PplWare Mobile

Cientistas já sabem como o nosso Sol vai explodir… e dizem que será épico


Vítor M.

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

68 Respostas

  1. João Serra says:

    esta noticia é deprimente

  2. cra2sh says:

    “Sol aumenta a libertação de calor em 10% a cada mil milhões de anos.” gostava de ver esses estudos de À mil milhões de anos atrás e os anteriores.

    • Acc1dent says:

      Não é preciso haver esses estudos de “há” mil milhões de anos, essa libertação de calor pode ser calculada, como é óbvio.

    • mlopes says:

      o tempo que demoraste a escrever esse comentário, tinha à “net ali do lado” e visto duas coisas básicas:
      https://en.wikipedia.org/wiki/Sun#Long-term_change
      https://en.wikipedia.org/wiki/Geologic_temperature_record
      se te safaste com o inglês e com a matemática dos artigos, podes seguir as referências bibliográficas e estudar melhor o assunto por ti mesmo.
      quem sabe, até poderias dedicar-te ao assunto e tentar provar que o conhecimento atual está errado o que seria ótimo. a isso chama-se ciência 🙂 força!

    • Hugo says:

      Isto não é uma estatística. Certamente existirá uma base de cálculo para tal afirmação, seja ela válida ou não.

    • Arlindo says:

      Provavelmente baseia-se no estudo de outras estrelas semelhantes ao Sol

    • Belmiro says:

      HÁ algum tempo que temos alguma tecnologia e (algumas pessoas) massa cinzenta, daí podermos predizer um pouco melhor.

      Infelizmente a vida mas terra depende também muito do ser humano. Cada vez mais temos tecnologia para destruir tudo, se as pessoas que controlam as superpotências não tem bom senso, isso pude acabar de um dia para o outro

    • cra2sh says:

      Para todos os que responderam, tudo o que está escrito é tudo teorias, mesmo os links da wikipedia são teorias, se o que conseguimos ver também esta relacionado com a distancia em anos de luz etc (teoria também)…. concorde ou não, nao gosto de ler artigos com afirmações quando realmente ninguém sabe nada, hoje é assim mas afinal é amanha já nao é. Pesquisem voçês para verem quantas vezes certas teorias foram alteradas ao longo dos anos (não preciso de ir à net ali do lado). Quando ha massa cinzenta nem vou comentar.

      • Nuno says:

        Sabes que uma palavra pode ter mais que um significado. A palavra teoria, quando se refere a uma teoria científica, não tem o mesmo significado que no coloquial.

        E claro que o nosso conhecimento vai-se alterando ao longo do tempo. Nunca alguém saberá a verdade absoluta, homens honestos aceitam isso.

  3. JJ_ says:

    Já estou a imaginar as pessoas que viver na Terra daqui a uns 5 mil milhões de anos, a dizerem sobre estes cientistas:
    “Coitados… eram tão ingénuos… Acreditavam em cada coisa.”

    Resumindo, os cientistas não sabem o que vai acontecer. Esta é apenas mais uma explicação/estudo, sobre uma hipótese entre centenas ou milhares…

    • mlopes says:

      ciência é isso mesmo e ainda bem que assim é. detesto dogmas e certezas.

      • JJ_ says:

        Detestas certezas? Eu cá gosto muito da certeza, por exemplo, que o sol se “põem” e “nasce” todos os dias, ou que a lua esta no sitio certo todas as noites…
        Dogmas é o que muitos cientistas tem, ao fazer afirmações destas….

        • Nuno says:

          É dogma quando nós acreditamos em alguma ideia, e quando é demonstrado que essa ideia é errada corrigimos as falhas nos nossos raciocínios?

          Tu é que possuis dogmas, pois assumes que o sol irá sempre se “por” e “nascer” até ao fim dos tempos. Tens algum facto que suporte esta afirmação? Claro que não! No entanto nós temos factos, observações das várias fases do processo de evolução das estrelas em milhares atrás de milhares de estrelas. Mas claro, a nossa estrela é mágica e evitará o destino das restantes estrelas como o nosso sol.

          • JJ_ says:

            Depende do fim dos tempos que te referes…

          • Nuno says:

            Então dá-me lá o teu facto que indica que a nossa estrela terá uma evolução diferente das restantes incontáveis estrelas?

            Com fim dos tempos queria dizer para todo o sempre.

            Mas o Sol vai estar cá até algum fim dos tempos específico?

          • JJ_ says:

            Apenas dou o facto, que toda a suposta evolução das estrelas, é com base no estudo de diversas estrelas que “supostamente” estão em fases diferentes.
            A questão será saber se esse estados da estrelas, que são estudadas, são fruto de alguma tipo de característica da estrela ou do meio envolvente, ou será realmente um estado evolutivo.

            Para alem disso, ainda não se conseguiu reunir factos suficientes para comprovar que uma estrela muda de um estado para o outro. Esse suposto processo é tão lento, que ainda não se conseguiu reunir informação suficiente clara nesse sentido.

          • JJ_ says:

            O que eu no fundo quero destacar, é que estas informações são passadas como certas, quando na realidade não se tem realmente certeza.

            A humanidade aumenta o seu conhecimento, mas continua a cometer os mesmos erros do passado… Apresentar a sua percepção das coisas como a correcta, e depois passam-se os anos e aumenta-se o conhecimento, e o resulto é outro.

            Acho que já era tempo, de não apresentar este tipo de informação como certas, quando ainda não passam de estudos que são feitos, que podem ser alterados com novas informações que surjam…

          • Nuno says:

            Santa ignorância, eu não pedi a razão porque tu pensas que as estrelas não evoluem. Pedi um facto que suportasse a ideia que elas não evoluem. Se nem consegues distinguir isto nem sequer percebo porque estás a comentar. A tua incredulidade é uma falácia lógica e apenas é um facto que demonstra uma coisa apenas, a tua ignorância.

            Existem vários factos que suportam o estado de evolução estelar, como por exemplo, espectroscopia astronómica. Também construímos modelos matemáticos da evolução estelar que é confirmado com o que observamos em todas as estrelas. Mas pronto, tu acreditas que magia vai impedir que o hidrogénio existente no sol se esgote e que milagrosamente à mesma medida que se vai adicionando hidrogénio novo também vai-se retirando o hélio acumulado no núcleo.

            Mas segundo o teu argumento impecável, também podemos concluir que, como por exemplo as árvores da espécie Pinus Longaeva (entre toneladas de outras espécies de arvores com longevidade superior a vários milénios) também não envelhecem. Isto porque nenhum ser humano conseguiu ver qualquer uma destas nascer e depois viveu tempo suficiente para observar esta morrer naturalmente.

            E a informação na ciência não é dada como certas, mas sim com uma probabilidade de estarem corretas. Por isso o processo de revisão dos pares é importante. Porque outros cientistas vão verificar as tuas ideias, observações e experiências e tentar refuta-las. Este processo é extremamente “violento”, por alguma razão a esperança de “vida” de charlatões na ciência é extremamente curta. E, na ciência não existem certezas. Se houvesse certezas, esta não estava em constante mutação.

          • JJ_ says:

            Jovem… tu criticas-me, mas depois dizes que na ciência os processos e ideias estão em constante mutação e revisão. Eu apenas estou a olhar para a situação, não para o funcionamento das coisas, mas para a situação, de uma forma diferente.

            Eu apenas lancei um ideia, de questionar do porque que achar-se que essa formula/calculo tem de ser assim. Pergunto se não haverá outras formulas para a mesma situação.

            Eu não disse que vai haver magia (alias nem nunca falei em tal… tu é que em vários comentários usas-te esse termo de magia, deve ser por acreditares que ela possa existir… não sei), em adicionar hidrogénio e retirar hélio. Mas, pergunto se não poderá ocorrer algum tipo de fenómeno, ainda desconhecido, que poderá causar uma alteração dos acontecimentos.

            Por fim, se admites que na ciência não existem certezas… Porque é que insistem em apresentar as informações que vão tendo como certas?

            Charlatões na ciência existem muitos…
            Mas, também existem a alguns que foram chamados charlatões e conseguiram provar que não o eram. Isso vez com que os outros centenas de cientistas que lhes chamaram charlatões, passarem a ser eles os “charlatões” (naquelas situações, logicamente)…

          • Nuno says:

            Não, tu estás a tentar desacreditar a ciência porque esta refuta muita das tuas crenças.

            Tu atiraste a ideia de questionar, mas tu nem sequer possuis o mínimo de conhecimento para questionar o tema que criticas. E em momento algum as formulas usadas na ciência são imutáveis. Olha para o caso da teoria da gravidade que foi suplantada pelas teorias da relatividade. É não há dúvida nenhuma na minha mente que mais tarde estas teorias vão ser suplantadas por outras que serão ainda mais exactas, unificando a teoria da relatividade com a mecânica quântica. Portanto o teu comentário não tem nexo.

            E que fenómeno será esse que não aconteceu nas restantes estrelas mais velhas? É o fim de uma estrela é inevitável. O sol funciona a fusão nuclear, transformando, neste momento, o hidrogénio em hélio, qual é a tua solução para o eventual esgotamento de hidrogénio? É eu menciono magia, porque tu dizes vais acontecer um fenómeno que vai impedir que esse fim aconteça, fenómeno esse que tem que quebrar todas a leis da natureza, no entanto nem sequer tentas fundamentar a tua afirmação. Portanto se a tua solução não é natural, só existe uma alternativa que é supernatural, ou seja, magia.

            Mais uma vez afirmas algo que não é verdade, na ciência nada é afirmado com certeza absoluta. Lê apenas um único estudo científico, como o que eu coloquei e vê lá se algo é afirmado como sendo certa. A literatura cientifica não equivale ao que lês nos média.

            Diz-me lá então esse grande número de charlatães que existem na ciência, principalmente aqueles que não foram desmascarados por outros cientistas, que é também para isso que serve o processo da revisão de pares. É quais foram esses cientistas que foram chamados charlatães e na realidade não o eram? Quero que fundamentes o tua calúnia à ciência com dados. Se não tiveres dados, GTFO.

            Charlatões na ciência existem muitos…
            Mas, também existem a alguns que foram chamados charlatões e conseguiram provar que não o eram. Isso vez com que os outros centenas de cientistas que lhes chamaram charlatões, passarem a ser eles os “charlatões” (naquelas situações, logicamente)…

          • JJ_ says:

            Sr. Dr. Nuno…

            1º – “Tu atiraste a ideia de questionar, mas tu nem sequer possuis o mínimo de conhecimento para questionar o tema que criticas.”

            Sr. Dr. Nuno, eu nunca questionei o conhecimento que você tem ou deixará de ter. O senhor vez as suas analise e chegou as suas conclusões. Até mesmo chegou a conclusão, que eu não “possuis o mínimo de conhecimento para questionar”. Visto que o Sr. Dr. Nuno, não me conhece, esse tipo de afirmação poderá ser arriscada. Por sua vez, eu não tenho de provar ou tentar provar o nível de conhecimento que tenho, como o Sr. Dr. Nuno, por diversas vezes afirma ter. Onde com base no conhecimento que eu possa ter, poderei por em causa tais afirmações, algo que não o fiz, nem o farei.
            Alem disso, qualquer individuo tem o direito de questionar, independentemente do nível de conhecimento que tem. Esse é um erro que a comunidade cientifica no geral, continua a repetir.

            2º – “quais foram esses cientistas que foram chamados charlatães e na realidade não o eram? Quero que fundamentes o tua calúnia à ciência com dados.”

            Primeiro, Sr. Dr. Nuno, eu não tenho de fundamentar aqui nada. Esse tipo de exercícios já os fiz muitos, nos locais e nos momentos apropriados.
            Qualquer das formas, poderia falar do Eistein, que quando começou a elaborar a Teoria da Relatividade, foi praticamente posto de lado pela comunidade cientifica, por ir contra muita coisa que na altura era afirmado.
            Mas acredito, que o Sr. Dr. Nuno, conheça a historia deste cientista, por fazer tantas referencias a ele.

            Nota Final:
            Teoria da Gravidade, ao fim de uns 300 anos, foi suplantada pela Teoria da Relatividade. Que garantia existe que daqui a uns 300 anos, a Teoria da Relatividade, não venha a ser suplantada?
            (Peço desculpa Sr. Dr…. não posso questionar, não tenho conhecimento para tal… Peço desculpa…)

          • Nuno says:

            1º – Diz-me então qual é a tua formação para eu analisar se esta é relevante à discussão em causa. Eu concluo que não porque tudo o que dizes referente a esta está redondamente errada. Mas eu nunca disse que não tens o direito de questionar, embora no teu caso eu diria que é mais criticar e afirmar. Mas tal como tu tens o direito de questionar, eu tenho o direito de responder. E quando afirmas algo quando não tens bases para sequer entender a área que criticas, não estejas à espera que as pessoas que percebem e adoram essa área te respondam com respeito.
            “Onde com base no conhecimento que eu possa ter, poderei por em causa tais afirmações, algo que não o fiz, nem o farei.”
            Por favor faz, a sério, estou a pedir-te.

            2º – Ou sejas, lanças um ataque, mas não precisas de fundamentar este. Espero que não trabalhes como um juiz ou advogado.
            Não, Einstein não foi posto de lado pela comunidade científica. Tal como disse, o processo de revisão por pares é “violento”. E quando Einstein propôs os seus papeis, estes eram de natureza extraordinária, logo não iriam ser aceites de um momento para o outro antes de terem sido vingadas através de várias observações independentes. Eventualmente, depois de várias observações confirmada, os cientistas não tiveram outra hipótese se não aceitar os seus papeis. O mesmo se diz de Einstein. Este nunca aceitou a mecânica quântica, sendo um duro critico desta.
            Mas já agora aqui está a definição de charlatão:
            “Que ou quem explora a boa-fé do público, inculcando os próprios méritos e erudição para enganar.”
            Agora diz-me isto tem alguma coisa a ver com o que descreveste? Não.

            Nota Final:
            Nem sequer leste o meu comentário anterior, ou possuis uma falta de compreensão surpreendente. Coloco aqui uma citação desse mesmo comentário, que torna a tua nota final sem sentido, a não ser que seja uma tentativa de deturpar o que disse:
            “É não há dúvida nenhuma na minha mente que mais tarde estas teorias vão ser suplantadas por outras que serão ainda mais exactas, unificando a teoria da relatividade com a mecânica quântica.”

          • JJ_ says:

            Lamento Sr. Dr. Nuno, eu não lhe vou alongar nos estudos, conhecimentos e áreas em que trabalho. Não sinto a necessidade de fazer tais observações.

            Por outro lado, este debate na realidade não nos irá levar a nenhuma conclusão, que a partida já analisamos e acreditamos. Pelo o rumo que o mesmo tomou.

            Julgo que poderemos continuar a focar o nosso tempo, nos estudos e projectos, em que cada um estará envolvido agora ou no futuro, que nos levaram a outras conclusões, que poderá enriquecer a todos.

            Que outros artigos deste género surjam, e talvez possamos trocar novamente algumas ideias. Talvez com uma abordagem diferente, por ambas as partes, que nos facilitará chegar a conclusões ou entendimentos de raciocínios, concordando ou não, expostos por ambas as partes.

            Bem haja, Sr. Dr. Nuno.

          • Nuno says:

            Ou seja, no teu comentário anterior fizeste mais afirmações sem qualquer tipo de fundamento, nomeadamente acusaste-me de não possuir os conhecimentos que possuo. Agora a tua resposta é um pretexto esfarrapado para fugires à discussão.

            Muito bem! Eu aceito a tua derrota.

        • Mário Santos says:

          Nunca digas que os cientistas têm dogmas. Apesar de ser verdade, eles ficam logo com uma urticária dos diabos. E são mais difíceis de aturar que um enxame de abelhas.

    • Nuno says:

      Só existe apenas uma, e uma apenas uma, hipótese aceite pela comunidade cientifica quanto ao futuro do nosso sol. Nem muito menos este estudo veio contradizer o que já sabíamos quanto a esta hipótese, veio sim trazer mais informação para esta. Lê se faz o favor o estudo em questão.

      https://arxiv.org/pdf/1805.02643.pdf

      “Coitados… eram tão ingénuos… Acreditavam em cada coisa.”
      Não tenho dúvidas alguma que se o ser humano, se ainda existir nessa altura, pensarão isso de nós. Agora imagina o que dirão de pessoas como tu.

    • Toni da Adega says:

      Religião é a resposta para todos os males. Estão sempre certos e a “verdade” é imutável. Mesmo passado milhares de anos as certezas sao as mesmas

      • JJ_ says:

        O que é realmente verdade é sempre imutável…
        Podemos é não ter informações suficientes para dizer que algo é realmente verdade.

      • Mário Santos says:

        Olhe que existem religiões com um conhecimento ancestral muito vasto e profundo do que parece à primeira vista. Junte numa sala pessoas sérias de vários sectores (teólogos, físicos, matemáticos, antropólogos, etc, etc), e garanto-lhe vai ficar surpreendido. O defeito das religiões sempre foram apenas 2 coisas: doutrina assente em parábolas (o que se compreende se enquadrarmos o seu discurso no tempo), e ter servido de arma política de impérios e monarquias que deturparam (e destruíram) muito do conhecimento que as religiões de outrora possuíam. Investigue e pense pela sua cabeça, e esqueça lá as frases feitas de putos universitários que se julgam cientistas e nem o curso ainda acabaram.

  4. André Freitas says:

    Este é o tempo que teremos para nos melhoramos e evoluirmos.

  5. amn says:

    EM vez de dizer a verdades ele prefere dizer mentiras

  6. Nuno says:

    O nosso Sol não vai explodir, pois não tem massa suficiente para tal, portanto não percebo o título. Se o nosso Sol fizesse parte de um sistema, no mínimo, binário ainda existiria a hipótese deste explodir como uma supernova tipo Ia, mas não é o caso.

    A razão pela qual o nosso sol está cada vez mais luminoso, emitindo mais energia, é porque à medida que o sol vai fundindo hidrogénio em hélio, a densidade do núcleo diminui. Quando um gás é comprimido a temperatura deste aumenta. Com o aumento da temperatura e a densidade o ritmo de fusão de hidrogénio é acelerado um bocado.

    A nossa estrela também não vai ter apenas duas fases, a atual como uma estrela de sequencia principal para uma vermelha gigante, é um bocado mais complexo. Quando a fusão de hidrogénio parar no núcleo, este vai comprimir, porque deixa de emitir energia que lhe permitia aguentar a pressão das camadas superiores, bem como a sua própria gravidade. Ao comprimir este vai aquecer, isto faz com que as camadas exteriores também aqueçam e nestas, próximo do núcleo, começa a existir fusão de hidrogénio em hélio. Isto gera calor que é transferido para as camadas exteriores que expandem e o nosso sol eventualmente será uma sub-gigante. Enquanto isso o núcleo continua a contrair e a aquecer, que eventualmente transformará o nosso sol numa gigante-vermelha. Devido ao seu enorme tamanho, como a gravidade na sua superfície é extremamente mais fraca, esta não terá força suficiente para “combater” o fluxo de energia gerado por esta, e nesta fase estima-se que o nosso sol perderá certa de 1/3 da sua massa. Eventualmente o núcleo contraí de tal forma que a sua temperatura permite a fusão de hélio em carbono. Quando tal acontecer o núcleo expande e as camadas exteriores contraem, a temperatura na sua superfície aumenta novamente fazendo com que o sol seja laranja novamente, embora seja umas 10x maior que o tamanho atual. Eventualmente, tal como antes, com a fusão de hélio e a acumulação de carbono, o núcleo começa a contrair e a aquecer, de tal forma que o sol passará a ser, novamente, uma gigante vermelha, mas ainda maior que antes. Devido a isto o sol nesta fase perde massa a rácio ainda mais rápido que antes. Quando o hélio acabar no núcleo o sol terá perdido todas as suas camadas exteriores deixando apenas o núcleo (anã branca) e uma nebulosa planetária.

    • Vítor M. says:

      Não é o que a NASA diz… mas…

      • Nuno says:

        Lamento, mas é o que a NASA e os cientistas dizem. Em artigos para leigos diz-se que o Sol expandirá da sua atual forma para uma gigante vermelha e eventualmente formar uma nebulosa planetária no fim da sua vida, não mencionando todos os estágios para não confundir as pessoas menos entendidas. Basta ver a reação de várias pessoas nos comentários quando são confrontadas com a hipótese do sol se transformar numa gigante vermelha, imagina como a maioria reagiria se lhe dissessem que afinal não é assim tão simples? A incredulidade seria ainda maior, isto porque a realidade é substancialmente mais complexa que a maioria das pessoas imagina e, na grande maioria das vezes nem sequer é intuitiva. Também seria estranho eu não saber minimamente do que falo quando tenho um doutoramento em astronomia, tendo feito investigação na área. Mas faz uma pequena procura em jornais revistos pelos pares sobre a evolução do Sol (não nos media populares e em artigos genéricos direcionados para a população em geral) e vais obter confirmação do que eu disse. E mesmo o que eu disse no comentário anterior está extremamente simplificado, pois o processo é bastante mais complexo.

        • JJ_ says:

          As vezes as pessoas preferem que sejam os outros a analisarem e pensar por elas… É mais fácil…

          • Nuno says:

            Depende. Quando te deparas com algum campo que não percebes, para uma pessoa inteligente existem apenas duas opções, ou dedicas o teu tempo a estudar a estudar este, ou calas-te e aceitas a opinião das pessoas que estudaram. No que toca a astronomia e física eu segui o primeiro. Estudei 8 anos para obter a minha licenciatura e doutoramento, e dediquei mais outros 9 anos a fazer investigação na área. E embora já não faça investigação, estou constantemente a ler revistas cientificas para estar dentro dos novos avanços feitos na área da ciência, com mais enfase na astronomia e física, mas também leio bastante sobre biologia, entre outros temas.

  7. Vintem says:

    Segundo os cientistas e principalmente Stephen Hawking, a humanidade só durará 1000 anos (+/-). Ficamos muito a quem deste evento.

    Poderá ser criada um novo “ser humano” mas… quem saberá??

    https://www.express.co.uk/news/science/931797/End-of-the-world-stephen-hawking-dead-artificial-intelligence-nuclear-war

  8. Correia says:

    Os humanos estão destinados a viver no espaço, construindo metrópoles para milhões de pessoas com módulos tipo estação espacial em tamanho gigante. As fontes de energia serão fáceis de criar e gerir baseadas em fusão nuclear.
    Neste processo, será inventada a imortalidade humana. Isto é, a criação de um mecanismo que substitui o coração humano que bombeia, para um mecanismo em rosca sem fim e que nunca para. Nessa altura já o cancro não será mortal e as células regeneram infinitamente.
    Tudo isto em alguns milhares de anos. O sol não nos vai fazer falta.

  9. Rui says:

    Esperemos para ver !!!!!

  10. George Orwell says:

    “Antes que se escureçam o sol, e a luz, e a lua, e as estrelas, e tornem a vir as nuvens depois da chuva;”
    “O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol.”
    “Todos vão para o mesmo lugar; vieram todos do pó, e ao pó todos retornarão.”
    “E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.”

    Nada que os antigos não soubessem, como se pode ler acima transcrito do Eclesiastes, respectivamente, 12:2, 1:9 , 3:20 e 12:7.

    E permitam-me a seguinte reflexão e interrogação final.
    Encontra-se comprovada cientificamente a lei da gravitação universal descoberta por Newton que é um força que age entre todos os objectos, directamente proporcional ao produto de suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância que as separa, matematicamente traduzível por:
    F = G . M .m
    r2
    Encontra-se também cientificamente comprovado a equivalência universal entre massa e energia, o culminar da relatividade geral descoberta por Albert Einstein ( a mãe de todas as bombas nucleares ) segundo a qual a energia é igual ao produto entre a massa e a velocidade da luz no vácuo elevada ao quadrado, matematicamente traduzível por : E = mc2

    Sendo estas leis universais, tais leis indiciariam que a matéria terá frequentado, no mínimo, a escola secundária, para aprender matemática ao nível das potências e raiz quadrada para se auto-regular universalmente e a contento.
    Mas se tivermos em conta a equação de Paul Dirac sobre a onda relativística de onde se pode deduzir a antimatéria, equação que não posso reproduzir aqui ( só googlando, uma vez que faltam os caracteres para introduzir via do teclado ) então a matéria teria de frequentar estudos superiores de matemática para se auto-regular.

    Serve isto para dizer que, em tudo diferente do caos e do acaso, a matéria revela uma ordem não arbitrária.

    Ora, foi em Outubro de 1927, em Solvay – Bélgica, que se reuniu para a história talvez o maior agrupamento de génios alguma vez reunidos, um somatório de QI(s) dificilmente ultrapassável integrando, entre outros, Albert Einstein, Madame Marie Curie, Niels Bohr, Erwin Schrödinger, Werner Heisenberg, Paul Langevin, Wolfgang Pauli, Paul Dirac, Max Born, Hendrik Lorentz, Paul Ehrenfest e Max Planck, personalidades estas que dispensam apresentações. E foi perante este auditório que Albert Einstein defendendo a sua posição no tocante à Física quântica declarou que “Deus não joga aos dados” ele que já tinha dito noutra ocasião que “Quanto mais eu observo o universo mais ele se parece a um grande pensamento do que a uma grande máquina”.

    Donde provém esse grande pensamento que dá ordem ao universo ?
    Na minha modesta opinião, creio que o transcrito do Eclesiastes e a referida posição de Einstein face à Física Quântica, dão a resposta. E o sol, tal como nós, não escapa a tal ordem.

    • Nuno says:

      Primeiro, A lei da gravidade de Newton não está comprovada, muito pelo contrário, foi refutada. Porque razão pensas que a teoria da gravidade não conseguiu prever a precessão de mercúrio? A lei da gravidade foi substituída pelas de Einstein. A única razão pela qual ainda usamos a teoria da gravidade é que em muitas aplicações o erro desta é minúsculo e pode ser ignorado e assim não precisamos de lidar com a complexidade das teorias da relatividade.

      Segundo, a formula da massa relativística vem da teoria da relatividade especial e não geral. E a formula no papel cientifico de Einstein lançado em 1905 estava escrita como m=E/c^2.

      Terceiro, lá porque algo possui propriedades emergentes, isso não significa que esta tenha sido ensinada essas propriedades.

      Quarto, tal como tu já fizeste no passado continuar a minar citações de Einstein. Tu nunca ouviste falar em analogias ou forças de expressão. A do “Deus não joga com dado” (a mesma citação que usaste no passado para promover a tua ideia) foi tão ridícula que Einstein viu-se obrigado a responder num livro seu, desmentindo as pessoas que usaram esta sua força de expressão para defender a sua religião (tal como tu estás a fazer). Pena aceitares esta citação, mas ignorares, mas cartas inteiras em que ele explica a sua visão religiosa. Tal como te coloquei da outra vez:

      “It was, of course, a lie what you read about my religious convictions, a lie which is being systematically repeated. I do not believe in a personal God and I have never denied this but have expressed it clearly. If something is in me which can be called religious then it is the unbounded admiration for the structure of the world so far as our science can reveal it.”

      Einstein não se considerava ateu, ele preferia o termo agnóstico ou não religioso.

      A mecânica quântica também não comprova o teu Deus, muito pelo contrário, pois a mecânica quântica diz que vivemos num universo não determinístico e que desprova a existência da profecia.

      E mais uma vez citas partes da Biblia que te convêm ignorando as restantes. Aliás a bíblia abre logo com uma afirmação que é demonstrávelmente falsa. Que deus criou a Terra primeiro que qualquer outro corpo celeste, incluindo o sol. Bem como umas linhas a frente descreve como deus separou as aguas, e como uma delas era o céu.

      • George Orwell says:

        A matéria é tão ensinada como o conta quilómetros do automóvel. Todavia, revelam uma função e uma consciência que determinaram ambos, aquilo que Einstein afirmou como um “grande pensamento” que rege o universo. As propriedades que ambos, matéria e conta quilómetros, evidenciam, não provêm do acaso e muito menos do caos. Para ti, parece que aquilo que designas por propriedades emergentes são “cultura na natura” que não revela mais do que …. propriedades emergentes, ou seja, uma tautologia, propriedades emergentes são … propriedades emergentes, e está tudo dito. Mas, o que faz emergir o emergente com âmbito universal e com precisão matemática representada naquelas fórmulas, além das constantes que povoam o universo ?

        A este propósito, Einstein disse, em declarações públicas ( não em cartas) :
        “Deus não joga aos dados” (dito na referida reunião de génios em Solvay – 1927)
        “Acredito no Deus de Espinoza, que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe”
        “Quanto mais eu observo o universo mais ele se parece a um grande pensamento do que a uma grande máquina”

        E se estas afirmações estiverem certas ? Podes provar que não estão ?
        Podem não te agradar e podes privilegiar outras do mesmo autor. Eu não posso fazer o mesmo sob pena de “minar” ? “Minar” o que não gostas ? Einstein também é ridículo ?

        Mas, convenhamos, o universo está tão “minado” de constantes e leis que é uma emergência reconhecer nele uma consciência criadora daquilo que chamas propriedades emergentes.

        PS: Sim, citando, “ a única razão pela qual ainda usamos a teoria da gravidade é que em muitas aplicações o erro desta é minúsculo e pode ser ignorado e assim não precisamos de lidar com a complexidade das teorias da relatividade”, e foi precisamente por isto que a invoquei já que ainda hoje é ensinada nas escolas apesar do conceito de gravidade ter sido ultrapassada pelo do espaço-tempo, o que evidencia, se dúvidas houvessem, que uma proposição científica é apenas a melhor explicação, num determinado momento, para um determinado fenómeno, destinada a futura refutação. Quanto às equações, sabes bem que é graficamente difícil introduzir aqui caracteres de notação matemática razão pela qual também não pude introduzir aqui, para grande frustação minha, a equação de Paul Dirac, muito mais complexa e reveladora.

        • Nuno says:

          E continuas a recorrer à falácia do espantalho, deturpando as crenças do Einstein como se ele defendesse a tua posição. É nojento a forma como as pessoas distorcem a memória de outras para servir os seus propósitos, demonstrando total desprezo sobre o que elas realmente acreditavam. E mais uma vez tu não sabes o que é força de expressão, nem muito menos o que é uma analogia. Por isso é que usas frases curtas para suportar o teu argumento, nunca um texto inteiro. E, mais uma vez o deu de espinoza é uma forma de panteísmo, e não faz parte de nenhuma religião. Ou seja, o Deus que Einstein acreditava não era o teu Deus, mas tu vais usar os argumentos dele em defesa do teu Deus, mais uma vez, falácia do espantalho.

          Eu nunca disse que Einstein não disse essas frases. Mais uma vez, eu digo muitas vezes meus deus em certas situações, não quer dizer que acredite em Deus. E se alguém usasse dessa frase para suportar a ideia que acredito num estaria a minar a minha citação. Que é o que tu fazes. Colocas citações curtas, mas não colocas os textos que Einstein explicava abertamente as suas crenças.

          Quando à lei da gravidade, tu disseste “Encontra-se comprovada cientificamente”. Lamento, mas é uma mentira, ela encontra-se totalmente refutada.

          “que uma proposição científica é apenas a melhor explicação, num determinado momento, para um determinado fenómeno, destinada a futura refutação” Precisamente, apenas desonestos afirmam que possuem a verdade absoluta.

          Estranho mencionares Dirac quando, embora tenha sido criado como um cristão, ele não acreditava na religião. nem em deus:

          “I cannot understand why we idle discussing religion. If we are honest—and scientists have to be—we must admit that religion is a jumble of false assertions, with no basis in reality. The very idea of God is a product of the human imagination. It is quite understandable why primitive people, who were so much more exposed to the overpowering forces of nature than we are today, should have personified these forces in fear and trembling. But nowadays, when we understand so many natural processes, we have no need for such solutions. I can’t for the life of me see how the postulate of an Almighty God helps us in any way. What I do see is that this assumption leads to such unproductive questions as why God allows so much misery and injustice, the exploitation of the poor by the rich and all the other horrors He might have prevented. If religion is still being taught, it is by no means because its ideas still convince us, but simply because some of us want to keep the lower classes quiet. Quiet people are much easier to govern than clamorous and dissatisfied ones. They are also much easier to exploit. Religion is a kind of opium that allows a nation to lull itself into wishful dreams and so forget the injustices that are being perpetrated against the people. Hence the close alliance between those two great political forces, the State and the Church. Both need the illusion that a kindly God rewards—in heaven if not on earth—all those who have not risen up against injustice, who have done their duty quietly and uncomplainingly. That is precisely why the honest assertion that God is a mere product of the human imagination is branded as the worst of all mortal sins.”

          Mais uma vez, nota que eu não coloquei uma pequena citação, mas um texto que ele explica a sua visão quanto à religião.

        • Nuno says:

          E sim, propriedades emergentes. Estás a recorrer à falácia da incredulidade, em que olhas para a complexidade de um sistema e achas que este tem que ser feito por um imortal antropomórfico. Recorres à mesma falácia que os criacionistas usam quando olham para a complexidade de um animal ou planta e imaginar que estes foram criados por deus separadamente e que não podem ter sido produto da evolução de organismos mais simples.

        • Mário Santos says:

          Todas as grandes mentes (sim, são cientistas) cada vez mais defendem uma teoria criacionista do Universo. E na minha opinião, nem é preciso ser muito inteligente para perceber isso: basta olhar para nós, para a complexidade do nosso corpo, de todos os outros seres vivos, no planeta que nos acolhe, do equilíbrio entre esse planeta e todos os outros calhaus que lhe são próximos, e facilmente percebemos que tudo isto, para acontecer por mera coicidência, julgo eu que seria mais provável que me saísse o euromilhões todas as semanas durante 1 ano inteiro. O que é importante, é saber distinguir verdadeiros cientistas e pensadores, de simples papagaios saídos da universidade armados em cientistas. São coisas muito diferentes. Muito obrigado GEorge Orwell pelos seus comentários, do melhor e mais construtivo que aparece por aqui no pplware.

  11. Zeca says:

    Quando o mundo acabar, fujo pro estrangeiro .

  12. censo says:

    Então mas nada disto é novidade. O pessoal está aqui de passagem e somos fruto de felizes coincidências. Mas tudo acabará, e tudo voltará acontecer …e tudo voltará acabar … e sabe-se lá que espécie virá a seguir a dominar e onde dominará e se será inteligente ou parva como a nossa.

  13. César says:

    Mil milhões é o mesmo que 1 bilhão?

  14. Joao Ptt says:

    Os cientistas já sabem muita coisa, o que não sabem é que o Sol vai ser substituído por um novo que já está a ser trazido e que que chegará, algures, nas próximas décadas. Será substituído durante a passagem de um planeta-cometa gigantesco que se irá interpor entre a Terra e o actual Sol… tal processo vai provocar enormes catástrofes na Terra e poucos sobreviverão.
    É algo extremamente raro de acontecer com humanos a habitar o planeta nas proximidades, só acontecerá devido a circunstâncias especiais… mas só é necessário porque ainda cá estão seres humanos quando não era suposto já cá estar ninguém há muito.

    Alguém escreveu nos comentários que a humanidade só irá durar uns (+/-) 1000 anos e muitos sugerem que a humanidade têm de fugir para outros planetas… não sei se irá durar tanto, mas sim de facto era isso que estava previsto, e é isso que talvez ainda possa acontecer… com muitos se’s envolvidos, mas ainda é uma possibilidade.
    Onde os cientistas erraram é que a humanidade não terá de sair da Terra em naves espaciais para se salvar da destruição que se aproxima para este planeta… nunca conseguiriam fugir para longe o suficiente… é muito mais fácil do que isso: só têm de se modificar interiormente para se conseguirem libertar da Terra e ascender ao paraíso eterno que fica acima de toda a materialidade que passa por este processo do nascimento, amadurecimento, maturação e decomposição para depois voltar a repetir o ciclo… assim é nas pequenas coisas, assim é nas grandes, excepto no dito paraíso eterno onde a vida é eterna e não existe este ciclo.

    • censo says:

      Mas que paraíso ?

      • Joao Ptt says:

        Paraíso eterno espiritual.
        É de outra constituição, não está sujeito à decomposição como esta Terra.
        É o local de origem dos seres humanos que vieram para esta Terra. Inicialmente estavam inconscientes, com o despertar da vontade de consciencializar-se mergulham automaticamente na direcção da materialidade onde estamos, para ganharem auto-consciência da sua existência, e voltarem à sua origem já como seres humanos plenos… se não se perderem na materialidade… que só acontece se esforçarem-se muito para errar… mas esses que não se libertarem a tempo da matéria serão arrastados para a destruição, perdendo a auto-consciência de existirem.

        As naves espaciais e ir viver para outros planetas não serve de muito porque toda esta parte do universo vai rumo à decomposição para voltar à matéria original que voltará a originar uma nova parte do Universo. É um processo em tudo similar ao que se vê um pouco por todo o lado na Terra mas em escala maior.

    • Nuno says:

      Espero que esteja a ser sarcástico ou a trollar.

  15. falcaobranco says:

    Deve ser um espectaculo bonito de se ver…

  16. Fernando Machado says:

    A duvida que tenho é que, depois de se transformar numa estrela anã, terá a capacidade de reter em sua orbita os planetas restantes que não foram embutidos enquanto estava na seu máximo diâmetro. Ou perdeu-os e ficarão a vaguear pelo espaço até encontrar outro sistema solar que os capture?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.