Quantcast
PplWare Mobile

Tags: terra

Mancha solar duplica de tamanho em 24 horas: “calma, não há razões para pânico”

O nosso Sol é uma fonte de vida, mas tem também o potencial de infligir à Terra danos provocados pela sua radiação. Nesse sentido, as preocupações com uma mancha solar apontada ao nosso planeta têm crescido nos últimos dias. Estas manchas podem disparar contra nós poderosas erupções solares, e os danos são já bem conhecidos. Contudo, os especialistas disseram que está longe de ser invulgar.

As declarações dos especialistas parecem ter acalmado as preocupações, pois ainda recentemente estas erupções destruíram satélites e tiveram vários efeitos no nosso Planeta Azul.

Imagem da mancha solar que duplicou no nosso Sol


Júpiter foi atingido por algo tão grande que provocou a maior explosão deste século (vídeo)

Júpiter é o maior planeta do Sistema Solar, tanto em diâmetro quanto em massa, e é o quinto mais próximo do Sol. Está a uma distância média da Terra de 628.000.000 km. Portanto, está perto, astronomicamente falando, e acessível aos vários instrumentos humanos que o estudam. Tal proximidade permitiu perceber que foi atingido por algo tão grande que provocou a maior explosão e o maior clarão registado da Terra dos últimos 28 anos.

Segundo os cientistas, esta explosão em Júpiter terá a força equivalente a 2 milhões de toneladas de TNT. Apesar do impacto ter acontecido há algum tempo, só agora se conheceram mais detalhes deste fenómeno.

Júpiter foi atingido por algo tão grande que provocou a maior explosão deste século (vídeo)


A cada 6 anos há um fenómeno que acontece no núcleo da Terra e que nos influencia

Os cientistas da Universidade do Sul da Califórnia (USC) encontraram evidências de que o núcleo interno da Terra oscila, contradizendo modelos previamente aceites que sugeriam que ele gira consistentemente a uma taxa mais rápida do que a superfície do planeta. O novo estudo mostra que o centro planetário mudou de direção em seis anos, de 1969 a 1974. A informação foi constatada através da análise de dados sísmicos.

A equipa de investigadores conseguiu mostrar que o núcleo interior oscila com base na duração do dia, isto é, aproximadamente 0,2 segundos durante seis anos.

Ilustração do núcleo da Terra e da sua oscilação


Quatro civilizações alienígenas ‘maliciosas’ poderiam atacar a Terra, diz investigador

Por várias vezes foi dito que é muito egoísmos da parte dos humanos pensar que estão sozinhos neste vasto Universo. Até porque a própria Via Láctea está repleta de propriedades habitáveis, com cerca de metade de todas as estrelas semelhantes ao sol a hospedarem mundos do tamanho da Terra, mundos que podem suster vida. Há mais de 300 milhões de mundos com condições semelhantes às da Terra. Então, qual será a chance de haver outras civilizações e algumas serem mesmo perigosas ao ponto de existir a ameaça de atacarem e invadirem a Terra?

Alberto Caballero, estudante do doutoramento em resolução de conflitos na Universidade de Vigo, estima que existam quatro civilizações extraterrestres malignas na nossa galáxia.

Ilustração de quatro civilizações alienígenas 'maliciosas' que poderão atacar a Terra, diz investigador


Cientistas intrigados com a descoberta de novas ondas magnéticas da Terra

O campo magnético da Terra é muito importante para a própria vida do planeta. Os cientistas estudam e monitorizam esta defesa natural para perceber as suas alterações. Foi nessa contínua vigilância que perceberam que a nossa magnetosfera está de novo a atuar. O campo magnético astuto da Terra mantém os cientistas atentos.

Há um novo tipo de ondas magnéticas que está a deixar os cientistas intrigados. Os movimentos ondulam no núcleo externo da Terra.

Ilustração de ondas magnéticas desconhecidas que ondulam pela Terra