Quantcast
PplWare Mobile

Vacina contra a VIH cancelada na última fase de testes

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Helder Pinto says:

    O problema é o virus da Sida é um negócio muito lucrativo para as farmaceuticas…

  2. Pilates says:

    Queriam uma vacina assim ? So ingenuos. O tratamento da mais lucro que a cura

  3. Gonçalo says:

    É para isto que se fazem testes daqui a uns anos teremos uma funcional mas mesmo assim não terá sucesso porque hoje em dia a humanidade ficou mais burra e já ninguém gosta de vacinas

    • Joaquim Sobreiro says:

      A humanidade só ganhou juízo quando em 1910, John D. Rockefeller, subsidiou o relatorio Flexner para o novo ensino médico, baseado na medicina industrial. Nem se sabe ainda como os humanos foram sobrevivendo sem estas avanços que levaram á descoberta das vacinas.

  4. Que cena says:

    Conveninentemente cancelam….

    Deve ser para produzir mais tretas do covid-19, as fabulásticas vacinas que a uma dose curavam tudo e afinal já vão para a versão 5.0

    Onde deviam realmente apostar cancelam em prol do lucro!!!!!

    • aaa says:

      as vacinas para a covid 19 não curam tudo. simplesmente diminuem a probabilidade de sintomas graves.. custa assim tanto a perceber?

    • fpfcarvalho says:

      Realmente a desinformação é muita por esses lados. Tal como o “aaa” disse, a vacina não cura mas diminuem a probabilidade de sintomas graves. Se tiveres COVID e levares a vacina, não te vai tirar o COVID LOLOL é pena não haver uma vacina contra a estupidez, curava-se muita coisa por este mundo fora 😀

      • Vítor M. says:

        Ter covid e ir tomar a vacina… mas vacina contra COVID não é um medicamento para curar as pessoas quando estas já estão doentes. Em grosso modo (numa explicação simples para que se perceba), podemos dizer que as vacinas podem ser profiláticas (exemplo: para prevenir ou melhorar os efeitos de uma futura infeção por qualquer patogénico natural, ou “selvagem”), ou terapêuticas (por exemplo, vacinas contra o cancro que estão a ser investigadas).

        Portanto, a vacina não vai curar a pessoas se esta já estiver com a COVID. O fornecer imunidade é que parece ser um conceito para muitos abstrato.

        Fornecer imunidade permite que o nosso sistema imunitário seja equipado com informação para poder identificar um elemento patogénico e o possa combater. Esta imunidade, no caso das vacinas COVID-19 não têm uma validade para lá dos 6 meses. Quer isto dizer que depois da primeira dose, as pessoas necessitaram dos reforços até a carga viral na sociedade entrar nos “parâmetros normais”. Com isso, o que ficará no nosso organismos e o que será naturalmente criado pelo sistema imunitário, será suficiente com o passar do tempo. Um pouco à imagem de outras doenças. Apesar disso, a COVID-19 ainda não deixou de ser uma pandemia e ainda há uma crise de saúde pública em muitos países. Por isso é que existe ainda uma estratégia de vacinação para ajudar as pessoas a ter menos reações graves se forem infetadas pela COVID-19.

        As vacinas, como todos já fomos vacinados contra N de doenças, têm um período de ação, como se tivesse uma validade dentro do nosso sistema imunitário. Algumas, tendo em conta que a doença foi erradicada, deixou de estar no plano nacional de vacinação. Outras, apesar da doença ser de baixíssima incidência, continuam, como é o caso da vacina contra o tétano ou a difteria.

        A vacina contra a COVID-19, pela especificidade da doença, sendo uma doença que ataca o sistema respiratório e a sua propagação é muito rápida, poderá ser uma vacina como a da gripe, de toma sazonal.

        Pontos a reter:

        – > A vacina contra a COVID-19 não é para curar a COVID a quem está já doente
        – > A vacina não é (pelo menos para já) com imunidade para toda a vida
        – > A vacina não evita que as pessoas que têm a doença possam propagar a mesma a terceiros

    • deepturtle says:

      as proteínas spike, a rodos no novo hospedeiro, agradecem!

  5. Altertu says:

    Eles tem as vacinas para muitas doenças que eles criaram, claro se eu fosse dono de uma farmacêutica iria pensar no lucro pois isso é que dá vida de Rei

  6. Awake says:

    Cancelaram por não proteger de infeçoes? Para isso já existem vários metodos com alta eficacia durante as relaçoes…

    Depois admiram-se que as pessoas se questionem o facto de aprovarem uma com nova tecnologia “mrna” (mesmo que tenha sido a titulo de emergencia) e uma desta importancia é cancelada..

    Que mundo de ganancia…

  7. Fusion says:

    Eu não sou das teorias da conspiração, mas tendo a concordar com os companheiros aqui no chat. A medicação para tratar o HIV /Sida é bastante cara, logo e como vivemos num mundo capitalista, essa medicação garante bastante lucro a uma farmacêutica certo?
    Então porque gastar recursos numa investigação que em caso de sucesso vai cortar esses lucros que têm na venda dos fármacos? Por lei julgo não ser obrigatório inventar a cura para uma doença certo?

    No fim do dia as farmacêuticas são uma empresa e o objetivo geral é o lucro.

    Aqui a solução passa por ser um laboratório independente encontrar uma cura e com isso ganhar reconhecimento ou então uma grande farmacêutica chegar a cura mas depois vender as patentes por milhões.

    Opa não sei, mas volto a dizer, não sou das teorias mas isto já se anda arrastar desde os anos 80, como é possível ainda não se ter encontrado ma solução? Quer dizer com o COVID foi em meses, e para o HIV andamos nisto faz anos

    • Luis Rosalino says:

      ó Fusion tmb estas a ser preguiçoso. Isto não é só “inventar” uma vacina e já esta! Caramba, com tanta informação disponível já se percebeu que a ciência por detrás dos vírus e outros patógenos não é linear, exige muita vontade, trabalho, dedicação, investimento, sabedoria, erro, tentativa, altos, baixos, tecnologia, etc. etc. E ainda por cima terminas o comentário de uma forma sem sentido ao comparares um virus respiratorio a um virus do sistema imunitário, enfim. Ha um conjunto de materias, variaveis, contexto que nós, não cientistas, não dominamos mas ainda assim achamos que temos o dom da sabedoria!

    • Pedro Faria says:

      As farmacêuticas podem ter práticas questionáveis (como qualquer indústria) mas ninguém mais do que elas próprias querem dinheiro. Tens noção dos milhões que poderiam faturar ao vacinar toda a população mundial se efetivamente conseguissem descobrir uma vacina para o VIH? Ao invés de venderem medicamentos a “meia dúzia” de pessoas?

      Não podes comparar o Covid ao VIH. O Covid é um vírus enquanto o do VIH é um retrovírus. O mecanismo de acção é totalmente diferente e o problema está precisamente aí. Aliás, basta ver os desenvolvimentos que foram feitos nos últimos anos. Antigamente VIH significava “morte” enquanto atualmente consegue viver-se muito tempo e sem grandes perdas na qualidade de vida.

      • Joaquim Sobreiro says:

        A possibilidade que apresentas de “vacinar toda a população mundial”, creio já a ter lido, para outras situações, independentemente da diferença entre vírus e retrovírus. Tanto para Covid como para VIH não existem sintomas específicos apontados, por testes também tão pouco exatos. Por sinal também o termo assintomático é utilizado em ambas ditas doenças. A exclusão social é comum nos declarados afetados. Há muitas mais semelhanças.

  8. Mr. Y says:

    Já estava à espera desta vaga de negacionistas…

    Agora os estudos já interessam e não sei porque continuam com o argumento do lucro. Para isso nem sequer financiavam as investigações. Ou acham mesmo que investigar e testar é tudo de graça?

  9. Luis Borges says:

    Estou com uma duvida:
    – o tratamento de doentes com HIV é caro, não ‘e? Portanto é bom para as farmaceuticas. Mas não está limitado apenas ao doentes? É que uma vacina tem um mercado muito maior, portanto, como é que uma vacina é um negócio menos lucrativo que o tratamento com tantos potenciais clientes? E os que já estão infetados vão continuar a ser clientes, não é? Acho bom negócio comprar acções da farmaceutica que criar a primeira vacina e patente, digo eu…. mas se calhar estou errado e isto é tudo um esquema maquiavelico para nos controlarem a todos. E aposto que o Bill Gates está envolvido 😀

    • Carlos Almeida says:

      Nem mais
      Um laboratório que conseguisse uma vacina eficaz teria a conta bancária bem recheada durante muitos e longos anos, mas a SIDA é das doenças mais complexas que existem e será muito mais fácil curar do que prevenir.
      P.S. A SIDA apareceu no tempo em que ainda não havia internet e o Bill Gates ainda trabalhava com disquetes de 5 e 1/4…

      • Gonçalo says:

        Vocês falam como se fosse mau o que els fazem ahahah eles estao a tentar descobrir uma vacina para uma doença e com isso podem lucrar qual é a parte ma dist mesmo ? se perdessem dinheiro quando descobrissem é que era mau se fosse assim ninguem investigava nada

  10. João says:

    Ao menos era segura. Já a vacina do Covid nem isso.

  11. Oh says:

    só vim para ler as teorias de cientistas de teclado
    Se esta gente tivesse noção da dificuldade que é arranjar uma vacina, e tudo o que envolve..

  12. Joaquim Sobreiro says:

    Tivessem mais mães, como Carmen Soriano, a coragem de publicar um livro com a descrição documentada como o teste Elisa, utilizado para detectar o vírus, levou á morte de sua filha, Ruth. Depois de seguir os protocolos médicos preconizados para estes doentes. O livro está em Castelhano Existem videos de entrevistas referentes a publicação do livro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.