Quantcast
PplWare Mobile

Portugal: Governo cria carta de condução digital (e não só)

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Ze das Quintas says:

    Finalmente, esta pandemia tem sido um abre olhos!

  2. Carbonato de Sódio says:

    Claro que só instala quem quer, pelo menos por enquanto. Só que o telemóvel neste momento cada vez mais se torna num bem altamente cobiçado pelos amigos do alheio, não pelo valor monetário do telemóvel em si como era até há alguns anos, mas pelo que ele guarda e garante acesso.

    • Joao Ptt says:

      E com o alto nível de problemas de segurança existentes, em especial no mundo Android por falta de actualizações de segurança, é muito perigoso ter conteúdos sensíveis nos smartphones.

  3. Tiago says:

    nao sei para que, ninguem vai usar porque a app é para nos controlar e saber onde estamos, e ter todos os nossos dados e a vacina do covid é para injetar mircrochips

  4. Diogo says:

    Finalmente Obrigado, a carta nem me faz muita confusao mas os documentos do carro sim, nao faz muito sentido que se os agentes nao tiverem o equipamento nós é que temos de ir à esquadra mas vivo bem com isso

    • netdroid says:

      Vives bem com isso? Então imagina o seguinte cenário: vais a caminho do aeroporto para apanhar um avião que te levará para um país estrangeiro (tailândia, por ex) onde vais ter que permanecer pelo menos 15 dias em trabalho. Perto do aeroporto, surge uma operação stop, na qual, apesar de teres os documentos em ordem, os agentes não têm o equipamento para verificar os dados no teu telemóvel…Que vais fazer? Desistes da viagem para apresentar os documentos na esquadra? Ou não vais à esquadra e sofres as consequências daí inerentes? Como eu costumo dizer, “pimenta no cú dos outros, para mim é refresco”. Ou seja, uma besta qualquer, sentada num cadeirinha bem paga, teve esta ideia fantástica, sem pensar em todas as hipóteses e os outros é que se lixam. Claro, porventura ainda terá uma menção honrosa por ter esta “criativa” imaginação.

      • A. M. says:

        No campo das hipóteses tudo pode acontecer!! Então imagina o seguinte cenário: “vais a caminho do aeroporto para apanhar um avião que te levará para um país estrangeiro (tailândia, por ex) onde vais ter que permanecer pelo menos 15 dias em trabalho. Perto do aeroporto, surge uma operação stop”, na qual, apesar de te teres esquecido dos documentos, tens tudo no telemóvel!! E, “curiosamente” a polícia tem o equipamento para verificar os dados do teu telemóvel. E, já perto da hora da partida, tens o problema resolvido….graças a uma app no telemóvel. Claro, deverias sentir-te honrado com esta “criativa” imaginação.

  5. LP says:

    Não entendi uma coisa: a Carta de Condução já existe de forma digital, precisamente na app id.gov.pt

    Eu já uso! E a app é precisamente do… Estado!

    • Hugo says:

      Sim, eu já uso tanto a carta de condução e cartão do cidadão.
      E já usei algumas vezes, mesmo numa operação stop.
      A mim dá-me muito jeito pois raramente costumo andar com a carteira.

    • José Rebelo says:

      Mas a polícia para já reconhece se quiser, pois não existe nada oficial que obrigue os agentes a aceitar este formato da aplicação, ou existe?

  6. Velho Rabugento says:

    “Caso os agentes não disponham de tais meios eletrónicos para a leitura, o condutor terá de apresentar os documentos em formato físico na esquadra, num período de cinco dias”

    Já está mesmo a ver o que vai acontecer não é???

  7. Nef says:

    A aplicação id.gov.pt, só permite guardar, cartão de cidadão, carta de condução, cartão ADSE.
    Qual é a app que permite guardar os documentos da viatura, como o registo de propriedade, o certificado do seguro e a ficha de inspeção?

  8. asdasd says:

    Ja tenho o id.gov com cc e carta à quase 2 anos …

  9. Samuel MG says:

    Só existe alguns problemas!! Vais precisar de ter internet no smartphone para usar a aplicação id.gov.pt e duvido que os idosos com reformas baixas (- €300) que comprem um smartphone e paguem um plano de internet só porque o governo quer digitalizar os documentos.

    • Pedro F. says:

      Não há um mínimo de internet grátis em cada telemóvel?
      E deixa de existir o documento físico? Não.
      Qual é afinal o problema de nos darem uma alternativa?

  10. Rafael Cardoso says:

    Mas a lei diz conduzir sem carta, dá direito a ir apresentá-la posteriormente à esquadra e a pagar 30€ de multa.

  11. androidiano says:

    Já utilizo esta app id.gov.pt à um ano é muito útil, deixei de andar com carteira e enquanto tiver bateria no smartphone tenho sempre os docs comigo!

  12. Nuno Rompante says:

    Se a App funcionasse corretamente era ótimo. Mas eu nem consigo adicionar os cartões.

  13. Tim says:

    E temos de dar o nosso telemovel ao policia?
    Não tem logica isso.
    Prefiro andar com os cartoes e dar apenas o cartao.

    • Miguel says:

      Se tivermos que dar o smartphone desbloqueado as autoridades isto morre a nascença não tem base legal!

    • Rui says:

      tens de mostrar o telemovel ahah é obvio que nao é para o policia mexer no telemovel e a app ate deve dar para mostar os cartoes mas continuar bloqueado

    • A. M. says:

      Não temos de dar o telemóvel ao polícia!! …só temos de emprestar!! rsrsrss!!
      Agora a sério, há sempre qualquer coisa que o português embirra!! Se inventam uma solução boa, há que pôr logo problemas nisso. Mesmo que sejam mais as vantagens que as desvantagens!!
      Vêr estes comentários de “deita abaixo” apetece logo “fazer um desenho” para vêr se as pessoas percebem!! Ou seja, querem usar cartão físico, podem usar…não vão ser obrigados a “entregar”o telemóvel ao polícia, porque também não são obrigados a instalar a app!! Querem usar a app, usem pois pode dar jeito, quando se esquecerem da carteira, ou até para substituir a carteira. Já se percebeu que… pode acontecer!!… do polícia não ter equipamento para “lêr” a app, mas depois têm cinco dias para ir mostrar o cartão. É confuso isto?? Haja paciência!!!

  14. BM says:

    não sei porquê tanto alvoroço com o documento único e a carta de condução.
    Supostamente as autoridades deveriam saber se um indivíduo está habilitado a conduzir (ou não) bastando para isso que eles acedam ao sistema e obter a info de que precisam.
    Mesma coisa para o documento único, o governo tem todos os dados necessários, basta terem um pc para acederem a uma determinada matrícula.
    Inspecções, seguros, etc… mesma história, está tudo disponível internamente online se as autoridades quiserem ter acesso.
    que tal não ser necessário nem a carta nem o documento único sejam eles digitais ou físicos?
    não seria bem mais simples ou está a escapar-me algo?

    Aqui no Reino Unido a título de exemplo, a carta de condução pode ficar em casa assim como o documento do carro e não é preciso meter nada no párabrisas para o seguro.
    as inspeções periódicas estão disponíveis para todos online também.

    Há que reconhecer que é bem mais simples assim, porque não é possível em Portugal?

  15. Patanisca says:

    Trotinetes elétricas velozes? Que raio de conceito é esse? LOL

    • Vitor says:

      Está descriminado no projeto de lei…são consideradas “trotinetes velozes” desde que alcancem uma velocidade superior a 25 Km/hora!

    • Miguel says:

      Serão as que superam os 25kmh
      (atualmente são ciclomotores)

      É aguardar pela publicação em Diário da República
      que não dá para confiar nas interpretações do JN
      (e ainda menos nos resumos das interpretações do JN)

  16. jAr says:

    ” o valor da coima a duplicar para 250 € e 1.250 €”. Alguém estava desatento Sr. Pedro.

  17. WhiskasSaquetas says:

    Porque não usar o nosso cartão de cidadão como carta de condução, agregar a informação do automóvel etc ??

  18. Samuel MG says:

    5 vezes que a pplware me remove os comentários!!! Acabam de perder um leitor !!!

  19. ZéBoss says:

    isto já vem é tarde… eu estou à espera dos documentos da mota há 3 meses e ainda nada

  20. Nuno Rompante says:

    Tenho mais uma coisa para vos expor, porque após o jantar aprofundei esta nova ideia do nosso governo.
    Para alem da App não carregar o meu cartão do cidadão e carta de condição, questionei-me a mim próprio, será que me enganei no meu PIN deixa cá aceder autenticacao.gov e verificar. Testei os meus PIN’s todos e estão correctos e reparei que temos aqui um menu “O MEU ID.GOV.PT”, então indico cartão do cidadão e lá introduzo o numero de ID Civil e PIN e confirmo, resultado… “O cartão não é valido”. Senhores do governo Português falem lá com os vossos programadores e deixem de meter a carroça á frente dos bois.

  21. falcaobranco says:

    Mais vale andar com os documentos… ao menos esses nao ficam sem bateria e não tenho que me deslocar á esquadra, se não tiverem equipamento para ler a app… mas isto sou eu…

  22. informado says:

    Pacote de internet barata para ter no telemóvel. Ou o governo que dê net grátis. Não pode é obrigar a ter internet e smartphone. mas isto é um perigo enorme. O crime cibernético adora estas coisas para roubar dados.

  23. João says:

    A carta digital já existe há muito tempo. Já a uso há muito tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.