Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: Criança desliga energia e cidade perde todas as vacinas

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Xnelox says:

    Ups, geradores, unidades de energia de apoio… Naaa… coisas de filmes de ficção científica

    • Nightingale says:

      Os hospitais têm geradores e por motivos óbvios este tipos de coisas acontecem muito pouco frequentemente. Nas USF’s ou Centro de Saúde como lhes chamam, na maioria dos casos não existem geradores nem UPS. Espera-se que volte a eletricidade e vê-se os logs do termómetro do frigorífico no final. Se a temperatura tiver subido acima dos limite, vai quase tudo para o lixo (umas suportam temperaturas mais altas que outras). Como são relativamente raros os casos em que falha a eletricidade durante logos períodos, não há a necessidade de gastar milhares em um UPS ou gerador + a manutenção necessária. Não se abre o frigorífico para não aquecer enquanto a eletricidade não voltar. No caso de uma emergência não há problemas porque esses equipamentos têm bateria. Tirando a Glucagina, que é guardada no frigorífico e que é usada em situações de emergência muito pontuais nas unidades, a maioria não precisa de estar no frigorífico. Mesmo que esta medicação se estrague, não é nada que um catéter de grande calibre e um frasco de soro glicado nos dois braços ou nos dois pés não resolva até à chegada ao hospital. Logo não existe a necessidade de desperdiçar dinheiro nesses sistemas. É demasiado caro, quando comparado com os benefícios.

      • Luis says:

        As mordidelas de cobras também se resolvem com Glucose 5% até ir para outro hospital!

        • Nightingale says:

          Aqui eu falei de USF’s, não falei de hospitais porque esses sim não podem ficar sem eletricidade. E não, nas USF’s não existem soros para picadas de cobras. Deves pensar que isto é a Austrália, não?! Até parece que em Portugal existem muitas cobras venenosas. E além disso, mesmo que fosse preciso, com a medicação de emergência que existe nas unidades, dava para estabilizar até ao hospital onde já têm esses soros. Por isso não me venhas com chico-espertismos.

  2. A.F. says:

    Terceiro Mundo e a criança não tem culpa.
    Nã, é melhor estar calado, retiro o que disse.
    Espera, pensando melhor, a criança não tem mesmo culpa.
    (Isto sou eu a falar com os meus botões.)

  3. SANDOKAN 1513 says:

    Às vezes as “brincadeiras” saiem caras. 😐

  4. Lucas says:

    Tinha que ser no Brasil, vindo desse lugar, nada me surpreende kkkkkkk

  5. Erielton says:

    Algo muito estranho.
    Duas semanas antes.
    A Sóposta criança de 12 anos escreve (corona).
    Exatamente no relógio que alimenta o setor aonde estava o frigorífico.
    Duas semanas depois o irmão dela vai exatamente no mesmo relógio e desliga.
    Muita coincidência.
    .
    Talves seja algo do destino mas eu não tenho abito de acreditar em papai noel

  6. j says:

    Azar sobre isso, que façam novas.

    Pensei melhor no caso da lentidão das vacinas em portugal, o governo está a fazer isto deve ser porque está há espera que apareça novas variantes do vírus e que venham novas vacinas para nos proteger… Quem for da lista dos últimos vai ter uma sorte do caraças!

  7. L.Sousa says:

    Não percebo é como uma criança tem acesso a isto! Estes frigoríficos não deveriam estar protegidos do cidadão comum?

  8. Euéquesei says:

    No banana acontece isto, na república dos Bananas dão se golas anti fogo aos bombeiros, mas inflamáveis.
    Resultado? Mais uns pontos para cima nas sondagens…

    • Manuel da Costa says:

      Deixe lá de ser parvo e estúpido… as golas não eram para ir combater os fogos, como as próprias pessoas confirmaram. Só as porcarias de jornalistas que temos é que chegaram à conclusão que podiam ir para uma frente de fogo, roubando uma gola a qualquer velhote que estivesse a ser levado pela GNR, para abandonar aquela zona.

  9. Mastermind says:

    Culpa foi de quem o deixou sozinho…e não lhe deu educação para saber que não deve mexer onde não é chamado.

    • Euéquesei says:

      A culpa é sempre variável, depende sempre da perspectiva.

      Atente no seguinte, quando os EUA e Brasil estavam com a pandemia a atacar em força e nós éramos os melhores do mundo e além, a culpa era do Trump e do Bolsonaro.

      Agora que somos o país do mundo com maior taxa de infecções, a culpa já não é do governo mas do povo, que é burro…LOL

      ´Sejam bem- vindos à República Bolívariana da Europa .

      • Manuel da Costa says:

        Já bebeu 3000 litros de metanol certo? Ou recebeu 60 milhões de euros, que o Chega está a anunciar que vai usar para as próximas eleições e que teve uma sondagem, numa rede social, em que 183 milhões de perfis afirmaram ir votar Chega nas próximas eleições. Quando foi o André Ventura eram 471 milhões… o André Ventura ficou desiludido, pois isso daria para 57300% dos votos. Teve pouco mais de 10%.

    • Black says:

      É uma criança! São curiosos, gostam de mexer em tudo. Um sistema que tem um relógio à mão de semear? Então aquilo não é para estar fechado das mãos alheias? Ou sou só eu que tenho atenção a essas coisas?! Além do mais qualquer um pode chegar, desligar, mexer e dar-se o caso de ser electrocutado… enfim, mil e uma coisas que podem acontecer. Não houve uma alminha com 2 dedos de testa para ver que aquilo não podia estar assim! De certo que agora já devem ter protegido o relógio…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.