Quantcast
PplWare Mobile

Apple compara a Epic Games a ladrões que levam produtos sem pagar

                                    
                                

Fonte: Android Authority

Autor: Marisa Pinto


  1. Rrrrrr says:

    Quem responde “nao”, qual acham que seria o valor correcto? e porquê?

    • Joao Ptt says:

      Quanto cobram as empresas de cartões de crédito? 3% a 15% da transacção? Dependendo da transacção e contractos comercias por volume e tal? A Apple deve estar mais próxima dos 3% se não for menos ainda, já que deve estar a lidar directamente com as plataformas dos cartões de crédito e não com intermediários, mais uma pequena percentagem para os custos de desenvolvimento e manutenção da plataforma de vendas e alojamento… talvez 10 a 12% pareçam valores mais ajustados? Ainda exagerados, dado que as empresas que vendem os programas conseguem os tais pouco mais que 3% de comissão das empresas de cartões de crédito se tiverem bons volumes de vendas e forem pouco propícios a pagamentos fraudulentos… mas a esses custos ainda acresce o alojamento e tal, que se calhar de qualquer maneira já têm, e não sei até que ponto lhes come o lucro de cada venda, talvez dependa do que vendem e a quanto o vendem.

      • Atento says:

        Quanta ignorância …
        Há mais de 4 anos que as comissões têm regulamentação que as limita a um teto máximo no espaço SEPA … (0,3% para cartões de crẽdito e 0,2% para cartões de débito).
        Se os bancos cobrassem 3%, caía o Carmo e a Trindade …

        https://paytechlaw.com/en/interchange-fee-regulation/

        • Joao Ptt says:

          Se isso for verdade, e sei lá eu como está realmente escrita a lei, que geralmente deixam sempre muito espaço para cada um interpretar o que quiser, só o é no espaço SEPA, nos EUA as empresas cobram esse tipo de taxas.

          • Atento says:

            Apenas para esclarecer que nos EUA a regra foi implementada 10 anos antes de o ser na Europa (com o limite de 0,4%).
            Na realidade, a reação dos bancos, lá, foi um pouco diferente, desivestiram no mercado dos pagamentos com cartão e os lojistas foram forçados a emitir e suportar as suas próprias redes de pagamento com cartão (ex. Walmart) para não terem que gerir fluxos de tesouraria monstruosos com risco inerente. Estas acabaram por fazer acordos com os bancos para utilização das infreaestruturas, mas o mercados dos cartões nunca mais foi o mesmo (por causa das indisponibilidades e fragilidades da infraestrutura, nomeadamente com a fraude).
            Por cá (diga-se Europa), seguimos mesmo caminho … alegres e contentes, porque quem acaba por pagar é sempre o parvo do costume.

      • Ze says:

        Quanto cobra o pingo doce/intermarche para os produtores terem la os produtos expostos?? Sabes???
        Ah pois é. Pode chegar a 100%!!!

    • Rúben Fernandes says:

      Talvez, 10,15%. Valor justo, para quem só alberga a app, os criadores deveriam ter uma margem de lucro maior. Tendo em conta os downloads, dinheiro mais que suficiente para a Apple, receber. Mas estes assuntos deveriam ter sido discutidos antes.

  2. Joao Ptt says:

    Pelo menos a Apple está a colocar-se a jeito para levar com um processo anti-trust, por estar a limitar artificialmente o acesso de terceiros à sua plataforma forçando-os a utilizar a sua plataforma de vendas com as suas comissões.
    Não sei se os 30% de comissão nas vendas não é excessivo mesmo tendo em conta que tratam dos pagamentos e alojamento das aplicações na sua loja, mas se estiverem a impedir a instalação de aplicações de lojas de terceiros ou mesmo de aplicações directamente instaladas parece claramente um forma de domínio de mercado, pelo menos do mercado de produtos Apple, que não parece correcto, mesmo que a Apple ache que é essa a sua filosofia e que quem não quiser pode ir comprar outra coisa qualquer. A livre concorrência é para promover mais e melhor oferta para as pessoas, se está tudo fechado o incentivo para melhorar o serviço é pouco ou nenhum… é como imaginar um país onde só deixam existir um shopping center, tem todas as condições e tal… mas só podem ir a esse, e ninguém pode construir mais nenhum nem usar mais nenhum… quem não gostar que vá comprar para outro país, é uma regra do país, talvez tenham o direito, mas será correcto?

    • Vítor M. says:

      Os 30% são o “normal” no mercado. Pode efetivamente ser um valor alto, mas face ao que a App Store oferece (em todo um ecossistema) e face ao que a Epic na sua loja oferece, provavelmente os 12% de comissões da Epic são bem mais caros.

      A título de curiosidade:

      – Apple App Store: 30% (15% para subscrições depois de 12 meses)
      – Google Play Store: 30% (15% para subscrições depois de 12 meses)
      – Amazon Appstore: 30% (20% em subscrições para streaming de vídeo)
      – Samsung Galaxy Store: 30% (ou o valor acordado entre as partes)
      – PlayStation: 30% de comissão
      – Xbox: 30% de comissão
      – Nintendo: 30% de comissão
      – Steam: 30% até de 10 milhões; 25% entre 10 e 50 milhões; 20% acima de 50 milhões de dólares
      – Epic Games: 12% de comissão.

      • AqueleAmigo says:

        “Epic na sua loja oferece, provavelmente os 12% de comissões da Epic são bem mais caros”

        Não me espanta ver-te a defender a Apple. É o tradicional, mas ficam bem mais caros como? Se eu só quiser gastar dinheiro num único jogo como é que isso não compensa?

        Aqui a única questão é que 30% é demasiado alto, e mesmo esses 15% não é muito melhor. As grandes empresas vão buscar o verdadeiro lucro a outro lado, portanto esta taxa (sequer!) é rídicula.

        • Vítor M. says:

          Não estou a defender nem a atacar, até porque os dados reais que deixei, ao contrário de ti, é informação útil e dão conta dos valores de todas as lojas mais preponderantes.

          Apenas a constatar.

          Sobre o valor das taxas e o que elas representam, ora pensa… antes de falares 😉

      • EM says:

        Excelente trabalho de informação!
        Acho que, tanto a Apple, a Google e todos os outros aqui presentes, têm todo o direito de taxar os vendedores, dado o serviço (ecossistema) que oferecem. O serviço que disponibilizam não cai do céu, leva anos a desenvolver e tem custos de manutenção associados.

      • traveler says:

        Já agora o que oferece? se a Epic meter o jogo a correr pelo browser o que tem que pagar?

      • jose says:

        Pois, quem votou no NÃO nem chegou a pensar nos custos que a Apple e outras plataformas tem para manter a Store, há que manter o repósitorio, verificaçao de virus, filtrar conteudos, manter o sistema de pagamentos, etc, varias equipas a trabalhar nisto… Portanto a resposta mais correcta aqui seria o “SIM”, embora seja debativel se 30% é justo ou não, mas coomo mostrou o Vitor os 30% sao constantes em varios ecossistemas…

  3. Celestino says:

    Não comparem a App Store com o Google play. No android e em qualquer outra plataforma com store existem alternativas de ter as apps.
    A Epic já deixou claro que não tem qualquer problema com os 30% da app store, mas sim com o monopólio da Apple não permitir qualquer outra forma de distribuição de software.
    Juntamente com a filtragem de apps que entram na loja por conveniencia a Apple, existem varios relatos de apps a serem bloqueadas na tentativa de serem colocadas na loja por concorrerem directamente com apps da Apple.

    • FAR says:

      “A Epic já deixou claro que não tem qualquer problema com os 30% da app store, mas sim com o monopólio da Apple não permitir qualquer outra forma de distribuição de software.”

      Onde? Fontes sff. Obg

      Ab

  4. indignado says:

    5/10% é mais que suficiente, a manutenção da plataforma de apps apple/google não é assim tão cara de manter, o custo maior é o de implementação e desenvolvimento inicial tal como qualquer plataforma online, uma vez implementada (e já está implementada há anos) é uma questão de efetuar apenas manutenção e melhorias.

    Podemos comparar a taxa das lojas de apps ao que pagamos de portagens, a longo prazo o preço das auto-estradas está mais que pago mas continuam a mamar á nossa custa.

    • Vítor M. says:

      Não é só a manutenção (que é uma valor colossal, em termos de segurança, por exemplo). Agora a Apple oferece o mercados dos jogos para os iPad, para o iPhone, para os Macs, para a Apple TV, para o Apple Watch… é uma mina para os developers. Já o desenvolvimento, manutenção e ampliação deste ecossistema é muito caro (mas muito rentável claro, para a Apple).

      Ainda agora a Apple avisou o WordPress, que se fez de lorpa…. a dizer que não vendia nada com a sua plataforma gratuita.

      A Apple “lembrou” que o wordpress.com fatura milhões à conta da plataforma e da estrutura que a app para iOS ajuda a promover. Se ganha, não terá de pagar nada?

      Tem pois, se dentro de 30 dias não colocar essa compra in-app, salta fora também. E como tem milhões de utilizadores, o responsável da empresa disse logo que dentro de 30 dias está tudo como a Apple tem nas regras. 😉

      • indignadoindignado says:

        Uma pesquisa rápida pelo Google encontrei este link https://www.apple.com/pt/newsroom/2019/10/apple-reports-fourth-quarter-results/

        Não fui validar no relatório também presente no link mas este resumo diz tudo :

        Apple is providing the following guidance for its fiscal 2020 first quarter:
        revenue between $85.5 billion and $89.5 billion
        gross margin between 37.5 percent and 38.5 percent
        operating expenses between $9.6 billion and $9.8 billion
        other income/(expense) of $200 million
        tax rate of approximately 16.5 percent

        Se a app store ganhase 10% em vez de 30% ainda tinha lucro, as despesas de operação são mínimas em relação aos lucros, podem bem dar mais algum a quem desenvolve e lhes trás o lucro sem mexerem um palha.

        Podem compar a app store as cooperativas de agricultores, pagam uma miséria aos agricultores e revendem as grandes superfícies que tem todo lucro, um agricultor ganha cêntimos ao kg se forem ao hipermercado o preço e 4 ou 5 vezes superior ao que o agricultor recebe e não me venham com a historia da cadeia de retalho é cara eu conheço alguns agricultores que vendem a cooperativas que depois revendem a hipermercados é uma vergonha.

      • EM says:

        Por acaso não sabia que a WordPress tinha metido a pata na poça… xD
        Seria um bom artigo aqui para o PPLWARE!

      • traveler says:

        Em relação ao que o Vitor diz da wordPress a PPLware também tem uma APP na loja será que também vai pagar 30% de toda a sua faturação a Apple?

  5. gabriel b says:

    Quem acha justo os 30%, pode já ir cavando a cova…

  6. Ricardo Pinto Carvalho says:

    Eu respondi não porque parece me claramente que as lojas oficiais, não têm nenhum impacto na criação do produto oferecido na loja simplesmente são distribuidores, e que no caso específico da Apple obriga a exclusividade dos usuários a usar a sua loja (claramente concorrência desleal) isto não acontece outras áreas de comércio já k os monopólios estão claramente proibidos, mas são situações k as grandes empresas gostam de não cumprir.
    uma taxa de um 10% já me parece mais k suficiente e esse benefício deveria ser usado para manter as lojas seguras e limpas coisas k nos dias de hoje não acontece, já que tanto a Apple como a Google têm as lojas cheias de malawere.
    outras lojas deviam ser criadas e permitir que os usuários tenham mais liberdade de escolha,permitindo aos criadores de conteúdo mais benefício directo sem ser necessário estragar o producto com publicidade excesiva k é o k acontece hj em dia.
    Isto é só a minha opinião, e não percebo demasiado de ti até negócio, mas parece k as grandes empresas continuam a ter demasiado monopólio impedido as novas de crescer.

  7. Abreu says:

    30 % acho um abuso, e que nem e 30 por cento dos lucros e logo 30 % a venda .
    Acho 15 por cento mais que suficiente!

    Acho que a empresa de Copertino vai sair mais prejudicada que a epiC, e claro se a Apple abrir excepções a epiC muitas mais empresas vão querer o msm … E lá vai a bola de neve…

    Abc

    • Vítor M. says:

      Vai? Olha que não. Repara no mercado:

      – Apple App Store: 30% (15% para subscrições depois de 12 meses)
      – Google Play Store: 30% (15% para subscrições depois de 12 meses)
      – Amazon Appstore: 30% (20% em subscrições para streaming de vídeo)
      – Samsung Galaxy Store: 30% (ou o valor acordado entre as partes)
      – PlayStation: 30% de comissão
      – Xbox: 30% de comissão
      – Nintendo: 30% de comissão
      – Steam: 30% até de 10 milhões; 25% entre 10 e 50 milhões; 20% acima de 50 milhões de dólares
      – Epic Games: 12% de comissão.

      Sabes que, como se viu, a Apple não está sozinha. Porque a Google percebeu logo que pode ser (como referiste) uma bola de neve. Como tal, se a Epic continuar a jogar este jogo, pode saltar noutras plataformas, como nas consolas e aí a coisa pode ser muito complicada para a Epic. Mas… vamos ver como ficam as coisas com os motores dos jogos e afins 😉

    • Hugo says:

      Bem-vindo ao mundo real.
      Quando compramos produtos nos hipermercados, na sua grande maioria, também são vendidos ao dobro do preço de compra.
      O produtor mata-se a trabalhar, embalar marcas “brancas”, para depois vender o mesmo produto, mais barato e ainda fazer concorrência a si próprio.

  8. Dc says:

    Sem dúvida que deve ser cobrada uma comissão. Agora a percentagem na minha opinião é que é alta e não só para Apple e a Google, Microsoft/Xbox, Playstation, Nintendo, etc, todas essas lojas cobram 30%.
    Se a Epic consegue “sobreviver” com os 12% as outras certamente também conseguem.

    • Vítor M. says:

      Consegue sobreviver? Como assim? O maior incoming da Epic não é de certeza a sua loja 😉 mas sim a loja da Apple, Google e afins..

      Milhões que ganha nas duas maiores lojas 😉

      • indignado says:

        Eu conheço a epic desde Unreal 99, muito antes de haver app stores já a epic era uma grande criadora de jogos.
        Duvido que precise de qualquer app store se as plataformas forem obrigadas a permitir outra fontes de de apps que não as oficias.

        • Vítor M. says:

          Então porque não vai embora? Porque criou jogos para Android e iOS? Não criava então 😉

          Vai ver de onde lhes chegam os milhões.

          • indignado says:

            Não ponho em questão a escolha de entrar nas lojas de apps mas a longo prazo começaram a fazer as contas, eu fazia o mesmo testava e depois avaliava os resultados vs custos.
            De certeza que os custos de manutenção das lojas é inferior a produção de conteúdos para os jogos/apps. As lojas de apps fazem as melhorias para todos os utilizadores de uma vez mas o produtor de apps faz as suas próprias melhorias, se somarmos custo de manutenção de todos os criadores de apps vs o custo de manutenção das lojas de apps onde e que está a maior despesa ?
            Para android até há lojas alternativas se bem que não são como é óbvio anunciadas pela Google tanto quanto sei para a loja da apple não é sequer permitido lojas concorrentes. Mas corrijam-me se estiver enganado.
            Imagina a Apple ser obrigada a permitir lojas concorrentes e tanto a Apple como a Google ser obrigada a no primeiro boot do dispositivo apresentar ao utilizador a lista de lojas disponíveis, imagina um menu como chegou a haver no Windows para a escolha de browsers alternativos ao IE, achas que a Apple e a Google vão alguma vez aceitar dar alternativas aos utilizadores sem serem obrigados ?

          • Vítor M. says:

            Normal, a Apple, a Google, a Microsoft, A Amazon… não são a Santa Casa. O foco deles é o lucro e cada vez querem lucrar mais, por isso investem mais. Cada vez têm mais plataformas, investem para as fazer crescer. Por exemplo, a Apple gastou milhões para ter o Apple Music. Essa plataforma tem de pagar aos músicos e às editoras, tem de ganhar dinheiro para manter o serviço e gerar lucro. Para isso tem a plataforma disponível no iOS, no macOS, no watchOS, no tvOS. Para isso gastou ou investiu muitos milhões a desenvolver e adaptar as plataformas. Quer receber esse retorno.

            Na App Store, quer a Apple, como a Google, têm impostos a pagar, têm milhares de funcionários a olhar e a gerir aquilo, têm questões judiciais, têm desenvolvimento dessas plataformas, e querem aumentar a satisfação dos clientes para os programadores que lá têm as apps ganharem também mais. Não te esqueças que a Apple só ganha 30 se o programador (ou editora) ganhar 70 😉 nunca te esqueças disso.

            E mais, a Apple tem um sistema que quem quiser jogar tem mesmo de pagar, não dá para contornar e usar a app sem o programador ganhar o seu. 😉

        • Zé Povinho says:

          E quem te diz a ti que os utilizadores do IOS e Android, poderão confiar no código da App que a Epic pode vir a fazer?
          Eu não confiaria! Os teus dados para eles valem milhões e não estou a falar dos teus propriamente ditos mas dos teus Contactos.
          A Apple coloca restrições severas quanto ha captura de dados dos equipamentos, o Android “também” mas na hora de instalar o utilizador pode instalar de uma loja de terceiros com a app alterada, depois vais-te queixar a quem?

  9. Os Rótulos says:

    Quem quiser ler o documento todo:
    https://cdn.vox-cdn.com/uploads/chorus_asset/file/21807196/file0.58943333434048.pdf

    Lê por exemplo:
    “ Durante anos, a Epic tem aproveitado tudo o que a App Store da Apple tem a oferecer. Beneficiou das ferramentas, tecnologia, software, oportunidades de marketing e utilizadores em todo o mundo que
    a Apple providenciou para que pudesse trazer sua criatividade para o iOS e aproveitou os tremendos recursos que a Apple coloca na App Store para inovar constantemente para criar novas oportunidades para developers, bem como rever e aprovar cada app, mantendo a App Store segura. A Apple investiu numa ampla gama de ferramentas, software e serviços para os developers. Por exemplo, a Apple agora produz 150.000 interfaces de programação de apps (“APIs”) (que fornecem aos developers acesso imediato a ferramentas técnicas que simplificam e aceleram o processo de desenvolvimento). ”

    É que isto às tantas parece que é a Epic que tem o trabalho todo e quem desenvolve os SO e APIs e as stores não têm nenhum. Apple, Google, Microsoft (Xbox), Sony (PlayStation) e Nintendo cobram os mesmos 30% a app de terceiros vendidos nas suas stores (a Apple 15% em assinaturas a partir do segundo ano).

    30% é muito? Talvez, mas é preciso fazer contas – para todos, não é só para a Apple. Mas não foi isso que a Epic fez no Fortnite e no processo em tribunal, ao contrário do que sugere o inquérito do post. Dos 30%, numa compra feita na App Store ou no Google Play, mas direcionada para a loja da Epic, o utilizador pagava menos 25% pela app, a Epic ficava com mais 5% e a Apple e a Google sem nada. Claro que o jogo foi corrido dos dois stores.
    Quanto à Epic, não é um coitadinho de um developer – é uma empresa que vale milhares de milhões de dólares. Um dos acionistas é a gigante tecnológica Tencent.

    • Vítor M. says:

      Exatamente. E ganhou milhões dentro da App Store. A Apple referiu a empresa como multi bilionária.

      • Os Rótulos says:

        E quanto pagou a Tencent (chinesa, acionista da Epic) à Apple pelos jogos que tem no top da App Store? Não é só a Epic. Obviamente que há grandes empresas interessadas no fim/redução das comissões cobradas pelas empresas que desenvolvem as plataformas.
        Estamos a falar de dinheiro e de modelos de negócio. Isto não é os bons dum lado e os maus do outro ou David contra Golias.
        O “David”, coitado, é o programador que trabalha para a EPIC ou para a Apple ou o developer que lhes quer vender as suas apps.

        • Vítor M. says:

          Isso é outro assunto. O que a Epic paga aos seus programadores é outro tema. Mas sendo uma empresa multi milionária, assuntos salariais não têm a ver com a taxa da App Store ou Play Store.

          Quanto aufere a Epic por ano na App Store? Quanto aufere diretamente na sua loja?

  10. Fulano says:

    30% é excessivo seja qual loja que tenha a app.
    Se cobrarem entre 5 a 10% toda a gente fica a ganhar. No caso da Apple a meu ver é simplesmente pura ganância e por terem de obrigatoriamente mostrar lucros aos share holders todos os trimestres.
    Não defendo as outras plataformas de também cobrarem demasiado, mas existe sempre forma de instalar o produto fora das lojas.
    Isto ainda vai fazer correr muita tinta e não estou a ver nem Apple nem Google a saírem a ganhar. E no caso da Apple é ainda mais grave pois tentam sempre sufocar financeiramente quem os mete (e normalmente sempre com razão) em tribunal.

    • Vítor M. says:

      Então se for de forma ilegal a instalação já não te importas verdade? Se der para roubar a empresa, 30% está bem 😀

      Isso sim é verticalidade.

      • HRamos says:

        Vítor a maior parte destes meninos só querem almoços grátis, ainda hão-de exigir iPhones grátis com o software preferido instalado de raíz. Não são do tempo que o Photoshop custava uma pipa de massa. Enfim.

        • JJ_ says:

          O Photoshop custava uma pipa de massa, mas a Adobe não ganhava mais nada com as vendas dos trabalhos realizados pelos que compravam o Photoshop.

          Por exemplo, um fotografo de casamentos, com apenas 2 casamentos pagava o Photoshop… mas ele era capaz de fazer dezenas de casamentos, com a mesma licença. Ou seja, a partir do segundo casamento era 100% lucro para o fotografo.

          • HRamos says:

            Pois não ganhava, só com a próxima versão, mais outra pipa de massa, pois! Gostei dessa contabilidade ou estudo económico que fizeste sobre os fotógrafos, já me ri o suficiente por hoje, e continuo a dizer, estes meninos querem almoços grátis, o que pelas tuas contas a partir do segundo casamento é só lucro, ahh que bom.

      • Cicrano says:

        Que eu saiba e creio que é do conhecimento geral e até aqui já noticiado, existem alternativas á Play Store que são totalmente legais e que provavelmente têm uma taxa muito inferior que benifecia tanto o developer como a loja.

    • HRamos says:

      Correcção, o consumidor não fica a ganhar. Possívelmente fica no mesmo.

  11. Danny Huang says:

    App Store assim como as demais lojas de app, é como se fosse um shopping fisico, e como tanto, tem custos para manter a estrutura e garantir a funcionalidade, alem disso, quando se inscreveram ao serviço, estavam de acordo com os valores cobrados, por que de fazer alarde uma vez que assinaram o contrato de divulgação de seu app nesse shopping???

    • HRamos says:

      Porque apercebeu-se do potencial da loja e quer a base de clientes da Apple, e toda a infraestrutura de borla, para tal pretende alterar a estrutura interna do iOS tendo acesso root para vender na sua loja as aplicações para o iOS. A Apple não o permite, e por isso está birra do Sweeney.

  12. Samuel MG says:

    Já existem muitas empresas que querem renegociar o valor que a Apple e a Google cobram. Querem que o valor baixe

    • Os Rótulos says:

      OMG!
      Não me digas que querem que que o utilizador compre os jogos mais baratos, baixando as comissões da Apple e da Google? E em quanto estão dispostas a diminuir os lucros para baixar os preços?

      É que o que a Epic fez relativamente ao Fortnite, na App Store e Google Play, foi: o utilizador pagava menos 25%, a Epic recebia mais 5%, a Apple e a Google, que desenvolvem os SO, as API usadas nos jogos e os stores não recebiam nada.

  13. ToFerreira says:

    Não entendo a discussão… Se 30% é muito, que não usem a plataforma, ninguém os obriga. É curioso defender que sejam os clientes a estabelecer os preços (ou margens de lucro) nas lojas.

  14. Rafael says:

    O importante é a treta.

  15. JJ_ says:

    Eu respondo a esta questão com um “Sim” e com um “Não”.

    SIM – Deve cobrar essa ou outra qualquer valor de comissão a sua escolha, para vendas de um app. Será o mesmo de se ir a uma loja e comprar um software numa caixa. A comissão fica a com base no acordo entre a loja (App Store) e o produtor (dona da app).

    NÃO – Assim como quando eu compro um software e ganho dinheiro com a sua utilização, não pago a empresa que criou o programa nenhuma comissão. A App Store não devia cobrar qualquer comissão sobre vendas realizadas dentro das apps.

    Como já disse anteriormente, esse tipo de taxas, antes até podiam fazer sentido, porque o mercado era novo e havia menos concorrência de apps. Com o aumento de apps a concorrência aumenta, e a margem de ganhos por parte dos programadores começa a ser cada vez mais reduzido. Mas para a Apple e outros, os ganhos são sempre os mesmos, porque se antes ganham de meia dúzia de apps agora ganham de centenas que veem-se obrigadas a reduzir o preço de venda.

    • rodrigo says:

      Essa tua segunda comparada com software não ‘e bem assim. Quando existe vendas dentro das apps, continua a ser utilizadas os APIs que a apple criou.

    • Os Rótulos says:

      Deixa cá ver se eu percebo: “A App Store não devia cobrar qualquer comissão sobre vendas realizadas dentro das apps.” Não se fala de reduzir a comissão, é não cobrar nada, como pretende a Epic.

      Ou seja, põe-se uma app de um jogo na na loja da Apple ou da Google, grátis ou a um preço simbólico. Abre-se a app e sem mais chatices compra-se instala-se o jogo propriamente dito, ou uma extensão, sem pagar comissão. Isso é exatamente o que a Epic quis fazer com o Fortnite, na App Store e Google Play – e por isso o jogo foi corrido de ambos. O jogo foi desenvolvido com as APIs criada pela Apple pela Google e corre num SO por elas desenvolvidos – mas não têm direito a nada.

      Outra coisa são as compras de produtos dentro da app. Por exemplo um e-book. O contributo da empresa que desenvolve a plataforma (Apple/iOS ou Google/Android) é muito reduzido. Por isso, pode-se perfeitamente comprar e instalar no iOS e-books da Amazon (Kindle) ou da Kobo. Vai-se ao site da Amazon ou da Kobo comprar e pagar o e-book e quando se abre a respetiva app no iOS o e-book lá aparece. Não compro é o produto através da app, como faço com os e-books comprados à Apple, mas isto de trabalhar para os outros de borla não rende. O que é facto é que posso comprar um e-book à Amazon e lê-lo na app da Amazon que está na Apple Store,grátis, sem pagar comissão. E há muito mais exemplos, como o Netflix.

      • JJ_ says:

        Mas o exemplo que das dos e-books é excelente.
        Se a Amazon ou a Kobo incluírem no menu da app um link para os seus sites com a indicação para comprarem lá os livros, isso já estaria a “violar” as regras da AppStore e a Apple tinha de retirar essas apps.

        Achas isso correto ou aceitável? Eu não acho…

        Caso digam (que eu não sei…) que esses links existem nessas apps, então o caso ainda é pior… A Apple esta a usar dois pesos e duas medidas… Se Amazon pode ter um link na app para o seu site, dando a possibilidade dos utilizadores comprar ebooks fora da AppStore, porque é que a Epic ou outras empresas não podem fazer o mesmo?

        • Os Rótulos says:

          Expliquei-mal, então, com os e-books.
          A app da Amazon (Kindle) não tem links que abram o browser para se comprar o e-book ao site da Amazon. Sai-se da app e com um browser, vai-se ao site da Amazon, pesquisa-se e compra-se o e-book. Quando se abre a app ele descarrega.

          Onde há duas medidas é na compra de e-books à própria Apple com a app da Apple (Livros). A Amazon, Kobo e outros consideram isto um abuso.

          Mas, enfim, a Apple vende os mesmos e-books que os outros, são concorrentes, não lhes facilita a vida. Mas não vende alojamentos, não é concorrente da WordPress. Para já a WordPress , na última atualização, anteontem, retirou os links, a Apple diz que o assunto foi resolvido. Acho que a Apple só ganhou má publicidade com isto.

  16. Jota says:

    Olha só quem está a chamar ladrões aos outros! Não têm espelho em casa?

  17. Euéquesei says:

    Há ladrões que pagam os produtos ao sair?
    Esta é nova, made by Apple.

  18. Pastilhas says:

    Se os programadores puderem evitar o checkout digital, será o mesmo que um cliente sair da loja da Apple sem pagar pelo produto roubado: a Apple não é paga.

    Mudando programadores para Apple e Apple para um país, daria algo do género…

    Se a Apple puder evitar o checkout digital, será o mesmo que um cliente sair da loja de um País sem pagar pelo produto roubado: O País não é pago.

    Mas não é precisamente isto que a Apple faz ao usar empresas de fachada precisamente para evitar pagar impostos e recorrer a paraísos fiscais como a Irlanda para poderem usufruir de todos os benefícios possíveis?

  19. jorge says:

    Vejam com a Holanda, a Irlanda, o Luxemburgo e a Suiça enriqueceram, foi precisamente a porem taxas mais baixas para as empresas porem as suas sedes nesses ditos paises, vejam o caso do pingo doce e de tantas outras, todas as lojas aplicam os 30% e porque so se atacam a Aplle, nao serao ciumes ou inveja.

  20. jorge says:

    A epic queria gratis para so ter beneficios, e explorar os atrasados mentais dos jogos.

  21. Jorge says:

    A epic queria era contornar o sistema e a fazer pagar os 9,99 $ em vez dos 12.99 $ era uma alegria, a Apple fez e muito bem deveria a Google fazer precisamente o mesmo, meter a epic na linha, se esta bem que faça um sistema operativo para ela e que faça o que ela muito bem entender.

    • Os Rótulos says:

      A Google fez precisamente o mesmo que a Apple, correu com o Fortnite do Google Play. Vê o primeiro parágrafo do post.

      O tiroteio nos comentários é na Apple, por ser o inimigo do costume. Assim já é um filme “David contra Golias”. Com dois Golias ficava mais complicado. Mas a Epic também não é um Davidzito. Vale milhares de milhões de dólares e tem como um dos grandes acionista a Golias tecnológica chinesa Tencent.

  22. Samuel MG says:

    Vou por o dedo na ferida:
    A Apple vem iCoisas/Macoisas a mais de 1000 euros quando custam 350/500 euros à saida da fabrica e ainda cobra 30% do valor da venda nas apps que nem se quer lhe pertencem. Parece-me apropriação de dinheiro indevido e segundo o que eu sei é crime em Portugal

    • Os Rótulos says:

      Mais um que acha que as os developers não usam as APIs que as empresas que desenvolvem os SO põem à sua disposição. E que nem é preciso desenvolver o SO onde correm as apps.
      Quem desenvolve as apps faz tudo, por isso até é crime a Apple ou a Google cobrarem comissão.
      É como um supermercado. O produtor leva lá os produtos só é preciso ter as prateleira para os colocar à venda. Mas até nisso se paga comissão .

      Quanto ao preço em peças e mão-de-obra à saída fábrica tem mais graça. Vai-se à loja das peças, compra-se, depois é só seguir as instruções de montagem – é crime gastar 300/500 dólares em peças e mão de obra e vender o smartphone a 1000. Claro que isso não acontece no Android 😉

      • JJ_ says:

        Os developers tambem usam APIs do Windows para os seus programas, mas não é por isso que eles tem de pagar uma comissão a Microsoft…

        • Os Rótulos says:

          É, a Microsoft é especial.
          Calha é cobrar os mesmos 30% em jogos para Xbox.

          • JJ_ says:

            Mas uma editora de jogos, pode fazer jogos para XBox e não é obrigada a por os jogos na loja da XBox. Pode vender em outros locais e o jogador jogar na XBox.

          • HRamos says:

            Essa é nova para mim, explica aí s.f.f. onde posso adquirir digitalmente o jogo fora da XBOX, da Playstation, nintendo…

          • JJ_ says:

            @HRamos… da mesma forma que compro para outras plataformas, como para a Steam.
            Não vou por aqui links, mas existe vários sites onde vendem jogos para as consolas digitalmente.

          • HRamos says:

            @JJ_ Mas põem os links, o meu puto tem uma PS4 e já agora aproveitava.

        • rodrigo says:

          por acaso tem de pagar a licença para a maquina poder ter o windows. E tambem pagam a licença para poder utilizar o Visual Studio ou seja qual for a aplicacao. Essas licenças nao sao nada baratas.

          • JJ_ says:

            Pode até pagar isso tudo, mas a Microsoft não vai ganhar nada mais pelas vendas que os programadores fazem. Alias o mesmo acontece com os MAC ou iOS, tem de comprar os equipamentos, nem que seja para testar.

            Alem disso, não é obrigatório usar o Visual Studio para fazer programas Windows. Pode ser uma ferramenta mais útil, mas não obrigatório.

            Mesmo assim um programador, até pode pagar uns 3000€/ano pelo Visual Studio, mas esse valor talvez possam representar apenas 10% ou menos das vendas que faz. E se não precisar dos serviços fornecidos pela Microsoft associados ao Visual Studio, pode comprar a versão standard que fica por 500€/licença, e só precisa de voltar a comprar quando surgir uma versão nova, se quiser.

            Por exemplo, eu faço e vendo apresentações PowerPoint. Pago pelo Microsoft 365 Empresas 126€/ano. Mas vendo cada apresentação por 50€. Se fizer 2 apresentações por mês, ao final do ano ganhei 1200€. Desse valor apenas 10% foi para a Microsoft. Mas se eu fizer 3 apresentações/mês, só foi para a Microsoft 7%. Se fizer 10 apresentações/mês, só foi para a Microsoft menos de 3%. No modelo de negocio da Apple, com as 10 apresentações/mês, anualmente a Apple recebia x10 mais.

            São modelos de negocio diferentes, mas na minha opinião não é o mais justo para os programadores o modelo da Apple.

          • HRamos says:

            Então porque não fazes modelos tipo para as apresentações e forneces a terceiros para fazerem as suas apresentações e venderem-nas? Seria justo para eles usarem os teus modelos feitos por ti para ganharem dinheiro.

          • JJ_ says:

            @HRamos… caso não saibas, existem muitos sites que vendem modelos, que por sua vez podem gerar receitas para que os utiliza.

          • HRamos says:

            @JJ_ Exacto vendem-nas, não as oferecem.

  23. Cortano says:

    A Apple criou a sua cena dos jogos que nao vale um charuto e não rende. Como não rende, agora viraram-se para os distribuidores e criadores de jogos para irem buscar o máximo que conseguirem.
    Que palhaçada.

    Limpem mas é a porcaria da loja que está cheia de jogos repetidos (só muda a personagem/historia), e onde jogamos 20 segundos e depois temos de gramar com 30 segundos de publicidade.
    A loja está cheia de lixo.

  24. Cortano says:

    Eu jogo World of Tanks Blitz. As compras faço-as na loja da MS ou Steam e uso a versão iOS para ganhar bonus.
    Temos pena Apple.

  25. Cortano says:

    Acerca das compras fora das lojas:
    P.ex., Eu comprei o Assassins Creed na Steam mas os DLCs compro na loja da Ubisoft.

    O que quero dizer é:
    o cliente tem e deve ter opções e alternativas. Não é por comprar um jogo na loja A ou B que tenho de ficar dependente dessa loja para comprar DLC.

    A Apple reclama,,, mas onde está o direito do cliente em poder escolher onde comprar conteúdos?
    Por isto é que eu não compro cenas na loja da Apple, não gosto de ficar preso a uma opção.

  26. traveler says:

    E se todos os softwares importantes se juntarem e saírem na loja? Facebook, Epic, WhatsApp, zoom, netflix, spotify.
    O que iria acontecer a apple?

    • rodrigo says:

      todos iriam sofrer. Ou achas que esses grandes nao precisam da apple tambem?

    • Os Rótulos says:

      Está-te a faltar cenas no filme.
      Netflix e Spotify não pagam comissões à Apple. Vais ao site da Netflix e da Spotify fazes a assinaturas e vês/ouves o stream nas respetivas apps no iOS.
      O que não existe nas apps é a possibilidade de fazer e pagar as assinaturas. Ao contrário das apps da própria Apple de venda serviços de música e vídeo, o que leva a Netflix e a Spotify a reclamar que se trata de concorrência desleal.
      Quanto à Epic já dei para esse peditório neste post.

  27. greego says:

    Fala o roto para o nu…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.