PplWare Mobile

Google volta a bloquear o novo Edge, desta vez é no YouTube


Apaixonado por tecnologia, encontro no Pplware a forma ideal de mostrar aos outros os meus conhecimentos e de partilhar tudo o que me interessa neste intrincado universo

Destaques PPLWARE

  1. Olhos azuis says:

    Enfim, isto sim é que devia ser proibido pelo Trumpbotas
    Eu cá continuo a utilizar este browser, chrome não presta

  2. Mario nunes says:

    Sr pedro simoes, a sua materia nao tem ponta por onde se pegue. Com um bocadinho de conhecimento tecnico saberia identificar o problema nao como um bloqueio mas sim derivado da implementacao do codigo de cada servico, youtube, docs etc. é mais que normal e aceitavel que exista um periodo (longo) de adaptacao e correcao de determinada pagina ou peca de software aquando do lancamento de um novo browser. Alem de que apesar de ser baseado em chromium isso nao torna o edge um espelho da api do chrome, firefox ou demais. Existem diferencas e incompatibilidades. Estude st pedro ou entao peca a alguem com conhecimento para lhe escrever as materias.

    • Caro Mário,

      Como deve calcular, não inventamos artigos, ao contrário de outros meios. No entanto, e neste caso concreto, o problema existe e está identificado.

      Como o sr saberá, uma vez que parece tão conhecedor desta matéria, o novo Edge adapta o seu user agent para contornar estes problemas num conjunto alargado de sites. Esta não é a primeira vez que este problema acontece e, como referido no texto, a própria Google admitiu no caso do Docs que existia um problema do seu lado, que foi posteriormente resolvido.

      Este browser, ao ter a mesma base do Chrome, deveria ter o mesmo comportamento nos mesmos sites. Claro que a ideia que transparece é que será a Google a provocar esta situação. Já o fez antes com o Firefox em várias situações.

      Como resumo, e para que entenda que não foi uma peça escrita no ar e sem investigar nada, deixo-lhe aqui as declarações mais recentes da Google sobre este problema em concreto, onde admite que existe um problema do lado do YouTube e que será resolvido em breve:

      “We’re aware that users of a preview version of Chromium-based Edge are being redirected to the old version of YouTube. We’re working to address this issue. We’re committed to supporting YouTube on Edge and apologize for any inconvenience this may be causing.”

      Como pode ver, e apesar da sua ideia errada, o Pplware investiga os temas antes de os escrever. Proponho que faça o mesmo antes de fazer as críticas injustas e enviesadas que aqui deixou.

      • Guilherme Lino says:

        Obviamente que Google vai ser politicamente correta a responder, são uma empresa, e não lhes interessa a arranjar confusão desnecessária, mesmo que causada por incompetência da Microsoft.
        Todos problemas que o novo MS Edge tem de “contornar” foram criados por eles próprios ao criarem um “User agent” novo. Incluindo o problema do Google Docs.

        Mas nem se devia por em causa malícia de uma empresa ou incompetência de outra, é apenas um browser novo, com centenas de problemas por resolver, com um identificador desconhecido em vários sites e dependências Javascript.
        Se clientes da empresa que trabalho dissessem que estavam a usar o novo Edge obviamente que levavam uma reposta do estilo “Por usem um browser em condições e suportado”.

        Noticias assim, ou não sabem o que estão a dizer, ou são ‘fanboys’, ou foram encomendadas.

        Outro, quem sabe relacionado com este, noticiaram?
        https://windowsreport.com/kb4494441-youtube-video-bugs/

    • VaGNaroK says:

      Era melhor ter ficado calado para não levar “PATADA”,

    • Guilherme Lino says:

      Apoiado, parece-me um bocado de incompetência da malta a dar as notícias, e da Microsoft.
      Todas as aplicações web tem uma lista de browsers suportados. Se alguém decide criar um novo e mudar o identificador “User agent” estes problemas vão acontecer automaticamente. Este browser é novo e não é oficialmente suportado por ninguém, quando sair de desenvolvimento/beta podem reclamar, mas mesmo ai a Google não é obrigada a suportar imediatamente um browser novo.
      Se eu criar o meu browser hoje e amanhã a Google não o suportar, e testar todas as sua aplicações nele, vou ficar muito chateado.

      Para além disto a Microsoft criou uma lista de exceções do “User agent” para evitar estes problemas, mas “esqueceu-se” dos sites da Google. Coitadinhos.

      • Nuno V says:

        O problema é que existe no Javascript uma detecção específica do edge chromium para o depois bloquear. Não estamos a falar de uma lista de browsers suportados. Logo o teu argumento é inválido.

        Podes-me indicar onde se encontra “lista de exceções do “User agent””?

        • Carlos Gomes says:

          Tem prova do que afirma? É muito diferente o não ser identificado em uma lista de browsers suportados (o que denota desleixo ou incompetência da MS se a razão não for intencional da mesma) ou identificar um browser muito específico para depois o bloquear. Estás duas possibilidades não são a mesma coisa, morando o diabo nos detalhes…

          • Nuno V says:

            https://paste.gus33000.me/?de84d7f053f0d4d4#KywL8N69uS2sy0+EK91g6z3m85hn77mElU+SsxURq4o=

            Posso perguntar porque razão é incompetência por parte da Microsoft por o seu novo browser não fazer parte da lista de browsers permitidos de um site de terceiros? Estás tão desesperado em fazer parecer que a Microsoft é culpada e a Google semi inocente que a qualidade dos teus argumentos caem no ridículo?

          • Carlos Gomes says:

            Porque a partir do momento que alteram a identificação do browser se torna previsível a ocorrência de problemas como o citado pelo referido browser não ser reconhecido como suportando algo que o site visitado requer. Aliás, a razão que pergunta é óbvia para quem use os neurônios, pelo que a sua pergunta era escusada se pensasse um pouco antes. E não quero provar que a Microsoft é a culpa. Só não ponho de lado essa hipótese ao mesmo tempo que relembro as amplas práticas da mesma neste domínio. E tendo está iniciado o jogo de tais práticas, não se queixe se hoje estiver sendo vítima de algo que já praticou amplamente.

          • Nuno V says:

            Não, tu tentas arrastar as culpas para a Microsoft a todo custo. O teu esforço é tão ridículo que usas um argumento sem qualquer pensamento critico. Claro que a Microsoft mudou o identificador do seu browser. Pensar que a Microsoft não deveria ter feito tal é no mínimo ridículo. Embora ambos os browsers mantenham o mesmo nome, estes são na realidade totalmente diferentes, com motores de renderização diferentes. O que tu sugeres era tirar aos desenvolvedores a hipótese distinguirem o Edge do Edge Chromium. A alteração do user agent faz todo o sentido. Olha como por exemplo para o Opera, que quando abandonou o seu motor de renderização Presto, em favor do WebKit, mudou o seu user agent de acordo. Noto também que ignoraste o dump. E dois errados não fazem um certo. Resumindo, não á fio por onde se pegue no teu argumento.

          • Carlos Gomes says:

            Não tento arrastar a culpa para ninguém, mas não excluo a possibilidade, pelo que quem está a ser ridículo aqui não sou eu. E não ignorei o “dump”, só que o mesmo não prova aquilo que refere como outro aqui já comentou, pelo que excluso de o fazer. E se a Microsoft quer mudar o UA, tudo bem, mas isso tem consequências como ela própria sabe (a validação do suporte dos browsers é feito pelo seu reconhecimento, pelo que um UA novo, ainda por cima de um produto beta, provavelmente encontrará problemas com o seu suporte). Por isso, o cego e “fan boy” aqui não sou eu (e eu que já pensava ter visto toda a burrice possível no mundo…!).

          • Carlos Gomes says:

            Para além de um pouco de pesquisa que aparenta não ter feito (pelo menos de forma diligente), veja entre outros: https://wccftech.com/is-google-blocking-microsofts-chromium-based-edge-browser/

          • Nuno V says:

            Esta conversa já se torna irritante. A Microsoft não quer mudar UA. A Microsoft tem que mudar o UA, ponto final paragrafo. Se tu não percebes como a web funciona e a utilidade dos UA, em vez de mandares postas de pescada sem cabimento calaste como um bom menino. Estás farto de escrever absurdidades.

            E mais uma vez não estamos a falar de uma lista de browsers suportados, se fosse tal a história ficava por aqui. O problema é que o código de JavaScript tinha uma secção DEDICADA para detetar o Edge Chromium. Com que propósito este existia, apenas a Google sabe. Mas que ninguém pode negar que é extremamente suspeito, visto até que no passado a Google já tomou decisões questionáveis no que toca a abuso de posição dominante. Como tal o caso que eu mencionei, em que a google usou uma versão descontinuada de uma API quando redesenhou o youtube, e por curiosidade esta versão descontinuada era apenas suportada pelos browsers baseados em webkit, todos os restantes, como o Firefox, Edge,… viram o youtube a ficar lento sem razão aparente.

            O artigo que colocaste refere-se ao caso do Youtube? Claro que não, mas tu com um bom desonesto colocas aqui como forma de desvio de atenções.

          • Carlos Gomes says:

            Irritante para si? Talvez…
            E você mais uma vez se recusa a fazer o básico: pesquisar! É certo que o artigo em causa não dizia respeito especificamente ao YouTube, mas explicava parte do porquê (o resto da pesquisa ficava para você fazer, algo que aprendi com o meu pai: a não dar a resposta completa, obrigando sempre a pesquisar!). De facto, a Microsoft alterou a base do Chromium, desativando diversas dezenas de funcionalidades do mesmo. Teve razões para isso? Talvez, nomeadamente ao nível do seu desempenho. Mas isso gera comportamentos imprevistos. Não se trata de bloquear um determinado browser, mas o de saber se determinadas funcionalidades são suportadas pelo mesmo. E isso pode dar origem aos problemas reportados. Aliás, nem todos se queixam do referido problema no YouTube, havendo mesmo quem afirme que este funciona normalmente no Edge (veja a secção de comentários de ). Por isso, acho que quem aqui está tentando forçar a barra é você. E sim, a Microsoft é historicamente conhecida pelas práticas anticoncorrenciais acima referidas, sendo pioneira no seu uso, pelo que não tem qualquer moral para acusar seja quem for da referida prática.

          • Carlos Gomes says:

            Por lapso ficou a faltar: https://www.ghacks.net/2019/05/28/googles-blocking-new-microsoft-edge-from-accessing-new-design/ [Tom Linton said on May 28, 2019 at 3:50 pm => Works fine on my Edge, same info displayed as Chrome.]

        • Guilherme Lino says:

          Ao contrario, existe uma deteção de todos os browsers conhecidos e suportados, tudo o resto é não suportado.
          O caso que aconteceu com o Firefox e o Youtube lento pode ter sido propositado, mas neste caso o Edge é novo, tem um indicador diferente, tem centenas de problemas, e niguém ainda o reconhece como um navegador suportado.

          O novo Microsoft Edge às vezes personifica ‘User agents’ de outros navegadores: (Para evitar este tipo de erros, de ser rejeitado pelo site)
          https://www.bleepingcomputer.com/news/microsoft/the-new-microsoft-edge-sometimes-impersonates-other-browsers-user-agents/

          https://config.edge.skype.com/config/v1/Edge/75.0.131.0?osname=win&channel=dev&clientId=%5Bid%5D&osver=10.0.18875&osarch=x86_64&osring=WIF&osedition=professional&ostelemetrylevel=full

          • Nuno V says:

            Não estamos a falar apenas de uma lista de browsers permitidos, se fosse tal seria perfeitamente normal acontecer isto enquanto os desenvolvedores não colocam tudo a funcionar. O problema é que de acordo com o dump de javascript do youtube, este estava a fazer uma deteção especifica do edge chromium. Isto para não falar que o Edge Chromium Canary foi lançado á quase 2 meses, e este problema materializou-se apenas recentemente.

          • Guilherme Lino says:

            1. Se for ver o código do Youtube há 1 ano, já lá existe “html5_vp9_live_blacklist_edge=true”. Vá a este link e vê:
            https://web.archive.org/web/20180331214215/https://www.youtube.com/

            A segunda parte do dump que partilhaste que diz “Edge Chromium”, é o identificador do navegador que a pessoa utilizou para abrir a página e criar o dump.

            2. Se fores a ver a resposta oficial em reposta ao gajo que partilhou esse dump link. Ele diz não houve “decisão consciente” por ninguém para excluir o navegador.
            https://twitter.com/gus33000/status/1133402355267977216

            3. O navegador anterior deles também se chamava Edge! O navegador da Microsoft já mudou mais vezes de nome do que de cuecas. IE/Trident/Edge
            Que agora o ‘User-agent’ vai ter de ser ‘Edg’ para evitar confusão.

            4. Atualização da MS, materializada recentemente, que interferiu com o youtube.
            https://windowsreport.com/kb4494441-youtube-video-bugs/

            Historicamente o navegador da Microsoft foi sempre o que deu mais problemas. E para já este não passa de um brinquedo.

          • Nuno V says:

            1. Não me refiro à variável, mas sim à detecção do browser. A Microsoft em parte alguma identifica o novo edge como edge chromium. Isto é um identificador do próprio YouTube. Logo a desculpa que o browser é novo e o YouTube ainda não o detecta não é válida, pois algures no seu código este identifica-o correctamente. É possível que realmente seja um erro genuíno, mas ninguém pode negar que é suspeito. Até porque este mesmo problema já afectou os utilizadores do Firefox. Bem como o YouTube já funcionou correctamente no novo Edge. Como Johnathan Nightingale disse: “Mistakes happen, but when you see a sustained pattern of “oops” & delay from this organization – you’re being outfoxed.”

            2. Podes-me dizer onde é que Gustave Monce disse que não houve decisão consciente?

            3. Lamento mas estás a inventar. A Microsoft nunca chamou o seu browser trident. Trident era o motor de renderização do Internet Explorer. O UA do IE manteve-se largamente inalterado durante a sua existência, usando o formato: Mozilla/ (compatible; MSIE ; ). Com o lançamento do IE8, a Microsoft colocou também no UA a versão do motor de renderização, passando o UA para: Mozilla/ (compatible; MSIE ; ; Trident/). E assim se manteve até à última versão do IE. Com o lançamento do Edge, a Microsoft, compreensivelmente, mudou o UA. Com o novo edge, mudou ligeiramente o UA, apenas a identificação do edge que passou para edg. Resumindo, o UA foi mudado sempre que se trocou de motor de renderização, algo que é de esperar.

            4. Quê que o Edge tem a ver com o novo Edge? Já sei. Nada. E o bug a que te referes não é muito fidedigno, pois não o encontro mencionado em parte alguma para além desse único website. Falas também como se a Google não tivesse a sua longa lista de bugs.

  3. Ricardo says:

    Mais um artigo escrito ao abrigo da gramática Brasileira. Nada contra eles, porém está a acontecer com alguma frequência. Por favor de rever o texto

  4. Joaquim Alcobia says:

    “Desta vez é o YouTube que está a se limitado”
    “Desta vez é o YouTube que está a ser limitado”

  5. zedoido says:

    Quem diria, e ainda a procissao vai no adro!!

  6. Casuístico says:

    Google abusando das suas googladas, como sempre. Saudações.

    • andre says:

      e por estas coisas que quem usa o edge e internet explorer nao conseguem fazer nada na net… a google fecha tudo e depois ainda passa por ser amiga de todos…. como se ela quisesse o bem de alguem!!!!!!

  7. Marco says:

    Reparei que no Edge não consigo usar o “Dark Mode” do Youtube…
    Google e os seus bloqueios…

  8. Carlos Gomes says:

    Será que é mesmo o Google que está limitando? De qualquer forma, não interessa. A Microsoft sempre foi pioneira e praticante deste tipo de estratégia, corrompendo os standards e protocolos usados na internet. Se estiverem a ser vítimas de algo que praticaram e abusaram no passado, nada mais do que poético e merecido.

    • zedoido says:

      Nem mais, e ainda me recordo do tempo, em que a Microsoft, dificultava o mais possivel a instalaçao de outros web browsers no Microsoft Windows.

      • Jonas says:

        Podes explicar isso melhor? Nunca vi qualquer dificuldade de instalar outros web browsers no windows.

      • Jose says:

        Já tenho uns anos valentes e nunca deixei de usar o “browser” que quis! O que você refere é em relação ao facto de a Microsoft ter sido penalizada devido ao facto de colocar o I.E. de raiz no seus S.O. e que por isso mesmo foi multada na Europa. Usar outro browser sempre foi possível.

    • Jorge Carvalho says:

      Não é comparável com o que Google faz , e já há muito tempo.

      Abc

    • José Monte says:

      Nem mais. Bem lembrado!
      Embora essa não seja uma posição eticamente aceitável, de nenhuma parte.
      A verdade é que estão a provar do próprio veneno.
      Chupa Micro$$oft

      • Julioss says:

        Hunrum, bela bosta de comentário, qualquer asno sabe que uma empresa não tem pensamentos e nem ações, é apenas um nome com prédio e patentes registradas, quem faz as ações são os funcionários, e quando eles são alterados a empresa é alterada de forma igual

    • JJ_ says:

      Que standards e protocolos foram esses, que foram alterados e que não eram seus e não foi avisado previamente essa alteração?

  9. PauloM says:

    A questão é … consegue ver videos do youtube no novo edge? SIM (então está OK) … Agora não consigo abrir uma pagina especifica … normal “Eu ainda sou do tempo que no final da páginas web dizia algos do genero – Otimizado para o IE” … por isso não estranho. Quando tenho problemas uso outro browser. 🙂

  10. alan says:

    mais existe o beta que ainda esta na fase de teste.
    esse google vai broquear quase tudo do novo edge

  11. João says:

    Não tenho pena nenhuma da Microsoft!!! Não se quiseram meter com as abelhas?!

    Mas isto só mostra o quão “bonzinhos” são a malta da google. “Do no evil” yeah, right!!!

  12. fak says:

    é por estas que nunca na minha vida me vão apanhar a usar chrome, se a empresa que o desenvolve já é assim nem quero saber os segredinhos que lá andam no chrome…
    se tiver de escolher, mais rapido confio nos chinocas que na google.

    • PauloM says:

      … pelo que sei na maioria dos sites, incluindo alguns chinocas partilham logs com a google, sendo a recolha directa ou indireta. 🙂 . Em relação ao browser eu sempre gostei do Maxthon, mas mesmo este por vezes tresmalha-se … fazendo com que use menos, no entanto desde que apareceu o novo edge que o utilizo … parece-me mais polido. Em relação a informação que recolhem, epá deixem recolher, … sempre houve e sempre vai haver nem que seja recolher dados das caracteristicas dos equipamentos para melhorar a utilização do utilizador, nem que seja durante a instalação validar se temos todos os DLL’s / (package’s em linux) instalados para o instalador possa ser instalado, piorando nos casos em que os instaladores requerem ligação a internet.

    • Jose says:

      Somos dois. O Chrome nunca me fez falta.

  13. alan says:

    achei uma extension do youtube com a nova aba (New YouTube Design for Edge Dev)
    quem quizer testar esta funcionando

  14. PauloM says:

    PS: … para quem percebe de protocolos, sabe que estes no header tem informações sobre a origem do mesmo. Ou seja quando acesso a uma pagina web, o IP do meu PC vai no header. 🙂

  15. jedi says:

    Acho muito estranho.

    Acho que o Opera nao teve problemas semelhantes e o vivaldi também não.

    • Carlos Gomes says:

      Isso indicia, tal como fica claro na notícia em apreço, que há alterações mais profundas ao código do chromium que uma mera alteração do UA e do polimento da interface gráfica (aquilo que o utilizador vê e interage). Incompetência dos programadores da Microsoft? Não creio. Para mim é bem mais viável uma explicação em torno dos bons e velhos truques tão típicos da Microsoft no passado, só que agora jogando numa posição não dominante do mercado, se fazendo de vítimas. Nada me espantaria, dado o seu histórico, que esses problemas resultem de incompatibilidades propositalmente introduzidas com mudanças no código que vão muito para além do UA e da interface com o utilizador… Abraçar, extender, e extinguir, a estratégia de marketing tão utilizada no passado pela Microsoft. Não que a Google seja Santa, e apesar de eu não acreditar de caras que a Microsoft esteja aqui a ser vítima, se esse mesmo assim for o caso, bem o merecem.

      • Nuno V says:

        E quando a Google redesenhou o Youtube fazendo uso do Shadow DOM, versão 0, versão esta que já tinha sido descontinuada e que apenas os browsers baseados em webkit ainda possuem suporte para esta, significando que nos restantes browsers fosse extremamente mais lento carregar o youtube? A tua visão é extremamente enviesada. Tu próprio reconheces que o que a Microsoft fez foi mal, mas na tua regra de dois pesos duas medida, já não há problema se for a Google a o fazer o mesmo. Simplesmente patético o teu comentário.

        • Carlos Gomes says:

          Não é não haver problema. A ser real, é um ato eticamente condenável. Mas lá há o ditado que diz: ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão. Neste caso, Microsoft que não se faça de coitada e aprenda que a partir do momento que adotou tais práticas se legitimou a ser vítima das mesmas. E volto a dizer: está longe de haver outras explicações para o sucedido que não seja um ação deliberada da Google, podendo mesmo ser uma jogada da própria Microsoft: é que o que estará em causa será mais do que uma alteração do UA e da interface, algo que sem grande dificuldade pode ser um ato deliberado da própria Microsoft para colocar os utilizadores contra a Google e assim reganhar quota de mercado, até por que ainda mantém uma posição dominante no mercado de SO para Desktops. E sendo uma estratégia em que a Microsoft foi perita no passado, não lhe será agora muito difícil de a voltar a adotar numa situação diferente, passando para o papel de vítima de logo pelo qual pode até ser responsável.

  16. Miguel Carvalho says:

    Qual a diferença entre o Google Chrome e o Chromium e quando é que o Cortana está disponível em pt-pt?

    • Jose says:

      Boa questão! Quanto à Cortana é uma vergonha que as empresas esqueçam mais de 70 milhões (todos os outros lusófonos) que têm o sotaque deste lado do atlântico! É caso único em que a norma e o sotaque do país de origem da lingua é sempre colocado em segundo plano ou nem sequer é contemplado. Não me faz confusão alguma ouvir o sotaque brasileiro – não só tenho familia como imensos amigos dessa nacionalidade -, mas para mim é mais lógico ouvir e ler algo na norma a que estou habituado, eu que nem sequer uso o famoso e infame A.O. Nem na minha tese o uso, por ser já de si um anacronismo total, não é evolução, é aselhice e trabalho mal feito! Ao fim deste tempo todo seria bom que a Microsoft, cujas sedes da Europa, a portuguesa é considerada se não a melhor já o foi diversas vezes considerada como tal. Era um sinal de respeito por esta velha nação com uma lingua mais falada que o italiano, francês ou o alemão e em praticamente todos cantos do mundo, nação esta que já viu nascer e morrer muitas outras ao longo da História

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.