Quantcast
PplWare Mobile

Estado alemão de Hesse perde processo para deixar de usar Microsoft Teams e Office 365

                                    
                                

Fonte: Neowin

Autor: Marisa Pinto


  1. dude says:

    Eu não quero…. Ai queres queres….

  2. Eu sei lá says:

    Interessei-me por isto e é assim:
    – Está em causa – apenas- o uso do Teams nas escolas do Estado alemão do Hesse (e não, também, do Microsoft 365 referido no post)
    – O Estado de Hesse lançou um concurso para a aquisição de um sistema de videoconferência nas escolas. Um concorrente preterido reclamou. O Tribunal considerou que os termos do concurso não estavam corretos e por isso o Estado de Hesse tinha que lançar um novo concurso.
    – O novo concurso será lançado em janeiro de 2012.
    – Em consequência, até à conclusão do concurso, as escolas de Hesse podem continuar a utilizar o Teams.
    E é tudo. A partir daí, usarão o sistema que ganhar o concurso, o Teams ou outro.

  3. Neo says:

    Porque a Administração Pública deve ser gerida tal e qual uma empresa, estando virada para a inovação e eficiência e não andar a brincar com ideologias Académicas como foi o exemplo do Linius no Ministério da Justiça, um autêntico fiasco onde se desperdiçou energia e recursos.

  4. Carlos Fernandes says:

    Uma dúvida, Administração Pública que adquire o office 365 e tiver contratado um serviço Microsoft azure, não está usar Linux?

  5. Samuel MGor says:

    Sabes que existem equipas de assistência no Linux e pagas menos do que as licenças pela assistência técnica, certo?

  6. Blackbit says:

    É a mesma coisa, tem de ser feita a instalação, manutenção, aplicação de patch’s, resolução de incidentes, etc… Ora isso tem de ser pago.

  7. Samuel MGor says:

    No Ubuntu são 525 dolares por maquina com suporte 24/5. Agora pegando no teu comentário anterior nas 400 maquinas. €463,60 (ano) x 400 = € 187840. Agora as licenças que dizes ficar em €7300: €50 (mês)*12 = €600; 400÷5 = 80; €600 x 80 = €48000. Nisto ficamos a saber que ao contrário do que disseste as licenças do Windows ficam a €48000 (sem suporte técnico) e não €7300 sendo no Ubuntu fica a €187840 (com suporte técnico) e não €245000. “Errar é humano mas manter-se no erro é só burrice”

  8. ext4 says:

    Todas as decisões são políticas. Cada um que tire as suas conclusões.

  9. A. Tarzan Dumental says:

    Deslocações? Bolas, c
    omo é que acha que é feita a manutenção dos servidores (na sua maioria Linux) que suportam a internet? Acha que os técnicos vão a pé até aos servidores para fazerem a manutenção?

  10. João Matos says:

    Na ap só se utiliza produtos M$ por desleixo e falta de coragem de quem manda…. Mas para vosso informação muitas autarquias utilizam libreoffice e mesmo algumas utilizam linux em estações de trabalho. o problema é mesmo a administração central que nem sequer cumpre a regulamentação existente. vejam o caso do regulamento de interoperabilidade digital… entidades como GNR, PSP, ERSAR, T Contas etc… não cumprem uma linha e até pedem ficheiros excel… conforme a regulamemtação deveria utilziar normas abertas, odt e ods que o office também abre.. mandam comprar o office.

    • Amilcar Alho says:

      Que autarquias é que “utilizam linux em estações de trabalho”?

      • zorbin says:

        Se for publico, acabam-se logo.. eu tambem conheço algumas com linux e muitas mais com libre office. Se começa a ser publico acontece como na Alemanha.. A M$ acaba logo com isso para não se tornar exemplo. O lobby m$ no estado é enorme…investiga e vê quantos membros do governo foram funcionários da M$.

  11. Samuel MGor says:

    O problema começa nas escolas!! Só ensinam a usar o Windows mas se ensinassem a usar o Linux muitos alunos iam deixar de usar o Windows. A Microsoft licencia os produtos a preço baixo para que as escolas não ensinem o Linux (acho que está estipulado na licença).

  12. Bruno Filipe says:

    Se o problema é so o teams… mudam para linux + openoffice e instalam o teams (sim há teams para linux desenvolvido e com suporte pela microsoft).
    Deixam de pagar 10,50€ mês e passam a pagar só 3.40€ e deixam de pagar licenciamento para os postos windows que deixam de existir.

  13. Bruno Rodrigues says:

    Notícia incompleta e que deturpa completamente a realidade dos factos. Que esperam para reescrever a peça?

  14. Al CiD says:

    “A aversão da Alemanha aos serviços da Microsoft já não é só uma realidade de agora e existe há algum tempo.”

    Não é uma aversão aos produtos de uma empresa, mas é sim uma aversão á falta dos produtos da MS respeitarem as leis em vigor, principalmente GPDR e mais além, já que na Alemanha a proteção de dados ainda é mais rígida do que no resto da UE.

    Bom Ano 2022
    .

  15. Rui Rodrigues says:

    É o problema de existir um S.O. no mundo, de um player de software, que faz o que quer. Infelizmente a Europa tem muitas coisas das quais não depende efetivamente dos americanos mas sistemas operativos, infelizmente não é uma delas. Assim continuará a ser enquanto não existir concorrência a este nível, e por muito que queiram que o Linux seja um sistema operativo viável, não é uma alternativa aos produtos/serviços que vão sendo lançados por esse colosso que é a MS.
    A questão de passar os sistemas e aplicações de compra para mensalidade é apenas uma forma de mostrar que fazem o que querem, quando e como querem, e a Alemanha, ou qualquer outro país terá que comer arroz, enquanto assim for.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.