Quantcast
PplWare Mobile

MIT desenvolveu combustível hidrogénio a partir de alumínio e água

                                    
                                

Autor: Ana Sofia Neto


  1. dude says:

    O hidrogénio é o unico caminho para um futuro sem poluição dos carros. Lá ver se chegamos rápido a esse ponto.

    • Blackbit says:

      Depende da forma como o H2 é produzido. Nos métodos atuais a produção e posterior aproveitamento do H2 não é eficiente, tendo as baterias um muito melhor rendimento.
      Talvez esse método de produção de H2 altere isso, só vendo para querer.

  2. Carolina Costa says:

    alumínio está cada vez mais caro.. logo não sei onde ha vantagens

    • Tadeu says:

      poucas ou nenhumas em situações normais do dia a dia, já que estamos a falar de usar materiais consumíveis (por outras palavras reagentes) com elevado grau de pureza, quer o alumínio quer a água, coisas que encarecem também bastante. Para além de que obrigaria a ter que lidar com a reciclagem do líquido de hidróxido de alumínio, para ser reconvertido em alumínio.

    • Tuga says:

      E o subprodutos que sobra com essa reação química
      Eu quando era miúdo fiz uma vez a experiência de alumínio com um ácido era por numa garrafa de plástico tapada e bummm ficou um subprodutos que devia de ser tóxico

  3. Dr. de Silva says:

    Provou que o alumínio pode ser utilizado como fonte de hidrogénio limpo, mas daí a ser uma opção viável está uma grande distância.

    • Tadeu says:

      na verdade nem sequer provou que pode ser uma fonte limpa de hidrogénio, já que o “limpo” depende do processo de fabrico do alumínio que seria consumido, e a maioria do alumínio é fabricado por um processo que produz CO2.

      • Douglas Charles Cunha says:

        Eles disseram que seria usado o alumínio descartado, ou seja, não aumentará produção.
        Disseram também que após o processo, a mistura volta ao normal podendo ser reaproveitada. Da queima do hidrogênio sobra água. Ou seja, a própria água poderá ser reaproveitada e apenas complementada para que o processo se repita.

        • Tadeu says:

          O que eles disseram é que desejavam aproveitar alumínio descartado, mas o que eles acabam por dizer é que:
          1) o alumínio normalmente produzido tem uma camada superficial de óxido de alumínio que impede a reacção, obrigando a que o alumínio tivesse que ser tratado com outros materiais;
          2) o alumínio normalmente produzido é uma liga metálica com várias impurezas, não é alumínio puro, e isso interfere com a reacção!
          Ora o que isto implica é que não vai poder ser qualquer alumínio se se sequer uma reacção com um mínimo de previsibilidade e eficiência. Ou seja, está-se dependente de alumínio com origem controlada e com a qualidade desejada, o que torna algo impraticável usar simplesmente alumínio do lixo para produção de hidrogénio em muito larga escala, já que há tantos tipos diferentes de alumínio produzidos cuja composição nem sequer é identificada no produto final. Numa aplicação em larga escala ter-se-ía muito provavelmente que depender de produção de alumínio especialmente para esta aplicação, para controlar a qualidade, tal e qual o que eles acabaram por fazer nos seus ensaios.

          Se queres reaproveitar hidróxido de alumínio necessitas dum processo que consome energia, necessitas duma fábrica e de implementar um ciclo/logística de reciclagem. Isto é, o “limpo” continua a estar dependente da fonte de energia e do processo de reciclagem. Duvido que o processo seja muito eficiente em termos energéticos, até porque a produção de alumínio é normalmente a temperaturas elevadas, e ainda seria necessário tratar o alumínio para poder reagir com a água.

          A água que aproveitarias do hidrogénio provavelmente não seria suficiente, já que a água usada no processo acabaria contaminada com componentes do alumínio. Seria necessário renovar toda a água periodicamente.

          • lapizazul says:

            Só a eletricidade gerada por queima de carvão e outras substancias nocivas é que é “limpo”. Se todo o processo pode ser infinitamente reciclado e reaproveitado, qual é a tua duvida?

          • Tadeu says:

            lapizazul, mas porque é que vens com falácias? Quem é que aqui disse que a alternativa é carvão ou combustíveis fósseis?
            Primeiro, e vê se percebes, o processo de produção normal de alumínio é ele próprio uma fonte de CO2 (nem sequer tem a ver com a fonte de energia).
            Segundo, um processo de reciclagem de hidróxido de alumínio para transformar em alumínio, e o usar o alumínio como a “fonte” de energia noutro local, é energicamente menos eficiente que alternativas já existentes de produção limpa de hidrogénio.
            O objectivo destes grupos é ter uma forma mais compacta para armazenar energia e transportar para outro local. Mas não resolvem questões de eficiência que são importantes, já que com menor eficiência é preciso mais energia que é preciso ir buscar a algum sítio!

          • Tadeu says:

            Douglas Charles Cunha, faltou completar a ideia quanto à água! A própria reacção com o alumínio leva à perda de água (metade da água mais concretamente), por isso definitivamente seria preciso mais água periodicamente!

  4. Secadegas says:

    Venha ele… Estamos no ponto de não retorno e é urgente avançarmos. Infelizmente o Toyota Mirai é demasiado caro para o meu bolso, porque estações de abastecimento existem por agora as suficientes para viajar de norte a sul sem preocupações. Pelo menos onde vivo…

  5. dude says:

    Falei no hidrogénio. só o hidrogénio. quem conseguir extrair o hidrogénio da atmosfera ou de um deposito de agua de uma maneira eficaz e sem consumíveis pelo meio. tira-nos deste buraco poluído. será uma revolução brutal a todos os níveis.

  6. Filipe says:

    A agua talvez fosse possível usar à dos esgotos tratadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.