase 7 anos após a última compra para perceber isso?

  12. Joao Ptt says:

    Está a repetir-se o que se passou com a Microsoft, no tempo do Internet Explorer e depois com o Office que esteve quase quase a ser separado da Microsoft, de alguma maneira a Microsoft conseguiu livrar-se do problema, mas acho que só foi depois de ter injectado dinheiro na concorrente Apple… porque até então tinha domínio quase total no mercado e os reguladores acho que estavam numa de ou ia a bem ou ia a mal com prisão e tudo se fosse necessário.

    Os reguladores olham para o mercado e vêm que na prática só existem três empresas (dos EUA) que dominam a quase totalidade do mercado das redes sociais, uma é o Facebook com o Facebook, Messenger, Instagram, WhatsApp e sei lá mais o quê, o Linkedin (da Microsoft) de perfis sobretudo para fins profissionais, e a outra é o Twitter que é para um público alvo um pouco diferente… mas o Facebook concentra claramente a maioria das pessoas.

    Por tanto do ponto de vista dos reguladores existe uma muito perigosa concentração em apenas uma empresa no caso do Facebook com serviços similares “concorrentes” e sem verdadeiros concorrentes directos, já que objectivamente os consumidores não têm verdadeiramente alternativa aos serviços dessa empresa e todos os que vão aparecendo com expressão são comprados por eles… e pelo menos lá nos EUA consideram que sem concorrência pode existir estagnação, degradação dos serviços prestados, domínio de mercado com bloqueio de entrada no mesmo a terceiros, domínio do mercado publicitário, domínio do mercado de comunicações digitais, aumento artificial dos preços praticados, etc. e por isso os reguladores gostam pouco de quaisquer situações de domínio do mercado comercial por parte de uma única empresa na prática.

    Sinceramente admira-me que o Facebook não tenha já descontinuado o WhatsApp e mantido apenas o Messenger e que não tenha já descontinuado o Instagram e integrado o conceito nos perfis do Facebook como uma divisória ou algo do género. Não terem feito isto provavelmente vai lhes custar terem de separar esses serviços que provavelmente terão de ser controlados por outras empresas sem relação com o grupo Facebook.

    Ou o Facebook faz o que os reguladores exigirem, ou vai ter que fazer como a Microsoft fez e dar uma batelada de dinheiro a alguma empresa que preste serviços similares nas redes sociais e mensageiros para que a população comece a sentir que existe uma verdadeira alternativa e muitos comecem a migrar e dessa forma os reguladores deixem de ver a empresa como monopolista e sim como estando a actuar num mercado onde a pessoa tem escolha caso não queira usufruir dos serviços dessa empresa específica… ou essa empresa (Facebook) decida que não quer prestar-lhe serviços (seja lá porque motivo for).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.