Quantcast
PplWare Mobile

E se a Terra parasse de girar? O que nos aconteceria?

                                    
                                

Imagem: NASA

Autor: Vítor M.


  1. Pedro says:

    O dia que a terra parar de girar, é sinal que o alcool acabou, e isso era muito mau sinal… (ironia)

  2. N1ldo says:

    Lendo isso só me leva a crer que tudo, absolutamente tudo que existe foi pensado aos mínimos e ínfimos detalhes.
    .
    .
    .Pronto!
    Já arranjei aqui debates.
    Kkkkk

  3. Anonymous says:

    Como é possível a terra parar de girar, se ela é plana……..

  4. eu2 says:

    Já o vídeo tem umas boas imagens

  5. Francisco Santos says:

    Em relação ao Sol? fica como a Lua, o lado escuro 🙂

  6. Eu says:

    Então a culpa não é do homem????

  7. Samuel MG says:

    Se a terra parar de girar nem 24h tínhamos de vida!!

  8. Nick says:

    Ao parar de girar acabou-se a nossa atmosfeta, os gases sobem e ficamos sem O2, podia nao ser o fim porque ha’ tecnicas para o criar e o reter.

    • Nuno V says:

      O que mantêm os gases da atmosfera “presos” à terra não é a sua rotação, mas a sua massa, ou seja, a gravidade.

      • SergioFerreira says:

        Se bem que o raciocínio do Nick não é de todo errado…ora vejamos… Se a Terra pára de girar, uma face do planeta fica muito mais exposta ao Sol, e por um período muito longo, aumentando drasticamente a temperatura da superfície terrestre e provocando evaporação dos oceanos e da própria atmosfera. 😉

        • Nuno V says:

          Evaporação é um tipo especifico de vaporização, a passagem do estado liquido para o estado gasoso. Logo, é impossível evaporar a atmosfera porque esta é constituída quase na totalidade por gases. E se a terra ficasse acoplada com o sol, a atmosfera continuaria, na realidade até ficaria mais “espeça” com a evaporação dos oceanos.

          • SergioFerreira says:

            Com o aumento exponencial da temperatura terrestre, a energia cinética molecular torna-se superior à velocidade de escape da gravidade…ao longo de um determinado período de tempo, seja ele mais longo ou não, eventualmente, a própria atmosfera iria “fugir” da Terra.

            Mesmo que, inicialmente, todos os oceanos apenas fossem evaporados para a atmosfera, com o contínuo aumento das temperaturas, iria ocorrer o escape hidrodinâmico. Este fenómeno tem lugar quando a acumulação de energia é tão elevada que ela (atmosfera) expande e, neste processo, mesmo as moléculas mais leves podem “arrastar” as moléculas mais “pesadas” com elas. É um fenómeno que irá acontecer quando o Sol começar a expandir, dentro de alguns biliões de anos.

            Mesmo nas condições actuais, o nosso planeta já tem perdas de algumas moléculas. Cerca de 3g/s de hidrogénio e 50g/s de Hélio.

            Cumps

          • Nuno V says:

            Mais uma vez, a energia térmica apenas não é o suficiente para as moléculas atingirem em massa a velocidade de escape. Eu tomei a liberdade de calcular qual a temperatura de uma molécula de nitrogénio aquando esta se encontra na linha de kármán de forma a esta possuir, em média, energia cinética suficiente para escapar da gravidade da terra. A resposta foi uma temperatura substancialmente superior à que a terra alguma vez poderia atingir neste cenário. Se quiseres coloco aqui as contas para confirmares. Portanto, o único mecanismo térmico de escape seria o mesmo do presente, o de James Jeans. O mecanismo de escape hidrodinâmico acontece apenas em planetas extremamente próximos da sua estrela. Estamos a falar de planetas que estão bem mais próximos das suas estrelas do que mercúrio se encontra do sol.

            Correto, a Terra presentemente encontra-se a perder a sua atmosfera, mas os mecanismos principais de escape não são térmicos. E se a terra ficasse com a rotação sincronizada, estes métodos continuariam a dominar a perda da atmosfera.

          • SergioFerreira says:

            Caro amigo Nuno, terei todo o gosto em rever os seus cálculos, mas apenas se tiver incluído nas equações do seu modelo os seguintes eventos que iriam ocorrer, caso a Terra parasse de girar de um momento para o outro:

            – Os oceanos migram para os Pólos, expondo a zona do equador a temperaturas não só altamente elevadas, como não reguladas pelos oceanos.
            – O núcleo terrestre não iria parar de girar imediatamente e isso iria provocar tensão tectónica extrema, seguindo-se de erupções vulcânicas de nível cataclísmico.
            – O lado o planeta que ficar do “lado escuro” vai perder calor drasticamente e a sua atmosfera vai condensar. Isto vai criar um efeito vácuo que iria projectar ar quente do lado exposto ao Sol. O resultado será que o lado escuro também irá começar a ter temperaturas elevadas e nem o período de 6 meses vai permitir as temperaturas descerem.
            – Eventualmente, aquando o núcleo parasse de girar, o campo magnético Terrestre iria enfraquecer até ao ponto de se extinguir por completo. Com isto a superfície terrestre fica exposta a todo o tipo de raios cósmicos e ventos solares.

            O que o Nuno comentou, de o escape hidrodinâmico só acontecer em planetas muito mais próximos do Sol, é verdade, mas relembro que o Nuno não está a equacionar que estamos a falar de uma situação que iria colocar o nosso planeta em situações muito semelhantes aos de um planeta muitíssimo mais próximo do Sol, com especial ênfase no deteriorar do campo magnético terrestre que iria expor-nos a elevadíssimos raios cósmicos e ventos solares.

            Faça os cálculos com tudo isto em consideração e diga-me se as temperaturas não iriam consideralmente ascender os níveis de evaporação dos Oceanos, levando ao escape hidrodinâmico e térmico, por expansão da atmosfera.

            Cumprimentos

          • SergioFerreira says:

            Uma aparte, caro colega Nuno. Não estou a levar isto para uma discussão maliciosa, muito pelo contrário… estamos a falar de situações fisicamente impossíveis, como a Terra parar de girar de um momento para o outro, sem a ajuda de alguma força exterior (por exemplo um cometa ou asteróide de dimensões colossais).

            …ainda assim, não passando tudo de um “suponhamos”, é sempre intrigante tentar perceber o que poderia realmente acontecer. 🙂

          • Nuno V says:

            Muito bem. Começamos por calcular a velocidade de escape na linha de Kármán. Para simplificar vou assumir um sistema idealizado, sem perdas térmicas e sem energias elásticas, neste caso a lei da conservação de energia pode ser escrita da seguinte forma:

            Eci+Egi=Ecf+Egf

            Em que:

            Eci -> Energia cinética inicial
            Egi -> Energia potencial gravitacional inicial
            Ecf -> Energia cinética final
            Egf -> Energia potencial gravitacional final

            Sabemos que:

            Ec=1/2*m*v^2

            E que:

            Eg=-G*m*M/r

            Em que:

            Ec -> Energia cinética
            Eg -> Energia potencial gravitacional
            v -> Velocidade da partícula
            m -> Massa da partícula
            G -> Constante gravitacional (6,67430*10^-11 m^3.kg^-1.s^-2)
            M -> Massa do planeta terra (5,97237*10^24 kg)
            r -> Distância entre os dois centros de massa dos objetos

            No estado final, a velocidade do objeto é zero, e a distância é infinita, logo tanto Ecf, como Egf são iguais a zero. Neste caso podemos reescrever a equação da conservação de energia da seguinte forma:

            1/2*m*vi^2=G*m*M/ri

            Em que:

            vi -> Velocidade inicial do objeto
            ri -> Distância inicial entre os dois centros de massa dos objetos

            Simplificando a equação chegamos à seguinte:

            vi=SQRT(2*G*M/ri)

            Ora o raio médio da terra é de 6371*10^3 m, a linha de kármán situa-se a 100*10^3 m, somando os dois dá 6471*10^3 m que é o nosso ri.

            Logo:

            vi = SQRT(2*6,67430*10^-11*5,97237*10^24/(6471*10^3))= 11100 m.s^-1 = 39958 km/h

            No que toca à velocidade térmica média de uma partícula num gás, sabemos que:

            v=SQRT(8*k*T/(m*pi))

            Em que:

            k -> Constante de Boltzmann (1,380649*10^-23 J.K^-1, ou em unidades básicas do sistema SI 1,380649*10^-23 kg.m^2.K^-1.s^-2)
            T -> Temperatura do gás
            v -> Velocidade térmica média de uma partícula num gás

            Sabemos que:

            R=Na*k k=R/Na

            M=m*Na m=M/Na

            Em que:

            R -> Constante universal dos gases perfeitos (8,314462618 J.K^-1.mol^-1, ou em unidades básicas do sistema SI 8,314462618 kg.m^2.K^-1.mol^-1.s^-2)
            Na -> Constante de Avogadro (6,02214076*10^23 mol^-1)
            M -> Massa molar da partícula

            Logo, podemos rescrever a equação:

            v=SQRT(8*R/Na*T/(M/Na*pi)) v=SQRT(8*R*T/(M*pi))

            Como quero saber T, reescrevo a equação da seguinte formula:

            T=v^2*M*pi/(8*R)

            Sabemos que a massa molecular de uma molécula de hidrogénio (H2) é de 0,00201588 kg.mol^-1, e que v é a velocidade de escape.

            Logo

            T=11100^2*0,00201588*pi/(8*8,314462618) = 11730 K = 11457 ºC

            Estamos a falar de uma temperatura superior à da superfície do sol. O único local no sistema solar em que fica mais quente que isto (excluindo o centro do sol) é na corona solar. Por isso é que o escape hidrodinâmico significativo apenas acontece em planetas muito próximos das suas estrelas parentes. No caso de estrelas do tipo G, como a nossa, os planetas têm que orbitar bem mais próximo que mercúrio se encontra do nosso sol. Dou o exemplo de um exoplaneta em que o escape hidrodinâmico é significativo, HD 209458b, este orbita a sua estrela a 0,047 AU, compara com a orbita de mercúrio com um semieixo maior de 0.387 AU.

            E se o nosso planeta parasse de girar de um momento para o outro, como tu sugeres, tendo em conta que a energia rotacional do nosso planeta é na ordem dos 2*10^29 J, estamos a falar de um evento que teria mais do que energia suficiente para transformar o nosso planeta numa bola de rocha derretida. A atmosfera seria o mínimo dos nossos problemas. Mas este não é o cenário descrito no artigo, este fala da rotação sincronizada, que é diferente de o planeta não girar, o planeta gira uma vez a cada ano. E isto não é impossível. Apenas requer tempo. No nosso caso é irrelevante porque o tempo necessário para tal é mais do que a “esperança de vida” do nosso sol.

          • SergioFerreira says:

            Muito bom. Grato pelo trabalho em escrever tudo aqui (gabo a paciência)… mas o Nuno apenas procurou saber a temperatura necessária à velocidade de escape de Hidrogénio, mas não equacionou os factores que eu mencionei, nomeadamente, o facto de o Núcleo ir perder gradualmente a sua velocidade também levando, eventualmente, à degradação do campo magnético até à sua total ausência. Uma vez nesse estágio, a Terra está totalmente exposta a “bombardeamentos” de ventos solares electricamente carregados, a temperaturas altamente elevadas (na ordem dos 3 a 10⁵K) e velocidades de, no mínimo, 400km/s. A atmosfera terrestre seria completamente arrastada, por estes três factores.

            – A temperatura é superior à que o Nuno mencionou.

            – As velocidades são superiores às de escape do nosso planeta (400km/s para ±11,2km/s).

            – As partículas altamente carregadas também iriam afectar os electrões das moléculas da nossa atmosfera e atingem velocidades de escape superiores. Este último cria um efeito semelhante ao da superfície solar onde, por vezes, as velocidades dos ventos não superam a velocidade de escape do Sol, mas as partículas aceleradas (exemplo: electrões) arrastam as restantes moléculas consigo.
            De sobressair que só em determinados momentos de maior actividade solar é que as velocidades dos ventos (nestas ocasiões são perto dos 800km/s) se torna superior à de escape (± 615km/s), logo, na grande parte dos casos é todo um conjunto de factores que tornam possíveis os ventos solares propagarem pelo sistema solar.

            O Nuno, portanto, ignorou por completo as partes que lhe convinham e que eu mencionei.

            O Nuno diz que o cenário descrito no artigo não é o da Terra parar de girar, de um momento para o outro…se calhar deveria ler novamente o artigo. Subscrevo uma parte

            “Se a Terra parasse de girar repentinamente, a atmosfera ainda estaria em movimento com a velocidade de rotação original de cerca de 1.770 km/h no equador. Cada volta completa do nosso astro leva 23 horas, 56 minutos e 4,1 segundos a acontecer.”

            ..ou seja, o artigo abordou ambos os cenários. O impossível e o provável de vir a acontecer que é o da rotação sincronizada que, no prática, é a Terra sem rotação e apenas dependente da translação. Rotação sincronizada é translação, entende??!!??

            O Nuno disse: “E se o nosso planeta parasse de girar de um momento para o outro, como tu sugeres, tendo em conta que a energia rotacional do nosso planeta é na ordem dos 2*10^29 J, estamos a falar de um evento que teria mais do que energia suficiente para transformar o nosso planeta numa bola de rocha derretida. A atmosfera seria o mínimo dos nossos problemas.”

            Agora está a entrar na desonestidade intelectual…aqui nunca foi importante qual seria o maior ou menor dos nossos problemas. Toda a nossa argumentação começou na perspectiva de perceber se perderíamos atmosfera ou não, e é nisso que tem de se focar. Que todos iriamos morrer neste cenário impossível, já todos sabem.

            Mesmo no segundo cenário descrito neste artigo, a Terra iria perder o seu campo magnético…o facto é que o Nuno está a desvalorizar a força magnética (ou neste caso a ausência dela no nosso planeta) que é só a segunda mais forte, em prol de equacionar apenas a gravitacional.

          • Nuno V says:

            Explica-me lá como é que a Terra estaria sujeita a temperaturas na ordem de 10⁵ K, quando esta temperatura é uma ordem de magnitude superior à da superfície do sol. Mostra lá as contas que fizeste para chegar a este valor, acho que é justo visto ter-te mostrado as minhas. Ou foi algo que retiraste do traseiro?

            “O Nuno diz que o cenário descrito no artigo não é o da Terra parar de girar, de um momento para o outro…se calhar deveria ler novamente o artigo.”
            Não me digas que não passaste do quinto paragrafo. O artigo mencionou dois métodos, mas o foco foi no da perda de momento angular lentamente devido às forças de maré causadas tanto pela lua, bem como pelo sol.

            “Agora está a entrar na desonestidade intelectual” Não, não estou a demonstrar desonestidade intelectual, eu nunca discuti a hipótese de a terra parar de imediato. Se a terra parasse de imediato a sua atmosfera seria constituída por rocha vaporizada.

            E não estou a desvalorizar a força magnética, ignorei-a porque não foi o teu argumento original e não passa de uma tática de ofuscação para esconder que estavas redondamente errado com a tua afirmação. E no processo tu é que demonstras desonestidade intelectual. Mas tal como eu disse num comentário anterior, os mecanismos principais de escape continuariam a não ser térmicos, nestes mecanismos estão incluídos dois que o vento solar é responsável. Mas mesmo que a terra perdesse o seu campo magnético intrínseco, não iria ter o impacto na perda de atmosférica que tu visionas. Olha para Vénus, não tem qualquer tipo de campo magnético intrínseco, no entanto consegue suportar uma atmosfera bem mais densa que a nossa.

          • SergioFerreira says:

            Para começar
            “Ou foi algo que retiraste do traseiro?”
            E se é para rude rude e mal educado, pode ir procurar noutro local com quem argumentar ao seu nível, porque comigo fico-me pela sua pura ignorância.

            “Explica-me lá como é que a Terra estaria sujeita a temperaturas na ordem de 10⁵ K, quando esta temperatura é uma ordem de magnitude superior à da superfície do sol. Mostra lá as contas que fizeste para chegar a este valor, acho que é justo visto ter-te mostrado as minhas.”

            O Nuno, em vez de depender exclusivamente dos seus cálculos e do seu EGO, aprenda a fazer uma pesquisa simples e vai encontrar várias fontes que lhe explicam o porquê das temperaturas da corona solar e dos ventos solares serem superiores às da superficie solar. Acabou de me provar que teoria tem muita, mas de astrofísica na verdade não percebe nada.
            https://www.scientificamerican.com/article/i-read-that-the-suns-surf/
            https://www.jpl.nasa.gov/nmp/st5/SCIENCE/sun.html
            https://www.livescience.com/42593-how-hot-is-the-sun.html
            https://www.space.com/17137-how-hot-is-the-sun.html
            https://nineplanets.org/questions/how-hot-is-the-sun/
            Se desejar mais fontes que provem a sua falta de conhecimento sobre o nosso astro rei, posso sempre facilitar esta fonte que parece adequar-se ao seu nível comportamental de arrogância e desconhecimento.
            https://www.planetsforkids.org/how-hot-is-the-sun.html

            “Não me digas que não passaste do quinto paragrafo. O artigo mencionou dois métodos, mas o foco foi no da perda de momento angular lentamente devido às forças de maré causadas tanto pela lua, bem como pelo sol.”

            Seja num cenário ou no outro, em ambos a perda de campo magnético é um facto, uma vez mais o Nuno demonstra ignorância. Se a Terra deixasse de ter rotação sobre o seu próprio eixo, eventualmente seja mais longo ou mais curto o intervalo de tempo, o núcleo vai parar a sua rotação também e o campo magnético vai desaparecer.

            “Olha para Vénus, não tem qualquer tipo de campo magnético intrínseco, no entanto consegue suportar uma atmosfera bem mais densa que a nossa.”

            Uma vez mais, desconhecimento de astrofísica. Vénus é um caso particular porque, apesar de ter um campo magnético fraco, a proximidade dele ao Sol permite que parte do campo magnético do Sol “proteja” o planeta…juntamente com as partículas carregadas que lá chegam dos ventos solares. Mais ainda, Vénus tem campo magnético fraco, não totalmente ausente.
            Estar a comparar casos que nada se assemelham é desonesto, sim!!!
            Se quer um exemplo bem mais prático, temos Marte, cujo campo magnético foi enfraquecendo e já perdeu parte da sua atmosfera por isso mesmo. E o Nuno sabe qual é o método de escape que Marte sofreu?? Escape hidrodinâmico…aquele que o Nuno afirmou que só em planetas muito mais próximos do Sol poderiam acontecer, quando Marte está ainda mais longe do que o nosso planeta Terra, relativamente ao Sol.

            “E não estou a desvalorizar a força magnética, ignorei-a porque não foi o teu argumento original e não passa de uma tática de ofuscação para esconder que estavas redondamente errado com a tua afirmação.”

            Esse foi o seu problema desde o inicio. Incapacidade de observar vários fenomenos em simultâneo. É isso que separa o conhecimento teorico, do prático…é a capacidade de observação critica que o Nuno simplesmente não tem. Todo o meu argumento inicial continua Íntegro.. ora vejamos … Seja num cenário onde a Terra pare de girar de um momento para o outro ou num cenário onde iria acontecer gradualmente, em todos eles o campo magnético terrestre depende da rotação do núcleo. Em ambos os cenários o campo magnético vai desaparecer, mas não de um momento para o outro, o que iria levar ao fenomeno de escape hidrodinâmico, tal como aconteceu em Marte e só mais tarde, a quando a perda total do campo magnético, os ventos solares iriam “arrastar” o restante da nossa atmosfera.

            Agora pegue no seu EGO insuflado e vá aprender astrofísica antes de vir argumentar com cálculos que não equacionam nem metade dos eventos e fenómenos involvidos neste cenário.

            Cumps

          • Nuno V says:

            Ou seja, o teu argumento é que a Terra orbita dentro da coroa solar. Só pode, visto sugerires que a temperatura do planeta seria a mesma que a presente na coroa solar. Santa ignorância. E a temperatura da coroa solar é na ordem dos 10^6 e não 10^5. Também, se não tivesses lido os meus comentários na transversal, saberias que é do meu conhecimento que temperatura da coroa solar é superior à da superfície solar, ou mais corretamente, a fotosfera solar. Coloco aqui um excerto de um anterior comentário meu: “Estamos a falar de uma temperatura superior à da superfície do sol. O único local no sistema solar em que fica mais quente que isto (excluindo o centro do sol) é na corona solar.”. Revê novamente o teu raciocino. Eu dou-te uma dica, a energia por unidade de área diminui à medida que te afastas do sol. Faz uma procura sobre a lei do inverso do quadrado da distância, deve chegar para descobrires a formula relevante. Se ainda assim tiveres dificuldade eu ajudo-te a calcular a energia que o planeta recebe. Depois explicas-me como é que é possível alguma vez o planeta atingir as temperaturas que mencionas.

            “Se a Terra deixasse de ter rotação sobre o seu próprio eixo, eventualmente seja mais longo ou mais curto o intervalo de tempo, o núcleo vai parar a sua rotação também e o campo magnético vai desaparecer.”
            Acusas os outros de ignorante, e depois mandas estas postas de pescada. No segundo cenário terra não se encontra sem rotação. A terra teria uma ressonância de rotação-orbita de 1:1, ou seja, a terra completaria uma rotação em aproximadamente 365 dias e pouco (presumindo que a terra mantém a sua orbita). Ora um período rotacional de 365 dias é substancialmente inferior a infinito, que era o período se a terra estivesse parada.

            “Vénus é um caso particular porque, apesar de ter um campo magnético fraco, a proximidade dele ao Sol permite que parte do campo magnético do Sol “proteja” o planeta…juntamente com as partículas carregadas que lá chegam dos ventos solares. Mais ainda, Vénus tem campo magnético fraco, não totalmente ausente.”
            Acusas os outros de desconhecimento e mandas uma posta de pescada destas. Vénus possui um campo magnético induzido pelas mesmas razões que Marte possui um, e que a Terra possuiria um em caso de perder o seu. E eu não disse que Vénus não possuía um campo magnético, disse sim que não possuía um campo magnético intrínseco, ou seja, gerado pelos próprios meios do planeta. Não leias os comentários na transversal.

            “Todo o meu argumento inicial continua Íntegro..” Não, não se aguenta. Passas a vida a misturar conceitos. Nem que a terra orbitasse o sol tão próximo quanto mercúrio e estivesse acoplada por maré com o sol levaria a um escape hidrodinâmico. Mais uma vez, tens que estar BEM mais próximo do Sol.

            “vá aprender astrofísica”
            Já aprendi meu caro amigo. Eu estudei 8 anos para ter o meu doutoramento precisamente na área que tu dizes que eu não percebo nada. Trabalhei durante 10 anos a fazer investigação cientifica. Quando possuíres uma formação equivalente ou superior à minha em área relevante, aí sim, eu aceitarei a tua critica.

          • SergioFerreira says:

            Só falta dizer que estudou na mesma faculdade que eu… e Astrofísica também, ainda por cima. hahah… puxar escalões é já por sí só indicio de maus argumentos.

            Ponto 1 – Ainda bem que ignorou que Marte sofreu escape Hidrodinâmico.
            Ponto 2 – A Terra iria deixar de ter rotação, sim, em função do seu próprio eixo. A única rotação seria com base na translação em torno do Sol. Santa ignorância. A Terra deixa de ter rotação em função do seu eixo e os “365 dias de rotação” são derivados da translação, ou seja, a Terra em si não tem rotação e o núcleo cessa também (que é o ponto chave aqui)
            Ponto 3 – Convenientemente, o Nuno continua a ignorar a força magnética, e a ausência dela, quando o núcleo parasse de girar
            Ponto 4 – Se o Nuno não olhasse apenas para o seu próprio umbigo, e pesquisasse trabalhos de outros colegas astrofísicos, perceberia que a “Lei do Inverso do Quadrado” não se aplica neste caso, porque as temperaturas dos ventos solares que a Terra recebe do Sol são 10 vezes superiores ás que qualquer modelo previa, inicialmente. Tal como mencionei acima, está directamente relacionado com os electrões e o facto de estes “levarem uma vantagem” relativamente a iões mais pesados.
            E esta hein… o Nuno a revelar ignorância uma vez mais.
            “Ou seja, o teu argumento é que a Terra orbita dentro da coroa solar. Só pode, visto sugerires que a temperatura do planeta seria a mesma que a presente na coroa solar.”
            Quem está a ler agora na transversal!?!? Cuide-se! Em momento algum eu disse que as temperaturas seriam essas a chegarem à Terra.
            Fico-me por aqui com esta conversa … o Nuno já teve que recorrer ao método de puxar escalões e isso é extremamente intimidante (NOT). Cruzei-me com muitos colegas como o Nuno, apenas olham para si próprios e ignoram verificações e modelos criados por outrém…muito positivo para a comunidade cientifica em geral (not, again).
            Essa arrogância e ego certamente devem ser muito positivas para a vida do Nuno. Pode continuar, boa sorte.

          • Nuno V says:

            Tu nunca estudaste astrofísica. Eu se te colocar aqui uma equação de calculo tensorial, ou de mecânica hamiltoniana tu consegues a resolver? Ou vais dizer que na tua faculdade nunca deram tal?

            Eu parei no teu ponto 1 e nem me vou dar ao trabalho de ler o resto. Afirmas que Marte sofreu escape hidrodinâmico significativo no passado. A não ser que te estejas a referir quando a nossa estrela era extremamente jovem, em que provavelmente não só Marte, bem como a Terra e Vénus sofreram escape hidrodinâmico devido à emissão de radiação ultravioleta extremo, aponta-me apenas para um único estudo cientifico revisto pelos pares que afirme tal. Se não o fizeres, nem sequer me dou ao trabalho de responder, pois vou assumir que estás a ser desonesto, e que não estás nesta discussão em boa fé.

            Passa bem.

  9. SANDOKAN 1513 says:

    Que excelente artigo.Sim senhor. 🙂

  10. Nuno V says:

    Tecnicamente, a terra não pararia de girar se esta encontra-se em rotação síncrona. Em tal caso, o período rotacional seria o mesmo que o período orbital e não 0.

    Também não é a lua ao afastar-se que desacelera a Terra. Ambos os acontecimentos são causados pelas forças de maré. Hipoteticamente falando, se mantivesse o sistema terra-lua tal como ele se encontra hoje, com a exceção do período rotacional da Terra que passaria a ser dois meses. As forças de maré causariam a desaceleração do período orbital da lua e consequentemente a redução da sua orbita, por sua vez, o período rotacional da Terra aumentaria.

  11. Miguel Oliveira says:

    Se uma segunda-feira de duração de 24h já é uma eternidade, nem quero imaginar uma segunda-feira com duração de um ano!

    • Nuno V says:

      Pior ainda, é que embora no evento descrito o dia sideral é de aproximadamente 365 dias. Como existe uma relação 1:1 no período rotacional e orbital, o dia solar seria, na realidade, eterno, ou pelo menos enquanto o sol e a terra existissem. Ou seja, seria sempre segunda feira.

  12. Luis Jeronimo says:

    A resposta está mesmo aí. Aquele que fez o universo faz o que quiser e o homem não pode detê-Lo.
    Deixem Ele cuidar direitinho do que lhe pertence. Não nos preocupemos, façamos só a certeza que estamos do Seu lado. E não chamem isso de ditadura, mas soberania. LJ

  13. Asdrubal says:

    Isto quer dizer que daqui a alguns anitos já teremos 25 horas/dia.
    Graças a Deus, mais 1 horita para dormir.

  14. Ruben Xina says:

    Ao menos acabava o Big Brother e a Casa dos Segredos…

  15. Bruno M. says:

    No fundo, as “alterações climáticas” como os Governos pregam, são “Fake News” e o óbvio torna-se ainda mais óbvio: Os impostos serve para absolutamente nada no combate ao aquecimento global!

    • Just saying says:

      Ah quem “prega” as alterações climáticas são os governos? E eu a pensar que seriam cientistas, com provas dadas, e milhares de estudos, com factos, publicados… O que a internet faz às pessoas…

  16. Márcio de Souza Braga says:

    O Dia em que a Terra Parou é o sétimo álbum de estúdio da carreira solo do cantor e compositor brasileiro Raul Seixas (in memorian), tendo sido lançado pela gravadora Warner Music Brasil, em dezembro de 1977, responde a pergunta.

  17. The earth is flat says:

    Enfim já sabemos há alguns anos que a terra é estacionária , não gira nem se move…
    Em pleno 2020 quase 60 anos depois do homem ter ido há”lua” fake e com a tecnologia de hj , não se vê avanço nenhum nem videos 24h sobre 24h da terra porque será.
    Quando vejo aqueles astronautas a falar da ida á lua como se tivessem ido comprar pão ao supermercado dá piada lol
    Ao menos tem um astronauta polaco que acabou por confirmar que a terra é plana.
    Esse artigo não põe aqui no site , aliás é uma entrevista onde ele afirma que a terra é plana.

    • Altamente says:

      You must be the popcorn seller

    • rjSampaio says:

      eu compreendo que existam pessoas que são contra o governo e só acreditam no que vêm,
      infelizmente esses são os mesmos que sem provas que terra é plana, usam uma ou outro “experiencia” que a terra nao é um globo.

      Ora desaprovar que a terra é não é um globo, não significa que é plana, claro que a má analise da “experiencia” faz com que se pense isso, mas é por falta de conhecimento abrangente, trocando por miúdos as experiências feitas realmente provam que 2+3=5, a conta esta bem feita, mas não era essa a formula a usar…

      Prova inrestaurável que a terra não pode ser plana penso que não exista (que possa ser feita “em casa”)
      Mas o que pode provar “em casa” é as teorias contra a terra ser um globo, curvatura/faces da lua/ angulo das estrelas, rotação, etc etc.

      Nenhuma prova que a terra é plana foi dada, rigorosamente por ninguém, apenas “experiencias” contra o globo.

      Se achas o contrario, é colocares aqui a tua melhor prova, basta uma mesmo, e vemos se ela prevaleçe.

      • rjSampaio says:

        “Prova inrestaurável que a terra não pode ser plana penso que não exista (que possa ser feita “em casa”)
        Mas o que pode provar “em casa” é as teorias contra a terra ser um globo, curvatura/faces da lua/ angulo das estrelas, rotação, etc etc.”

        isto saiu muito mal, entre parvoíce e autocorrector…

        queria dizer
        Prova irrefutável que a terra é plana penso que não exista (que possa ser feita “em casa”)
        Mas negar os pontos usados que a terra é plana e pontos a favor de ser um globo (curvatura, gravidade, angulo das estrelas, faces da lua, rotação, ) pode ser feito em casa.

        • Just saying says:

          Como não? É só ir à beira mar e ver um veleiro desaparecer. Mesmo com binóculos, deixam de ser visíveis graças à curvatura da terra. E observar eclipses, observar o movimento das estrelas… enfim

          • Rf says:

            Essa teoria ja nem tem discussao , o barco nao desaparece , compra uma camera com superzoom e veras que volta a aparecer , existem testes de 800km de distancia a ver se montanhas e ilhas.
            Tudo depende da densidade atmosferica e do clima.
            Quem diz se a terra é plana deveria se ver o evereste , so um ignorante faz essa pergunta.
            É a mesma coisa que dizer filma um satelite lol
            Vivemos numa terra plana ja existem experiencias na natureza que comprovam isso.
            Do globo apenas teras equacoes desenhos e imagens virtuais isto em 2020.
            Tem pilotos astronautas engineiros a afirmar a terra plana.

          • rjSampaio says:

            Coisas individuais podem ter múltiplas explicações, foi isso que eu disse.

          • rjSampaio says:

            @RF,
            disseste uma prova, agora eu refuto.

            A camera super zoom só e apenas, aumenta o tamanho do que esta acima do horizone.
            Com a camera, apenas tornas maior o topo do barco, o fundo nunca o voltas a ver.
            E conforme o barco se afasta, ele não fica mais pequeno, apenas vai desaparecendo de baixo para cima.

            Esse ponto não serve, tenta outro.

          • Nuno V says:

            Não existe um único astronauta a afirmar que a terra é plana. Duvido que exista um único piloto de aviões comerciais no activo que afirme que a terra é plana. Quanto a engenheiros, engenheiros de que área?

  18. Artur says:

    A Terra nunca vai parar de girar, ou seja, mesmo que ela não se mecha ele talvez ainda consiga dar uma volta mas ia demorar uns 100 000 000 de anos a fazer essa volta…

  19. Luis Jeronimo says:

    Que tal perceber o que significa SOBERANIA de Deus? As ditaduras se vencem com a democracia porque são formas humanas de (des) governar. A Soberania de Deus é teocrática, significa que Ele é autor e sustentador do que fez, incluindo o ser humano. Ele sabe o que é o melhor quando Permite, quando Impede e quando Faz Acontecer. Repito: “fiquemos do lado dEle”. LJ

    • Nuno V says:

      Ele não fez o ser humano, o ser humano evoluiu de outras espécies até atingir o presente estágio. Por isso é que o ser humano é um animal, bem como é um macaco, mesmo que os fanáticos religiosos tentem negar tal.

      • rjSampaio says:

        É que nem o Papa é contra a evolução ou o bigbang, ainda acha que Deus é necessário para fazer quickstart a vida, mas isso é porque ainda não o fizemos em laboratório.

        “God is not… a magician, but the Creator who brought everything to life,” Francis said. “Evolution in nature is not inconsistent with the notion of creation, because evolution requires the creation of beings that evolve.”
        October 27, 2014, Pope Francis

        • Nuno V says:

          E eu por acaso disse que todas as pessoas de religião rejeitam a teoria da evolução, eu fui bem claro ao mencionar fanáticos religiosos, não religiosos no geral.

          “Evolution in nature is not inconsistent with the notion of creation, because evolution requires the creation of beings that evolve.”
          Apenas existe um problema com esta citação, embora não tenhamos um quadro completo de como a vida começou no nosso planeta, já coletamos toneladas de factos e todo o nosso conhecimento aponta para que a vida tenha emergido através de processos naturais sem intervenção divina. A afirmação também é uma falácia, conhecida informalmente como deus das lacunas.

      • says:

        És um individuo bem informado, fundamentalista (como convém nos dias de hoje) e cheio de certezas.
        Nos dias actuais nem sabemos quantas civilizações existiram á face da terra, quanto mais sobre a evolução, isso é apenas uma teoria até haver outra tentativa de explicação.
        Já que tens tantas certezas explica lá aquilo que os cientistas não conseguem explicar, o chamado “elo perdido”.
        Einstein já dizia:
        Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, em relação ao universo, ainda não tenho certeza absoluta…

        • Nuno V says:

          A velha falácia lógica de projeção psicológica. Tu és o fundamentalista, aquele que rejeita factos para defender a interpretação literal do teu livro favorito de folclore da era de bronze.

          Correto, a teoria da evolução é apenas uma teoria, a única teoria de biodiversidade, uma das teorias mais bem substanciada em toda a ciência, a coluna vertebral de biologia com uma miríade de aplicações práticas, citando apenas um exemplo, como na medicina.

          Aponta-me uma, apenas uma única, fonte cientifica em que os cientistas afirmam que não conseguem explicar o “elo perdido”

          Irónico usares uma frase de Einstein quando este rejeitava o teu Deus, bem como aceitava a teoria da evolução.

  20. just_saying says:

    @RF “austronautas engineiros” que nunca andaram sequer de avião ( que até do avião a 10000 pés se vê a curvatura da terra no horizonte) ou nunca resolveram uma equação diferencial?

    O barco desaparece, primeiro todo o barco e somente o mastro fica visível, graças à curvatura da terra. Os caçadores de mitos provam exactamente isso e nem foi preciso usarem uma distância tão grande como a do oceano, bastou um lago. Vê e aprende algo de útil, que aquilo está com um diálogo bastante acessível até para “austronautas engineiros” como tu.

    • rjSampaio says:

      “que até do avião a 10000 pés se vê a curvatura da terra no horizonte”

      10000 é pouco, especialmente nas janelas minúsculas dos aviões, tens pouco angulo.
      Possivelmente no coockpit, mas mesmo assim não é fácil. 14000 é mais aceitável

  21. Adílio Pereira says:

    Não nos deixemos a advinhar o que seria Nos não o veremos

  22. Luis Jeronimo says:

    Sobre tidos os elos perdidos as frases “crê-se que”, “tudo leva a crêr que” são sempre usadas, caso do elo perdido agora encontrado, chamado Ardi, que se diz ser um tal elo porque tem 125 ossos semelhantes ao ser humano (o ser humano tem 206). Já houveram outras aproximações que se tornaram verdadeiros logros. O Desenho Inteligente está ganhando proporções que eu desafio a quem não crê na Criação a pesquisar melhor.

    • rjSampaio says:

      o teu argumento é, como não se provou X, então só pode ser Y.

      Isso é a falácia que a bíblia ou qualquer outra religião (ou mesmo quem apenas acredita num criador) apregoa desde sempre.

      Não há nada que possas indicar com o teu desafio que seja lógico, desafio-te provar o contrario (não que um criador exista, mas apenas que se possa tirar uma conclusão)

    • Nuno V says:

      “Sobre tidos os elos perdidos as frases “crê-se que”, “tudo leva a crêr que” são sempre usadas”
      Correto, porque a ciência lida com probabilidades, e todos os estudos têm que ter um valor-p extremamente significativo (<= 0.0000003). "Verdades absolutas" apenas existem na religião, mesmo que venham a ser refutadas.

      O fóssil de Ardi é constituído por 125 peças de osso fossilizado, não que a espécie possuía apenas 125 ossos.

      De que logro é que estás a falar?

      O desenho inteligente não tem uma única prova que a suporte. Todas as áreas da ciência, da cosmogonia à biologia, refutam esta hipótese (E já estou a ser extremamente simpático a chamar-lhe tal).

      O teu comentário não passa de pura ignorância.

      Eu cá prefiro obter a minha informação da ciência e não de pseudocientistas com motivações religiosas.

  23. Luis Jeronimo says:

    Quem disse que o Ardi SÓ tinha 125 ossos? “Porque tem 125 ossos semelhantes ao ser humano”; ácerca dos outros ossos não foi dito nada para ser discutido. Os evolucionistas precisam é ser sinceros com os seus logros. Quando tentam dizer que a descoberta de um dente, uma queixada, ou um fémur resolve o problema do elo perdido e acaba por ser uma falácia, precisam dizer que erraram. Precisam ser sempre os criacionistas a mostrarem o erro deles?
    Considere isto: cada “elo perdido” que fôr achado reforça o Desenho Inteligente, não o substima.
    Pois se existe, é porque foi CRIADO. Não se esqueça.

    • Nuno V says:

      “ácerca dos outros ossos não foi dito nada para ser discutido.”
      Pena teres parado na citação do teu comentário e não teres escrito o que vinha logo seguir. “(o ser humano tem 206).” Ora porque razão indicas o número de ossos do ser humano se não para estabelecer uma comparação? E não foram descobertos 125 ossos, mas 125 FRAGMENTOS de ossos.

      Cada “elo perdido” reforça a teoria da evolução, em que é um facto que nós termos evoluído de espécies anteriores, em que é um facto que nós somos macacos, em que é um facto que todos os organismo presentemente na terra podem ser traçar a sua linhagem até ultimo ancestral comum universal. Na cosmogonia, é um facto que o universo tem 13.8 milhares de milhões de anos. Isto são tudo factos que o desenho inteligente recusa a aceitar, pois refutam a interpretação literal do teu livro de fábulas.

      “Pois se existe, é porque foi CRIADO.”
      A fabulosa falácia do deus das lacunas.

  24. Luis Jeronimo says:

    Tentando não deixar nada para trás e peço desculpa se não me fiz entender, deve ficar claro que a questão da contagem dos ossos era só para deixar claro que faltam mais ossos, ou fragmentos de ossos para concluir que o Ardi é um elo perdido. A sua afirmacao que os cientistas conseguem EXPLICAR tudo sobre os elos perdidos, explique por favor o que significa em ciência “explicar”, se quer referiri-se a “provar”, desculpe, está longe de acontecer. Não se esqueça de falar sobre os logros. Espero ainda.
    Afirmou que “Na Cosmogonia, é um FACTO”? Como pode ser um facto se a Cosmogonia é uma ESPECULAÇÃO sobre a origem e formação do mundo?( definição científica) Como “Explica” isso?

    • Nuno V says:

      Diz-me uma coisa, se um especialista encontrar um crânio humano, ou um pélvis humano, ele não consegue determinar que este pertenceu a um humano simplesmente porque não possui um esqueleto total? Diz-me também uma coisa, os seres humanos não fazer parte do clado bilateria? Ou seja, o nosso esqueleto é praticamente simétrico, não preciso de um esqueleto completo para construir um modelo deste, apenas metade. Ardi também foi o primeiro espécime da espécie Ardipithecus Ramidus, entretanto já descobrimos mais de 100 espécimes da mesma espécie. O teu argumento não têm por onde se pegue. O único logro está naquilo que te enfiaram na tua cabeça de forma a acreditares nas absurdidades presentes no teu livro favorito de folclore.

      “Como pode ser um facto se a Cosmogonia é uma ESPECULAÇÃO sobre a origem e formação do mundo?( definição científica)”
      Já cá faltava outro desonesto a fazer uso de uma equivocação, tal como o desonesto mais a cima fez com a palavra teoria. Estamos a falar de ciência, portanto, a definição da palavra a usar é a usada pela ciência, não a definição coloquial. E quando dizes à frente que é uma definição cientifica estás simplesmente a mentir. Tu foste buscar a tua “definição” ao Wikipédia, e mais uns parágrafos em baixo este diz isto “Em astronomia, cosmogonia refere-se ao estudo da origem de determinados objetos ou sistemas astrofísicos, e é mais comumente usada em referência à origem do universo, o sistema solar, ou o sistema Terra-Lua.” Devia-te por pimenta na língua. E a Cosmogonia não é um facto, porque é um campo de estudo. Esta é sim constituída por factos, leis, modelos,…

  25. Luis Jeronimo says:

    Primeiro, ainda estou esperando a explicação ácerca dos logros dos elos perdidos. Segundo, nunca substime o conhecimento dos outros no campo cientifico, mesmo quando as fontes não são as mesmas que as suas, ou da “maioria”, porque são mais, não porque conhecem mais.
    Voltemos á Cosmogonia, sem “pimenta”.
    Percebi que a fonte que usei, afinal é a mesma que a sua. “Definição científica” porque cientistas o definem assim. Definamos termos: “estudo” é um processo; “facto” é accão realizada, concluida. Afinal o que é “constituida por factos”? Concorda assim que a Cosmogonia é Especulação. Porque diz que menti? Onde estão os factos então? No estudo? Também não podem estar. O estudo é um processo, não é facto. Leis, modelos, não são factos, são formas de modelar existências á compreensão humana. Dê-me um FACTO. Elos ligam coisas, não são coisas. Precisamos das coisas que esses elos ligam. Isso sim, serão factos. O que diz a evolução? “Estamos procurando”. Todos os que procuram devem ser respeitados, digo sem ironia. Mas não menosprezem os que já encontraram.

    • rjSampaio says:

      olha lá, em vez de tentares dar a volta ao assunto, porque não respondes-te a minha pergunta?

    • Nuno V says:

      “Primeiro, ainda estou esperando a explicação ácerca dos logros dos elos perdidos.”
      Cito o que disse num comentário anterior: “De que logro é que estás a falar?”

      “Segundo, nunca substime o conhecimento dos outros no campo cientifico”
      Eu não posso subestimar o teu conhecimento no campo cientifico, pois tu não possuis algum.

      “Percebi que a fonte que usei, afinal é a mesma que a sua.”
      Meu mentiroso, cito o que eu escrevi: “Tu foste buscar a tua “definição” ao Wikipédia”. Portanto EU é que usei a tua fonte, porque procurei pelas tuas palavras verbatim no Google para determinar de onde foste buscar a tua definição. Eu se quiser a definição de uma palavra da forma como ela é usada na ciência, procuro em fontes cientificas.

      ““Definição científica” porque cientistas o definem assim.” Absolutamente nenhum cientista define o campo cientifico da cosmogonia da forma que tu disseste. Mas se achas que estou errado, coloca-me apenas uma fonte cientifica que concorde contigo. Mas como não vais conseguir tal, e porque isto é uma mentira descarada, sempre que me referir a ti vou chamar-te por aquilo que tu és, um mentiroso.

      “Definamos termos: “estudo” é um processo”
      O uso da palavra “estudo” na tua fonte refere-se a “campo de estudo”, ou seja, um ramo do conhecimento.

      ““facto” é accão realizada, concluida”
      Um facto não é uma ação realizada ou concluída. Um facto é algo que ocorreu na realidade.

      “Afinal o que é “constituida por factos”?”
      O campo de estudo é constituído por factos.

      “Concorda assim que a Cosmogonia é Especulação.”
      Se estivermos a falar com campo cientifico, não é especulação, mas sim uma explicação suportada por provas.

      “Onde estão os factos então? No estudo? Também não podem estar.”
      Pois, mas estão. Mas vamos fazer assim, quando vais ao hospital, onde estão os factos que permitem aos médicos tratarem-te eficazmente? Ora no campo de estudo da medicina.

      ” O estudo é um processo, não é facto.”
      Repetir pontos não torna este mais verdadeiro.

      “Leis, modelos, não são factos”
      Correto, nem eu nunca disse que o eram, mas já espera tal de um mentiroso.

      “Dê-me um FACTO”
      Qual é o facto que queres mentiroso?

      “O que diz a evolução?”
      Sobre a cosmogonia? Absolutamente nada, é um ramo de conhecimento completamente diferente.

  26. Luis Jeronimo says:

    Não foi por mal. Tudo era evolucionáriamente simples de explicar quando para Darwin simples a célula era um amontoado de gelatina e tudo se resolvia com o Tempo, o Acaso e a Seleção Natural.
    Não basta explicar como as coisas funcionam mas como surgiram. A ciencia não está só descobrindo coisas, mas sim, que elas são extremamente complexas e essa complexidade aproxima, não afasta uma inteligência…por outro lado nos afasta de pensar que o tempo, o acaso e a seleção natural resolveram tudo. Camião incendiado com farinha, fermento, água, ovos e açucar, não produz bolo…

    • Nuno V says:

      “Não basta explicar como as coisas funcionam mas como surgiram.”
      Pois, mas a teoria da evolução não lida com o surgimento da vida, mas sim como ela diversificou. É um campo de estudo sobre a biodiversidade. Como a vida surgiu é abordada pela abiogénese, uma hipótese cientifica sobre a origem da vida, que embora possua muitas provas sobre a sua alçada, ainda não possui o suficiente para elevar esta a teoria.

      Correto, a realidade é complexa, não é intuitiva. No entanto, o teu amigo imaginário é que é a desculpa mais simples que os homens inventaram, dita como forma de explicação da realidade. E porquê que o facto da realidade ser complexa aproxima a ideia de uma inteligência? Se a complexidade apenas é usada como suporte de um criador, tendo em conta que o teu Deus seria mais complexo que o universo, quem criou o teu Deus? Faz lá o argumento de regressão infinita. Mas sem dúvida que vais vociferar uma desculpa ad hoc, como por exemplo, que ninguém criou deus, porque deus é deus, mesmo que esta seja uma falácia de alegação especial.

      “Camião incendiado com farinha, fermento, água, ovos e açucar, não produz bolo…” Já ouviste falar sobre o que é uma falsa analogia? Esquece, já me tinha esquecido com quem estava a falar, com um mentiroso que não tem problema em usar uma panóplia de falácias lógicas como suporte da sua posição.

  27. Luis Jeronimo says:

    Afirmou: “Não lida com o surgimento da vida” Já percebi que a “teoria da evolução” não lida com questões essenciais. O que quer dizer com “diversificou”? De um passou a dois, ou o simples complicou, ou vice-versa? Como ela diversificou? “hipóteses”. Pela biogenese, ou pela abiogenese?
    Eu já respondi a isso….up, antes que me chame de novo mentiroso, respondi a isso quando falei de uma Inteligência.
    Deixe explicar porque disse que “a sua fonte é a mesma que a minha”, claro que sim, porque não só tentou contradizer o que disse mas usou a mesma fonte para isso, ao dizer: “e mais uns parágrafos em baixo este diz isto”. Qual o problema da Wikipédia?
    Voltando,
    Leia T.N.Thahmisian, Julian Huxley, N.Ch.Wckramasinghe, Michael Behe, Frank Lewis, Oswald Spengler, George Williams, Jeffrey Schwartz, alguns deles foram evolucionistas.
    UM FACTO: a complexidade de uma célula. A evolução não explica isso. Só constacta. Basta um microscópio.
    SELECÇÃO NATURAL: não se pode falar de uma selecção sem inteligência. Basta se perceber de futebol. Dificil conceber selecção sem selecionador. Isto tb é ciência. Descobrir faz parte da ciência.
    Selecção natural é um amontoado. Não é? Não é uma Ordem. Mostre como pode não ser?
    O bolo do camião queimado é “falsa analogia”? Afinal analogia não é uma relação de semelhança entre objectos diferentes? Vejamos: 1 átomo de cilicio, pode ser farinha? 4 átomos de oxigénio, pode ser ovos? Temos ainda electrons, particulas subatómicas, neutrinos, podem ser o fermento, o açucar, etc. Em grande velocidade, pode ser o camião capotando? A explosão de uma supernova,(qualquer coisa como o Bigbang de George Gamow) pode ser o camião explodindo. Acho que chega de analogia. Ok já temos bolo. E????
    O estudo das probalidades não faz parte da pesquisa científica? Já falei disso tb quando me referi a quanto mais complexo, mais exige inteligência e rejeita o acaso.
    Ia esquecendo de fazer uma última analogia ao que me disse: “repetir pontos não torna este mais verdadeiro”, chamar alguém muitas vezes de mentiroso não o faz mentiroso.
    LOGROS da Evolução: fica para a próxima se eu achar bem.

    • Nuno V says:

      “Já percebi que a “teoria da evolução” não lida com questões essenciais.”
      Claro que a teoria da evolução não lida com questões essenciais. Esta nem sequer é a pedra angular da biologia, com aplicações práticas de valor incalculável que vão da agricultura à medicina.

      “Como ela diversificou? “hipóteses”. Pela biogenese, ou pela abiogenese?”
      Nenhuma seu mentiroso. Como a vida originou é um campo diferente de como esta diversificou. A vida até pode ter sido criada artificialmente, mas como esta diversificou do ultimo ancestral comum universal até às espécies que existem de hoje é um facto que nem sequer a existência do teu deus a pode refutar.

      Eu não usei o Wikipédia por minha escolha seu mentiroso. Eu usei a TUA fonte para refutar o que vociferaste. O artigo do Wikipédia aprofunda o termo coloquial da cosmogonia, mas o artigo clarifica que se estivermos a falar no domínio da astronomia aplica-se uma definição diferente. Aceitas o artigo com a exceção desta parte porque deita por terra o teu argumento.

      “Leia T.N.Thahmisian, Julian Huxley, N.Ch.Wckramasinghe, Michael Behe, Frank Lewis, Oswald Spengler, George Williams, Jeffrey Schwartz, alguns deles foram evolucionistas.”
      Estou à espera da conclusão deste teu argumento impecável.

      “UM FACTO: a complexidade de uma célula. A evolução não explica isso. Só constacta. Basta um microscópio. “
      Explica sim senhor, não sejas mentiroso. Bem como explica a evolução dos processos metabólicos presentes nestas,…

      “Isto tb é ciência.”
      Não, é apenas idiotice de tua parte.

      Seleção natural é um mecanismo, não é um amontoado, nem uma ordem, nem nada que se pareça com um camião queimado.

      “1 átomo de cilicio, pode ser farinha?”
      Não, porque não existem átomos de cilício. Existem sim átomos de silício. E com um átomo apenas nem sequer uma molécula fazes.

      “4 átomos de oxigénio, pode ser ovos?”
      Não, apenas podem formar moléculas de oxigénio.

      “temos ainda electrons, particulas subatómicas, neutrinos, podem ser o fermento, o açucar, etc.”
      Sim, podem ser. Mas fica a nota que eletrões e neutrinos são partículas subatómicas.

      O big bang não é uma explosão.

      “O estudo das probalidades não faz parte da pesquisa científica? Já falei disso tb quando me referi a quanto mais complexo, mais exige inteligência e rejeita o acaso.”
      Então mostra-me a o calculo dessa probabilidade. E se algo complexo necessita obrigatoriamente de ser criado por uma inteligência… Quem criou o teu deus (ou será que ele não é complexo)? Quem criou o criador do teu deus? Quem criou o criador do criador do teu deus?… (a repetir ad infinitum) Nem mesmo depois de te ter explicado que estavas a recorrer de uma regressão infinita te dissuadiu de a fazeres novamente. Tu és intencionalmente ignorante, incompetente mental e desonesto.

  28. antonio says:

    “A ilusão que nos preenche a vida, e apenas para tornar alguns momentos agradáveis, no entanto temos de reconhecer o facto de existirmos, sermos úteis, ainda que saibamos que a qualquer momento partiremos para todo o sempre”…

    “In Csolra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.