Quantcast
PplWare Mobile

Tags: galáxia

Cientistas dizem ter encontrado o primeiro planeta fora da nossa galáxia

A cada passo são descobertos novos exoplanetas na nossa galáxia e outros elementos que até ali eram desconhecidos. Aliás, o primeiro exoplaneta foi detetado em 1992 e, desde aí, milhares de outros foram já analisados pelos cientistas. Assim, estes estimam que a Via Láctea conte com cerca de 40 mil milhões de mundos.

Apesar de se encontrar a uma distância absurda da Terra, uma equipa de cientistas diz ter encontrado o primeiro planeta fora da nossa galáxia.


Há seis mil milhões de planetas semelhantes à Terra na nossa galáxia. Estaremos sozinhos?

Estaremos a ser imensamente pretensiosos ao pensar que somos os únicos seres inteligentes no Universo. Isto porque de acordo com novas estimativas dos astrónomos, que recolheram dados da missão Kepler da NASA, pode haver até um planeta semelhante à Terra para cada cinco estrelas parecidas com o Sol na Via Láctea.

Agarrando nesta possibilidade, haverá seis mil milhões de planetas semelhantes à Terra na nossa galáxia. Isto poderá fazer-nos pensar que muito provavelmente algum tipo de vida poderão ter esses planetas.

Ilustração de planetas parecidos com a Terra no meio de milhões de estrelas


NASA escolhe imagem de fotógrafo português e explica o que vemos no centro da Via Láctea

Miguel Claro é um fotógrafo profissional português, autor e comunicador de divulgação científica. Este astrofotógrafo foi destacado pela NASA na rubrica “Imagens do Dia” no site da agência espacial americana. A imagem captada mostra-nos, de forma muito fácil de perceber, “o campo estrelado de poeira no núcleo da nossa galáxia Via Láctea”.

Entre várias outras distinções atribuídas pela NASA, o fotógrafo tem uma coleção fabulosa de imagens no nosso Universo.

Imagem fotografia da Via Láctea por MIguel Claro escolhida pela NASA


Descoberto na nossa galáxia um buraco negro tão grande que não deveria existir

A nossa Galáxia, a Via-Láctea, contém cerca de 100 milhões de buracos negros estelares. São corpos cósmicos formados pelo colapso de estrelas massivas e são tão densos que nem mesmo a luz pode escapar. Até agora, os cientistas haviam estimado que a massa de cada buraco negro não era mais de 20 vezes maior que a do Sol. Contudo, eles estavam errados.

Uma equipa internacional liderada por cientistas chineses descobriu algo gigantesco. Além disso, esta descoberta é completamente inesperada. Este buraco negro, um colosso, tem uma massa 70 vezes maior que o nosso Sol e fica a 15.000 anos-luz da Terra.

Imagem gráfica de um buraco negro colossal que não deveria existir


NASA: Encontrados três buracos negros em rota de colisão

A cerca de mil milhões de anos-luz da Terra, os astrónomos descobriram um trio de buracos negros. Estes encontram-se numa colisão titânica de três galáxias. Para que fosse possível “ver” este sistema invulgar, foi necessário combinar vários observatórios na Terra e três telescópios da NASA.

Este sistema é conhecido como SDSS J084905.51+111447.2 (ou SDSS J0849+1114).