PplWare Mobile

Planetas mortos enviam sinais moribundos que podem ser ouvidos na Terra


Imagem: NASA

Fonte: Monthly Notices da Royal Astronomical Society

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Alfie says:

    “No entanto, esperemos que até lá possamos estar espalhados pelo cosmos, habitando vários outros planeta de diferentes sistemas estelares”
    Isto é que é uma enorme vontade de poluir. Já não basta a pobre Terra!

  2. Luis Silva says:

    Nada se perde nada morre tudo se recria.

  3. AlexX says:

    O sol até podia explodir caso tivesse semelhanças com um barril de plástico cheio de combustível que se põe sobre uma fogueira. Caso fosse um corpo, tivesse massa. Faziam melhor sintonizando a rádio renascença…

    • Rolha says:

      O nosso Sol vai expandir-se destruindo a maioria dos seus planetas durante o processo até encolher novamente, mas é um corpo e tem massa, pode não tratar-se de uma verdadeira explosão no sentido prático mas já agora, nunca ouviu falar em super novas? São estrelas que colapsam sobre o seu próprio núcleo até explodirem, e curiosamente têm mais parecenças com o nosso sol do que com um barril de plástico cheio de combustível.

      • AlexX says:

        Já ouvi falar de super novas e anãs brancas, acho interessante. O sol não é um corpo físico, brilha para cada um de nós à sua maneira mas não tem uma localização no espaço.
        Tranquilo que a ciência está fazendo o possível para que a transição entre eras seja suave. Quando e se a vida se tornar impossível à superfície, resta às pessoas tal como no passado refugiarem-se. E quem sabe, quando tudo passar e daqui por 100 anos, possamos ter novas espécies animais e vegetais, uma geografia diferente, de novo mais que um sol…ou ainda nenhum e estarmos numa era negra. Mas sempre haverá vida na Terra.

        • Rolha says:

          Realmente contra esses factos não tenho argumentos nenhuns…

          • AlexX says:

            São factos para mim, podiam ser para ti também caso fizesses observações do sol em simultâneo com alguém a 100 metros de ti.
            E esta notícia bem real? Onde pensas que possam estar estes planetas moribundos que passaram à pouco pelo seu momento apocalíptico?

  4. Ant.Julio says:

    O nosso Sol não vai explodir, pois não tem massa suficiente para isso. Não se vai tornar uma supernova. Vai expandir até perto da órbita da Terra, e depois encolher numa ana branca.

  5. PT-PT says:

    @ AlexX – “o sol não é um corpo físico.”
    —-> É uma linda aura de bem estar (põe menos lsd ou põe mais tabaco sff)

    “mas não tem uma localização no espaço”
    —-> então o sol não tem morada, vagueia na mayonese como tu.

    • AlexX says:

      É um brilho 😀
      As drogas químicas foram mais uma genial invenção entre muitos milhares de tantas outras criações para vos alienar da realidade. É inconveniente dizer porquê tinha que ser assim.
      Vagueia é um termo certo mas não pela mayonese, pelo aether. Tal como eu. Por vezes também divago, normal entre os criativos loucos 😛

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.