Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: A “bússola de orientação” apresentada por António Costa

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. julio says:

    uma pergunta sem ter relação com o post, a app STAYAWAY COVID ainda existe? de uns tempos para cá a pplware ja nem faz promoção dessa app, coisa estranha por que antes era dia sim dia não sempre fazendo post sobre essa app e do nada parece que a app desapareceu da face da terra

    • Vítor M. says:

      Esse tom até parece que o que era publicado não tinha interesse. Mas a app, que era do interesse de todos, por culpa de alguns, não funcionou. Por culpa de quem a criou e que não a soube promover junto dos portugueses, por culpa dos médicos que não conseguiram fornecer os códigos, por culpa da desorganização do sistema de saúde que não conseguiu lidar certamente com a forma escolhida para gerir a app e por culpa de muitos mais utilizadores que foram irresponsáveis ao ponto de tentarem destruir um sistema que poderia ajudar a termos uma liberdade menos condicionada.

      O pplware não fazia promoção da app, esse tom provocador pode parecer inteligente mas não é, é apenas um sinal da culpa. Porque o que queríamos e continuamos a pretender é combater a ignorância perante a app, mas sobretudo perante a realidade.

      Júlio, não saia de casa sem a máscara, cumpra as regras de distanciamento social e as etiquetas higiénicas, confine como a lei orienta e não facilite. A doença não escolhe as pessoas, mas ha pessoas que atraem a doença, muitas vezes por comportamentos e atitudes irresponsáveis.

      PS. A app não desapareceu, apenas está como mais uma ferramenta.

      • Rudi says:

        a APP nunca iria funcionar só com <50% da população que a conseguiria instalar.
        Atenção ao tom de acusador que a app não funcionou por culpa de alguns, além de que ainda vivemos num estado de direito e não numa China comunista.
        Se o Governo quisesse uma população civil e educado, então o estado que tivesse feito um melhor trabalho, menos populista, menos corrupto, melhor educação, mais transparência, etc.
        A culpa é dos Governos e não da população.

        O dinheiro era muito mais bem gasto em reforçar o SNS, digo isto apesar de achar muito interessante a tecnologia e a implementação da app, lá por ser interessante não quer dizer que irá ter sucesso!

        • Há cada gajo says:

          Claro que a culpa é sempre dos outros. Nunca ninguém tem culpa de nada. Fantástico.

        • Vitolas says:

          “Se o Governo quisesse uma população civil e educado, então o estado que tivesse feito um melhor trabalho, menos populista, menos corrupto, melhor educação, mais transparência, etc.”

          Arranja um trabalho onde lides com pessoas todo o dia, em 10 minutos mudas a tua opinião.

          • Há Cada Gajo says:

            Nem mais ! E se tiveres um trabalho em que lidas diariamente com todo o tido de pessoas de todas as zonas do país…aí fica tudo explicado.

    • Rui says:

      pois infelizmente por culpa de alguns atrasdos mentais a app nunca teve muito sucesso mas pronto, o governo tentou para que não tivessemos que entrar novamente em confinamento mas como é dificil educar estupidos lá tivemos de entrar em confinamento outra vez

  2. Miguel says:

    Mais um powerpoint feito por um puto de 4 ano. Mais uma vez mal explicado e mal exemplificado. O normal no governo do AC.

    • Sergio says:

      Se tens uma ideia melhor, pf partilha.

    • Atento says:

      Já não é a primeira pessoa que ouço dizer isso, no entanto penso que estão errados na avaliação que fazem … e fazem-no, provavelmente, por desconhecimento ou falta de interpretação.
      Na realidade, esta parece-me a melhor forma de descrever de modo simples uma forma de avaliação para as próximas semanas.
      A criticar seria apenas a falta de legenda para os eixos e marcadores, perfeitamente desculpável por se tratar de um gráfico que faz parte de uma apresentação, onde foram descritos os conceitos.
      Considero-me insuspeito porque não partilho a família politica do orador.

    • Mike Hunt says:

      Queres melhor explicado que aquilo? Aposto que maioria das pessoas só olhou para o gráfico e nem ouviram a explicação do Costa. E agora só sabem vir chorar para a internet a insultar o trabalho árduo dos outros. enfim.

    • Nuno says:

      porra são 4 quadrados e 2 eixos se não conseguiste perceber tens de voltar para as aulas de matematica e pedir à professor para explicar novamente.
      Passam a vida a reclamar do governo mas depois não têm sequer capacidade para ler um gráfico porra já dizia o outro “e o burro sou eu?”

    • Miguel says:

      Para os campeões aqui do chat que gostam de insultar e tal, aulas de matemática e atrasadinho e tal façam o favor de ir comparar este “gráfico” com o que a Alemanha apresentou e vejam a diferença entre um governo preparado e o governo de Portugal. Tenham a inteligência também de entender que a situação catastrófica que Portugal teve em Janeiro foi devido a incompetência do AC e a sua deficiência de comunicação. Mas é normal esses vossos comentários, o PS continua a ter cerca de 37% nas sondagens, da para ver de onde vêm.

      • Nuno says:

        Mas agr tambem vamos estar a comparar grapicos com outros paises é? ahah, a raposa da vizinha é sempre melhor que a minha.
        Não, a situação catastrofica que tivemos em janeiro foi devido aos espertos deste país que não seguiram recomendação nenhuma no natal e pda foi tudo a furar e depois está aí o resultado.
        Para mim têm feito um trabalho muito bom porque se fosse eu já tinha acabado com esta brincadeira, o pessoal reclama de tudo portanto não há regras façam o que quiserem quem for para o hospital com covid morre à porta e acabou a conversa, ninguem cumpre porra nenhuma e ainda reclamam do governo então pronto façam como quiserem

        • Miguel says:

          Claroooo, a culpa é dos portugueses. Típico socialista, a culpa é sempre dos outros. Explica-me então os números catastróficos de Portugal relativamente aos outros países. Fico à espera. Ou os Portugueses são mais espertos que todos os outros. O governo tinha o dever do colocar regras para o Natal, sabia da variante do UK sabia que os números estavam a aumentar mas não fez nada. 100% de culpa do governo.

          • Nuno says:

            ahah “tipico socialista” posso avisar já que nao sou de ninguem isto não é futebol voto no que achar melhor na altura.
            Então mas nasceste em janeiro ? não estavas ca quando foram postas as regras do natal, ora deixo-te aqui um link com uma tabelinha com todas as regras de natal e ano novo espero que sejas melhor a ler tabelas que gráficos. Ora se o governo mete restriçoes mete leis para o pessoal andar de mascara nas ruas e dps apanham-se festas de 100 pessoas em armazens tudo sem mascara a culpa é de quem ? pareces aqueles pais que os filhos não estudam nada nem fazem os tpc’s mas no fim do periodo a culpa é da professora

            https://www.sns.gov.pt/noticias/2020/12/05/medidas-para-o-natal-e-ano-novo/

          • Há cada gajo says:

            Não a culpa foi dos ingleses que vieram cá espalhar a sua variante e os portugueses que no Natal já tinham a cura para todos os males, foram apanhados desprevenidos. Santa paciência. Perante a beira do abismo é preciso que alguém te diga que podes cair ? E se caíres a culpa foi de quem não te avisou ?

          • Miguel says:

            Do que eu li sempre foi permitida as viagens entre concelhos como ninguém proibiu os ajuntamentos dentro das casas, certo ou errado? Pessoas a viajar entre concelhos do Norte a Sul do pais porque nao houve qualquer fiscalização. A culpa foi do governo que nao planeou, que nao acordou os tramites com os privados antes de ser tarde demais, que nao impediu o natal como o fez no ano novo. Que medicadas estão ai de contenção para o Natal? O ter de estar em casa ate as 2 da manha, por amor de deus. Essa cegueira ideológica e incrível. Continuam a estragar Portugal e depois os outros e que são burros.

          • Miguel says:

            O governo tinha obrigação de colocar regras mais duras. Todos os países da Europa o fizeram, todos estiveram melhores que nos. E voce diz que a culpa e da população…Que ignorância.

          • Nuno says:

            As regras foram postas mas lá está nem devia ser preciso regras parecem uma cambada de crianças. Não a culpa não é da população é o costa que anda a infetar o pessoal todos só em janeiro infetou 100 mil é ele que anda ai a fazer festas é ele que anda por aí sem mascara mania de dizer que a culpa é sempre dos politicos abram mas é o olhos e cumpram a vossa parte porque se toda a gente cumprisse estavamos nos melhores, cambada de crianças se o costa nao diz que não podem ir ao café é como se pudessem não têm inteligencia para mais

          • Há Cada Gajo says:

            Miguel, independentemente do que o governo dissesse, em que ponto é que estava a pandemia nesses dias em particular ? Estava diferente dos dias anteriores ? Nem vacinas tinhas. O virus circulava. E isto, só por si devia ser motivo para as pessoas continuarem a ser responsáveis e não foram. No tempo da outra senhora, é que o governo era o pai. E tu, achas que há cegueira ideológica quando tu é que queres ter um governo paternalista e protetor a quem todos devem obedecer. Não era preciso. MAs assim se viu o quão atrasados nós estamos. Achamos que o governo é o culpado de tudo. Não te esqueças das palavras da Kennedy (se é que sabes). No Natal eu fiquei em casa, tal como no Ano Novo. Aliás, não estou com a minha família desde outubro. E não foi preciso nenhum decreto-lei.

      • scp says:

        Os alemães em geral também são menos corruptos que os portugueses em geral. A diferença não está no governo mas está na cultura destes dois países e no modo de vida.
        Portugal é dos países que se abstém mais de votar nas eleições dos representantes. A culpa é do governo português ou do povo? O partido x e o presidente x vai ocupar o seu cargo mesmo que só 10% da população vote. Abstém-te mais! O trabalho do governo é o reflexo da cultura desse país, sem tirar nem por.

        • Miguel says:

          Ou seja, o governo tem direito a ser incompetente e corrupto porque é cultura do país? É exatamente por essa mentalidade que Portugal está onde está e cada vez está pior, sem ambição, completamente dependente do estado, e sem possibilidade de crescer. É dos piores da Europa e a tendência não é para melhorar. Não vivo em Portugal, felizmente, mas desde o dia que fiz 18 anos votei em todas as eleições portugueses e do país onde resido, por isso tenho o direito de criticar o governo.

          • Há cada gajo says:

            O governo tinha o direito de ter melhor cidadãos. Pelo menos, mais responsáveis. Ninguém compreendeu e todos assobiaram para o lado. Depois querer comparar Portugal com a Alemanha, seja em que matéria for, nem no melhor repositório de anedotas…

        • Miguel says:

          O governo tinha direito de ter melhores cidadãos? Isso e a frase mais ridícula que eu li nos últimos tempos. Os cidadãos e que deviam ter o direito de ter um melhor governo e são eles que escolhem o governo e nao vice-versa. Essa frase totalitarista campeão, estas bem, ou para o PCP ou para o Chega.

          • Há Cada Gajo says:

            O país faz-se de um povo, não de um governo. Sim, o governo merecia melhores cidadãos. Temos um povo mesquinho e maledicente. Somos uns fantásticos treinadores…de bancada. Todos sabemos o que não queremos. “Decisões ? Que as tomem os outros, assim não serei responsável”. É isto o teu povo.

      • Martins says:

        O PS tem esse valor nas sondagens porque… É um partido social democrata. É engraçado ver que os empresários viraram comunistas com a Pandemia. O mundo nunca será como antes.
        Gráficos… Até o meu miúdo de 10 anos faz gráficos como esses alemães.
        No natal todos choravam com o natal pelos abraços e vendas, pareciam pedintes.
        Em Janeiro… pareciam um comentador desportivo, a dizer no início do jogo que a equipa X vai ganhar e no fim a pedir responsabilidades e a comentar de ter perdido. No fim do jogo todos têm prognósticos e opiniões.

    • Miguel says:

      Btw uma boa parte do meu trabalho é interpretar gráficos. Mas daqueles bem feitos, não como os que alguns aqui devem estar habituados

    • ANDRÉ R. says:

      Segue o X e tira as tuas conclusões…

  3. Mike Hunt says:

    Querias que fosse como? Se as coisas são assim vão alterar porque se parece com o logo de uma empresa? Tambem aposto que es parecido com alguem, poqrque nao vais fazer uma cirugia plastica?

  4. Goncalo says:

    Estou na duvida se é ironia ou estupides mas vou-me ficar pela ironia

  5. ToFerreira says:

    Porque é que numeraram os quadrados de forma sequencial? O 2 e o 3 não correspondem ao mesmo nivel de risco (como a própria cor indica)?

  6. Wishmaster says:

    Anda tudo a falar mal da bússola, mas até está bem feita. Não sei se está bem feita na parte dos casos (devia ser 100 em vez de 120? Isso vai ver-se com a aplicação) e a passagem para o outro nível, mas o conceito está bem feito e não é assim tão difícil de entender……Bem fácil, por sinal.

  7. Luis Henrique Silva says:

    Alguém me podia dizer a que nivel de ensino se situa as formacões, do iefp e similares

  8. A. says:

    Isso, tem a ver na minha leitura com a precaução/ informação publica, relacionada com o risco e consequentemente as medidas punitivas / necessárias que serão implementadas na realidade e com as condicionantes que se sabe é fácil prever que vamos viver situação com o risco 2, e mesmo com o risco 3 em muitas situações, se é que não há de faltar muito, para a região de Lisboa evolua para o risco 4!, por exemplo
    logo faço uma pergunta e estão são os detalhes que faltam quando houver nível 3 de risco que medidas o governo tomará no algarve, alentejo, LVT, etc ??
    e se for nível 2 ou seja RT elevado, mas uma baixa incidência ?
    Basta olhar para 2020, foi raro os momentos em que estivemos a verde, geralmente corresponderam ao confinamento (1ª vaga) ou no Verão e fora de regiões de lisboa ou Porto…

  9. Vitor says:

    Penso que a ideia foi apresentar um gráfico que as pessoas “comuns” entendessem…e, na minha opinião, foi bem conseguido e de fácil compreensão. Mas como é habitual nos comentários existem as “sumidades” para quem o fácil é demasiado complicado de perceber…preferem viver no mundo das confusões para poderem comentar aquilo que não percebem e passarem despercebidos ou (muitas vezes) serem considerados inteligentes! O que normalmente não é o caso…

  10. Pedro C. says:

    Sim… sim… tudo muito lindo, no entanto, a verdade é que tal como no Natal, avizinha-e uma época festiva e é preciso abrir igrejas e comercio para o povo ficar feliz e contente e para a igreja manter as suas “comemorações intocáveis”…
    Já há noticias a informar que os bispos vão começar a dar missas presenciais já no próximo dia 15 e que na páscoa as cerimónias serão todas comemoradas presencialmente “com distanciamento obviamente”… no entanto, a meu ver, estamos a repetir o erro do Natal que é começar a desconfinar levianamente e em cima de uma época que, por tradição reune as pessoas e familias.

    E acho graça o primeiro ministro dizer que apesar do parecer contrário de peritos, ele decide correr o risco. Para ele é fácil correr o risco tal como foi no Natal. As suas decisões deram porcaria e o que é que aconteceu?! Para ele? Tudo igual… para os donos de restaurantes e outros estabelecimentos?! Alguns ficaram cheios de dividas por terem de fechar a porta, outros foram à falência e outros ainda andam a tentar aguentar o barco…

    Esperemos sinceramente que estas medidas tão em cima da Pascoa não sejam um reboçado envenenado e que daqui a 30 dias não esteja o Costa na TV a anunciar que os portugueses se portaram mal e que vamos todos confinar novamente.

    • Há cada gajo says:

      Não posso concordar contigo. A porcaria que aconteceu não foi culpa do governo. Ninguém disse que podias andar à vontade no Natal. A doença continuava na rua e sem tratamento adequado que não o que é conhecido. Os mortos continuavam a ser diários, como ainda são. Nuna a expressão “ouvidos de mercador” fez tanto sentido. Ninguém quis saber de nada. Toda a gente responsabilizou terceiros sem se retratar. E ainda hoje, aqueles que por sua culpa já viram entes queridos partir por culpa da sua incúria, insistem em culpar governos e governantes. O meu exemplo, que vale o que vale mas é o meu, é este: não estou junto da minha familia desde o passado 4 de outubro e foi em visita rápida. E já vou a caminho da 2ª Páscoa sem a familia…

      • Pedro C. says:

        Posso concordar que a culpa não é apenas do governo… no entanto… Façamos a seguinte analogia. Tens um filho, deixas-o sair à noite e ele acaba a noite na esquadra porque se envolveu em confusão. Se calhar no fim de semana a seguir já não o vais deixar sair à noite, correto?!

        Ora aqui, apesar de ser uma analogia simplista, o fundo é o mesmo. Estás a governar um país, tens a experiência de que as pessoas não cumprem todas o seu dever e que com isso prejudicam um pais inteiro. Ora então se calhar, tendo em conta o cargo que ocupas, deverias pensar que não é boa ideia voltar a dar liberdade numa epoca festiva que é propicia a encontros e a nova propagação do virus.

        Certo ou errado?!

        Eu não digo que não se desconfine… e muito menos afirmo que não haja quem cumpre as regras, simplesmente acho errado faze-lo junto a uma epoca festiva que, por lógica será quase que um convite a “vá, vamos lá todos sair e estar juntos na pascoa, daqui a um mês voltaremos a confinar porque os casos vão disparar…”

        E só para terminar, acho ainda mais engraçado se, tal como aparece hoje noticiado em praticamente todos os jornais, o costa tenha tomado esta decisão de desconfinar desta forma e nesta altura contra a opinião de especialistas contratados pelo estado para estudarem as melhores opções de medidas e acções de combate à pandemia. Aí então é que não faz sentido absolutamente nenhum ter um grupo de especialistas a defender uma coisa e ir fazer o oposto dizendo que assume os riscos, claro que assume, se der porcaria não é ele que fica sem sustento.

        • Há cada gajo says:

          Perante esta situação de pandemia só tens dois cenários possiveis: ou fechas totalmente ou deixas estar tudo aberto. Mas tu sabes que nem um nem outro são possíveis. Por isso vamos andando dentro do intervalo destes dois cenários extremos, ora mais perto do fecho total ora mais perto da abertura total. É aí que entra o comportamento da população. E tenho pena que ao fim de um ano ainda haja quem não entenda isto.

  11. xico says:

    Isto foi prós apanhados?! Então uma conferência de imprensa sobre um assunto tão sério, que diz tanto à vida dos portugueses é apresentada assim? A quem é que o primeiro ministro se dirigiu? Aos 9 em cada 10 portugueses que não perceberam patavina do que ele disse? Isto é incompetência? É falta de vergonha, é falta de noção do primeiro ministro e de quem o rodeia? É o quê? Imaginam o Churchill ou o Roosevelt a comunicar aos seus cidadãos a entrada na guerra, ou o plano de reconstrução da Europa com gráficos destes?! Somos um país miserável, liderado por governantes miseráveis.

  12. jesus says:

    Bússola… Cruz…
    Que tal matriz de desconfinamento?
    se andarmos no aumento dos n.ºs de casos internados uma casa para cima vamos parar ao 3 (que correponde a… não me apercebi)
    se andarmos no aumento do R de transmissibilidade uma casa para a direita vamos parar ao 2 (que correponde a… não me apercebi)
    se andarmos no aumento dos n.ºs de casos internados uma casa para cima E se andarmos no aumento do R de transmissibilidade uma casa para a direita vamos parar ao 4 (deu para perceber que não é bom, mas…)

    • PI says:

      Enquanto se andar no caso 1, podemos dizer que a coisa vai estando “confortável”, pode-se ir desconfinando o país. O país caíndo no caso 2 (pelo aumento do indice de transmissibilidade) ou 3 (pelo aumento do numero de casos por 100 mil habitantes), quer dizer que é preciso olhar para as medidas em vigor, afinar o que se puder, sem que se possa progredir o desconfinamento. Caso o país caia no caso 4, terá de se andar para trás no desconfinamento.

  13. offshore, offshore! says:

    O Estado , segundo o que sempre ouvi, somos todos nós. Nesta amálgama existe todo tipo de cidadão, profissional, sensato, etc,etc, e dentro de cada uma dessas ” categorias ” existem ainda outras categorias (os sem escrúpulos, chico-esperto, facilitador, currupto, cumpridor, respeitador, sério, honesto, ladrão, curronpido, roubado, dificultador, incompetente, negligente etc, etc doente por ( fanático ) doente de ( patológico ) etc, etc, olhando para o que se tem passado e “aprendido” com esta pandemia por exemplo não compreendo como tem a coragem e aprovarem por exemplo o tal “passe livre de Covide internacional “. Seja o governo que for e em que País for, bem pode elaborar 1000 leis e regras por dia, sejam elas acertadas ou erradas, será sempre o Estado,ou seja de todos nós a responsabilidade de as cumprir ou de nem as aceitar… A cidadania e a participação activa é não só um direito como também uma obrigação, mas nesta terrinha perguntam logo ” quê és polícia ? ” quando alguém a exercer. O que mais vejo é gentinha dessa. Novos e velhos do Restelo sem respeito nem por eles mesmos ,fará pelos outros e depois a culpa é ou do governo ou de A ou B … Ou daquela pessoa que dizem ter mau feitio … Vergonha e consciência nunca têm e assim continuam os seus caminhos felizes e contentes ( eu é que sou ), até que a realidade os toca. Venham as próximas vagas ! Esqueci os dos lobis dos cartéis que todos andamos a sustentar sem pio dar mas fica para um offshore qualquer dos que por aí abundam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.